CISTITE (infecção da bexiga) – Sintomas, causas e tratamento

O que é cistite?

A infecção urinária é uma doença extremamente comum, principalmente no sexo feminino. Cerca de 60% das mulheres adultas terão pelo menos um episódio de infecção do trato urinário (ITU) durante a vida.

Existem três tipos de infecção urinária:

  • Cistite: infecção da bexiga.
  • Pielonefrite: infecção dos rins.
  • Uretrite: Infecção da uretra.

A cistite, tema deste artigo, é uma inflamação da bexiga – e também da uretra em muitos casos – causada por uma infecção bacteriana, na maioria dos casos pela bactéria Escherichia coli. A cistite é habitualmente uma doença de simples tratamento, porém, pode ser dolorosa e inconveniente.

A infecção da bexiga pode se tornar um grave problema de saúde se as bactérias se deslocarem para os rins, causando o que chamamos de pielonefrite. Enquanto a cistite é uma doença simples, a pielonefrite pode levar à sepse e consequentemente à morte por infecção generalizada.

Como se “pega” infecção urinária?

Na verdade, a expressão “pegar infecção urinária” não é a mais apropriada, já que a cistite não é uma doença contagiosa, que se passa de uma pessoa para outra.

Mais de 80% das infecções urinárias são causadas por uma bactéria que vive no nosso intestino, chamada Escherichia coli (E.coli).

A infecção urinária ocorre quando essas bactérias, que deveriam permanecer no trato intestinal, conseguem colonizar a região ao redor da vagina. A colonização da região vaginal é o primeiro passo para o desenvolvimento da cistite. Bactérias vindas dos intestinos que conseguem se estabelecer ao redor da vagina têm mais facilidade em penetrar a uretra e alcançar a bexiga.

As cepas de E.coli que causam infecção urinária são inofensivas se permanecerem dentro do intestino. Elas só causam doença se atingirem outros órgãos do corpo, como a bexiga. Além da E.coli, outras bactérias do trato intestinal também podem causar cistite, entre elas: Proteus mirabilis, Enterococcus e Klebsiella pneumoniae.

Cistite nos homens e nas mulheres

A imagem abaixo mostra a anatomia do trato urinário inferior da mulher e do homem. Repare como a saída da uretra na mulher fica muito próxima do ânus do que a masculina. Além disso, a uretra do homem é mais extensa, fazendo com que a E.coli tenha que percorrer um caminho maior até chegar à bexiga.

Anatomia geniturinária de homens e mulheres
Anatomia geniturinária feminina e masculina

Isto significa que anatomicamente é muito mais fácil para as bactérias vindas do ânus alcançarem a bexiga da mulher do que a bexiga do homem. Portanto, a anatomia geniturinária explica o porquê das mulheres terem cistite com frequência e os homens não.

Há, entretanto, situações em que esta vantagem anatômica não é suficiente para proteger os homens da infecção urinária. Alguns exemplos:

1. Sexo anal ativo (homo ou heterossexual): a penetração do pênis no ânus elimina completamente essa distancia anatômica que protege os homens. A saída da uretra do pênis fica em contato direto com as bactérias intestinais. A E.coli neste caso é jogada diretamente na uretra, tendo apenas que atravessá-la para chegar a bexiga. O sexo anal ativo sem preservativo é, portanto, um atalho para infecção urinária.

Ainda assim, mesmo em homens que praticam sexo anal, a cistite não é uma doença comum. Além da barreira anatômica, há outros fatores que dificultam a cistite no sexo masculino. A região ao redor da uretra masculina é uma área menos úmida que nas mulheres, o que dificulta a colonização por bactérias. Além disso, no líquido prostático, eliminado durante o ato sexual, há substâncias antibacterianas.

2. Doenças da próstata: homens mais velhos costumam ter a próstata aumentada de tamanho, o que comprime a uretra e causa obstrução à saída de urina. O ato de urinar protege contra a cistite, pois a urina ajuda a carregar as bactérias que estejam alojadas na bexiga e uretra. Como a próstata obstrui, mesmo que parcialmente, a uretra, a bexiga fica sempre com um reserva de urina em seu interior, sendo um ótimo meio para multiplicação de bactérias.

