Erisipela

Erisipela e celulite são duas infecções com características semelhantes que se desenvolvem quando bactérias conseguem ultrapassar a barreira da pele, invadindo e infectando os tecidos subcutâneos.

O termo celulite causa alguma confusão por designar duas doenças diferentes. Aquelas irregularidades na pele por acúmulo de líquido e gordura, que tanto atormentam as mulheres, popularmente conhecida como celulite, é na verdade chamada em medicina de hidrolipodistrofia ginóide. Temos um texto específico sobre esse tipo de celulite (leia: CELULITE | Causas e Tratamento).

Neste artigo vamos falar da celulite, infecção da pele, que é uma lesão semelhante à erisipela e que nada tem a ver a celulite da medicina estética.

Infecções da pele

A pele é o nosso principal órgão de defesa. É ela quem mantém nosso meio interior isolado e impede que germes do meio externo invadam nosso corpo.

Qualquer objeto ou ser da natureza encontra-se repleto de bactérias, vírus, fungos e outros germes em sua superfície. Se não tivéssemos pele, nossos órgãos entrariam em contato direto com esses germes e teríamos uma infecção atrás da outra. Morreríamos de sepse (leia: O QUE É SEPSE E CHOQUE SÉPTICO?) logo após o nascimento e já estaríamos extintos há milhares de anos. Não é a toa que todos os seres vivos apresentam algum tipo de tecido que faça o papel da pele.

Se por um lado o interior do corpo fica isolado dos germes, por outro nossa pele encontra-se repleta destes. Qualquer material, seja orgânico ou não, quando exposto ao ambiente, adquire a sua carga de micróbios.

Quando abrimos uma ferida na pele, mesmo que muito pequena, ocorre uma quebra nessa barreira de proteção, expondo nosso interior aos germes do meio externo. As infecções mais comuns são aquelas que ocorrem por bactérias que vivem naturalmente na nossa pele e se aproveitam de qualquer lesão para invadir nossos tecidos subcutâneos.

A erisipela e a celulite são duas infecções de origem bacteriana que acometem as camadas interiores da pele, aproveitando-se de alguma lesão da mesma que sirva como porta de entrada.

Portanto, erisipela e celulite são infecções das camadas interiores da pele. Se não tratadas adequadamente, essas bactérias invasoras podem migrar para outras regiões do corpo, como a corrente sanguínea e órgãos internos.

Diferenças entre erisipela e celulite

Reparem na figura abaixo que representa as camadas da nossa pele. A grande diferença entre a erisipela e a celulite é o local onde a bactéria se aloja e causa a infecção. Na erisipela a infecção se dá nas camadas mais próximas do exterior, acometendo a epiderme e a camada mais superficial da derme. Já a celulite é uma infecção mais profunda, infectando o tecido gorduroso na hipoderme e a camada profunda da derme.

Camadas da pele
Camadas da pele

Sintomas da erisipela e da celulite

Ambas lesões são muito semelhantes e, às vezes, difíceis de serem distinguidas. Tanto a erisipela quanto a celulite se apresentam clinicamente como uma infecção da pele, ou seja, com rubor (vermelhidão), calor local, intensa dor e edema (inchaço) no local acometido.

Como a erisipela é uma infecção mais superficial que a celulite, algumas características ajudam no diagnóstico diferencial. Na erisipela a lesão costuma apresentar um discreto relevo e suas bordas são muito nítidas. Ao se examinar a pele é fácil saber aonde começa e aonde termina a infecção. A delimitação entre pele doente e pele sã é clara.

A celulite, porque acomete tecidos mais profundos, não apresenta sinais tão claros na pele. A lesão costuma ser mais difusa e nem sempre é possível saber exatamente aonde começa e aonde termina a infecção. Repare na foto abaixo de uma celulite na perna como não é tão simples saber em que parte do pé já não há mais infecção.

Na erisipela os sintomas sistêmicos, como febre, suores e calafrios costumam aparecer precocemente, assim que surgem os primeiros sinais de infecção na pele. Na celulite o quadro costuma ser mais arrastado, primeiro aparecendo a lesão, e só depois de alguns dias é que surge a febre. Outros sintomas da infecção podem ser perda do apetite, náuseas, vômitos, mal estar, inapetência e dores de cabeça.

Erisipela na coxa
Erisipela na coxa

A erisipela costuma ocorrer mais em crianças e idosos, já a celulite é mais comuns em adultos acima dos 50 anos.

Os membros inferiores são os locais mais acometidos tanto na erisipela quanto na celulite. Todavia, qualquer área da pele pode ser acometida.

Curiosidade: a orelha é um local que não possui tecidos subcutâneos, portanto, uma infecção nesta região só pode ser erisipela.

Nos quadros mais graves, a infecção torna-se mais difusa e a distinção entre as duas doenças é mais difícil. Alguns sinais de gravidade incluem a formação de bolhas, úlceras e necrose da pele. Quadros graves, com infecções profundas, podem evoluir para osteomielite, que é a infecção do osso. Outra complicação é a endocardite, infecção das válvulas do coração pelas bactérias que migram pela corrente sanguínea (leia: ENDOCARDITE).

