Hepatite C: sintomas, transmissão e tratamento

Foto do autor

Escrito por: Dr. Pedro Pinheiro

Atualizado em:
Tempo de leitura estimado do artigo: 6 minutos

O que é hepatite C?

Hepatite é um termo que significa inflamação do fígado. Diversas situações podem causar hepatite, incluindo medicamentos, toxinas, abuso de álcool, doenças autoimunes e diversos tipos de infecções, incluindo as hepatites virais, que são as causas mais comuns.

A hepatite C é um tipo específico de hepatite viral, provocada pelo vírus HCV (vírus da hepatite C).

Apesar de terem nomes parecidos, serem provocadas por vírus e atacarem o fígado, as hepatites A, B, C, D e E são doenças diferentes, causadas por vírus diferentes, com formas de transmissão e evolução clínica distintas.

Se você quiser saber sobre as diversas formas de hepatites existentes, acesse os seguintes artigos:

A infecção pela hepatite C ocorre habitualmente em duas fases: infecção aguda e infecção crônica.

A infecção aguda costuma ser assintomática na maioria dos pacientes. Esta fase pode durar até seis meses e apresenta níveis elevados do vírus C no sangue. A fase aguda termina quando os anticorpos produzidos pelo sistema imunológico conseguem controlar a multiplicação do vírus.

Apesar da ação do sistema imunológico, somente cerca de 15 a 20% dos pacientes conseguem ficar efetivamente curados do vírus. Os outros cerca de 85% evoluem para hepatite C crônica. Segundo a organização mundial de saúde, existem cerca de 71 milhões de pessoas cronicamente infectadas pelo vírus C em todo o mundo.

A hepatite C crônica é uma infecção que pode permanecer silenciosa até fases avançadas. A destruição do fígado ocorre lentamente, e, às vezes, os sintomas só surgem 20 anos depois da contaminação. Isso explica por que boa parte dos pacientes infectados pelo vírus C não sabem que estão doentes. Até 1/3 dos pacientes com hepatite crônica acabam desenvolvendo cirrose hepática.

Transmissão

O principal meio de transmissão da hepatite C é através da exposição a sangue contaminado.

Até o final da década de 1980 não sabíamos que o vírus da hepatite C existia. Por isso, as bolsas para transfusão sanguínea não eram testadas para esse vírus. Durante muito tempo a hepatite C era chamada de hepatite não-A não-B. Sabíamos que existia um tipo de hepatite diferente das conhecidas hepatite A e hepatite B, porém a causa e a forma de transmissão eram desconhecidas.

As pessoas recebiam transfusões sanguíneas, eram infectadas pelo vírus C e nem elas, nem os médicos tinham conhecimento disto. O resultado é que hoje encontramos milhares de pacientes portadores de hepatite C em fase avançada da doença, que foram inadvertidamente contaminados há 2 ou 3 décadas. Estima-se que até 10% das bolsas de sangue durante a década de 1980 estavam contaminadas com hepatite C.

A partir do descobrimento do vírus HCV em 1989, os doadores de sangue passaram a ser testados para hepatite C. Desde então, a transfusão sanguínea deixou de ser a principal via de transmissão. 

Atualmente, a taxa de contaminação pela hepatite C através de transfusão de sangue é de apenas 1 caso para cada 2 milhões de transfusões. Portanto, a quase totalidade dos casos de hepatite C de origem transfusional ainda vistos hoje em dia são casos antigos, que tiveram origem nas décadas passadas.

Atualmente, a principal via de contaminação é pelo uso de drogas injetáveis com compartilhamento de agulhas entre os usuários. Em vários países, mais de 60% dos usuários de drogas injetáveis estão contaminados pelo vírus. Em alguns locais, a taxa de infecção nessa população é maior que 80%.

A hepatite C também pode ser transmitida pela via sexual, apesar de o risco ser bem mais baixo que o da hepatite B, HIV ou outras doenças sexualmente transmissíveis.

Se pela via sexual o HIV é mais contagioso, pelo contato sanguíneo, o vírus C é bem mais perigoso, a ponto de orientarmos os familiares a não partilhar escova de dentes ou aparelhos de barbear pelo risco de transmissão com pequenos volumes de sangue.

Outras vias de transmissão menos comuns são através do transplante de órgãos de doadores infectados, hemodiálise, acidentes em ambientes hospitalares, tatuagem, body piercing e transmissão perinatal.

