Annita (Nitazoxanida): doses, indicações e efeitos

Autor(a): Dr. Pedro Pinheiro

42 comentários

Atualizado:

Tempo estimado de leitura: 3 minutos.

O que é nitazoxanida?

A nitazoxanida, mais conhecida pelo nome comercial Annita, é um remédio contra parasitas intestinais que tem ganhado bastante popularidade nos últimos anos.

Apesar de indicado inicialmente para o tratamento das infecções por protozoários, como a criptosporidíase e a giardíase, a nitazoxanida tem sido cada vez mais utilizada no tratamento de gastroenterites provocadas por outros germes, tais como a amebíase, ascaridíase, estrongiloidíase, tricuríase e até gastroenterites de origem viral, como as causadas pelo Rotavírus ou Norovírus.

Neste artigo vamos explicar o que é a nitazoxanida, quais são as suas indicações, posologia, efeitos colaterais, contra-indicações e interações farmacológicas.

Atenção: este texto não pretende ser uma bula completa da nitazoxanida (Annita). Nosso objetivo é ser menos técnico que uma bula e mais útil aos pacientes que procuram informações sobre este medicamento.

Nomes comerciais e apresentações

A nitazoxanida é um fármaco comercializado no Brasil sob o nome comercial Annita, produzido pelo laboratório Farmoquímica (FQM). Além da Annita, que a marca de referência, a nitazoxanida já pode ser encontrada sob a forma de medicamento genérico ou através dos seguintes outros nomes comerciais:

  • Azox.
  • Pará.
  • Tanisea.
  • Trinida.
  • Zoxany.

A nitazoxanida não está disponível em Portugal.

Apresentações:

  • Caixa com 6 comprimidos de 500 mg.
  • Suspensão oral 20 mg, frasco com 100 ml.
  • Suspensão oral 20 mg, frasco com 45 ml.

Indicações – Para que serve

A nitazoxanida é um fármaco cujas principais indicações são o tratamento das infecções por Giardia lamblia (giardíase) e Cryptosporidium parvum (criptosporidíase). Nos EUA, essas são as únicas duas infecções para as quais a nitazoxanida foi aprovada pelo FDA (Food and Drug Administration), órgão que controla a produção e venda de medicamentos.

No Brasil, porém, a Anvisa liberou a nitazoxanida para o tratamento das seguintes infecções:

Apesar do propagado amplo espectro de ação contra diversas formas de diarreia parasitária, a Annita nem sempre é a melhor opção terapêutica disponível no mercado, seja devido ao preço, pela taxa de cura ou pelo menor embasamento em estudos científicos.

Exemplos:

1. A taxa de cura da giardíase pela nitazoxanida é semelhante ao do Metronidazol (entre 80 a 90% de sucesso). Porém, o tratamento com metronidazol custa em torno de 15 a 30 reais, enquanto a caixa de Annita dificilmente é encontrada por menos de 50 reais.

Situação semelhante acontece com amebíase, que também pode ser tratada com metronidazol ou nitazoxanida.

2. No tratamento da ascaridíase, o albendazol apresenta taxa de cura acima de 95%. Já a Annita, possui taxa de cura de 90 a 100% nos casos de infecção leve, mas apenas de 50 a 80% nos pacientes com grande eliminação de ovos de ascaris pelas fezes (mais de 10.000 por cada grama de fezes). Além disso, o tratamento da ascaridíase com albendazol custa menos de 7 reais.

3. No caso da estrongiloidíase, a Annita parece ter taxa de sucesso acima de 90%, porém, ainda há poucos estudos sobre o fármaco nessa infecção. A ivermectina, que é o antiparasitário de escolha para tratar o Strongyloides stercolaris, tem taxa de cura próxima de 100% e o custo do tratamento é de cerca de 10 reais.

Portanto, é preciso ter em mente que apesar de ser uma opção com elevada taxa de cura para várias verminoses, a nitazoxanida é um fármaco relativamente novo, ainda sem versão genérica ou competidores de marca no mercado. Isso significa que a Annita é uma droga com preço acima da média do mercado e com uma quantidade menor de estudos científicos publicados  sobre sua eficácia.

Atualmente, o tratamento da criptosporidíase em pacientes com sistema imunológico competente é a principal indicação para prescrição da Annita. Nos outros casos, há alternativas que devem ser levadas em conta.

Alguns estudos têm mostrado redução do tempo de doença quando a nitazoxanida é administrada nos pacientes com infecção pelo rotavírus ou norovírus, motivo pelo qual esse fármaco tem sido indicado por alguns médicos. O mecanismo de ação da Annita sobre as viroses gastrointestinais ainda não é totalmente conhecido, mas parte da sua eficácia parece estar relacionada à inibição da síntese de uma estrutura viral chamada de proteína 7, o que bloqueia a capacidade do vírus em se multiplicar.

Nitazoxanida serve para tratar COVID-19?

