Furúnculo

O furúnculo é um abscesso (coleção de pus) que se forma sob a pele quando uma bactéria infecta um folículo piloso, estrutura de onde crescem os pelos. Ao contrário da foliculite, que é uma infecção localizada e restrita ao folículo piloso, o furúnculo surge porque a infecção se alastra pelo tecido subcutâneo ao redor do folículo.

Neste artigo vamos abordar os seguintes pontos sobre o furúnculo:

  • O que é um furúnculo.
  • Fatores de risco e causas do furúnculo.
  • Sintomas do furúnculo.
  • Complicações do furúnculo.
  • Tratamento do furúnculo.

O que é um furúnculo

O furúnculo, conhecido popularmente como cabeça de prego, é uma infecção de pele, em forma de abscesso, que ocorre quando há infecção do folículo piloso por uma bactéria, habitualmente, pelo Staphylococcus aureus.

Em geral, a bactéria Staphylococcus aureus está presente na superfície da nossa pele e não consegue penetrá-la, a não ser haja alguma ferida. Qualquer lesão de pele, por menor que seja, pode servir como porta de entrada para bactérias, incluindo picadas de mosquitos, escoriações, feridas por laminas de barbear ou lesões causadas por agulhas.

Furúnculo

Para saber mais sobre infecções provocadas pela bactéria Staphylococcus aureus, leia: STAPHYLOCOCCUS AUREUS | quais os riscos desta bactéria?

Os furúnculos ocorrem mais frequentemente em áreas de pelos, úmidas e mais expostas a atritos, como são as nádegas, virilhas, axilas, coxas, face e pescoço. Chamamos de furunculose quando o paciente desenvolve múltiplos e recorrentes furúnculos.

Quando mais de um folículo piloso de uma mesma região se infecta, os vários furúnculos criados podem se fundir, provocando um abscesso bem extenso, que recebe o nome de carbúnculo. Essa lesão ocorre habitualmente nas costas ou na nuca e apresenta vários pontos de drenagem.

É importante destacar que o furúnculo não é uma espinha gigante. Apesar de ambas serem infecções dos folículos pilo-sebáceos, o processo de formação da acne e a bactéria responsável pela infecção são diferentes nas duas doenças. Todavia, cabe ressaltar que, como a acne é uma lesão de pele, ela pode acabar servindo como uma porta de entrada para o Staphylococcus aureus, sendo, portanto, um fator de risco para o desenvolvimento de furúnculos.

Se você quiser saber mais sobre a formação de cravos e espinhas, leia: ACNE (CRAVOS E ESPINHAS) | Causas e tratamento

Fatores de risco para o furúnculo

Todo mundo faz, com alguma razoável frequência, pequenas lesões de pele nas regiões mais propícias à formação dos furúnculos, porém, nem todo mundo desenvolve furúnculos a toda hora. Muitas vezes, o nosso sistema imunológico é capaz de neutralizar a invasão de bactérias para o nosso tecido subcutâneo.

O risco de desenvolver furúnculos é maior em pessoas com elevada colonização de bactérias Staphylococcus aureus na pele e na região dentro das narinas, e em indivíduos com alguma deficiência do sistema imunológico. Fatores genéticos também parecem estar ligados, sendo a história familiar de furunculose um fator de risco importante. Além da predisposição genética, podemos também citar outros fatores de risco já reconhecidos para a formação de furúnculos:

– Diabetes mellitus.
– Insuficiência renal.
– Cirrose.
– Uso de drogas imunossupressoras.
– HIV positivo.
– Doenças crônicas de pele.
– Uso de drogas injetáveis.
– Obesidade.
– Idade avançada.
– Má higiene pessoal.
– Uso de roupas justas.
– Regiões úmidas com excesso de pelo.

O convívio próximo com pessoas que costumam ter furúnculos com frequência parece aumentar o risco. Partilhar roupas de cama, toalhas e roupas pessoais também elevam o risco de furunculose.

Sintomas do furúnculo

O furúnculo inicia-se geralmente como um nódulo subcutâneo inflamado, doloroso e bem avermelhado ao redor. Os furúnculos, em geral, são pequenos, sendo um pouco maiores que um grão de feijão ou ervilha.  Porém, em alguns casos, eles podem ser bem grandes, chegando a ficar maiores que uma bola de ping-pong.

