Endometriose: o que é, sintomas e tratamento

Atualizado em
Comentários: 24

Resumo do artigo: TL; DR

  • O que é: endometriose é o crescimento do tecido endometrial fora do útero.
  • Localização: comum em ovários, regiões uterinas, trompas, intestinos e rara em locais distantes como pulmões e sistema nervoso.
  • Sintomas: cólica menstrual intensa, dor pélvica, dor durante o ato sexual, alterações intestinais, dificuldade para engravidar, entre outros.
  • Prevalência: afeta até 7% das mulheres, principalmente dos 25 aos 35 anos.
  • Fatores de Risco: história familiar, nuliparidade, menstruação precoce, ciclos curtos, e outros fatores como IMC baixo e dieta rica em gorduras trans.
  • Tipos de Endometriose: superficial, ovariana, profunda, adenomiose, extragenital e em cicatrizes.
  • Endometriose Profunda: Tecido endometrial penetra profundamente nos órgãos pélvicos.
  • Gravidez: mulheres com endometriose podem engravidar, mas a condição pode afetar a fertilidade.
  • Diagnóstico: frequentemente requer laparoscopia para confirmação.
  • Tratamento: inclui medicação para dor, terapia hormonal, e cirurgia laparoscópica, com recorrência possível sem tratamento contínuo.
  • Cura: não há cura definitiva, foco é no manejo dos sintomas e melhoria da qualidade de vida.
  • CID-10: N80; CID-11: GA10.

O que é endometriose?

A endometriose é uma doença caracterizada pelo aparecimento de pedaços de tecido da camada interna do útero, chamada de endométrio, fora do útero. A endometriose pode acometer bexiga, intestinos, apêndice, vagina, ureter e, raramente, órgãos distantes da pelve, tais como pulmões e sistema nervoso central. Também podem surgir tecidos de endométrio em cicatrizes cirúrgicas do abdômen e da pelve.

Apesar da endometriose ser uma doença benigna, ou seja, não ser um tipo de câncer, ela pode ser bastante dolorosa, debilitadora e pode causar infertilidade. Isso ocorre porque os pedaços de endométrio implantados em outros órgãos do corpo reagem às variações hormonais do ciclo menstrual da mesma forma que o endométrio do útero.

O endométrio é uma fina membrana que recobre a parede interna do útero. Durante o ciclo menstrual, o endométrio sofre transformações induzidas pelas variações hormonais, crescendo e se tornando um tecido rico em vasos sanguíneos.

O endométrio se prolifera para ficar apto a receber e nutrir o embrião em caso de gravidez. Ao final do ciclo, se o óvulo não tiver sido fecundado, essa parede espessa do endométrio desaba e é expelida para fora do útero. A esse processo damos o nome de menstruação (para maiores detalhes sobre o ciclo menstrual, leia: Ciclo menstrual e período fértil).

Portanto, o tecido de endométrio em locais atípicos, ao ser estimulados pelos hormônios, também sofre proliferação e depois sangra. Se você tiver endometriose na bexiga ou nos intestinos, por exemplo, terá sangramento menstrual nesses órgãos todos os meses.

O sangramento dentro de outros órgãos provoca inflamação local, que se manifesta como intensa dor. A longo prazo, esse repetido processo de inflamação leva à fibrose e formação de cicatrizes, aderências e alterações da anatomia do trato reprodutivo, o que também colabora para a dor e para a infertilidade.

Locais comuns da endometriose
Locais comuns da endometriose.

Os locais mais comuns onde ocorrem a endometriose são, em ordem decrescente:

  • Ovários.
  • Regiões ao redor do útero, incluindo o fundo de saco de Douglas e ligamentos uterinos.
  • Porção exterior do útero.
  • Trompas.
  • Porções finais do intestino.

A endometriose pode acometer mais de um local diferente ao mesmo tempo, podendo coexistir em até 3 ou 4 órgãos diferentes.

Quando a endometriose ocorre dentro da parede muscular do próprio útero, chamamos de adenomiose uterina. Explicamos essa condição separadamente no artigo: Adenomiose uterina – Sintomas e Tratamento.

