PSORÍASE – Sintomas, Causas e Tratamento

A psoríase é uma doença crônica da pele, caracterizada por inflamação e hiperproliferação das células da sua camada mais superficial, podendo provocar lesões extensas por todo o corpo.

Neste artigo vamos abordar os seguintes pontos sobre a psoríase:

PUBLICIDADE - PUBLICIDAD
  • O que é psoríase.
  • Fatores de risco.
  • Sintomas da psoríase.
  • Tratamento da psoríase.

O que é a psoríase?

A psoríase é uma doença de pele NÃO contagiosa, que surge devido a uma rápida reprodução e proliferação das células da pele, causando espessamento, inflamação e descamação. A psoríase pode causar lesões discretas ou ser uma doença grave, com lesões extensas e comprometimento das articulações.

A psoríase é uma doença crônica e ainda sem cura. A doença acomete homens e mulheres em igual proporção e atinge todas as etnias, sendo, porém, mais comum em caucasianos (brancos) do que em negros. As lesões pode surgir em qualquer idade, mas são mais comuns em adultos jovens.

Ainda não entendemos bem o que causa a doença. Sabemos, entretanto, que ela surge devido a interações de fatores genéticos, ambientais e auto-imunes (você sabe o que é uma doença auto-imune? Então, leia: DOENÇA AUTO-IMUNE).

Atualmente tem se dado muita atenção ao papel do linfócito T, um dos nossos glóbulos brancos (células de defesa), que parece ser o responsável pela inflamação da pele na psoríase. Os linfócitos T normalmente combatem organismos invasores, mas na psoríase ele inapropriadamente passa a considerar as células da pele como agentes intrusos, atacando-as. O ataque do sistema imune contra a pele, além de causar intensa inflamação, estimula a produção de novas células da pele para substituição das lesadas, causando uma rápida proliferação de novo tecido. Como as células mortas não conseguem ser eliminadas tão rapidamente, a pele começa a ficar mais espessa, pois as novas camadas formadas empurram as antigas para a superfície. Deste processo surgem as lesões típicas da psoríase, que serão explicadas com mais detalhes à frente.

Fatores de risco para psoríase

Qualquer pessoa pode desenvolver psoríase, todavia, alguns fatores parecem aumentar este risco, principalmente em pessoas geneticamente suscetíveis:

– Tabagismo (leia: MALEFÍCIOS DO CIGARRO | Tratamento do tabagismo).
– Obesidade (leia: OBESIDADE E SÍNDROME METABÓLICA | Definições e consequências).
– História familiar de psoríase.
– Alcoolismo (leia: EFEITOS DO ÁLCOOL | Tratamento do alcoolismo).
– Estresse físico ou psicológico.
– Infecções bacteriana ou virais.
– HIV (leia: SINTOMAS DO HIV E AIDS (SIDA)).

Sintomas da psoríase

PUBLICIDADE - PUBLICIDAD

A psoríase pode se apresentar de forma distinta entre vários pacientes. Existem casos de pessoas com lesões discretas e casos de pessoas com lesões por quase toda a pele. As lesões típicas da psoríase são placas de pele seca e avermelhada, com descamação prateada/esbranquiçada. Essas lesões podem causar intensa coceira e/ou dor.

O quadro de psoríase pode ser classificado em diferentes tipos, de acordo com as manifestações clínicas. São 7 os principais tipos de psoríase (há outros ainda): psoríase em placas, psoríase gutata, psoríase invertida, psoríase eritrodérmica, psoríase ungueal, psoríase pustulosa e artrite psoriática. Vamos falar resumidamente de cada uma destas.

Foto de Psoríase em placa
Psoríase em placa

Psoríase em placa:

É o tipo mais comum, correspondendo a cerca de 90% dos casos. São lesões em placas, ovais, distribuídas simetricamente no coro cabeludo, cotovelos, joelho, umbigo e costas. Podem também surgir nas mãos, pés e face. As placas são avermelhadas, discretamente elevadas, com bordas bem definidas e escamação seca esbranquiçada. As lesões costumam ter de 1 a 10 cm de diâmetro e podem ser múltiplas ou poucas lesões isoladas. As placas costumam ser assintomáticas, mas alguns pacientes se queixam de coceira.