Portanto, sempre que um homem adulto apresentar mais de um episódio de infecção urinária, deve-se pensar em algum alteração anatômica, como doenças da próstata ou lesões da bexiga.

Como evitar infecções urinárias?

A maioria das pessoas costuma pensar que, se a cistite surge quando bactérias normalmente encontradas nas fezes colonizam a região vaginal, é só lavar bastante a vagina e a região ao seu redor para matar essas intrusas e impedir a infecção. A cistite seria, portanto, uma doença de gente que não se lava direito. Este raciocínio está ERRADO! Na medicina, nem sempre o mais lógico é o que acontece.

Vamos ao fatos. A vagina das mulheres apresenta sua própria flora de bactérias, que são inofensivas. Para uma bactéria vinda do ânus colonizar essa região, ela precisa competir com as que já vivem no local. Quando se faz uma higiene íntima excessiva  matamos a flora natural da vagina, facilitando muito o processo de colonização de germes que estão a chegar. O que a E.coli mais quer ao chegar na região em volta da vagina é poder se multiplicar à vontade, sem ter que “brigar” com outras bactérias por espaço e alimento.

Ter cistite não significa ter maus hábitos de higiene. Na verdade, os dois extremos favorecem a infecção urinária: pouca higiene ou muita higiene.

Sabendo como surgem as infecções da bexiga, podemos agora fornecer algumas dicas de como evitá-las.

  • Higiene íntima com moderação. Deve-se ter especial atenção à limpeza após as evacuações. Quem usa papel higiênico deve sempre realizar a limpeza da frente para trás, ou seja, na direção contrária à vagina.
  • NUNCA realize ducha vaginal. Esse procedimento empurra as bactérias em direção à bexiga e favorece o aparecimento de cistite. A ducha anal pode ser usada, mas o ideal é tomar banho após a evacuação.
  • Dê preferência a banhos de chuveiro; evite tomar banhos em banheiras.
  • Evite desodorantes em spray na área genital ou qualquer outro produto de limpeza que possa irritar a vagina. Áreas inflamadas facilitam a aderência de bactérias.
  • Sempre urine após relação sexual. O coito favorece a entrada das bactérias na uretra e o ato de urinar ajuda a expulsá-las.
  • Beba bons volumes de líquidos ao longo do dia para urinar com frequência, “lavando” as bactérias da bexiga e uretra.
  • Não use camisinhas que contenham espermicidas, pois elas não apresentam eficácia maior e ainda aumentam o risco de cistites. O mesmo vale para os diafragmas.
  • O uso indiscriminado de antibióticos pode alterar a flora natural da vagina, facilitando infecções. Não tome antibióticos a não ser que seja realmente necessário. Nunca se automedique.
  • Mulheres na menopausa devem usar cremes vaginais à base de estrogênio para reduzir o ressecamento da mucosa vaginal. A mucosa ressecada favorece o surgimento de lesões, que por sua vez propiciam a fixação de bactérias.

Para saber mais dicas sobre como evitar as cistites, leia: Como prevenir as infecções urinárias.

Fatores de risco

Apesar de todos os cuidados, algumas pessoas apresentam uma predisposição para infecções urinárias. Algumas mulheres têm infecção urinária de repetição, com vários episódios durante o ano. Entre os fatores que podem aumentar os risco de cistite, podemos citar:

Sintomas

A infecção da bexiga causa alguns sintomas típicos:

  • Ardência ao urinar, chamado de disúria.
  • Urgência para urinar e dificuldade de segurar a urina.
  • Vontade de urinar mesmo com a bexiga vazia.
  • Sensação de peso na barriga.
  • Presença de sangue na urina, chamado de hematúria.

Febre baixa e dor lombar também podem ocorrer, porém sempre que esses sintomas surgirem deve-se pensar em pielonefrite, principalmente se a febre for alta e vier acompanhada de vômitos, perda de apetite e mal estar geral.

Algumas pessoas associam uma urina com cheiro forte à infecção urinária. Isso na maioria das vezes não é real. A principal causa de cheiro forte é uma urina muito concentrada. Se sua urina está com um amarelo muito forte e com mal cheiro, você deve ingerir mais líquidos. Normalmente isso resolve o problema e ajuda evitar a formação de cálculos renais.

