Minipílula anticoncepcional: como tomar, tipos e efeitos

Autor(a): Dr. Pedro Pinheiro

33 comentários

Atualizado:

Tempo estimado de leitura: 4 minutos.

Introdução

A pílula anticoncepcional é uma forma de controle de natalidade disponível no mercado desde a década de 1960.

No início, as pílulas continham grandes quantidades dos hormônios progesterona e estrogênio, o que era responsável pela alta taxa de efeitos colaterais, incluindo alguns graves, como trombose, AVC e doenças cardiovasculares.

Desde a década de 1980, porém, a quantidade de hormônios presente na pílula anticoncepcional vem diminuindo progressivamente, principalmente a concentração dos estrogênios. O objetivo atual é obter uma contracepção eficaz com a menor quantidade possível de hormônios.

Essa procura por anticoncepcionais orais que contenham a menor quantidade de hormônios sem perder a eficácia contraceptiva deu origem a chamada minipílula, uma pílula anticoncepcional composta apenas pelo por derivados do hormônio progesterona. A minipílula, ao contrário dos anticoncepcionais orais tradicionais, não contém o hormônio estrogênio em sua fórmula.

Neste artigo vamos abordar exclusivamente a minipílula, incluindo explicações sobre as opções comercialmente disponíveis, formas de uso, indicações e efeitos colaterais.

O que é a minipílula?

Conforme referido na introdução deste artigo, a minipílula é uma pílula anticoncepcional composta exclusivamente pelo hormônio progestina, que é a forma sintética da progesterona.

A lógica por trás do desenvolvimento da minipílula é permitir que as mulheres consigam ter um anticoncepcional em comprimidos que seja eficaz, mas que não possua o hormônio estrogênio, responsável pela maioria dos efeitos colaterais indesejáveis das pílulas tradicionais (leia: 10 Efeitos colaterais da pílula anticoncepcional).

No Brasil, existem 3 formulações diferentes de minipílula, cada uma com uma progestina diferente:

  • Noretisterona 0,35 mcg (nomes comerciais: Norestin, Micronor).
  • Desogestrel 0,075 mcg (nomes comerciais: Cerazette, Nactali, Juliet, Kelly).
  • Linestrenol 0,5 mcg (nomes comerciais: Exluton).

Exceto pelo Linestrenol, as outras duas progestinas também podem ser encontradas em anticoncepcionais tradicionais, junto com estrogênio, como são os casos do Mesigyna (estradiol + noretisterona) e do Femina (etinilestradiol + desogestrel), por exemplo.

Como funciona?

A minipílula exerce seu efeito contraceptivo de várias formas. Assim como na pílula de estrogênio e progesterona, a minipílula também age impedindo a ovulação. Porém, esse efeito supressor da ovulação da pílula só de progestina é bem mais fraco que os dos anticoncepcionais tradicionais.

A minipílula tem sucesso como método contraceptivo porque ela exerce pelo menos mais dois efeitos sobre o sistema reprodutor feminino, além da supressão da ovulação. São eles:

  • A pílula de progesterona torna o muco cervical mais espesso, dificultando a vida dos espermatozoides, que não conseguem chegar às trompas para encontra o óvulo.
  • Mesmo que a mulher ovule e o espermatozoide consiga chegar ao óvulo para fecundá-lo, a minipílula também age tornando a parede interna do útero mais fina, dificultando a implantação do óvulo fecundado, impedindo assim o início de uma gravidez.

Portanto, para que a minipílula falhe, são necessários, pelo menos, 3 falhas consecutivas no seu mecanismo de ação. Quando tomada de forma correta, a taxa de sucesso chega a ser de 99%.

Na prática, porém, a taxa de sucesso da minipílula fica ao redor de 92%. O problema não é propriamente falha da pílula de progesterona em si, mas sim erros das pacientes em tomar a pílula corretamente.

Como veremos a seguir, para a minipílula funcionar, ela exige um pouco mais de disciplina em relação aos horários de toma que as pílulas tradicionais.

Quem deve tomar?

