Ovulação: sintomas, causas e testes diagnósticos

O que é ovulação?

Podemos descrever a ovulação da seguinte forma: evento que ocorre de forma cíclica no organismo feminino, no qual um óvulo é liberado de um dos ovários em direção à tuba uterina, tornando-se disponível para ser fecundado em caso de relação sexual desprotegida.

De forma simples, podemos dizer que a ovulação é simplesmente a liberação de um óvulo pelo ovário, evento que ocorre, em média, uma vez por mês.

Como surge a ovulação?

Ao contrário dos homens, que estão sempre produzindo novos espermatozoides, as mulheres já nascem com um número contado de óvulos imaturos, chamados ovócitos I ou ovócitos primários.

Ao nascer, a menina tem cerca de 2 milhões de ovócitos primários no seu ovário. Ao longo da vida, esse número vai progressivamente se reduzindo, de forma que, ao chegar à adolescência, apenas 25% (cerca de 500 mil) ainda estão disponíveis.

Os ovócitos ficam circundado por uma camada de células epiteliais formando o que chamamos de folículo primordial.

Todo mês, o organismo da mulher passa por variações hormonais induzidas pela hipófise, glândula localizada no cérebro. A hipófise produz dois hormônios: LH e FSH.

Todo início de ciclo menstrual começa com o FSH estimulando o amadurecimento de um grupo selecionado de folículos primordiais, que tornam-se folículos primários. Sete dias após o início do ciclo, é possível detectar na ultrassonografia do ovário vários folículos em crescimento, medindo entre 9 e 10 milímetros.

Ovulação
Processo de evolução

Estes folículos primários começam a produzir o hormônio estrogênio. Conforme os níveis de estrogênio vão crescendo, um dos folículos torna-se dominante, continuando o seu desenvolvendo, enquanto os outros param de crescer e começam a atrofiar.

O folículo dominante produz níveis cada vez maiores de estrogênio, atingindo seu pico na véspera da ovulação.

Também logo antes da ovulação, a hipófise passa a produzir o hormônio LH em grandes quantidades, o que estimula o amadurecimento final do ovócito primário para ovócito secundário.

24 a 36 horas após o pico de LH, o folículo maduro rompe-se e libera para a tuba uterina o óvulo.

Se a mulher tiver relações nessa fase, o espermatozoide irá encontrar o óvulo maduro em uma das trompas, iniciando o processo de fertilização do mesmo.

Explicamos o ciclo menstrual com mais detalhes no artigo: Ciclo menstrual – Como ocorre a menstruação

Quando vou ovular?

Nas mulheres com ciclo menstrual regular, é possível prever o dia da ovulação com uma margem pequena de erro, pois em 95% dos casos, a liberação do óvulo ocorre nos quatro dias anteriores ou posteriores à metade do ciclo menstrual. Em 30% das mulheres, o dia da ovulação cai exatamente no meio ciclo.

Para ficar mais fácil a compreensão, vamos usar como exemplo uma mulher que tenha um ciclo regular de 28 dias.

Como a metade do ciclo ocorre no 14ª dia, isso significa que ela tem 95% de chance de ovular entre o 10º e o 18º dias do ciclo e 30% de chance de ovular exatamente no dia 14.

Se você quiser estimar o dia da sua próxima ovulação, ou saber em que dia caiu a ovulação no ciclo passado, utilize a calculadora de ovulação disponível a seguir.

Calculadora do dia da ovulação


A calculadora acima só é confiável para mulheres com ciclo regular entre 21 e 35 dias. Nos ciclos fora desse intervalo, a ovulação pode não ocorrer na metade do ciclo.

Para mais informações sobre o dia da ovulação e o período fértil, leia o seguinte artigo: Período fértil para engravidar.

Sinais e sintomas

Os sinais e sintomas da ovulação variam de mulher para mulher. Na maioria dos casos, eles são bem sutis, sendo perfeitamente normal o fato de muitas mulheres referirem não apresentar qualquer sintoma na época da ovulação.

Além disso, o tempo da ovulação difere entre as mulheres. Algumas ovulam como um relógio suíço, sempre no mesmo dia do ciclo em todos os meses; já outras, ovulam de forma completamente imprevisível, em dias diferentes do ciclo a cada mês.

Quando a mulher tem o ciclo bem regular, é mais fácil não só estimar o dia da ovulação, como também aprender a reconhecer os seus sintomas. Na verdade, muitas mulheres que dizem não ter sintomas da ovulação, na verdade os tem, elas só ainda não aprenderam a reconhecê-los.

Abaixo listamos os principais sinais de ovulação aos quais você deve estar atenta:

  • Aumento da temperatura corporal basal em cerca de 0,3ºC.
  • Corrimento vaginal, leve, claro e fino, com uma consistência mais escorregadia, semelhante ao da clara do ovo.
  • Dor na parte inferior do abdome, no lado onde a ovulação está ocorrendo. Esse tipo de dor chama-se Mittelschmerz, pode aparecer de forma súbita e normalmente melhora após algumas horas.
  • Aumento do desejo sexual.
  • Discreta perda de sangue vaginal.
  • A vulva ou a vagina podem parecer inchadas.
  • Aumento da sensibilidade nas mamas.
  • Olfato fica mais sensível (às vezes, o paladar também).
  • Sensação de gases na barriga.