Nos homens idosos, as doenças da próstata podem causar sintomas semelhantes aos da infecção urinária, além de serem um fator risco para própria infecção urinária. Nos homens jovens com disúria é sempre importante pensar em DST como diagnóstico diferencial, já que neste grupo este tipo de infecção é mais comuns do que cistites.

Para saber mais detalhes sobre os sintomas da infecção urinária, leia: Sintomas da infecção urinária.

O vídeo abaixo resume e explica os principais sintomas da cistite.

Diagnóstico

Na imensa maioria dos casos o diagnóstico da cistite é clínico e a maioria dos médicos prescreve tratamento sem solicitar nenhum tipo de exame. Se houver facilidade, pode-se solicitar uma rápida análise de urina para confirmar a presença de pus, mas esta não é obrigatória.

O exame definitivo para infecção urinária é a cultura de urina. Todavia, como esta demora entre dois a quatro dias para ficar pronta, e o quadro clínico costuma ser muito característico, na cistite este se torna um exame quase sempre desnecessário. A urocultura é muito mais importante na pielonefrite do que na cistite.

Na prática, mulheres jovens com ardência para urinar apresentam cistite até que se prove o contrário. Não está errado o médico prescrever antibióticos para infecção urinária sem pedir nenhum outro tipo de exame. em 99% dos casos, esta conduta irá curar a paciente. Apenas nos casos de cistite de repetição, infecções em homens ou quando há dúvidas em relação ao diagnóstico é que a urocultura é importante.

Não se deve pedir urocultura em pessoas sem sintomas (exceto grávidas, explico mais à frente). Algumas pessoas apresentam bactérias em sua urina sem necessariamente desenvolverem cistite. Este quadro é chamado de bacteriúria assintomática. Portanto, não se pede urocultura e não se indica tratamento para pessoas sem sintomas de infecção urinária. O tratamento destes casos não traz benefício nenhum e ainda facilita o desenvolvimento de bactérias resistentes aos antibióticos.

Tratamento

Toda cistite deve SEMPRE ser tratada com antibióticos para evitar recorrências e evolução para pielonefrite. Em geral, apenas três dias são suficientes. As drogas mais usadas são o Bactrim® (Sulfametoxazol + Trimetoprima), um dos antibióticos da família das quinolonas (em geral ciprofloxacino ou norfloxacino), um derivado de penicilina (por 5 dias) ou nitrofurantoína (por 7 dias). Em homens, o tratamento deve ser feito sempre por 7 dias, no mínimo.

Para mais informações sobre o tratamento da cistite, leia: Tratamento para infecção urinária.

Alguns medicamentos muito prescritos para cistites como o Cystex e a Pyridium não têm efeito antibiótico e servem apenas para aliviar temporariamente os sintomas da infecção urinária. Para tratar de verdade a cistite é preciso eliminar a bactéria, e isso só é possível com antibióticos.

A despeito de todos os cuidados listados neste texto, algumas mulheres apresentam infecções urinárias de repetição. São em geral pessoas com predisposição genética. Algumas dessas se beneficiam com a tomada de um comprimido de antibiótico após as relações sexuais. Nos casos mais graves, com várias infecções urinárias por ano, pode ser necessário cursos longos (até um ano) de antibióticos.

Para quem gosta de medicamentos naturais, uma frutinha chamada de Cranberry (oxicoco em português), da família das amoras, pode ajudar a reduzir o risco de infecções, apesar do seu real efeito ainda não ter sido efetivamente comprovado com grandes estudos controlados. O cranberry pode ser tomado como suco ou através de pílulas já à venda em algumas farmácias.

Outra opção para prevenção da cistite é o Uro-Vaxom, uma espécie de vacina com 16 cepas diferentes de E.coli. Parece que o uso por três meses deste medicamento reduz a ocorrência de cistites. É importante salientar que essa droga só funciona para aqueles que tem infecções de repetição pela E.coli. Se outra bactéria for a responsável pelas cistites, a vacina não tem efeito.

