Vitiligo: causas, sintomas e tratamento

Atualizado em
Comentários: 21

O que é vitiligo?

O vitiligo é uma doença de origem imunológica que acomete cerca de 1% da população mundial e causa progressiva despigmentação da pele.

A doença atinge todas as etnias, mas ela é clinicamente mais evidente nas pessoas de pele mais escura, pois o contraste entre as áreas pigmentadas e não pigmentadas é maior.

O vitiligo surge por disfunção dos melanócitos, que são as células responsáveis pela produção da melanina.

O que é a melanina?

Os melanócitos são as células que produzem melanina, pigmento que dá cor à nossa pele e nos protege da radiação solar.

Quando pegamos sol ficamos com a pele mais escura devido a um aumento da produção de melanina estimulado pelos raios UV-A e UV-B. Quanto mais escura é a pele, maior é a proteção quanto aos efeitos nocivos da radiação solar.

A melanina também é responsável pela cor dos cabelos e olhos. Afrodescendentes apresentam a pele e os cabelos mais escuros porque produzem muita melanina; caucasianos têm pele e cabelos mais claros pois produzem menos melanina. Albinos têm pele e cabelos muito claros, pois não produzem melanina alguma.

Quando os melanócitos sofrem mutação e se transformam em células malignas surge o melanoma, um dos tipos mais agressivos de câncer de pele (leia: MELANOMA | Câncer de pele).

Como surge

As causas do vitiligo ainda não estão bem esclarecidas. Fatores genéticos parecem ser importantes, já que 20 a 30% dos pacientes com vitiligo têm história familiar positiva para a doença.

vitiligo
Como surge o vitiligo

Atualmente acredita-se que a doença tenha uma origem autoimune na qual há uma produção inapropriada de anticorpos e linfócitos T (um tipo de glóbulo branco) contra os melanócitos.

Se você não entende bem o conceito de doença autoimune, sugerimos a leitura do nosso texto: DOENÇA AUTOIMUNE.

Corroborando com a teoria da doença autoimune, além da produção de auto-anticorpos contra o melanócitos, pacientes com vitiligo apresentam uma incidência maior de outras doenças autoimunes, tais como:

Entretanto, é importante destacar que alguns pacientes com vitiligo não apresentam história familiar positiva nem outras doenças autoimunes associadas.

Independente da causa, o fato é que a doença surge devido à destruição dos melanócitos. Quando se realiza biópsia em uma área afetada da pele é possível verificar uma ausência destas células responsáveis pela produção de melanina, pigmento natural da pele.

Sintomas

O vitiligo pode surgir em qualquer idade, porém o seu pico de incidência ocorre durante a segunda e terceira décadas de vida.

O vitiligo vulgar é subtipo mais comum e costuma causar placas de despigmentação difusas pelo corpo. Os locais mais acometidos incluem braços, mãos, pés, joelhos, umbigo, lábios e ao redor da boca, olho, nariz e genitálias.

As lesões do vitiligo são mais aparentes em pessoas com pele mais escura e se apresentam como manchas claras, em placas, onde é muito fácil delimitar a pele sadia da pele acometida. As lesões são geralmente simétricas acometendo o corpo bilateralmente. Em alguns casos, porém, o vitiligo pode ficar restrito a apenas uma metade do corpo.

O vitiligo também pode causar despigmentação de mucosas como gengivas e perda da cor de pelos e cabelos.

O vitiligo é uma doença progressiva que apresenta novas despigmentações ao longo do tempo. Todavia, alguns casos não evoluem e até 10% dos pacientes apresentam repigmentação espontânea das lesões.

Vitiligo nas mãos e braços
Vitiligo nas mãos e braços

É impossível saber de antemão como evoluirá o vitiligo em cada paciente individualmente. O quadro clínico é extremamente imprevisível, podendo variar desde poucas e pequenas lesões restritas a uma região até um vitiligo universal onde mais de 50% do corpo é acometido.

