Infecção por Clamídia (Chlamydia trachomatis)

Autor(a): Dr. Pedro Pinheiro

87 comentários

Atualizado:

Tempo estimado de leitura: 3 minutos.

Introdução

A clamídia é a doença sexualmente transmissível mais comum no mundo. A maioria dos pacientes infectados por essa bactéria não costuma desenvolver sintomas, mas quando isso ocorre, o quadro clínico é muito parecido com o da gonorreia, sendo impossível distingui-las apenas pelos sintomas.

Como a clamídia é uma infecção transmitida através de relações sexuais, a forma mais eficaz de preveni-la é com sexo seguro, através do uso de camisinha.

Se você procura informações sobre gonorreia, o seu texto é este: GONORREIA – Sintomas e Tratamento.

O que é clamídia?

A clamídia é uma doença sexualmente transmissível, causada por uma bactéria chamada Chlamydia trachomatis.

Nem todas as pessoas contaminadas com clamídia apresentam sintomas, podendo a infecção passar despercebida por muitos anos. Os pacientes com clamídia assintomática tornam-se fontes de contaminação permanentes, motivo pelo qual a clamídia é a DST mais comum no mundo. Quem transmite clamídia pode não saber que está contaminado e quem se contaminou pode não saber de quem pegou.

Estima-se que 5% da população adulta e 10% da população adolescente sexualmente ativa estejam contaminados com a Chlamydia trachomatis. A infecção por clamídia é mais comum em jovens, pessoas que tenham tido  múltiplos parceiros (as)  nos últimos anos ou pessoas que não costumam usar camisinha durante as relações sexuais.

Formas de transmissão

A Chlamydia trachomatis pode ser transmitida por duas maneiras: pela via sexual (anal, vaginal ou oral) ou de mãe para filho, durante a passagem do bebê pelo canal vaginal na hora do parto.

Assim como na gonorreia, nos adultos e adolescentes a transmissão é exclusivamente por via sexual. Não se pega clamídia em banheiros ou piscinas públicas. O beijo também não é uma forma de transmissão da clamídia.

A transmissão através de toalhas ou roupas íntimas ainda não foi comprovada, mas ela é teoricamente possível caso haja contato com secreções contaminadas frescas. Por exemplo, se uma mulher com corrimento vaginal contamina uma toalha e outra pessoa imediatamente a usa para secar suas partes íntimas, é possível haver transmissão. Isso, porém, é uma situação muito hipotética, e o que observamos na prática é a via sexual como única forma relevante de transmissão desta DST entre adultos.

A contaminação dos olhos pela clamídia pode ocorrer se as mãos estiverem contaminadas com secreções vaginais e o indivíduo coçar os olhos sem lavá-las antes.

Sintomas

Como já foi referido, a maioria dos pacientes que se contaminam com clamídia não apresenta sinais da doença. Nas mulheres apenas 10% desenvolvem sintomas; nos homens, o número é um pouco maior, ao redor dos 30%. Entretanto, é bom destacar que mesmo sem sintomas, o paciente contaminado é capaz de transmitir a doença para seus parceiros.

Nos pacientes que desenvolvem sintomas, os mesmos costumam surgir entre 1 e 3 semanas após a contaminação.

Nas mulheres, os principais sintomas da Chlamydia trachomatis são:

Nos homens, os sintomas mais comuns de clamídia incluem:

  • Ardência ou dor ao urinar.
  • Saída de corrimento purulento pela uretra.
  • Dor nos testículos.
  • Inchaço do saco escrotal.
  • Proctite (inflamação do ânus que ocorre em homens homossexuais passivos).

A faringite por Chlamydia trachomatis é um quadro incomum, mas pode surgir se a via de transmissão for o sexo oral.

Complicações

As complicações da infecção pela Chlamydia trachomatis costumam ocorrer nos pacientes com poucos ou nenhum sintoma, que por isso mesmo, acabam não procurando tratamento médico.

A principal complicação da infecção por clamídia nas mulheres é progressão da bactéria em direção ao útero, trompas e ovários, provocando uma grave infecção conhecida como doença inflamatória pélvica (DIP). Cerca de 10 a 15% das mulheres infectadas com a Chlamydia trachomatis desenvolvem DIP.

Infertilidade também é uma complicação comum da clamídia não tratada e ocorre por lesão das trompas e/ou do útero por infecção prolongada.

As mulheres com infecção por Chlamydia trachomatis (especialmente a causada por sorotipo G) apresentam 6 vezes mais riscos para o desenvolvimento de câncer do colo do útero.

Nas grávidas, infecções por clamídia podem levar a parto prematuro. Bebês que nascem de mães infectadas podem se infectar e desenvolver complicações precoces. A clamídia é uma das principais causas de pneumonia e conjuntivite em recém-nascidos.