Infecção urinária em grávidas

A presença de infecção urinária em grávidas está associado a parto prematuro e bebês com baixo peso ao nascimento. Portanto, mesmo as gestantes com bacteriúria assintomática devem ser tratadas.

As quinolonas (ciprofloxacino e norfloxacina) são contraindicadas na gravidez e o Bactrim deve ser evitado, principalmente no primeiro trimestre. As melhores escolhas são a nitrofurantoína, fosfomicina ou amoxacilina + ácido clavulânico.

Para saber mais sobre infecção urinária na gravidez, leia: Infecção urinária na gravidez.


Referências


RELACIONADOS

Regras para Comentários

Antes de comentar, clique no link a seguir para ler as REGRAS PARA COMENTÁRIOS.
Perguntas fora das regras serão descartadas.

Deixe um comentário

179 comentários em “CISTITE (infecção da bexiga) – Sintomas, causas e tratamento”

  1. Se o exame de Urocultura der negativo mas o exame Urina 1 apresentar Hemoglobina presente+++ e Leucócitos 896.000/mL, significa que estou com infecção urinária, mesmo sem bactérias?

    Responder
    • Significa que é possível que o seu rim esteja inflamado, mas a causa da inflamação não seja uma infecção.

      Responder
  2. Minha bexiga quando cheia dói bastante principalmente quando aperta a região mas depois que elimina a urina fica tudo bem porém meus exame De urina deu normal sera mesmo cistite?

    Responder
  3. Oi me responda por favor
    Estou com cistite porém já li vários post dizendo que só da em inicio de relação sexual, quado se pode estar gravida e na menopausa, contudo eu já estou ativa na vida sexual durante 1 ano, então eu estou gravida ou ainda posso escapar da gravidez ?

    Responder
  4. Tenho cistite desde nova, mas nunca tratei, a uma semana resolvi ir no médico, ele não passou nenhum remédio pq queria exames primeiros, me passou uma série de exames, entre elas ultrasom ultravaginal, será preciso tudo isso? Somente um antibiótico não resolveria?

    Responder
    • Ele deve estar suspeitando de outra coisa. Se fosse só cistite, realmente um simples antibiótico seria o suficiente. No máximo, um exame de urina para ser colhido antes de começar o remédio.

      Responder
  5. Olá Dr. Estive lendo seu blog e gostei muito do seu trabalho.
    Tive uma infecção urinária a menos de um mês, a qual o médico no Brasil tratou com ciprofloxacino. Aproximadamente 15 dias após o término do tratamento estou novamente com sintomas de infecção na urina. Estou bastante preocupada porque estou fora do país a trabalho até 15/08. Passei por um médico aqui no exterior que me receitou NEOFURADANTIN sem mesmo pedir exame para saber o que de fato é. Nestas condições, eu posso tomar este medicamento receitado, sendo que tomei ciprofloxacino a menos de um mês?

    Responder
  6. Acabei de ter uma infecção urinária, ainda estou tomando antibióticos, e percebo que meu rosto está inchado como se estivesse acabado de acordar, isso e comum?

    Responder
  7. Dr. Meu médico me receitou vibramicina para infecção urinária, mas não comentou sobre o fato desse remédio vir a atrasar a minha menstruação. Será que pode ser por causa do remédio que está atrasada?! Gostaria de saber pois eu e meu marido estamos tentando ter um filho e minha menstruação ja ta atrasada a cinco dias e nao tenho certeza se é por conta do remédio que tomei essas semanas por dez dias.

    Responder
    • Existem algumas opções. A escolha do mais indicado depende de alguns fatores, como o tipo de bactéria que costuma causar a infecção urinária, o perfil de sensibilidade ao antibiótico dela, perfil de sensibilidade geral das bactérias na sua comunidade, características clínicas do paciente…

      A escolha do antibiótico apropriado não é uma receita de bolo que pode ser seguida igualmente por todo mundo. Uma escolha inadequada pode gerar resistência da bactéria e aumentar o risco de efeitos colaterais.

      Responder
  8. Boa tarde queria saber se a innfeccao urinaria pode ocorrer no começo da gravidez? E eu estudo cm suspeita
    De gravidez pode ser um sintoma ?

