Ancilostomose: transmissão, sintomas e tratamento

Autor(a): Dr. Pedro Pinheiro

11 comentários

Atualizado:

Tempo estimado de leitura: 3 minutos.

O que é ancilostomose?

A ancilostomose, também chamada de ancilostomíase, necatoríase, amarelão ou doença do Jeca Tatu, é uma parasitose intestinal muito comum, provocada pelos nematódeos da família Ancylostomidae: Ancylostoma duodenale ou Necator americanus.

Outras espécies de ancilostomídeos, como o Ancylostoma braziliense ou Ancylostoma caninum, só costumam provocar infecção intestinal em gatos e cães, mas podem provocar larva migrans no homem.

Apesar de ser pouco conhecida pelo público, estima-se que cerca de 740 milhões de pessoas em todo mundo estejam infectadas com um dos dois ancilostomídeos.

O Ancylostoma duodenale é uma espécie de ancilostomídeo que habita países do Mediterrâneo, Norte da África, Irã, Índia, Paquistão, China e Japão. Já o Necator americanus é muito encontrado em todo continente americano, principalmente nas áreas tropicais, África Central, Sudeste Asiático, ilhas do Pacífico Sul e partes da Austrália.

O Ancylostoma duodenale e o Necator americanus são pequenos vermes cilíndricos, que medem entre 0,5 e 1,5 cm de diâmetro e apresentam a cabeça em forma semelhante a um gancho, especialmente o N. americanus. Ambos apresentam uma boca bem definida, com 2 pares de dentes pontiagudos (A. duodenale) ou duas placas afiadas (N. americanus), que servem para aderir à parede do intestino e sugar o sangue do seu hospedeiro.

Ciclo de vida do Ancylostoma duodenale e do Necator americanus

Indivíduos com ancilostomíase eliminam diariamente milhares de ovos do parasito em suas fezes. Em locais com saneamento básico precário, essas fezes acabam contaminando o solo. Se os ovos do ancilostomídeo forem depositando em um local úmido, quente e sem exposição direta à luz solar, eles conseguem dar origem a larvas que, após cerca de 7 dias no ambiente, amadurecem e tornam-se capazes de infectar o ser humano.

As larvas dos ancilostomídeos conseguem sobreviver no meio ambiente, à espera de um hospedeiro, por até 6 semanas, caso encontrem condições adequadas de umidade e temperatura.

Ancilostomose

A contaminação com o Ancylostoma duodenale ou Necator americanus se dá por contato direto da pele com o solo contaminado (geralmente pelos pés) ou por ingestão acidental da larva presente no ambiente (geralmente por mãos contaminadas pelo solo que vão à boca sem terem sido lavadas). Apenas 5 minutos de contato direto da pele com o solo contaminado é suficiente para a larva conseguir penetrar o nosso organismo.

Após penetrar a pele, a larva alcança os vasos sanguíneos e viaja até os pulmões, onde permanecerá por alguns dias. Quando o paciente tosse, o parasito pode ser lançado em direção à cavidade oral, sendo, então, inadvertidamente deglutido. Se a contaminação inicial não tiver sido pela pele, mas sim por ingestão acidental da larva, essa primeira parte do ciclo não existe, indo o parasito diretamente para o trato gastrointestinal.

Ao ser deglutida, a larva passa pelo estômago e se aloja no intestino delgado, onde irá amadurecer até a forma adulta do verme. Lá, cada ancilostomídeo ingerido se adere à mucosa e passa a ingerir cerca de 0,3 a 0,5 ml de sangue por dia. Para surgir anemia, é necessária uma contaminação com, pelo menos, 40 vermes.

Cinco a oito semanas após o paciente ter sido contaminado pela primeira vez, a fêmea do Ancylostoma duodenale ou Necator americanus passa a produzir milhares de ovos, que serão lançados ao ambiente pelas fezes, reiniciando o ciclo de vida do parasito.

Tanto o Ancylostoma duodenale ou Necator americanus não se multiplicam dentro do nosso organismo. Para gerar novos vermes, os ovos precisam se depositados no ambiente. Portanto, se o individuo não se recontaminar,  ele acaba se curando sozinho da ancilostomíase com o tempo.