A minipílula pode ser tomada por praticamente todas as mulheres que procuram um método contraceptivo. Todavia, ela é especialmente útil para aquelas mulheres com maior risco de efeitos colaterais causados pelo estrogênio. Exemplos desta situação são as mulheres com mais de 35 anos, fumantes, hipertensas, com sobrepeso, diabéticas, que têm enxaqueca e mulheres com maior risco de eventos trombóticos.

A minipílula não aumenta o risco cardiovascular nem facilita o desenvolvimento de tromboses. Ela também não provoca enxaquecas, não costuma alterar a libido nem provocar ganho de peso na maioria das mulheres.

A minipílula também pode ser utilizada durante o aleitamento materno, pois ela não interrompe a produção de leite e não faz mal ao bebê. Explicaremos mais à frente como as lactantes devem tomá-la.

A pílula de progestina não deve ser indicada para mulheres que tenham problemas de falta de disciplina com medicamentos. Se você é daquelas pessoas que vive esquecendo a hora dos remédios ou que frequentemente falha a toma da pílula convencional, a minipílula não é uma boa opção. Nestes casos, o DIU é um alternativa muito melhor.

Como tomar?

A minipílula pode ser iniciada em qualquer momento do ciclo menstrual, porém, o mais indicado é que a cartela seja iniciada no primeiro dia do ciclo, ou seja, no primeiro dia da menstruação. Se a pílula de progesterona for iniciada no primeiro dia do ciclo, o seu efeito contraceptivo é imediato, não havendo necessidade do uso de um método contraceptivo complementar, como a camisinha.

Se, por outro lado, a minipílula for iniciada em qualquer outro dia do ciclo, o ideal é usar camisinha nos 7 primeiros dias, caso você tenha relações sexuais. É provável que a partir do 2º dia de pílula você já esteja protegida, mas por segurança, sugerimos 7 dias de intervalo.

A minipílula deve ser tomada de forma ininterrupta. Cada cartela possui 28 comprimidos e não há pausa entre uma cartela e outra. A minipílula deve ser tomada na mesma hora todos os dias. Essa é a sua principal desvantagem. Um simples atraso de mais de 3 horas é suficiente para a pílula perder o seu efeito protetor.

Efeitos colaterais

O principal efeito colateral da minipílula é a irregularidade menstrual. Em algumas mulheres podem haver perdas isoladas de sangue ao longo ciclo ou ciclos menstruais com calendário completamente imprevisível. As irregularidades menstruais são mais comuns naquelas mulheres que não tomam a minipílula na mesma hora todos os dias.

A maioria das mulheres que toma a pílula de progesterona continua a menstruar, geralmente de forma regular, mas o fluxo reduzido. Muitas mulheres referem que a minipílula “melhora” sua menstruação, pois ela reduz o tempo de sangramento, o volume de sangue perdido e as cólicas menstruais.

Há casos, porém, de aumento do fluxo menstrual com o uso da pílula de progesterona. Alterações da menstruação são a principal queixa das usuárias da minipílula.

Outro efeito colateral possível é a acne. Esse efeito é muito individual, mas nas mulheres que já têm problemas com acne, a minipílula pode agravar o quadro.

Dor de cabeça e náuseas também podem surgir em algumas pacientes após o início do medicamento.

Dúvidas comuns

Como realizar a troca da pílula convencional para a minipílula?

A mulher que deseja trocar de método anticoncepcional deve fazê-lo no dia seguinte ao do último comprimido da cartela. A paciente acaba a cartela do seu anticoncepcional tradicional hoje e amanhã já inicia a minipílula. Desta forma não há interrupção do efeito contraceptivo.

Se o anticoncepcional for injetável, a minipílula deve ser iniciada no dia que a próxima injeção deveria ser administrada. Se for DIU, a minipílula deve ser iniciada no dia da retirada do dispositivo.

Como tomar a minipílula durante a amamentação?

Mulheres que estão amamentando podem iniciar a minipílula após a 6ª semana pós-parto. Em geral, não há ovulação nas primeiras 6 semanas e o não uso de minipílula nos primeiros dias minimiza qualquer influência hormonal na fase inicial da produção de leite. Após a produção de leite estar plenamente estabelecida, a minipílula não interfere em nada.