Em resumo, a endometriose é tecido uterino que cresce fora do útero, mas que se comporta como parte do útero, respondendo da mesma forma aos estímulos hormonais do ciclo menstrual, podendo, inclusive, sangrar durante a menstruação.

Fatores de risco

Estima-se que até 7% das mulheres tenham a doença, mas a verdadeira prevalência pode ser maior, uma vez que muitas pacientes são assintomática e desconhecem ter o problema. A faixa etária mais acometida é a de 25 a 35 anos.

Cerca de 80% dos casos de dor pélvica crônica e 50% dos casos de infertilidade são causados pela endometriose. A doença é, portanto, uma importante causa de dor pélvica e infertilidade na população feminina (leitura recomendada: Causas de dor pélvica crônica nas mulheres).

As causas da endometriose ainda não são plenamente conhecidas, mas alguns fatores de risco já foram identificados. São eles:

  • História familiar de endometriose.
  • Nuliparidade (nunca ter tido filhos).
  • Primeira menstruação antes dos 11 anos.
  • Ciclo menstrual curto, menor que 27 dias.
  • Ter tido o primeiro filho tarde.
  • Fluxo menstrual intenso.
  • Anomalias do aparelho reprodutor, como defeitos de Müller.
  • Baixo índice de massa corporal (IMC) (leia: CALCULE O SEU PESO IDEAL E IMC).
  • Abuso sexual na infância ou adolescência.
  • Alto consumo de gorduras trans.

Sintomas

Dependendo do local onde ocorre a endometriose, a paciente pode apresentar um quadro clínico que varia desde sintoma nenhum até dor constante e ininterrupta. Estima-se que até 50%dos casos sejam assintomáticos.

O sintoma mais comum da endometriose, acometendo cerca de 80% das pacientes, é a cólica menstrual de forte intensidade. A endometriose é uma causa comum de dismenorreia secundária (leia: Cólica menstrual – Sintomas e Tratamento para entender as dismenorreias).

A gravidade da dor não é necessariamente um indicador confiável da extensão da doença. Algumas mulheres com endometriose leve têm dor intensa, enquanto outras com endometriose avançada podem ter pouca ou mesmo nenhuma dor.

Em geral, os sinais e sintomas mais comum da endometriose são:

Endometriose na bexiga e trato urinário

Os locais mais comuns de endometriose no sistema urinário são:

  • Bexiga: 85 a 90% dos casos.
  • Ureter: 10% dos casos.
  • Rim: 4% dos casos.
  • Uretra: 2% dos casos.

Quando há tecido endometrial na bexiga, os sintomas mais comuns são: dor para urinar, micção frequente, urgência para urinar e sangue na urina. Quadros de infecção urinária são mais comuns em quem tem endometriose do trato urinário do que na população em geral.

Endometriose no intestino

Até 1 em cada 4 pacientes com endometriose apresenta implantes de endométrio nos intestinos. Os locais mais acometidos são:

  • Reto: 13 a 53% dos casos.
  • Cólon sigmoide: 18 a 47%.
  • Apêndice: 2 a 18%.
  • Intestino delgado: 2 a 5%.

Os sintomas mais comuns da endometriose intestinal são: dor abdominal, sangramento nas fezes, massa abdominal palpável, cólicas menstruais, diarreia, prisão de ventre, dor para evacuar, distensão abdominal e excesso de gases intestinais.

Endometriose no ovário

Cerca de 20% das pacientes com endometriose apresentam um tumor no ovário chamado endometrioma ovariano.

Endometrioma: cisto de chocolate.
Endometrioma: cisto de chocolate.

O endometrioma é um grande cisto que surge devido à presença de tecido endometrial dentro do ovário. O endometrioma contém um fluido parecido com alcatrão, espesso e de cor acastanhada, que costuma ser chamado de “cisto de chocolate”, pois o seu conteúdo tem aspecto de calda de chocolate. Os endometriomas costumam estar firmemente aderidos às estruturas circundantes, como o peritônio, as trompas de Falópio e o intestino.

Como existe um pequeno risco de transformação maligna, os endometriomas costumam ser sempre removidos cirurgicamente.