Tratamento

Em pacientes com vitiligo focal, restrito a pequenas áreas do corpo, ou naquelas que já possuem pele muito clara, o uso de maquiagem para camuflar as lesões e o protetor solar para impedir o bronzeamento das áreas sadias, evitando o aumento do contraste, costumam ser soluções satisfatórias.

Já nos pacientes com pele mais morena e com lesões disseminadas, principalmente na face, o tratamento com remédios visando a repigmentação é indicado. Quanto mais cedo for iniciado o tratamento, melhor; todavia, a resposta costuma variar muito de caso a caso.

O uso de pomadas de corticoides (leia: PREDNISONA E CORTICOIDES | Indicações e efeitos colaterais) costuma ser a primeira opção para pacientes com despigmentação em menos de 10% da superfície corporal. São precisos no mínimo três meses de tratamento para se notar algum resultado. Os corticoides tópicos apresentam como efeito colateral uma possível atrofia da pele, devendo o paciente ser avaliado por dermatologista a cada quatro semanas.

Uma opção aos corticoides é o tacrolimus ou o pimecrolimus tópico; porém, ainda está em investigação uma possível relação entre o uso destas duas drogas com um aumento da incidência de linfoma (leia: LINFOMA HODGKIN | LINFOMA NÃO HODGKIN | Sintomas e prognóstico).

A fotoquimioterapia com componentes psoralênicos (substâncias capazes de aumentar a sensibilidade da pele aos raios ultravioletas) e subsequente exposição à radiação UV-A é comumente denominado “PUVA terapia”. Atualmente existe também a opção do uso de radiação com raios UV-B em vez de raios UV-A, não havendo necessidade de sensibilização da pele com psoralênicos. Este tratamento é feito geralmente duas a três vezes por semana por um período de 6 a 12 a meses. Os melhores resultados ocorrem naqueles com vitiligo em menos de 20% do corpo.

O uso de terapia a Laser é uma outra opção, porém é cara e só pode ser usada em pequenas áreas.

O enxerto ou transplantes de melanócitos é uma opção nos paciente que apresentam doença estável por pelo menos dois anos. Este tratamento funciona melhor nos casos de vitiligo com acometimento unilateral.

A despigmentação total com hidroquinona é a última alternativa e costuma ser indicada nos casos mais graves, com acometimento de mais de 50% do corpo e ausência de resposta aos outros tratamentos. A despigmentação é permanente e deixa o paciente muito vulnerável aos efeitos maléficos dos raios solares.


Referências


Autor(es)

Médico graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com títulos de especialista em Medicina Interna e Nefrologia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), Universidade do Porto e pelo Colégio de Especialidade de Nefrologia de Portugal.


O Artigo te Ajudou? Então nos Ajude Agora!
Se você achou este artigo informativo e útil, por favor, considere compartilhá-lo nas suas redes sociais. Cada compartilhamento não só ajuda outras pessoas a obterem informações de saúde de qualidade, mas também contribui significativamente para o crescimento do nosso site.
Temas relacionados
Prednisona Prednisona: para que serve e como tomar (bula simplificada)
Sérum de vitamina C para rosto Sérum de Vitamina C para o rosto – Para que serve?
Lipoma Lipoma: o que é, sintomas, tratamento, risco de virar câncer
FAN FAN (ANA): o que significa ter fator antinuclear positivo?
Lesão desfigurante das mãos pela hanseníase. Hanseníase (lepra ou mal de Hansen)
Fibromialgia Fibromialgia: o que é, sintomas, causas e tratamento
Sarna Sarna humana (escabiose): sintomas e tratamento
Vasculite - granulomatose de Wegener Granulomatose de Wegener: sintomas e tratamento
Vasculite Vasculite: o que é, tipos, sintomas e tratamento
Artrite reumatoide Artrite reumatoide: o que é, sintomas e tratamento
Corticoides Corticoides: o que são, tipos e para que servem
carcinoma basocelular Carcinoma basocelular de pele: sintomas e tratamento
Queimadura Queimaduras: graus, imagens e tratamento
Mãos da esclerodermia Esclerodermia: o que é, causas, sintomas e tratamento
Fotos de artrite reumatoide Fotos de artrite reumatoide
Queloide Tratamento do queloide e da cicatriz hipertrófica
- Publicidade -
COMENTÁRIOS
Por favor, leia as regras do site antes de enviar a sua pergunta.

