Herpes zóster: causas, sintomas e tratamento

Autor(a): Dr. Pedro Pinheiro

113 comentários

Atualizado:

Tempo estimado de leitura: 5 minutos.

O que é o herpes zoster?

O herpes zóster (HZ), conhecido popularmente pelos nomes cobreiro ou zona, é uma doença infecciosa provocada pelo vírus Varicella-Zoster (Human Herpesvirus-3 – HHV-3), o mesmo que causa a catapora (varicela).

Apesar de ser o mesmo vírus, tecnicamente o herpes zóster não é catapora. Os sintomas, a epidemiologia e as complicações são bem diferentes. É a mesma infecção, mas não é exatamente a mesma doença.

O herpes zóster também não tem a ver com o herpes labial ou herpes genital. Os nomes são semelhantes e eles são causados por vírus da mesma família, Herpesviridae, mas herpes zoster e herpes são duas doenças completamente distintas.

Este texto abordará apenas o herpes zóster. Se você está à procura de informações sobre catapora (varicela), acesse o seguinte link: Catapora (varicela) – Transmissão, sintomas e tratamento.

Como surge o herpes zoster?

Quando somos expostos ao vírus Varicella-Zoster pela primeira vez, fato que ocorre habitualmente durante a infância, desenvolvemos catapora, que é uma doença que se caracteriza por febre e erupções avermelhadas por todo o corpo.

Após uma ou duas semanas de sintomas, o nosso sistema imunológico consegue criar anticorpos, controla a replicação do vírus e a doença desaparece espontaneamente.

O problema é que a cura dos sintomas não é necessariamente a cura do vírus.

Durante a fase inicial da catapora, o vírus invade as terminações nervosas da pele e migra até algumas cadeias de gânglios localizadas próximo à medula espinhal e ao cérebro, conseguindo, assim, permanecer “escondido” do sistema imunológico por períodos que podem durar décadas.

O paciente, portanto, cura-se da catapora, mas permanece infectado pelo vírus Varicella-Zoster pelo resto da vida.

Em geral, isso não é um problema, pois toda vez que o vírus tenta sair do seu “esconderijo” nos gânglios nervosos, o nosso sistema imunológico, que agora possui anticorpos específicos contra o vírus Varicella-Zoster, consegue impedi-lo. 

O paciente mantém o vírus encurralado, não apresenta sintoma e nem é capaz de transmiti-lo para outras pessoas.

Entretanto, a nossa batalha contra o Varicella-Zoster depende de um sistema imunológico forte. O vírus pode ficar décadas à espera de um evento que provoque enfraquecimento imunológico para voltar a se multiplicar.

Quando isso ocorre, a reativação do Varicella-Zoster não provoca um novo quadro de catapora, mas sim uma doença diferente, chamada herpes zóster.

Sintomas

Quando o vírus reativa-se, ele faz o caminho inverso, viajando do nervo de volta à pele.

Herpes zoster
Herpes zoster – vesículas agrupadas

Ao chegar à pele, o vírus provoca as lesões típicas do herpes zoster: múltiplas vesículas (bolhas) avermelhadas, que ficam restritas a uma pequena zona do corpo, exatamente aquela que é inervada pelos nervos que “escondiam” o vírus.

A forma como as lesões do herpes zóster se agrupam, geralmente em “faixa” e nunca ultrapassando a linha média do corpo, é a característica mais importante para o diagnóstico da infecção.

Para entender o porquê da lesão pelo herpes zóster ter esse comportamento é preciso conhecer um pouco sobre a anatomia da medula espinhal e seus nervos. Explicaremos de forma simples.

A medula espinhal está conectada ao cérebro, possui mais ou menos 45 cm de comprimento e fica dentro da coluna vertebral. Ela vai da primeira vértebra cervical, lá em cima do pescoço, até a segunda vértebra lombar.

Ao longo da medula saem vários plexos de nervos periféricos para todo o corpo, que são responsáveis pela inervação de regiões específicas. Cada região do corpo que recebe um ramo dos nervos oriundos da medula é chamada dermátomo.

Dermátomos
Dermátomos

Cada vértebra lança um par de nervos, cada um inervando uma metade do corpo. A região do mamilo esquerdo e direito, por exemplo, são inervadas por um par de nervos que nasce na altura da 4.ª vértebra da coluna torácica (T4). Já a região do umbigo é inervada por nervos que nascem na altura da 10.ª vértebra torácica (T10).