    Responder
  9. Boa noite! Achei excelente esse blog, com linguagem de fácil entendimento. Estou na menopausa, faço reposição hormonal, não sinto minha vagina ressecada. Tenho os hábitos corretos qto à higiene intima. Estou na terceira infec.urinária hemorrágica pós coito, mas não são seqüenciais. Minha dúvida é se devo fazer antibiótico preventivo pós coito, e se, em tratamento com Norfloxacino, posso tomar AINES sem diminuir a efetividade do antibiótico.
    Aguardo sua resposta. Obrigada.

    Responder
    • Não posso indicar tratamentos pela Internet. Mas se você tem tido cistite pós-coito, com frequência, sugiro que procure um nefrologista para ele avaliar o uso de antibiótico preventivo. AINE não diminui o efeito do antibiótico, mas é uma medicação com múltiplos efeitos adversos, não é para ser tomada com frequência, a não ser que haja uma indicação muito forte para tal.

      Responder
  10. Remédios para infecção de urina podem atrasar a menstruação e a quantidade de sangue? Pois minha menstruação estava 7 dias atrasada, mas ontem dia 11 ela veio, mas está em pouca quantidade, efeito do remedio?

    Responder
  11. Bom dia !meu nome é Márcia,sou biomedica,e sofro por ITU,repetitiva.Sou resistente a vários antibióticos.Fico indignada,pois vários profissionais médicos, não se preoculpam com alguns medicamentos que fornecem.Medicam o antibiótico,mais potente em primeiro lugar,sem se preocupar com as consequências futuras! O meu caso.a eschechia coli,já se tornou resistente.Gostaria de saber se a bactéria se torna resistente eternamente,ou se haverá algum prazo,para se tornar sensível?Obrigada aguardo resposta.

    Responder
  12. Olá gostaria de saber se tomar amoxicilina e ciprofloxacino em menos de um mês posso ter reaçoes a esses antibióticos e por quanto tempo reações de antibioticos podem durar?

    Responder
  13. Dr : Pedro já tomei cloridrato de ciprofloxacino, e amoxicilina/ác. clauvulânico e volta sempre quando tenho relação, o que devo tomar ou fazer? Meu marido também precisa de tomar antibiótico ou fazer exame também?

    Responder
    • 1- Converse com o seu médico sobre profilaxia pós-coito.
      2- O seu marido não tem culpa pela sua cistite, não adianta ele tomar antibióticos.

      Responder
  14. Dr Pedro , estou tomando o cystex, mais quero fazer um exame de urina. quanto tempo tenho que esperar depois de parar de tomar o cystex? ou ele nao altera o resultado do exame?

    Responder
    • O cystex não tem relevante efeito bactericida, por isso não costuma atrapalhar a urocultura.

      Responder
  15. ola doutor, estava com fortes dores urinarias então tomei cystex , e ai depois disso melhorei so que urinei verde , o que é isso ?

    Responder
    • Existem diversas causas para urina verde. Geralmente está relacionado ao consumo de alimentos com corantes. Raramente a própria infecção urinária pode ser a causa, principalmente se for causada pela bactéria Pseudomonas. Alguns medicamentos também podem causar uma urina verde, como o próprio Cystex. De qualquer forma, eu não indico Cystex para tratar infecção urinária. É uma droga que apenas alivia os sintomas sem ter efeito relevante sobre as bactérias. É muito comum o paciente melhorar e depois voltar a ter nova cistite.

      Responder
  16. Muito obrigada por ter me respondido Dr. Pedro.
    Hoje a minha barriga está um pouco inchada mas bem menos que ontem.
    Quanto a infecção não sinto mais nada, estou urinando normalmente e sem dor.
    Parabens por esse trabalho tão bonito de nos trazer informações e orientações.

    Grata
    Marilene

    Responder
  17. DR PEDRO tomei amoxilina pro dente depois tomei astro pra cistite agora o medico passou bactrim nao e muito antibiotico

    Responder
  18. se uma mulher tem cistite inflamada quando ela for tomar antibióticos o marido dela também tem que tomar antibioticos

    Responder