Nas mulheres que não fazem aleitamento exclusivo e alternam as mamadas com fórmulas artificiais, o risco de ovulação antes das primeiras 6 semanas é maior, por isso, a minipílula pode ser iniciada a partir da 3ª semana.

Como tomar a minipílula após o parto em quem não vai amamentar?

Se você não vai amamentar, a minipílula pode ser iniciada no dia seguinte ao do parto. Como as mulheres habitualmente não ovulam nas primeiras 3 semanas após o parto, a minipílula pode ser iniciada com segurança em qualquer momento dentro deste intervalo. Se a pílula de progesterona for iniciada nos primeiros 21 dias após o parto, nenhum método contraceptivo complementar é necessário. Entretanto, se a minipílula for iniciada somente após o 21º dia, um método adicional deve ser utilizado por 7 dias.

Como tomar a minipílula após um aborto?

A minipílula deve ser iniciada no dia seguinte a um aborto. Não é necessário nenhum método contraceptivo complementar.

Antibióticos cortam o efeito da minipílula?

Assim como corre com as pílulas compostas de estrogênio e progesterona, os antibióticos não cortam o efeito da minipílula. A única exceção é um antibiótico chamado rifampicina (ou o seu derivado rifabutina).

Se você deseja maiores informações sobre esse assunto, acesso o seguinte artigo: Antibióticos Cortam o Efeito dos Anticoncepcionais?

O que fazer se uma mulher esquecer de tomar a pílula de progestina na hora certa?

Se a mulher esquecer de tomar a minipílula no horário correto, ela deve tomá-la o mais rápido possível. A pílula deve estar sempre à mão, de preferência na bolsa, para que possa ser tomada a qualquer momento, mesmo que a mulher esteja fora de casa. Se o esquecimento for superior a 3 horas, nos próximos 2 dias qualquer relação sexual deve ser realizada com preservativo. Após 48 horas, o muco torna-se espesso novamente para impedir a progressão dos espermatozoides.

O que fazer se eu vomitar depois de ter tomado a minipílula?

Se você vomitar nas primeiras 3 horas após ter tomado a sua dose diária, por segurança, proceda como se fosse uma dose esquecida. A mulher deve tomar a pílula novamente e não ter relações desprotegidas por pelo menos 2 dias para dar tempo da volta do efeito contraceptivo.

Há risco de falha se eu tomar a minipílula com diarreia?

A diarreia geralmente não é um problema, a menos que seja muito intensa, com várias evacuações por dia. Neste caso, a minipílula deve ser interrompida até a resolução da diarreia.


Referências


Autor(es)

Médico graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com títulos de especialista em Medicina Interna e Nefrologia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), Universidade do Porto e pelo Colégio de Especialidade de Nefrologia de Portugal.

COMENTÁRIOS (por favor, leia as regras do site antes de enviar a sua pergunta).
Temas relacionados
Como tomar a pílula Qual é a forma correta de tomar a pílula anticoncepcional?
Pílula do dia seguinte Pílula do dia seguinte: como tomar e efeitos adversos
Amamentação Melhores métodos anticoncepcionais durante a amamentação
Interações da pílula Interações entre remédios e anticoncepcionais
Camisinhas Camisinha masculina: como usar e taxa de eficácia
Ligadura tubária Laqueadura tubária: como é feita e reversão
Contraceptivos de barreira - camisinha Contracepção de barreira: (contra gravidez e DST)
Efeitos colaterais da pílula 10 Efeitos colaterais da pílula anticoncepcional
Pílula engorda Tomar pílula anticoncepcional engorda?
Pílula para não menstruar Tomar anticoncepcional para não menstruar
DIU DIU (dispositivo intrauterino): tipos e indicações
Pilula e antibióticos Antibiótico Corta o Efeito do Anticoncepcional?
Pílula e câncer A pílula anticoncepcional causa câncer?
Métodos contraceptivos 20 opções de métodos anticoncepcionais
Evra EVRA – Adesivo anticoncepcional
Métodos contraceptivos Anticoncepcional mais indicado para cada situação