Celulite no pé
Celulite no pé

Se não tratadas, a celulite a erisipela podem evoluir para sepse com elevado risco de morte para o paciente.

A erisipela costuma acometer os vasos linfáticos superficiais da pele podendo causar um edema linfático. Quando esta infecção ocorre cronicamente, a destruição destes vasos pode levar a um quadro de edema crônico semelhante ao que ocorre na elefantíase (filariose). É uma lesão muito comum em moradores de rua, principalmente nos mais idosos. O edema linfático é uma complicação típica da erisipela de repetição, mas pode também ocorrer na celulite.

Fatores de risco para erisipela e celulite

Como já foi dito no início deste texto, qualquer lesão que sirva de porta de entrada para bactérias torna-se um fator de risco para o desenvolvimento de infecções na pele. Entre as mais comuns podemos citar:

– Cortes e feridas simples.
– Pé de atleta (frieira) (leia: FRIEIRA | Pé de atleta).
– Eczemas.
– Impetigo (leia: IMPETIGO COMUM e IMPETIGO BOLHOSO | Sintomas e tratamento).
– Varicela (catapora) ou outras erupções da pele (leia: CATAPORA ( VARICELA ) | Sintomas e tratamento).
– Espinhas (acne) (leia: ACNE | CRAVOS | ESPINHAS | Causas e tratamento).
– Picadas de mosquito (leia: PICADA DE MOSQUITO | Tratamento e prevenção).
– Unha encravada ou qualquer outra lesão da unha (leia: UNHA ENCRAVADA E INFLAMADA).
– Micose de unha (leia: MICOSE DE UNHA | Onicomicose).
– Uso de drogas endovenosas.
– Queimaduras (leia: QUEIMADURAS SIMPLES | Tratamento e cuidados básicos).
– Mordidas de animais.
– Implantação de piercings (leia: PERIGOS E COMPLICAÇÕES DO PIERCING).

Além das lesões de pele, existem ainda outros fatores associados a um maior risco de erisipela e celulites:

– Obesidade (leia: OBESIDADE E SÍNDROME METABÓLICA).
– Diabetes (leia: DIABETES MELLITUS – DIAGNÓSTICO E SINTOMAS).
– Uso de corticoides (leia: INDICAÇÕES E EFEITOS DA PREDNISONA E CORTICÓIDES).
– Imunossupressão.
– Pacientes com edema crônico (por qualquer causa) (leia: INCHAÇOS E EDEMAS | Causas e tratamento).

Causas de erisipela e celulite

Duas bactérias que vivem em nossa pele são responsáveis por mais de 80% dos casos de celulite e erisipela. São elas o Streptococcus e o Staphylococcus . O Staphylococcus MRSA, uma forma multi-resistente desta bactéria, também pode causar infecções de pele (leia: STAPHYLOCOCCUS AUREUS | quais os riscos desta bactéria?). A erisipela costuma ser causada pelo Streptococcus, enquanto que a celulite pelo Staphylococcus. Isso, porém, não é uma regra. Várias outras bactérias podem ser responsáveis pelo quadro, incluindo Haemophilus influenzae, Yersinia enterocolitica, Streptococcus pneumoniae, Klebsiella pneumoniae, Pasteurella multocida, Pseudomonas aeruginosa e Clostridium

Tratamento da erisipela e da celulite

Por se tratarem de uma infecção bacteriana, o tratamento para essas duas infecções deve ser feito com antibióticos. O esquema inicial deve incluir uma droga que tenha ação sobre o Streptococcus e o Staphylococcus

A escolha entre antibióticos por via oral ou por via venosa deve ser feita de acordo com a gravidade do caso. Lesões na face, lesões graves ou em pacientes com imunossupressão devem ser preferencialmente tratadas com drogas endovenosas.

O tempo de tratamento costuma ser de 14 dias.

As principais escolhas são as penicilinas e seus derivados. Algumas opções incluem a cefalexina (leia: INFORMAÇÕES SOBRE A CEFALEXINA), flucloxacilina, dicloxacilina, amoxacilina, oxacilina e cefalotina. Alérgicos a penicilina podem ser tratados com eritromicina ou clindamicina.

Nos casos suspeitos de Staphylococcus MRSA (Staphylococcus resistente), o tratamento deve ser feito com vancomicina por via venosa.

O antibiótico correto é uma escolha do seu médico e o esquema pode variar de região para região de acordo com o perfil de resistência das bactérias.

Além dos antibióticos, o repouso e a elevação do membro acometido são importantes pois ajudam a diminuir o edema e aliviam a dor.

Nos casos de erisipela recorrente em que não se consegue controlar os fatores de risco, pode ser indicado tratamento profilático com uma dose de penicilina benzatina (benzetacil) todo mês por vários meses.

Compartilhe
Médico formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (U.F.R.J) em 2002. Especialista em Medicina Interna e Nefrologia. Títulos reconhecidos pela Faculdade do Porto, Ordem dos Médicos de Portugal e Colégio de Nefrologia Português.