Endometriose na região torácica

A endometriose torácica é a forma mais comum de endometriose fora da região pélvica/abdominal. Pleura, tecido pulmonar, diafragma e brônquios são os locais mais frequentemente acometidos.

Pneumotórax, hemotórax e tosse com expectoração sanguinolenta são as principais manifestações clínicas dessa forma de endometriose.

Tipos de endometriose

A endometriose pode ser classificada de várias formas, dependendo da localização, profundidade e morfologia dos implantes endometriais. Os tipos mais comuns são:

  1. Endometriose Superficial: ocorre quando o tecido endometrial cresce na superfície dos órgãos pélvicos ou do peritônio, mas não invade estruturas subjacentes.
  2. Endometriose Ovariana: também conhecida como endometriomas ou “cistos de chocolate”, caracteriza-se pela formação de cistos cheios de sangue nos ovários.
  3. Endometriose Profunda: é a forma mais grave, onde o tecido endometrial cresce abaixo da superfície do peritônio e invade a parede de órgãos como intestinos, bexiga, e outros (explicamos mais adiante).
  4. Adenomiose: uma condição relacionada, mas distinta, onde o tecido endometrial cresce dentro da parede muscular do útero, o miométrio. Isso pode causar aumento do tamanho do útero, menstruações dolorosas e pesadas.
  5. Endometriose Extragenital: menos comum, é quando o tecido endometrial se implanta fora da região pélvica, como nos pulmões, na pleura, no trato gastrointestinal (além do reto e do sigmoide), e até mesmo no cérebro.
  6. Endometriose de Cicatriz: o tecido endometrial pode crescer em cicatrizes cirúrgicas na pele ou na parede abdominal, frequentemente como resultado de cirurgias ginecológicas ou cesarianas.

Endometriose profunda

A endometriose profunda, também chamada de endometriose infiltrativa profunda, é a uma forma avançada de endometriose onde o tecido semelhante ao endométrio penetra mais de 5 milímetros sob a superfície do peritônio, membrana que reveste os órgãos abdominais.

Este tecido pode crescer em áreas como os ligamentos uterossacrais, a bexiga, os intestinos e outros órgãos pélvicos, levando a uma gama de sintomas dolorosos e complicados, incluindo dor pélvica crônica, dismenorreia, dispareunia, além de sintomas urinários e intestinais. A endometriose profunda é uma condição desafiadora tanto para diagnosticar quanto para tratar.

Quem tem endometriose pode engravidar?

Sim, mulheres com endometriose ainda podem engravidar, embora a condição possa reduzir a fertilidade em alguns casos.

Cerca de 30 a 50% das mulheres com endometriose apresentam algum grau de infertilidade. Isso ocorre devido ao acometimento dos ovários, que frequentemente encontram-se inflamados e com adesões fibrosas às trompas. A endometriose acometendo a parte externa do útero também pode levar a deformidades anatômicas, tornando o aparelho ginecológico inapto para uma gravidez.

Muitas mulheres com endometriose concebem naturalmente ou podem se beneficiar de tratamentos de fertilidade, como a fertilização in vitro (FIV).

Diagnóstico

O quadro clínico de dor pélvica cíclica associado a infertilidade é bastante sugestivo, porém insuficiente para se estabelecer o diagnóstico.

Exames de imagem, como a ultrassonografia, podem ajudar a descartar outras causas para os sintomas, como tumores, mas também nem sempre conseguem fechar o diagnóstico da endometriose.

Para se ter certeza do diagnóstico é preciso olhar diretamente para dentro da pelve/abdômen, o que só é possível através da laparoscopia, um procedimento cirúrgico. Durante a laparoscopia é possível procurar pelos implantes e biopsiá-los quando necessário. O diagnóstico de certeza, portanto, só é feito após avaliação histológica de material biopsiado durante a cirurgia.

Nos casos menos graves, o diagnóstico presuntivo com achados clínicos e os exames de imagem costuma ser suficiente para indicar o início das terapias de baixo risco, como, por exemplo, o uso de anticoncepcionais. A cirurgia acaba ficando restrita aos casos mais graves, quando a paciente deseja engravidar ou quando é necessário iniciar algum tratamento com taxa de efeitos colaterais mais elevado, como o danazol.