Portanto, se o vírus Varicella-Zoster estiver escondido em gânglios próximos à raiz do nervo à esquerda da vértebra T10, por exemplo, quando houver reativação, ele viajará até a região do umbigo e causará erupções em uma faixa do abdômen que fica à esquerda do umbigo.

Dermátomo - herpes zoster
Dermátomo – herpes zoster

Na foto abaixo, é possível ver uma lesão de herpes zóster acometendo a região inervada por T1 e T2. Repare que a lesão é “em faixa” e termina exatamente na metade do corpo, já que apenas um par do nervo costuma transportar o vírus.

O dermátomo acometido pelo herpes zóster costuma apresentar sensação de queimação ou formigamento durante um ou dois dias antes das lesões surgirem. Também são comuns sintomas gerais de virose, tais como febre e mal-estar.

Quando o herpes zóster aparece, ele costuma começar como uma erupção bem dolorosa e avermelhada, evoluindo rapidamente para as típicas vesículas (bolhas). A região torácica, abdominal e lombar são as mais acometidas.

Zoster - Lesão em faixa que não ultrapassa a metade do corpo
Lesão em faixa que não ultrapassa a metade do corpo

Novas vesículas vão surgindo ao longo de 3 a 5 dias, geralmente aliviando após 7 a 10 dias, quando as bolhas secam e começam a formar crostas. As lesões e a dor podem demorar até um mês para desaparecem completamente. Em alguns casos, a lesão do zoster deixa cicatriz.

Ao contrário da catapora, que aparece apenas uma vez na vida, o herpes zóster pode recidivar sempre que houver uma queda da imunidade do paciente.

Para ver mais imagens das lesões de pele do herpes zóster, acesse o link: Fotos do herpes zoster.

Complicações

A nevralgia pós-herpética é uma complicação que se caracteriza pela permanência da dor no local acometido, mesmo depois de muito tempo da resolução da lesão. A infecção desaparece, mas a dor fica. Em alguns casos, a dor da nevralgia pós-herpética é tão intensa e contínua, que pode levar o paciente à depressão e à incapacidade física (leia: Neuralgia pós-herpética: o que é, sintomas e tratamento).

Habitualmente, o herpes zóster é autolimitado e acomete uma região pequena do corpo, geralmente só um dermátomo. Se após 7 a 10 dias ainda estiverem surgindo novas bolhas ou se o quadro estiver acometendo vários dermátomos em simultâneo, deve-se pensar na possibilidade de uma doença debilitante do sistema imunológico, como câncer ou AIDS.

A reativação do zóster na face pode ser perigosa, principalmente se acometer a área dos olhos, o que pode levar à perda da visão.

A síndrome de Ramsey Hunt é uma paralisia facial que ocorre pelo acometimento dos nervos faciais pelo herpes zóster. Também é comum nesta síndrome a ocorrência de labirintite.

Formas de transmissão

O paciente com zóster ativo é contagioso apenas para as pessoas que nunca tiveram catapora, ou seja, para aquelas que nunca foram infectadas pelo vírus Varicella-Zoster.

Quem nunca teve catapora, caso entre em contato com algum paciente com cobreiro, irá desenvolver catapora e não herpes zóster, pois a primeira é sempre a forma inicial de contaminação por esse vírus.

As lesões são altamente contagiosas e a transmissão do vírus se dá habitualmente através de mãos infectadas pelas lesões (basta coçar ou tocar na lesão para a haver risco de contaminação das mãos).

É bom reforçar que a doença herpes zóster em si não é transmissível. Ninguém desenvolve herpes zoster sem antes ter tido catapora.

Se você tem cobreiro e julga que nunca teve catapora na infância, o mais provável é que a sua catapora tenha sido tão branda, que ela passou despercebida ou foi confundida com qualquer outra virose comum.

O fato é que para ter herpes zóster, você precisa já ter o vírus Varicella-Zoster escondido no sistema nervoso. Ter contato com alguém com zóster não fará você tê-lo também.

As pessoas que já tiveram catapora ao longo da vida, ou que foram vacinadas, podem ter contato com pacientes com herpes zóster sem risco de desenvolver qualquer doença, pois elas possuem anticorpos contra o vírus Varicella-Zoster.

Fatores de risco

Como já referido, para ter herpes zóster é necessário já ter tido catapora em algum momento da vida. Até 20% dos pacientes com história de catapora na infância apresentarão pelo menos um episódio de cobreiro, que surge, geralmente, após os 50 anos. Entre os pacientes com mais de 85 anos essa taxa sobe para mais de 50%.

