PROSTATITE – Sintomas, Causas e Tratamento

A prostatite é um quadro comum, que surge quando a próstata encontra-se inflamada, geralmente por causa de uma infecção bacteriana.

Prostatite é um termo amplo que engloba várias condições que cursam com inflamação da próstata. Seus sintomas incluem febre, dor para urinar, dificuldade para urinar e dor na região pélvica.

Neste texto vamos abordar os diferentes tipos de prostatites, abordando suas causas, sintomas e opções de tratamento.

PUBLICIDADE - PUBLICIDAD

A próstata

A próstata é uma glândula do tamanho de uma noz (3 a 4 cm de diâmetro), com aproximadamente 20 gramas de peso, presente apenas no sexo masculino. Localiza-se na base da bexiga e circunda a parte inicial da uretra, canal que escoa a urina da bexiga.

Próstata
Localização da próstata

Cerca de 70% do líquido ejaculado durante o orgasmo é produzido pela próstata. Este líquido é uma secreção alcalina (com pH elevado) que se mistura e protege os espermatozoides do ambiente ácido da vagina, aumentando sua mobilidade e facilitando a chegada dos mesmos ao óvulo.

Devido a sua localização anatômica, as doenças da próstata costumam causar sintomas associados a urina e bexiga, como dor ao urinar e fraqueza do jato urinário.

Prostatite

A prostatite não é uma doença única, mas sim um grupo de quatro doenças que cursam com sintomas semelhante, relacionados à inflamação da próstata. Atualmente divide-se as prostatites em quatro grupos:

I- Prostatite aguda
II- Prostatite bacteriana crônica
III- Prostatite não bacteriana crônica ou Síndrome da dor pélvica crônica (IIIa. inflamatória / IIIb. não inflamatória)
IV- Prostatite inflamatória assintomática

A categoria IIIb (Prostatite não bacteriana crônica / síndrome da dor pélvica crônica não inflamatória) era antigamente chamada de prostatodinia.

Vamos falar um pouquinho sobre cada uma delas.

PUBLICIDADE - PUBLICIDAD

I. Prostatite aguda

A prostatite aguda é um quadro inflamatório normalmente causado por uma infecção bacteriana da próstata. As bactérias mais comuns são as mesmas que costumam causar infecção urinária, tais como E. coli, Klebsiella e Proteus. A contaminação da próstata se dá pela invasão da mesma por bactérias que se encontram na uretra ou na bexiga, normalmente devido a uma urina previamente contaminada.

Entre os principais fatores de risco para a prostatite aguda podemos citar:

– Infecção urinária (leia: INFECÇÃO URINÁRIA | Sintomas da cistite).
– Uso de cateter vesical.
– Traumas locais por uso prolongado de bicicletas ou andar a cavalo.
– Infecção pelo HIV (leia: SINTOMAS DO HIV E AIDS (SIDA)).
– Uretrites por DSTs (leia: GONORRÉIA | CLAMÍDIA | Sintomas e tratamento).

Sintomas da prostatite aguda

A prostatite aguda pode ocorrer tanto em homens jovens quanto em idosos e os seus principais sintomas incluem:

– Febre.
– Calafrios.
– Disúria (dor ao urinar) (leia: DISÚRIA | DOR AO URINAR | Causas).
– Dificuldade em urinar.
– Dor pélvica.
– Urina turva.
– Mal estar.
– Dores musculares e nas articulações.

Os sintomas da prostatite aguda podem ser muito intensos, fazendo com que muitas vezes o doente necessite de hospitalização. A sepse é uma complicação possível desta infecção (leia: O QUE É SEPSE E CHOQUE SÉPTICO?).

Diagnóstico da prostatite aguda

O diagnóstico é feito através da avaliação conjunta do sinais clínicos e do toque retal, que demonstram uma próstata dolorosa ao exame. Assim como na infecção urinária, a urocultura serve para identificar a bactéria responsável pela infecção (leia: EXAME UROCULTURA | Indicações e como colher). O exame simples de urina (EAS) costuma apresentar piócitos na urina (pus) e sangramento microscópico (leia: EXAME DE URINA | Entenda seus resultados).