Sintomas

Hepatite c aguda

Como já foi citado, a hepatite C costuma ser uma infecção assintomática por muitos anos. Todavia, até 20% dos pacientes apresentam um quadro de hepatite aguda, que ocorre de 1 a 3 meses após a contaminação.

Os sintomas da hepatite C aguda incluem mal-estar, náuseas e vômitos, icterícia (pele amarelada), comichão pelo corpo, cansaço e dor abdominal na região do fígado (abaixo das costelas à direita). Os sintomas podem durar de 2 a 12 semanas.

Icterícia
Icterícia – pele amarelada

Nas análises de sangue pode-se detectar aumento das enzimas hepáticas (TGO e TGP) e bilirrubinas.

É importante lembrar que 70% dos pacientes não apresentam nenhum sintoma após a contaminação e assim permanecem durante anos.

Hepatite C crônica

O grande risco da hepatite C surge quando ela se torna uma infecção crônica. Depois da contaminação, sintomática ou não, apenas 20% dos pacientes conseguem se livrar espontaneamente do vírus C. Os outros 80% permanecem infectados pelo resto da vida. São estes que sofrerão as complicações da hepatite C.

Consideramos que um paciente tem infecção crônica se o vírus C ainda estiver presente no seu organismo após 6 meses da contaminação. Se após esse tempo o sistema imunológico não conseguiu se livrar do vírus, a chance de cura espontânea posterior é muito baixa.

Os sintomas da hepatite C crônica começam a aparecer, em média, após 20 a 30 anos de contaminação, quando 30 a 50% dos pacientes desenvolverão sinais de cirrose hepática. Dentre os que desenvolvem cirrose, alguns ainda terão outra complicação, que é o hepatocarcinoma (câncer do fígado).

Os sintomas da hepatite C crônica, portanto, são causados pelo desenvolvimento de cirrose e pela consequente falência hepática. Os mais comuns são:

  • Icterícia.
  • Ascite.
  • Urina escura.
  • Fezes claras.
  • Coceira pelo corpo.
  • Circulação colateral (vasos sanguíneos mais visíveis através da pele, principalmente no abdômen e tronco).
  • Perda de peso.
  • Perda do apetite.

Os restantes 50% que não evoluem para cirrose mantém-se com o vírus C de forma assintomática por mais de 30 anos. Não sabemos ainda por que alguns pacientes com hepatite C crônica desenvolvem cirrose, enquanto outros permanecem assintomáticos pelo resto da vida.

Alguns fatores parecem favorecer a evolução para cirrose, entre eles:

Outras complicações

Além da cirrose e do hepatocarcinoma, os pacientes com hepatite C crônica também apresentam um maior risco de desenvolver as seguintes complicações:

Diagnóstico

Todo paciente com elevação das enzimas hepáticas sem explicação aparente, usuários de drogas endovenosas, pessoas com antecedentes de transfusão de sangue antes da década de 1990, profissionais de saúde e parceiros(as) de pacientes contaminados com o vírus C devem fazer exames para pesquisar a presença de hepatite C.

Há uma corrente nova, porém, que sugere o rastreio do HCV para todos os adultos com mais de 18 anos, visto que a doença pode ser silenciosa, o benefício do tratamento é substancial, a taxa de cura é altíssima e o risco de falso positivo é praticamente nulo.

O diagnóstico da hepatite C é feito da seguinte maneira:

  • Inicia-se com a pesquisa de anticorpos com a sorologia pelo método ELISA (EIA). Se o teste for negativo, descarta-se a doença.
  • Se o ELISA for positivo, o laboratório faz uma contraprova com uma segunda sorologia, chamada RIBA-2 ou RIBA-3, feita para se confirmar o diagnóstico. Se o RIBA for negativo, isso significa que o ELISA foi um falso positivo e descarta-se a doença.
  • Se o RIBA também vier positivo, deve-se, então, fazer a pesquisa direta pelo vírus pesquisando o RNA do HCV. Este último método não só é capaz de identificar o vírus C, como também pode fornecer a carga viral no sangue.

Um HCV RNA positivo confirma o diagnóstico de hepatite C, enquanto um HCV RNA negativo (com ELISA e RIBA positivos) indica aqueles raros casos nos quais houve cura espontânea da infecção.