O problema é que o Ancylostoma duodenale costuma ter um tempo de vida de 1 ano e o Necator americanus pode chegar até a 5 anos de vida. Se o paciente vive em uma área com más condições de saneamento, ele acaba se infectando novamente antes de a primeira geração de vermes ter morrido.

Sintomas

A ancilostomose é uma parasitose com quadro clínico predominantemente gastrointestinal. Antes do verme chagar ao intestino, os sintomas são discretos.  No local de penetração do verme na pele forma-se uma pequena reação inflamatória, que provoca coceira. Durante a passagem pelos pulmões, o paciente costuma apresentar tosse seca.

Os sintomas típicos da ancilostomose surgem mesmo quando o parasita migra para o intestino delgado. Neste momento, o paciente pode apresentar náuseas, vômitos, diarreia, cansaço, aumento dos gases e dor abdominal. A primeira infecção é, habitualmente, a mais sintomática. Conforme o indivíduo se reinfecta repetidamente, a tendência é ele apresentar cada vez menos sintomas.

O principal problema da ancilostomose é a anemia e a desnutrição, pois o parasito consome sangue e proteínas. Em crianças, pode haver desaceleração do crescimento e alterações no desenvolvimento neurológico. Nas grávidas, a desnutrição e a anemia são ainda mais comuns, e o bebê costuma nascer com baixo peso.

Diagnóstico

O diagnóstico da ancilostomose é feito através da detecção de ovos do parasita nas fezes. Após a invasão da pele pelo parasito, os primeiros ovos podem só aparecer 2 meses depois. Quando a infecção é provocada pelo A. duodenale, os primeiros ovos podem demorar até 1 ano para surgirem nas fezes.

Portanto, quando há suspeita clínica de ancilostomose, vários exames de fezes podem ser necessários até que um ovo possa ser identificado.

No hemograma, a presença de anemia e eosinofilia (aumento do número de eosinófilos), associado a um quadro gastrointestinal suspeito, é uma dica importante para o diagnóstico.

Tratamento

O tratamento para ancilostomose é igual, seja ela provocada por Ancylostoma duodenale ou Necator americanus.

Dois esquemas com anti-helmínticos são os mais utilizados:

  • Albendazol 400 mg dose única.
  • Mebendazol 100 mg 2 vezes por dia por 3 dias.

Se o paciente tiver anemia, indica-se também reposição de ferro por via oral.

Um exame parasitológico de fezes pode ser solicitado após 3 semanas para confirmação da cura.


Referências


Autor(es)

Médico graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com títulos de especialista em Medicina Interna e Nefrologia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), Universidade do Porto e pelo Colégio de Especialidade de Nefrologia de Portugal.

COMENTÁRIOS (por favor, leia as regras do site antes de enviar a sua pergunta).
Temas relacionados
Verme do sushi Anisaquíase (verme do sushi): como se pega e tratamento
Parasitológico de fezes Parasitoses (e exame parasitológico de fezes)
Giardia Lamblia Giardia Lamblia (giardíase): sintomas e tratamento
Oxiúros Oxiuríase – infecção pelo Enterobius vermicularis
Estrongiloidiase Estrongiloidíase: transmissão, sintomas e tratamento
Ameba Amebíase (infecção por Entamoeba histolytica)
Ascaris lumbricoides Ascaridíase (lombriga): transmissão, sintomas e tratamento
Tricuríase Tricuríase: transmissão, sintomas e tratamento
Vaca - Teníase Teníase – Ciclo, Sintomas e Tratamento
Lavar as mãos Por que lavar as mãos é importante pra saúde?
annita-nitazoxanida Annita (Nitazoxanida): doses, indicações e efeitos
Vermífugo 12 tratamentos para parasitose (verminoses)
Albendazol Albendazol (bula): para que serve e como tomar
Coceira anal Coceira no ânus: 12 causas e tratamento
Vermes Sintomas de verminose (parasitose intestinal)