Foto de Psoríase gutata
Psoríase gutata

Psoríase gutata:

É a psoríase que se manifesta como microlesões. São múltiplas lesões em forma de gota, menores que 1 cm, acometendo geralmente o tronco e a parte superior dos membros. As lesões da psoríase gutata surgem abruptamente, geralmente após um quadro de faringite ou amigdalite pela bactéria streptococcus (leia: DOR DE GARGANTA | FARINGITE | AMIGDALITE). Este tipo de psoríase pode desaparecer para sempre ou ficar apresentando recidivas toda vez que houver crises de faringite.

Foto de Psoríase invertida
Psoríase invertida

Psoríase invertida:

Nesta forma, as lesões surgem predominantemente em áreas de dobras, como axilas, virilhas, glúteos, seios e região genital. É mais comum em pessoas obesas e piora com a fricção e a umidade do suor. A psoríase invertida causa lesões avermelhadas, mas sem descamação, sendo muitas vezes confundida com lesões fúngicas ou bacterianas.

PUBLICIDADE - PUBLICIDAD
Psoríase ungueal
Psoríase ungueal

– Psoríase ungueal:

O acometimento das unhas pela psoríase, seja das mãos como dos pés, pode ocorrer isoladamente ou acompanhada pelas lesões de pele. As lesões típicas são pequenas depressões (buraquinhos), espessamento e uma tonalidade amarelada das unhas.

Foto de Psoríase pustulosa
Psoríase pustulosa

Psoríase pustulosa:

A psoríase pustulosa é uma forma incomum que se caracteriza pelo aparecimento rápido de lesões avermelhadas, dolorosas e com pústulas (bolhas com pus) em sua superfície. Existe a forma localizada, que se restringe às mãos e aos pés, e uma forma disseminada, a variante mais grave, que se associa à febre, calafrios, prostração e hepatite (leia: HEPATITE | Tipos, causas e sintomas). Essas lesões apresentam pus, mas são estéreis, ou seja, não estão contaminadas por germes e não são contagiosas.

Foto de Psoríase eritrodérmica
Psoríase eritrodérmica

Psoríase eritrodérmica:

É a forma mais rara de psoríase. Neste tipo ocorre lesões avermelhadas, dolorosas  e descamativas difusamente por mais de 80% da superfície corporal. É uma forma grave de psoríase, sendo uma emergência médica, pois a pele toda inflamada perde sua condição de barreira contra germes do meio externo, deixando o paciente exposto a infecções graves.

Foto de Artrite psoriática
Artrite psoriática

Artrite psoriática:

O acometimento das articulações com artrite (inflamação das articulações) é uma complicação que ocorre em cerca de 10% dos casos de psoríase (leia: ARTRITE e ARTROSE | Sintomas e diferenças). A artrite costuma ocorrer nas mãos ou nos pés e pode ser deformante. Lesões nas unhas costumam ser comuns. Não existe uma relação entre a gravidade das lesões de pele com o risco de se desenvolver a artrite.

Como já dito, a imensa maioria dos casos de psoríase se apresenta como psoríase em placa. O quadro costuma ser de uma doença crônica de evolução cíclicas, com períodos de exacerbação alternando com períodos de remissão. 25% dos pacientes apresentam períodos de remissão completa, ficando temporariamente sem lesões. Apesar de ser uma doença sem cura, até 80% dos casos são considerados de gravidade leve ou moderada.

Alguns medicamentos estão associados a exacerbações das lesões de pele, entre eles: propranolol, captopril, anti-inflamatórios e lítio. Estresse, frio, exposição solar excessiva, abuso de álcool e infecções também são fatores que podem exacerbar a doença.

Pacientes com psoríase apresentam maior risco de também terem doenças cardiovasculares, síndrome metabólica, doenças malignas, principalmente linfomas (leia: LINFOMA HODGKIN | LINFOMA NÃO HODGKIN | Sintomas e prognóstico) e doença inflamatória intestinal (leia: DOENÇA DE CROHN | RETOCOLITE ULCERATIVA | Sintomas e tratamento).

O diagnóstico é feito clinicamente através da história clínica e do exame das lesões dermatológicas. Em casos atípicos, a biópsia de pele pode ser feita, mas esta é raramente necessária.

Tratamento da psoríase

Infelizmente, a psoríase é uma doença que não tem cura. Todavia, existem vários tratamentos disponíveis que podem reduzir os sintomas da doença. O tratamento a ser indicado depende da gravidade da doença, do custo, da conveniência e da resposta individual à terapêutica. Habitualmente, uma combinação de terapias distintas é forma mais usada para tratar a psoríase.