Conforme a infecção vai evoluindo, dentro do folículo vão se acumulando pus e células mortas, causando um grande aumento de pressão no tecido subcutâneo. Esse aumento de pressão faz que com que surja no centro da lesão um ponto amarelado ou esbranquiçado, que é o pus sendo empurrado para fora do folículo. Em alguns casos, o acúmulo de material purulento no abscesso é tão grande que o furúnculo “estoura” sozinho, drenando espontaneamente grande quantidade de pus. Muitas vezes, porém, o furúnculo não se rompe espontaneamente, e ajuda médica é necessária para drenar o abscesso.

Foto de furúnculos

Abscessos muito volumosos e profundos podem deixar cicatrizes. Algumas lesões podem também formar pequenos buracos na pele após serem drenadas. Nas lesões maiores, uma massa de tecido morto, com formato mais moldado e pastoso, conhecida como carnegão, pode ser expelida. A retirada desse carnegão é essencial para a cura da infecção.

Na maioria dos casos, os furúnculos não provocam maiores complicações e desaparecem logo após serem drenados. Lesões pequenas podem se curar sozinhas, sem precisar de drenagem mecânica. Contudo, a presença de bactérias virulentas como o Staphylococcus aureus no tecido subcutâneo é um risco para disseminação das mesmas pela corrente sanguínea. A invasão da circulação sanguínea por bactérias é chamada de bacteremia e pode levar a quadros graves, como endocardite (leia: ENDOCARDITE| Sintomas e tratamento), sepse (leia: O QUE É SEPSE / CHOQUE SÉPTICO?), abscesso cerebral e osteomielite.

Habitualmente, a presença de um furúnculo não provoca febre nem grande comprometimento do estado geral. Quando presentes, estes sinais indicam que a infecção pode não estar mais restrita à pele e complicações podem surgir.

Um abscesso na região do cóccix, porção final da coluna, já próximo ao ânus, pode não ser um furúnculo, mas sim um cisto pilonidal (leia: CISTO PILONIDAL | Causas e cirurgia).

Tratamento do furúnculo

Não se deve nunca espremer um furúnculo. O processo de drenagem, quando indicado, tem que ser feito de forma asséptica e pouco traumática para reduzir o risco de cicatrizes esteticamente indesejáveis e evitar que novas bactérias penetrem para dentro da pele. A drenagem feita de forma equivocada pode facilitar uma nova infecção da área e a propagação de bactérias para a corrente sanguínea.

Em geral, os furúnculos se rompem espontaneamente após alguns dias. Na maioria dos casos, compressas úmidas com água quente, pelo menos 3 vezes por dia, são suficientes para acelerar a drenagem espontânea. Não utilize pomadas para tratar furúnculos por conta própria. Na maioria dos casos elas não são necessárias. A limpeza da lesão pode ser feita apenas com água e sabão neutro. Antibióticos também não costumam ser necessários.

Nos casos de grandes abscessos, que não drenam espontaneamente após alguns dias, uma pequena incisão feita pelo médico pode ser indicada para acelerar o processo de cura. A drenagem médica costuma ser feita nos casos de furúnculos que:

– Duram mais de 10 dias.
– Apresentam extensa área inflamada ao redor.
– Estão localizados em áreas de risco para complicação, como a face e regiões próximas da coluna vertebral.
– Provocam febre.
– São lesões múltiplas (carbúnculos).

Quando usar antibióticos?

Em algumas situações, o uso de antibióticos após a drenagem do abscesso pode estar indicado. São elas:

  • Múltiplos abscessos.
  • Furúnculo com mais de 2 cm de diâmetro.
  • Furúnculo com extensa área de celulite (inflamação) ao seu redor (leia: ERISIPELA E CELULITE – Sintomas e tratamento).
  • Febre.
  • Ausência de melhora da lesão após a drenagem.
  • Pacientes com algum grau de imunossupressão.

O uso de antibióticos não é sempre necessário. Depende da gravidade do caso e do estado clínico do paciente. Quando o médico opta pelo tratamento com antibióticos, oxacilina, flucloxacilina, cefalexina, cefradina, Trimetoprim-sulfametoxazol ou clindamicina são as opções válidas.

Compartilhe
Médico formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (U.F.R.J) em 2002. Especialista em Medicina Interna e Nefrologia. Títulos reconhecidos pela Faculdade do Porto, Ordem dos Médicos de Portugal e Colégio de Nefrologia Português.