O herpes zóster surge quando há uma queda nas defesas imunológicas. Entre os fatores de risco podemos citar:

  • Idade acima de 50 anos.
  • Estresse físico ou psicológico.
  • Privação do sono.
  • Diabetes mellitus.
  • Câncer.
  • Quimioterapia.
  • Doenças crônicas.
  • Uso de drogas imunossupressoras.
  • HIV / AIDS.

Tratamento

Na maioria dos casos, o herpes zóster desaparece espontaneamente após alguns dias.

O tratamento com antivirais por via oral, como o Aciclovir, Valaciclovir ou Fanciclovir, está indicado para acelerar o processo. Esses antivirais são medicamentos que, se iniciados nas primeiras 72 horas de doença, diminuem a severidade, a duração e os riscos de complicações do herpes zóster.

As doses habitualmente usadas para tratar o herpes zoster são as seguintes:

  • Valaciclovir: 1000 mg três vezes ao dia por sete dias.
  • Fanciclovir: 500 mg três vezes ao dia por sete dias.
  • Aciclovir: 800 mg cinco vezes ao dia por sete dias.

Se a doença já tiver mais de 72 horas, mas ainda estiverem surgindo novas lesões, o tratamento com antivirais pode ser tentado.

Não há evidências de que antivirais tópicos, em creme ou pomada, sejam eficazes no herpes zóster.

Em alguns pacientes, a dor do herpes zóster pode ser intensa, e o uso de analgésicos está indicado. Há casos em que a dor é tão intensa, que é preciso lançar mão de opioides (derivados da morfina) para o controle.

Como a dor é de origem neurológica, medicamentos antidepressivos, como a Amitriptilina ou a Nortriptilina, ou anticonvulsivantes, como a Gabapentina ou Pregabalina, também podem ser usados para aliviar os sintomas, principalmente nos casos de nevralgia pós-herpética.

Leia também: Melhores remédios para diferentes tipos de dor.

Vacina contra herpes zoster

Nos últimos anos, a vacinação de crianças contra a varicela (catapora) passou a ser adotada em muitos países e levantou a hipótese dela também ser eficaz contra o herpes zoster.

As vacinas contra varicela e herpes zóster são basicamente as mesmas, mas para ser eficaz contra o herpes zóster, a vacina precisa ser, no mínimo, 14 vezes mais potente que a vacina contra catapora (i.e. possuir 14 vezes mais partículas virais).

Estudos recentes vêm mostrando que a vacina contra HZ é eficaz na população acima de 50 anos e reduz em até 70% o risco de um episódio de cobreiro.

Além de ser efetiva na prevenção, os pacientes que mesmo vacinados acabam desenvolvendo herpes zóster apresentam uma taxa de complicações bem mais baixa que a população não imunizada.

Portanto, como além de prevenir ela também reduz a incidência de complicações, a imunização com a vacina contra herpes zóster pode ser utilizada em pessoas com mais de 50 anos, mesmo que elas já tenham tido catapora ou mesmo herpes zóster em algum momento da sua vida.

Atenção: a vacina contra o herpes zóster, como qualquer outra vacina, serve para prevenção da doença, não para o tratamento.


Referências


Autor(es)

Médico graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com títulos de especialista em Medicina Interna e Nefrologia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), Universidade do Porto e pelo Colégio de Especialidade de Nefrologia de Portugal.

COMENTÁRIOS (por favor, leia as regras do site antes de enviar a sua pergunta).
Temas relacionados
Pitiríase rósea Pitiríase rósea: sintomas, causas e tratamento
Síndrome mão-pé-boca Fotos da doença mão-pé-boca
Dermatite perioral Dermatite perioral: o que é, causas, sintomas e tratamento
Catapora Catapora (varicela): transmissão, sintomas e tratamento
neuralgia pós-herpética Neuralgia pós-herpética: o que é, sintomas e tratamento
Impetigo Impetigo: causas, sintomas e tratamento
Eczema numular Eczema numular: causas, sintomas e tratamento
Escabiose Fotos de sarna humana (escabiose)
Rubéola Rubéola: sintomas, diagnóstico e tratamento
Escarlatina Escarlatina: sintomas, causas e tratamento
Sarna Sarna humana (escabiose): sintomas e tratamento
Sarampo Sarampo: sintomas, imagens e vacina
Urticária Urticária: causas, sintomas e tratamento
dermatite seborreica Dermatite Seborreica: causas, sinais e tratamento
Alergia na pele - urticária 6 causas comuns de alergia na pele