Nota: conforme os testes HCV RNA vão ficando mais baratos e acessíveis, tem se tornado menos frequente a realização do RIBA. Atualmente, a sorologia com pesquisa de anticorpos e a pesquisa de RNA HCV são os testes mais utilizados.

Falso positivos são improváveis, dado que isso implicaria em 3 exames diferentes dando resultado falsamente positivo.

Todo paciente com diagnóstico de hepatite C e carga viral detectável por mais de 6 meses é considerado portador de hepatite C crônica.

Janela imunológica dos testes de HCV

Para um paciente que se apresenta após uma exposição conhecida ao HCV (por exemplo, ferimento com agulha contaminada ou uso recente de drogas injetáveis com agulhas compartilhadas), primeiro obtemos testes de sorologia e RNA HCV para estabelecer a condição basal do HCV do paciente. Se esse primeiro teste já vier positivo, é porque ele já estava contaminado antes dessa exposição.

Após a confirmação de que o paciente não estava previamente contaminado com o vírus da hepatite C, deve-se seguir o seguinte protocolo:

  • Quatro semanas após a exposição, repete-se o RNA HCV.
  • Três a quatro meses após a exposição, mais uma pesquisa do RNA HCV e uma sorologia com pesquisa de anticorpo anti-HCV.
  • Seis meses após a exposição: RNA do HCV + anticorpo anti-HCV.

Se o RNA do HCV se tornar detectável em qualquer um dos três momentos acima, a infecção aguda pelo HCV é diagnosticada.

Se o RNA HCV e o anticorpo anti-HCV permanecerem negativos durante o período de teste, então a infecção pelo HCV não ocorreu e o teste pode ser interrompido. Em alguns casos, o anticorpo anti-HCV torna-se reativo com o tempo, mas o RNA do HCV permanece indetectável. Isso sugere infecção aguda pelo HCV com eliminação espontânea.

Pesquisa do Genótipo da hepatite C

Como existem variações genéticas entre o vírus C, uma vez diagnosticada hepatite C, é importante saber qual genótipo é o responsável pela infecção. Essa informação é importante devido ao fato do tratamento ser diferente para cada genótipo do vírus.

A família dos vírus HCV é extremamente heterogênea, e pelo menos seis genótipos e numerosos subtipos foram identificados. Uma variedade de métodos está disponível para identificar os genótipos. O método mais comumente usado de genotipagem é o ensaio de sonda de linha (INNO-LiPA HCV II), que fornece genótipo e subtipo. Atualmente, apenas genótipo (não subtipo) é usado na tomada de decisões clínicas relativas ao tratamento.

No Brasil, quase todos os casos são provocados pelos genótipos 1, 2 ou 3. O genótipo 1 é responsável por mais de 60% dos casos, o genótipo 2 por cerca de 5% e o genótipo 3 por algo em torno de 32%. Os genótipos 4, 5 e 6 ocorrem em menos de 1,5% dos pacientes.

Escala METAVIR

Todo paciente com hepatite C crônica devem ser submetido à biópsia do fígado para avaliação do grau de inflamação e de fibrose (extensão das cicatrizes no fígado).

Uma das formas mais utilizadas para graduar e padronizar os resultados da biópsia hepática é a escala METAVIR. O grau de inflamação (ou atividade da doença) é classificado de A0 a A3 e o grau de fibrose de F0 a F4.

Escala METAVIR:

  • A0: nenhuma atividade.
  • A1: atividade leve.
  • A2: atividade moderada.
  • A3: atividade severa.
  • F0: Sem fibrose
  • F1: fibrose portal sem septos.
  • F2: fibrose portal com poucos septos.
  • F3: numerosos septos sem cirrose.
  • F4: cirrose hepática.

Os resultados da escala METAVIR ajudam a definir o esquema de tratamento mais adequado.

Tratamento

Até há alguns anos, o tratamento da hepatite tinha como objetivo evitar a progressão da infecção para cirrose e falência hepática. Como a maioria dos pacientes não evoluía para este estado, e os medicamentos apresentam elevada taxa de efeitos colaterais, nem todos os portadores do vírus C acabavam tendo indicação para receberem tratamento.

Com a introdução de uma nova gama de antivirais, chamadas DAA (direct-acting antiviral), tais como o Ledipasvir, Sofosbuvir, Ombitasvir, Paritaprevir, Ritonavir, Dasabuvir, Velpatasvir e Simeprevir, o tratamento da hepatite C sofreu uma revolução.