Nas formas mais brandas, o tratamento pode ser feito por via tópica, ou seja, com medicamentos aplicados diretamente sobre a pele, sejam em loção, creme ou pomada.

1- Tratamento tópico da psoríase

Hidratantes e ceratolíticos

Todo o paciente com psoríase deve habituar-se a usar hidratantes, mesmo se a doença estiver em remissão. Opções para hidratar a pele incluem creme de ureia, ceramidas, vaselina (com ou sem ácido acetilsalicílico) ou lactato de amônia. A hidratação da pele deve ser feita preferencialmente após o banho.

Corticosteroides

Entre os medicamentos tópicos, os corticoides são os mais usados, pois são drogas capazes de diminuir a inflamação da pele (leia: PREDNISONA E CORTICOIDES | efeitos colaterais). Existem várias formulações tópicas à base de corticoides para o tratamento da psoríase, incluindo hidrocortisona, betametasona, clobetasol, fluocinonida, etc. Alguns destes corticoides são mais ou menos potentes, indicados de acordo com a necessidade de cada paciente.

Análogos da vitamina D

Pomadas à base de vitamina D, como calcipotriol ou calcitriol, podem ser usadas junto ou em substituição aos corticoides. Não costumam ser indicadas para uso na face devido ao risco de fotossensibilidade. Os análogos da vitamina D são mais eficazes quando usados em conjunto com algum corticoide.

Alcatrão

O alcatrão é uma substância obtida a partir de carvão, usada no tratamento de psoríase já há muitos anos. Preparações com alcatrão estão disponíveis em xampus, cremes, óleos ou loções para serem aplicados sobre a pele ou couro cabeludo. Os medicamentos à base de alcatrão não causam efeitos colaterais graves, mas podem manchar a pele, cabelo e roupas. São geralmente usados junto com corticosteroides ou com tratamentos de luz ultravioleta (explicado mais à frente).

Inibidores de calcineurina

Os inibidores da calcineurina são medicamentos com ação imunológico e também podem ser usados por via tópica. As opções são o tacrolimos ou pimecrolimos em creme, usados especialmente na face e nas dobras da pele, tais como a axila ou sob os seios.

2 – Luz ultra violeta para psoríase

A exposição à luz ultravioleta é outra forma efetiva de se tratar a psoríase. O tratamento pode ser feito em clínicas dermatológicas, com exposição a radiação artificial de UVB e UVA, mas esta forma apesar de bastante eficaz, costuma ser cara. De forma mais simples, se o paciente viver em áreas com ampla exposição solar durante todo o ano, como é o caso da maioria dos estados do Brasil, ele pode ser encorajado a tomar curtos banhos diários de sol, no período da manhã ou ao final da tarde.

O grande problema da terapia com luz ultravioleta a longo prazo é o risco maior de desenvolvimento de câncer de pele (leia: MELANOMA MALIGNO | Câncer de pele).

3- Medicamentos por via oral

Metrotrexato

O metotrexato é uma droga imunossupressora usada no tratamento das formas mais graves da psoríase. Os resultados costumam demorar 3 meses para aparecer. Como há risco de lesão do fígado, aconselhamos os pacientes a não ingerir bebidas alcoólicas durante o tratamento.

Acitretina

A acitretina é um retinoide (derivado da vitamina A), também indicada no tratamento das formas mais agressivas de psoríase. A melhora das lesões começam a aparecer com 1 mês de tratamento, mas são precisos até 6 meses para a droga exercer seus efeitos máximos.

Outras drogas

Várias outras drogas imunossupressoras têm sido usadas no tratamento da psoríase. Entre elas podemos citar: ciclosporina, azatioprina, etanercepte, infliximabe e adalimumabe.

Como se pôde ver, há um gigantesco arsenal de medicamentos contra a psoríase. Em medicina, esse excesso de opções geralmente ocorre quando não existe uma droga nitidamente superior e com efeitos curativos. Nenhum dos tratamentos citados acima é capaz de curar a psoríase, mas, na maioria dos casos, a doença consegue ser bem controlada, proporcionando boa qualidade de vida ao paciente.

PUBLICIDADE - PUBLICIDAD

VEJA OUTROS ARTIGOS SEMELHANTES