O que é trombose?

Foto do autor

Escrito por: Dr. Pedro Pinheiro

Trombose explicada em 1 minuto

Trombose é a formação de um coágulo de sangue, chamado trombo, dentro de um vaso sanguíneo, que pode obstruir parcial ou totalmente o fluxo sanguíneo.

Os trombos são compostos principalmente por três componentes:

  • Plaquetas: pequenos fragmentos celulares que circulam no sangue e desempenham um papel crucial na coagulação. Quando há uma lesão em um vaso sanguíneo, as plaquetas se aderem ao local da lesão e entre si, formando um tampão inicial que ajuda a estancar o sangramento.
  • Fibrina: proteína fibrosa formada a partir do fibrinogênio, uma proteína solúvel presente no plasma sanguíneo. Durante o processo de coagulação, a trombina (uma enzima) converte o fibrinogênio em fibrina. A fibrina forma uma rede de filamentos que fortalece o tampão de plaquetas, estabilizando o coágulo.
  • Células sanguíneas: principalmente glóbulos vermelhos (hemácias), que ficam presos na rede de fibrina. Também podem estar presentes glóbulos brancos (leucócitos), que são incorporados ao coágulo durante o processo de formação.
Trombo arterial ou venoso

A trombose pode ocorrer em artérias, sendo, assim, chamada de trombose arterial, ou em veias, o que é chamado de trombose venosa.

  • Exemplos de trombose venosa: trombose venosa dos membros inferiores (trombose mais comum), trombose venosa cerebral, trombose da veia renal e trombose da veia porta.
  • Exemplos de trombose arterial: AVC, infarto do miocárdio, trombose da artéria carótida ou trombose da artéria retiniana

Como surge a trombose?

A trombose venosa e arterial surgem por meio de mecanismos diferentes e, portanto, estão associadas a diferentes fatores de risco e condições.

Como surge a trombose venosa?

A trombose venosa ocorre quando um coágulo de sangue se forma em uma veia.

Mecanismos de formação do trombo venoso

  1. Estase venosa: estase é a lentificação ou parada do fluxo sanguíneo, que pode ocorrer devido à imobilidade prolongada (como longos períodos de repouso na cama, viagens longas, ou após cirurgias). A falta de movimento diminui o retorno venoso, favorecendo a formação de coágulos.
  2. Lesão endotelial: danos ao revestimento interno das veias (endotélio) podem ocorrer devido a traumas, cirurgias, inflamações ou infecções. A lesão endotelial expõe substâncias subendoteliais que promovem a adesão e agregação de plaquetas.
  3. Hipercoagulabilidade: condições que aumentam a tendência do sangue a coagular, como distúrbios genéticos (ex. fator V Leiden), uso de anticoncepcionais hormonais, gravidez, câncer, e certas doenças autoimunes.

Fatores de Risco

  • Imobilidade prolongada.
  • Cirurgias recentes.
  • Uso de contraceptivos hormonais ou terapia de reposição hormonal.
  • Gravidez e período pós-parto.
  • Câncer ou tratamentos para câncer.
  • Histórico familiar de trombose.
  • Obesidade.
  • Tabagismo.
  • Insuficiência cardíaca ou outras doenças cardiovasculares.

Como surge a trombose arterial?

A trombose arterial ocorre quando um coágulo de sangue se forma em uma artéria. Isso pode levar a condições graves como infarto do miocárdio (ataque cardíaco) e acidente vascular cerebral (AVC).

Mecanismos de formação do trombo arterial

  1. Aterosclerose: é a principal causa de trombose arterial. Depósitos de gordura (placas ateroscleróticas) se acumulam nas paredes das artérias, estreitando-as e podendo romper. A ruptura da placa expõe materiais trombogênicos ao sangue, levando à formação de um coágulo.
  2. Lesão endotelial: danos ao endotélio arterial podem ocorrer devido à hipertensão, diabetes, tabagismo e altos níveis de colesterol. Esses danos promovem a adesão de plaquetas e a formação de coágulos.
  3. Inflamação: processos inflamatórios podem promover a formação de placas ateroscleróticas e aumentar a coagulação sanguínea.
  4. Hipercoagulabilidade: condições que aumentam a tendência do sangue a coagular, como distúrbios genéticos.

Fatores de Risco

Falamos especificamente de algumas causas comuns de trombose arterial ou venosa nos artigos:


Referências


Autor(es)

Dr. Pedro Pinheiro

Médico graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com títulos de especialista em Medicina Interna e Nefrologia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), Universidade do Porto e pelo Colégio de Especialidade de Nefrologia de Portugal.

Saiba mais

Artigos semelhantes

Ficou com alguma dúvida?

Comentários e perguntas

Deixe um comentário