O tratamento com esses novos fármacos possui elevada taxa de cura da hepatite C, com um perfil de efeitos colaterais muito mais benigno que os tratamentos antigos, à base de Interferon. Por isso, atualmente, qualquer paciente portador de hepatite C crônica deve ser considerado para tratamento com DAA.

Resumidamente, o tratamento da hepatite C costuma ser feito da seguinte com os seguintes fármacos.

Hepatite C genótipo 1

Opções de tratamento inicial da hepatite C genótipo 1:

  • Ledipasvir-Sofosbuvir por 8 a 12 semanas.
  • Sofosbuvir-Velpatasvir por 12 semanas.
  • Glecaprevir-Pibrentasvir por 8 semanas.

Hepatite C genótipo 2

Opções de tratamento inicial da hepatite C genótipo 2:

  • Sofosbuvir-Velpatasvir por 12 semanas.
  • Glecaprevir-Pibrentasvir por 8 semanas (12 semanas se houver cirrose – METAVIR F4).

Hepatite C genótipo 3

Opções de tratamento inicial da hepatite C genótipo 3:

  • Sofosbuvir-Velpatasvir por 12 semanas.
  • Glecaprevir-Pibrentasvir por 8 semanas.

Hepatite C genótipo 4, 5 ou 6

Opções de tratamento inicial da hepatite C genótipo 4, 5 ou 6:

  • Ledipasvir-Sofosbuvir por 12 semanas.
  • Sofosbuvir-Velpatasvir por 12 semanas.
  • Glecaprevir-Pibrentasvir por 8 semanas (12 semanas se houver cirrose – METAVIR F4).

O objetivo do tratamento é eliminar o HCV da circulação. É considerada cura da hepatite C quando o vírus continua indetectável no sangue 12 semanas após o fim do tratamento.

Atualmente, a chance de cura do vírus hepatite C é superior a 95%, principalmente para aqueles pacientes que nunca foram tratados com o regime anterior, que continha Interferon. Porém, mesmo os pacientes mais antigos, que foram tratados e não tiveram resposta aos tratamentos anteriores, ainda têm grande chance de cura com o novo esquema de antivirais.

Alguns pontos importantes:

  • Os únicos tratamentos cientificamente comprovados para hepatite, são os descritos acima. Tenham cuidado com os chamados tratamentos naturais, pois além de não funcionarem, podem piorar o quadro, já que muitas dessas ervas são hepatotóxicas.
  • Não existe dieta específica para hepatite C, a não ser evitar o consumo de bebidas alcoólicas.
  • Exercícios físicos não ajudam nem atrapalham no tratamento do vírus.
  • Ao contrário do que ocorre na hepatite B, não existe vacina para a hepatite C.

Referências


Autor(es)

Médico graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com títulos de especialista em Medicina Interna e Nefrologia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), Universidade do Porto e pelo Colégio de Especialidade de Nefrologia de Portugal.

Saiba mais

Artigos semelhantes

Ficou com alguma dúvida?

Comentários e perguntas

Deixe um comentário


36 respostas para “Hepatite C: sintomas, transmissão e tratamento”

  1. Hernane
    Dr. materia excelente. Poderia me dizer, se um exame anti-hcv negativo, após 150 dias de relação desprotegida descarta a infecção?
    1. Avatar de Dr. Pedro Pinheiro
      Dr. Pedro Pinheiro
      A janela da sorologia do HCV costuma ser de até 8 a 12 semanas. É pouco provável que um teste negativo após 4 meses seja falso negativo, até porque a transmissão por via sexual é bem menos comum que por agulhas ou sangue contaminado.
  2. Timótio

    Boa tarde, obrigado pelo artigo, ajudou bastante. Que Deus abençoe.

    1. Avatar de Dr. Pedro Pinheiro
      Dr. Pedro Pinheiro
      Fico contente de saber que o texto ajudou.
  3. Kátia

    que tipo de alimento devo evitar

    1. Avatar de Dr. Pedro Pinheiro
      Dr. Pedro Pinheiro
      Não há nenhum alimento específico que deva ser evitado na hepatite C.
  4. Maria Josefa Silva

    Se faz endoscopia antes do tratamento?

    1. Avatar de Dr. Pedro Pinheiro
      Dr. Pedro Pinheiro
      Não é regra.
  5. Maria Josefa Silva

    A hepatite C pode ser pega por relação sexual?