Deixe um comentário

21 comentários em “Vitiligo: causas, sintomas e tratamento”

    • Lamento, Thiago, mas eu não opino sobre casos clínicos pela Internet. Também não moro no Brasil e só trabalho em hospital. Mesmo que pudesse, não tenho consultório particular para poder te atender. Além disso, não sou dermatologista e não costumo acompanhar casos de vitiligo. Infelizmente, não posso te ajudar além das informações que tento passar pelo site.

      Responder
  1. Parabéns, Dr Pedro Pinheiro! Tenho VItiligo desde os 8 anos de
    idade, atualmente estou com 30 anos. tenho a pele clara e isso diminui o
    impacto do vitiligo. iniciei um tratamento pelo HU em Maceió que
    disponibilizou a fototerapia gratuitamente. fiz um exame que apresentou
    dosagem de anticorpos anti TPO elevada(130vi/ml) fui encaminhado para Endocrino.
    o site me ajudou a esclarecer algumas dúvidas e tirar alguns mitos! Mas
    gostaria de saber comoo emcional interfere nesta doença? abraço

    Responder
    • Toda doença de origem autoimune pode sofrer agravamento em períodos de estresse. Há casos em que o próprio estresse é o gatilho para o aparecimento da doença. Não é o emocional que causa a doença, ele apenas facilita o seu aparecimento.

      Responder
  2. Ola Doutor.,minha filha de 15 anos foi diagnosticada con vitiligo,o pai dela tem psoriase e eu retirei a tireoide ,tudo isso pode ter ajudado a minha filha ter hoje essa doenca?
    Faco acompanhamento dela no sus mas as consultas demoram muito,existe algum lugar onde eu possa leva’la e ajuda-la.

    Responder
    • Sim, pode ter relação.
      Só se for dermatologista particular. Mas há hospitais do SUS com bom atendimento dermatológico, principalmente os hospitais universitários.

      Responder
  3. Olá Dr. Pedro,
    Tive menopausa (autoimune) precoce aos 16, hipotireoidite de hashimoto e vitiligo! Existe tratamento para o sistema imunológico não desenvolver mais anticorpos autoimunes contra meu organismo? Posso ter mais algum problema autoimune?

    Responder
  4. Oi Dr.Pedro. gostaria de saber si tem outro creme que posso substituir o creme Elidel .pois na onde eu moro nao tem esse creme obrigada vanilsa

    Responder
  5. Gostei muito do informativo, aos 31 anos, cerca de 1 mês e meio descobri que tenho  vitiligo; iniciei o tratamento, na hora em que recebemos o diagnóstico é chocante. Mas fé em Deus e “bora” pra frente, afinal estamos vivos… 

    Responder
  6. Eu tenho vitiligo pequenas manchas ao redor dos olhos e boca…venho controlando aos poucos com a quadriderme creme…tem algum remedio caseiro q eu possa usar…to desesperada…

    Responder
  7. tenho 29anos desde os meus 20anos comecei a notar umas manchas brancas, fui a um dermo.. e disse-me que era vitiligo, andei a por uma pomada chamada protopic, 1%. como nao adiantou passado meses deixei de fazer o tratamento, agora a cerca de 1 ano apareceu na zona do olho e nas maos, e tou desesperado, nao sei o que fazer. pois os tratamento, e consultas sao de valores que nao consigo pagar.
    nao sei o que fazer.

    Responder