Nos homens a complicação mais comum é a prostatite, infecção da próstata. Infecção do epidídimo, estrutura localizada logo acima dos testículos, também pode ocorrer.

Linfogranuloma venéreo

Existem alguns sorotipos da Chlamydia trachomatis, chamados L1, L2 e L3, que são capazes de apresentar uma doença chamada linfogranuloma venéreo, um quadro diferente da infecção clássica pela clamídia.

No linfogranuloma venéreo, a infecção inicial é caracterizada por um pequeno nódulo, que se rompe e forma uma úlcera genital. Duas a seis semanas mais tarde a infecção estende-se para os nódulos linfáticos regionais, ou seja, para os gânglios da virilha. O paciente apresenta um ou mais gânglios inflamados e aumentados, chamados bubões. Estes bubões podem romper-se, drenando grande quantidade de pus.

Diagnóstico

O exame para identificar a clamídia é feito através da urina ou por amostra de material colhido com um cotonete na vagina, colo do útero ou na uretra. Os resultados estão geralmente disponíveis no prazo de 24-48 horas.

Muitos médicos solicitam a sorologia para pesquisa dos anticorpos IgM e IgG contra a clamídia, mas esse exame, apesar de útil, não é o mais confiável. Se for possível, a pesquisa da Chlamydia trachomatis deve ser feita por uma técnica chamada PCR, que procura a presença do DNA da clamídia nas secreções vaginais. Nos homens, essa pesquisa do DNA pode ser feita na urina.

Tratamento

O tratamento da clamídia é simples, feito com administração de antibióticos. A azitromicina em dose única de 1 grama é o antibiótico mais prescrito. O paciente infectado deve ficar por pelo menos 7 dias sem atividade sexual após o início do tratamento (leia: Azitromicina: indicações, doses e efeitos colaterais).

Recentemente, a doxiciclina 100 mg duas vezes por dia por 7 dias tem ganhado popularidade entre os ginecologistas. As vantagens da doxiciclina sobre a azitromicina são:

  • Ligeira superioridade na taxa de cura (97.4% contra 96.2%).
  • Eficácia superior no tratamento do linfogranuloma venéreo ou da infecção retal e anal pela clamídia.

Se o paciente não puder tomar nem azitromicina, nem doxiciclina, as melhores alternativas são:

  • Levofloxacino, 500 mg por via oral uma vez ao dia por sete dias.
  • Ofloxacina, 300 mg duas vezes ao dia por sete dias.

Como o quadro clínico da clamídia pode ser muito parecido com o da gonorreia, é comum o médico prescrever um tratamento que atue sobre as duas bactérias. Geralmente associa-se ceftriaxona à azitromicina ou a doxiciclina. Porém, o ideal é sempre investigar a presença de gonorreia antes de prescrever o tratamento.

Todos os parceiros (as) do paciente infectado devem ser testados e se necessário, tratados para clamídia, mesmo que não apresentem sintomas.

Três meses após o fim do tratamento, o paciente deve ser retestado para confirmar a erradicação da bactéria.

É possível se contaminar com o Chlamydia trachomatis por mais de uma vez. O fato de já ter tido uma infecção por clamídia anteriormente não confere imunidade permanente.


Referências


Autor(es)

Médico graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com títulos de especialista em Medicina Interna e Nefrologia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), Universidade do Porto e pelo Colégio de Especialidade de Nefrologia de Portugal.

COMENTÁRIOS (por favor, leia as regras do site antes de enviar a sua pergunta).
Temas relacionados
Tricomoníase Tricomoníase (T. vaginalis): o que é, sintomas e tratamento
DST Doenças sexualmente transmissíveis (DST) comuns
Gonorreia Gonorreia: o que é, sintomas, transmissão e tratamento
Disúria em homens 6 causas de dor para urinar em homens (disúria)
Uretrite Uretrite: o que é, causas, sintomas e tratamento
Sintomas HIV - vídeo Vídeo: Primeiros sintomas do HIV
candidíase vaginal Candidíase vaginal: como se pega, sintomas e tratamento
Teste HIV Exame HIV: janela imunológica, teste rápido, ELISA
Candidíase vaginal Tratamento da candidíase vaginal: cremes e remédios
Metronidazol Metronidazol (bula): pomada, comprimidos e creme
Sifilis Sífilis: estágios, sintomas, VDRL e tratamento
Doença inflamatória pélvica Doença inflamatória pélvica (DIP): sintomas e tratamento
Transmissão do HIV Como Se Pega Aids? (formas de contágio do HIV)
Cura da sífilis Tratamento e cura da sífilis
Azitromicina Azitromicina: indicações, doses e efeitos colaterais