A nitazoxanida é uma das dezenas de fármacos que estão sendo investigados como possível agente com propriedades antivirais. Até o momento, porém, ainda não foi publicado na literatura médica nenhum estudo de qualidade em humanos que comprove sua eficácia no tratamento da COVID-19.

Estudo publicado em Dezembro de 2020 por uma equipe de médicos brasileiros no European Respiratory Journal, não conseguiu demonstrar que o fármaco fosse eficaz na melhora dos sintomas nem na redução da gravidade da doença.

Portanto, por falta de evidências científicas, nenhuma entidade de saúde do mundo, incluindo OMS, FDA, CDC Europeu e sociedades internacionais de Infectología ou Pneumologia indicam o uso de nitazoxanida para tratamento da COVID-19.

Posologia – Como tomar

Segundo o fabricante, a posologia da nitazoxanida é a seguinte:

  • Gastroenterites virais causadas por rotavírus e norovírus: 1 comprimido de 500 mg ou 0,375 mL (7,5 mg) por kg, de 12/12 horas por 3 dias.
  • Helmintíases, amebíase, giardíase, isosporíase, balantidíase, blastocistose: comprimido de 500 mg ou 0,375 mL (7,5 mg) por kg, de 12/12 horas por 3 dias.
  • Criptosporidíase em pacientes sem imunodepressão:  comprimido de 500 mg ou 0,375 mL (7,5 mg) por kg, de 12/12 horas por 3 dias.

A ingestão da Annita junto com alimentos aumenta a eficácia do fármaco.

Efeitos colaterais – Reações adversas

A Annita é um medicamento com baixa incidência de efeitos colaterais. Os mais comuns, que ocorrem em menos de 5% dos casos, são:

Contraindicações

A única contraindicação absoluta ao Annita é história prévia de reação alérgica à droga.

O fabricante, porém, sugere que pacientes com insuficiência renal ou insuficiência hepática evitem o medicamento. Nesses pacientes, a nitazoxanida deve ser usada com cautela.

Pacientes diabéticos também devem utilizar o medicamento apenas sob orientação médica, principalmente a solução oral, que contém cerca de 1.5 grama de açúcar por cada 5 ml.

Nitazoxanida na gravidez

A nitazoxanida é classificada como uma fármaco de categoria B de risco na gravidez (leia: Quais são os antibióticos permitidos na gravidez?).

A Annita não deve ser administrada no primeiro trimestre de gravidez. Nos 2º e 3º trimestres, a nitazoxanida pode ser utilizada nos casos de criptosporidíase grave.

Nitazoxanida durante o aleitamento

Não há informações suficientes sobre a excreção da nitazoxanida no leite humano. Portanto, o medicamento só deve ser utilizado durante a lactação se os benefícios forem maiores que o risco potencial para o bebê.

Interações medicamentosas

A nitazoxanida não tem efeitos significativos no citocromo P450 (enzima do fígado responsável pela metabolização de várias substâncias), motivo pelo qual as interações farmacológicas são incomuns. A nitazoxanida, porém, possui elevada taxa de ligação às proteínas do plasma, por isso, ela pode interferir com o efeito de outros fármacos que também apresentam elevada taxa de ligação proteica, tais como varfarina e a fenitoína.


Referências


Autor(es)

Médico graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com títulos de especialista em Medicina Interna e Nefrologia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), Universidade do Porto e pelo Colégio de Especialidade de Nefrologia de Portugal.

COMENTÁRIOS (por favor, leia as regras do site antes de enviar a sua pergunta).
Temas relacionados
ciprofloxacina Ciprofloxacino: indicações, posologia e efeitos
Gluten Doença celíaca: causas, sintomas e tratamento
Colonoscopia Colonoscopia: o que é, preparo, sedação e riscos
Omeprazol Omeprazol (bula simplificada): para que serve e como tomar
Diarreia Diarreia: sintomas, causas, tipos e tratamento
Doença inflamatória intestinal Doença de Crohn: sintomas, causas e tratamento
Parasitológico de fezes Parasitoses (e exame parasitológico de fezes)
Clomid - ovulação Citrato de clomifeno – Informações sobre Clomid®
Aspirina Efeitos da Aspirina (ácido acetilsalicílico)
Giardia Lamblia Giardia Lamblia (giardíase): sintomas e tratamento
E-coli Diarreia pela bactéria Escherichia coli (E.coli)
Doenças da água Doenças transmitidas por água contaminada
Vômitos - gastroenterite viral Virose gastrointestinal – Vômitos e diarreia
Oxiúros Oxiuríase – infecção pelo Enterobius vermicularis
Estrongiloidiase Estrongiloidíase: transmissão, sintomas e tratamento
Intolerância à lactose Intolerância à Lactose – Sintomas e Tratamento
Ameba Amebíase (infecção por Entamoeba histolytica)
Ascaris lumbricoides Ascaridíase (lombriga): transmissão, sintomas e tratamento