Nas análises de sangue, a dosagem do PSA pode ajudar, pois o mesmo costuma estar elevado durante as os quadros de inflamação prostática. Os marcadores de atividade inflamatória como PCR e VHS também encontram-se elevados (leia: EXAMES DE SANGUE | VHS, PCR , LDH, Ferritina e CK) e o hemograma costuma apresentar leucocitose (leia: HEMOGRAMA | Entenda os seus resultados).

PUBLICIDADE - PUBLICIDAD

Tratamento da prostatite aguda

A prostatite aguda tem cura e o tratamento é feito com administração de antibióticos por um período médio de quatro semanas. Como as bactérias que causam a prostatite costumam ser as mesmas da infecção urinária, os antibióticos também são iguais, sendo o Bactrim® e as quinolonas (ciprofloxacina, levofloxacina e norfloxacina) os mais usados. Os antibióticos podem ser alterados posteriormente de acordo com os resultados da urocultura, que costumam demorar de 48 a 72h para ficarem prontos.

Os sintomas costumam começar a desaparecer com 48 horas de antibioticoterapia. Depois de sete dias de tratamento a urocultura já é negativa, não apresentando mais bactérias na urina.

Para o alívio da dor analgésicos comuns e anti-inflamatórios podem ser usados, se não houver contraindicações.

II. Prostatite bacteriana crônica

A prostatite bacteriana crônica é um complicação possível da inflamação aguda que não foi devidamente tratada.

O quadro é bem mais brando que na  prostatite aguda e os sintomas podem ser sutis. Na maioria das vezes as queixas se restringem a disúria (incômodo ao urinar), vontade urinar frequentemente e mal-estar. A febre, quando presente, costuma ser baixa.

Como vocês já puderam notar, muitos dos sintomas da prostatite crônica são semelhantes aos da cistite (infecção da bexiga), podendo causar alguma confusão no diagnóstico (leia: INFECÇÃO URINÁRIA | CISTITE | Sintomas e Tratamento). É importante saber que nos homens adultos e/ou jovens a cistite é uma infecção pouco comum, devendo a prostatite ser sempre uma das hipóteses diagnósticas nos pacientes do sexo masculino com sintomas semelhantes aos de uma infecção urinária.

O diagnóstico da prostatite crônica também é feito através da história clínica e do toque retal. Neste caso, durante o toque retal, é possível realizar a massagem da próstata para estimular a secreção de líquidos para a análise laboratorial. A massagem prostática nunca deve ser feita na prostatite aguda devido ao risco de estimular a liberação de bactérias para a corrente sanguínea. A urocultura colhida após massagem também é uma opção para o diagnóstico da prostatite crônica.

As bactérias que causam a prostatite crônica são, em geral, as mesmas da aguda. Paciente que apresentam sintomas de prostatite crônica, com pus no exame simples de urina, mas cujas uroculturas e culturas da secreção prostática são persistentemente negativas, devem ser investigados para infecção por clamídia (leia: GONORRÉIA | CLAMÍDIA | Sintomas e tratamento).

O tratamento da prostatite crônica é semelhante ao da aguda, com duração entre 4 a 6 semanas. Pacientes que apresentam infecção recorrente podem precisar de tratamento mais prolongado.

III. Prostatite não bacteriana crônica ou Síndrome da dor pélvica crônica

A síndrome da dor pélvica crônica é uma síndrome que cursa com sintomas urológicos e desconforto na região pélvica. O termo síndrome da dor pélvica crônica é mais correto que prostatite não bacteriana crônica, porque muitas vezes não há envolvimento da próstata no quadro, apesar dos sintomas serem sugestivos de prostatite crônica.

A síndrome da dor pélvica crônica é um diagnóstico de exclusão, ou seja, só pode ser dado depois que se descartam a prostatite bacteriana e outras causas para dor pélvica como tumores, infecções urinárias, hemorroidas e doenças testiculares.

Os sintomas da síndrome da dor pélvica crônica incluem aqueles da prostatite crônica e outros como dor pélvica, desconforto anal e incômodo nos testículos.

Não há tratamento específico para a síndrome da dor pélvica crônica. Quando não se consegue descartar uma prostatite bacteriana crônica, um curso de quatro semanas de antibióticos é uma conduta aceitável. Nos casos onde não é possível determinar a causa da dor, o tratamento se limita ao uso de analgésicos.

PUBLICIDADE - PUBLICIDAD

VEJA OUTROS ARTIGOS SEMELHANTES