Tratamento

O tratamento normalmente inicia-se com medicamentos para a dor. Os mais usados são os anti-inflamatórios. Estes remédios são apenas sintomáticos e não agem diretamente na doença.

Terapia com hormônios

1. Anticoncepcionais hormonais

A primeira linha de tratamento é feito com anticoncepcionais comuns. Os contraceptivos hormonais combinados (estrogênio e progesterona) podem ser usados a longo prazo, são bem tolerados, são relativamente baratos e fáceis de usar e fornecem benefícios adicionais, incluindo diminuição do risco de cânceres de ovário e endométrio. O uso de anticoncepcionais ajuda a controlar o ciclo hormonal, reduz os sangramentos e a dor em mais de 80% dos casos.

O DIU Mirena e a injeção de Depo-Provera também são opções válidas.

2. Agonistas e antagonistas do hormônio liberador de gonadotropina (GnRH).

Esse grupo de fármacos bloqueia a produção de hormônios estimulantes do ovário, diminuindo os níveis de estrogênio e impedindo a menstruação. Isso cria uma menopausa artificial e faz com que o tecido endometrial encolha.

O tratamento reduz a dor em 80% dos pacientes e ajuda a diminuir o tamanho da endometriose. Esse tratamento pode ser usado por até 12 meses. A menstruação e a fertilidade retornam quando a medicação é interrompida.

3. Danazol

Embora o danazol seja extremamente eficaz no tratamento da dor da endometriose (90% de taxa de sucesso), ele não é tão utilizado devido aos seus efeitos colaterais androgênicos, tais como acne, câimbras, ganho de peso, crescimento de pelos e voz mais grossa.

Cirurgia para endometriose

A cirurgia é indicada nos casos de dor severa, grande sangramento, infertilidade ou ausência de resposta ao tratamento clínico. A cirurgia visa a remoção dos tecidos endometriais e adesões que possam já existir. Atualmente, a cirurgia mais usada é a laparoscopia.

A laparoscopia é uma técnica cirúrgica menos invasiva usada para visualizar, diagnosticar e remover o tecido endometrial. O cirurgião pode remover ou cauterizar as lesões de endometriose.

Para as pacientes que querem engravidar, mas não conseguem, o tratamento cirúrgico é a melhor opção.

Em casos muitos graves, com múltiplos implantes de endometriose e ausência de resposta a outras formas de tratamento, pode ser necessária a remoção de todo útero e/ou ovários.

A cirurgia para extrair tecido endometrial ectópico oferece alívio temporário. Na ausência de tratamento contínuo, é comum a endometriose recidivar. Para prevenir o reaparecimento da doença, muitas vezes é necessário o uso de medicamentos que suprimem a atividade ovariana. Em situações específicas, a remoção dos ovários pode ser considerada para evitar a recorrência da endometriose.

Endometriose tem cura?

A endometriose é uma condição crônica para a qual, até o momento, não existe cura definitiva. O tratamento foca em gerenciar os sintomas e melhorar a qualidade de vida. A escolha do tratamento varia consoante os sintomas, a severidade da condição, a idade da paciente, e o desejo de gravidez. Embora a endometriose possa ser gerenciada com sucesso, os tratamentos atuais não garantem a eliminação permanente da doença.


Referências


Autor(es)

Médico graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com títulos de especialista em Medicina Interna e Nefrologia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), Universidade do Porto e pelo Colégio de Especialidade de Nefrologia de Portugal.


