LEUCONIQUIA – Manchas brancas nas unhas

Introdução

Manchas brancas nas unhas, chamadas medicamente de leuconiquia, são um achado bem comum, que, na maioria dos casos, não apresenta nenhuma relevância clínica. Em geral, as manchas nas unhas desaparecem espontaneamente, sem precisar de qualquer tipo de tratamento.

O que é leuconiquia?

A presença de manchas brancas nas unhas é um achado totalmente inofensivo, que não provoca sintomas nem evolui para nenhum outro tipo de problema. A leuconiquia não é uma doença em si, apenas um sinal que indica uma alteração em parte da estrutura da unha.

Existem mais de um tipo de leuconiquia, que são classificadas de acordo com a aparência das manchas brancas. As ilustração abaixo mostra algumas das apresentações mais comuns.

A forma mais comum é a chamada leuconiquia punctata, que consiste em um ou mais pontos brancos na unha.

Outra apresentação relativamente comum é a leuconiquia estriada, que são curtas faixas brancas ao longo da unha.

Ainda existem outras formas de leuconíquia, como a leuconíquia total, parcial ou transversal. Estas formas, porém, são bem menos frequentes.

Tipos de leuconíquia

Praticamente todas as pessoas já notaram uma pequena mancha branca na unha. Na imensa maioria dos casos, a mancha surge e desaparece sem que o paciente tome conhecimento.

A leuconiquia só deve levantar alguma suspeita se ela começar a aparecer com elevada frequência e se o paciente apresentar outros sintomas, sugerindo que alguma doença possa estar por trás.

Causas

Na imensa maioria dos casos, as manchas brancas na unha surgem por pequenos traumas, que podem incluir mordidas, prender o dedo na porta ou excesso de pressão na unha causada pela manicure.

Em geral, a lesão ocorre na matriz da unha, local onde ela se forma. Em muitos casos, porém, as manchas brancas na unha surgem espontaneamente, sem que o paciente seja capaz de se lembrar de algum trauma recente.

As leuconiquias estriadas e punctatas são as formas mais comuns e não costumam indicar nenhuma doença. Em algumas mulheres, as manchas brancas na unha podem surgir devido às variações hormonais ao longo do ciclo menstrual ou por reações ao esmalte.

A leuconiquia total é geralmente uma problema genético, uma herança autossômica dominante. Em alguns casos, a leuconiquia total pode ser adquirida ao longo da vida, estando relacionada a algumas doenças como vitiligo, síndrome nefrótica, hanseníase ou um efeito colateral dos antibióticos da classe das sulfonamidas, como o Bactrim, por exemplo.

A leuconiquia transversal pode surgir devido a algumas condições, como efeito colateral de quimioterapia, cirrose hepática, febre alta, tuberculose ou intoxicação por arsênio.

Apesar das manchas brancas poderem ser um sinal de doença, na prática elas raramente são. Se você tem leuconiquia, mas não tem nenhuma doença conhecida e não apresenta nenhuma outro sinal ou sintoma, não é preciso se preocupar, essas manchas são clinicamente irrelevantes.

Em alguns casos de micose na unha, chamada onicomicose, podem surgir manchas brancas. Entretanto,  essas manchas são mais grosseiras e costuma haver outras lesões da unha, não se parecendo com as formas mais comuns de leuconiquia.

Tratamento

A leuconiquia não é uma doença e, portanto, não precisa de tratamento. Na maioria esmagadora dos casos as manchas nas unhas vão sumir espontaneamente com o tempo.

Se você é saudável, sua unha tem boa aparência e apresenta pequenas manchas brancas sem outras lesões, não é preciso procurar ajuda médica. Também não são necessários exames para investigar as doenças citadas acima.

De modo geral, nos pacientes doentes, a leuconiquia é apenas mais um dos vários sinais que o mesmo costuma apresentar. Ninguém vai suspeitar de cirrose, tuberculose ou qualquer outra doença apenas pelas manchas nas unhas.


Referências


RELACIONADOS

Médico graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com títulos de especialista em Medicina Interna e Nefrologia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e pela Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN). Títulos reconhecidos pela Universidade do Porto e pelo Colégio da Especialidade de Nefrologia de Portugal.