    1. Avatar de Dr. Pedro Pinheiro
      Dr. Pedro Pinheiro
      Pode. Não é a via mais comum, mas é possível.
  6. Celso Politano
    Muito bom
  7. Cláudio Ferreira Viana
    Muito bom o conteúdo!!!
    Tenho 53 anos e só agora que estou com a suspeita da hepatite C.
    Existem programas do governo federal para tratamento?
    1. Avatar de Dr. Pedro Pinheiro
      Dr. Pedro Pinheiro
      Sim, existem.
  8. Monica Nascimento
    tenho hepatite c ate o momento sem complicaçoes e sou obesa peso 108. estou com presao controlada posso fazer cirurgia bariatrica, ou a hepatite c me proíbe de fazer a cirurgia ?
    1. Avatar de Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde
      Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde
      Se você não tiver uma doença hepática descompensada, a hepatite C por si só não contraindica a cirurgia.
  9. lara
    Posso ter pego hepatite na manicure? O risco e alto? Fui na manicure 10 de abril e na correria esqueci meu alicate. Nao tenho costume de ir soh raramente em eeventos especiais. Qdo tempo devo esperar pra fazer o exame devido a janela imunologica?
    1. Avatar de Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde
      Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde
      O risco é baixo, mas existe. A janela é de 6 meses.
  10. Elinete vieira
    Gostaria saber, após quantos anos de contaminação, poderá aparecer os sintomas da hepatite c?
    1. Avatar de Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde
      Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde
      Às vezes demora mais de uma década.
  11. Eunice Mello
    Dr. O médico pode recusar á fazer uma cirurgia ortopedica,ou otras cirurgias, em um portador de hepatite c?
    1. Avatar de Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde
      Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde
      Somente por ter hepatite C, não.
      1. Eunice Mello
        Boa Tarde Dr Pedro. Muito obrigada. Mas , já é o 3º médico que se recusa a realizar o procedimento, Se continuares assim, acho que vou ter que acionar a justiça.
  12. Marcella
    O esultado da minha filha de 5 anos deu como resultado
    Tgp(ALT) 36,0 U/l A referência informa até 32U/l Significa alguma altração no figado ou Hepatite? Obrigada.
    1. Avatar de Pedro Pinheiro
      Pedro Pinheiro
      Não necessariamente. O médico que solicitou o exame saberá interpretá-lo corretamente.
  13. Sandra
    Olá Doutor!
    meu namorado socorreu uma senhora que tinha caído na rua e ela estava com um machucado na testa e um no braço…ele disse que não encostou do sangue da senhora, porém mesmo que ele tivesse enconstado ele poderia pegar hiv ou hepatite? (não havia nenhum machucado na pele dele)

    obrigada!

    1. Avatar de Pedro Pinheiro
      Pedro Pinheiro
      Não. O risco deste modo é desprezível. Só se houvesse contato com sangue em grande quantidades, ou contato do sangue nas mucosas, como boca e olhos.
  14. Leila
    Bem interessante. O primeiro exame de sangue deu positivo e os outros dois negativos, o que isto quer dizer?
    1. Avatar de Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde
      Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde
      Pode ser um falso positivo. Só indo ao hepatologista para confirmar.
  15. Daianasouza_23
    O meu imão tem 18 anos, ao doar snague foi constatado que ele tem a Hepatite C. É possível que ele tenha adquirido está doença por alimentação ou só é transmissivel por contato com sangue contaminado.
    1. Avatar de Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde
      Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde
      Alimentação não transmite Hepatite C, só sangue ou via sexual.
  16. Antonioclaudino
    minha pele do rosto estou com uma mancha grande branca quase amarela, isso pode ser principio de hepatite
    1. Avatar de Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde
      Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde
      Não é um sinal habitual de hepatite.
      1. K2004
         Como o Dr. Pedro já respondeu , não é sintoma de Hepatite C , pode ser fungo , micose, consulte um dermatoligsta ou clínico geral.
  17. jessica jobim
    hoje, tenho uma pesquisa sobre esse ass da hepatite c para minha filha da 3 serie ,,,e achei ese blog com mais informaçoes e conteudos….ta muito bem explicado…..detalhado…em fim respondeu a todas as minhas duvidas…..muito obrigado……
  18. Jeessica Santos 2011
    oi mim chamo jessica gostaria de  saber si tontura dores nos ossos e falha na visao sao tambem sintomas da hepatite c ………
    1. Avatar de Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde
      Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde
      Não costumam ser.