O Artigo te Ajudou? Então nos Ajude Agora!
Se você achou este artigo informativo e útil, por favor, considere compartilhá-lo nas suas redes sociais. Cada compartilhamento não só ajuda outras pessoas a obterem informações de saúde de qualidade, mas também contribui significativamente para o crescimento do nosso site.
Temas relacionados
Ovário policístico Síndrome dos ovários policísticos (SOP)
Pólipos endometriais Pólipos endometriais: o que é, causas, sintomas e tratamento
Atraso menstrual 15 Causas Comuns de Menstruação Atrasada
Ovulação Ovulação: sintomas, causas, testes e calculadora
Menstruação Menstruação: 30 perguntas e respostas
Fogacho Calores da Menopausa (Fogacho)
Ácido mefenâmico para cólica menstrual Ácido mefenâmico (Postan) para cólica menstrual
Teratoma Teratoma de ovário: o que é, tipos, sintomas e tratamento
Cisto de ovário Cisto no ovário: o que é, causas, sintomas e tratamento
Doença inflamatória pélvica Doença inflamatória pélvica (DIP): sintomas e tratamento
Adenomiose Adenomiose uterina: o que é, sintomas e tratamento
Menopausa Menopausa: o que é, sintomas e tratamento
TPM Tensão pré-menstrual (TPM): o que é, causas e tratamento
Ciclo mesntrual Ciclo menstrual: como ocorre a menstruação
Mioma Mioma uterino: o que é, sintomas e tratamento
Cólica menstrual Cólica Menstrual: causas, sintomas e tratamento
- Publicidade -
COMENTÁRIOS
Por favor, leia as regras do site antes de enviar a sua pergunta.

Deixe um comentário

24 comentários em “Endometriose: o que é, sintomas e tratamento”

  1. Amei a informação. Desde de agora tenho certeza que sou mais uma mulher com endometriose. Sintomas totalmente iguais aos que estou sentindo. Virei Hulk de tanta dor abdominal,enchaco,prisão de ventre,entre outros. Tenho 38anos ,nunca imaginei ter esse vestígio,até pq desconheço alguém na família.

    Responder
  2. Como sempre um ótimo texto! Mas fiquei com uma dúvida…após anos de consultas e exames finalmente fechamos meu diagnóstico em endometriose (fora do útero, ureter, ligamento do útero e pelve). Minha medica ia indicar o uso de anticoncepcional oral mas eu pedi outra opção e ela sugeriu o DIU Mirena. Queria saber sua opinião sobre a eficácia no tratamento da endometriose com esse dispositivo.
    Obrigada!

    Responder
    • Marina, há alguns estudos mais recentes que mostram benefícios do DIU Mirena no tratamento da dor da endometriose. O problema é que essa forma de tratamento não parece ser tão eficaz quanto os anticoncepcionais para muitos pacientes. Mas você pode tentar e ver se resulta no seu caso. Se funcionar, ótimo; caso contrário, você muda para a pílula.

      Responder
  3. Olá tenho 31anos acabei de descobrir que tenho endometrise dentro do útero,minha médica sugeriu um anticonsepcional que não deixa menstruar, mas passo muito mal com anticonsepcionais, não sei o que fazer, pois depois de um período de sstres parece que piorou minhas dores,que ficaram constantes. o que devo fazer?

    Responder
  4. ola tenho 24 anos e tive endometriose em maio de 2011 fiz uma cirugia e o medico optou a fazer a retirada do utero,mas agora quase um ano depois voltei com os mesmo sintomas e um exame de ultra sonografia acusou alguns focos tenho medo de que se espalhem,se tiver focos no ovario tem risco de virar cancer obrigado roberta.

    Responder
  5. Boa tarde, tenho uma dúvida e não encontro resposta na web…espero que o Dr. possa me ajudar: Eu quero engravidar e  gostaria de saber se o PERÍODO menstrual longo interfere na data da ovulação, por ex. eu menstruei dia 10/02 e fiquei sangrando por uns 10 dias ( a principio intenso e depois amarronzado, mas até parar totalmente foi uns 10 dias). Contei como meu período fértil a data de 24/02 (3 dias antes + 3 depois)… mas será que o período longo de menstruação atrasa esse período de ovulação?
    Quero muito engravidar, e espero já estar!Grata,Rejane

    Responder
    • O que importa não é o tempo que você fica menstruada, mas sim o intervalo entre 2 menstruações. O que importa é o tamanho do seu ciclo e se ele é regular. A ovulação ocorre sempre mais ou menos 14 dias antes da próxima menstruação.

      Responder
  6. ola, no caso de endometriose ja tratada, mesmo com a menstruação suspensa, e possivel continuar a ter as terriveis colicas caracteristcas da doença? 

    Responder