Para conseguir reconhecer boa parte dos sinais acima, é importante que você conheça os sinais basais do seu corpo.

Por exemplo, não há como reconhecer um aumento de apenas 0,3ªC na temperatura corporal se você não estiver medido a temperatura diariamente, sempre na mesma hora, para saber qual é a sua temperatura basal. O mesmo raciocínio vale para a aparência do corrimento vaginal e da vulva.

Como saber se estou ovulando?

Existem no mercado vários tipos de teste que ajudam a mulher a prever o dia da ovulação ou a detectar se a ovulação já ocorreu.

Vamos falar resumidamente dos testes de ovulação mais confiáveis. São eles:

  • Dosagem do hormônio LH na urina.
  • Ultrassonografia dos ovários.
  • Medição da temperatura axilar.
  • Medição da temperatura vaginal.
  • Teste da saliva.

Dosagem do LH na urina

Como já explicado, o aumento rápido e repentino do LH é um sinal que antecede a ovulação em cerca de 36 horas. Portanto, a dosagem frequente dos níveis desse hormônio é uma forma bastante eficaz para identificar a chegada do período fértil.

A concentração de LH na urina começa a subir cerca de 12 horas depois do aumento dos níveis sanguíneos. Sendo assim, testes que medem a presença do LH na urina conseguem detectar a ovulação com cerca de 24 horas de antecedência.

Já existem no mercado várias marcas diferentes de testes que medem a concentração de LH urinário. Alguns exemplos facilmente encontrados nas farmácias são:

  • Teste de Ovulação Clearblue Digital®.
  • Teste de Ovulação Confirme Fertilidade®.
  • Fast Test Fertilidade Feminina®.
  • Teste de Fertilidade Needs Tira®.

Esses testes são feitos de forma semelhante aos testes de gravidez. As embalagens vêm com várias tiras e o teste deve ser feito diariamente na época em que se estima ser o período fértil.

Se realizados de forma correta, esses testes têm uma acurácia de 95 a 97% para prever a ovulação.

Ultrassonografia dos ovários

A ultrassonografia dos ovários é um método capaz de identificar a existência de folículos dominantes e que estão prestes a romper.

A ultrassonografia feita pela via transvaginal é mais confiável que a ultrassonografia pélvica.

Apesar de ser um bom método para detecção da ovulação, a ultrassonografia é um método pouco prático, pois não pode ser feito em casa e é difícil realizá-la quase que diariamente, principalmente se o consultório médico não for perto da sua casa.

Medição da temperatura axilar

O aumento da temperatura corporal é um método que serve para identificar a ocorrência da ovulação, mas não para prevê-la. A temperatura só sobe após a ovulação já ter ocorrido.

Antigamente, a aferição da temperatura axilar era feita manualmente, todas as manhãs, assim que a paciente acordasse.

Hoje em dia já existem adesivos com sensores, que são colocados próximo às axilas e medem a temperatura corporal várias vezes por dia, sincronizando os resultados para um aplicativo no telefone celular. Uma das marcas mais utilizadas é a DuoFertility®.

Medição da temperatura vaginal

Esse método é semelhante ao da temperatura axilar. A diferença é que a temperatura é medida no canal vaginal. Também já existem sensores e aplicativos de celular que servem para avaliar a temperatura várias vezes por dia.

A marca mais conhecida é a OvuSense®, que possui um termômetro intravaginal que deve colocado na vagina como se fosse um absorvente interno.

Teste da saliva

O teste de ovulação menos conhecido é o teste da saliva. Ele pode ser feito por qualquer pessoa que tenha uma lente ou microscópio com aumento de pelo menos 100 vezes.

O aumento na produção de estrogênio e outros hormônios no período pré-ovulatório faz com que a concentração de sais na saliva aumente, principalmente de cloreto de sódio (NaCl).

Quando a saliva começa a evaporar, os sais presentes nela precipitam e formam cristais, conforme podemos ver na imagem abaixo.

Ovulação - Cristalização da saliva
Cristalização da saliva

Para quem não tem microscópio em casa, já existe um kit chamado Ovatel® que custa cerca de 40 reais e traz um pequeno microscópio de bolso.

O teste da saliva, apesar de ser simples, apresenta uma taxa de sucesso de apenas 50%, pois muitas mulheres têm dificuldade de reconhecer a cristalização da saliva, e o teste pode sofrer alterações por medicamentos, alimentos, cigarro, etc.

Sinais de que você pode não estar ovulando regularmente

A menstruação é o resultado de uma ovulação não fecundada. Se você não usa anticoncepcionais hormonais e menstrua normalmente todos os meses, isso é sinal de ovulação regular.

Por outro lado, se sua menstruação costuma ficar meses sem vir, e quando vem ela é completamente caótica e imprevisível, você provavelmente está tendo ciclos sem ovulação, chamados ciclos anovulatórios.

Ciclos menstruais muito curtos (menores que 21 dias) ou muito longos (maiores que 35 dias) também são um sinal de problema na ovulação.

As mulheres que não estão ovulando também não apresentam elevação da temperatura corporal basal. A ausência de menstruação associada à temperatura basal que não se altera é um forte indício de ciclos anovulatórios.

Falamos especificamente das causas de menstruação atrasada no artigo: 15 causas comuns de menstruação atrasada.


Referências


RELACIONADOS