Diabetes tipo 1: Causas, diagnóstico, sintomas e tratamento

A diabetes mellitus tipo 1 é o tipo que costuma acometer crianças e adolescentes.

Definição | Causas | Diferenças entre DM1 e DM2 | Sintomas | Complicações | Diagnóstico | Tratamento

O que é o diabetes tipo 1?

A diabetes mellitus tipo 1 (DM1), também chamada de diabetes juvenil, é uma doença crônica que surge quando o pâncreas encontra-se doente e produz pouca ou nenhuma insulina.

A insulina é um hormônio que age permitindo a entrada de glicose (açúcar) para dentro das células, onde elas são utilizadas como combustível para gerar energia para o corpo. Sem insulina, a glicose não consegue entrar nas células e acaba ficando acumulada no sangue, levando a um quadro que é chamado de hiperglicemia.

A hiperglicemia é extremamente maléfica ao organismo, provocando, a longo prazo, lesão de vários tecidos e órgãos.

Apesar de ser mais comum em crianças e adolescentes, a diabetes tipo 1 também pode surgir em adultos.

O que causa a diabetes mellitus tipo 1?

Na maioria dos casos, a diabetes tipo 1 é uma doença de origem autoimune, na qual os anticorpos do próprio paciente atacam e destroem parte do pâncreas, especificamente as células produtoras de insulina, conhecidas como células beta das ilhotas de Langerhans.

Para entender o que é uma doença autoimune, leia: Doenças autoimunes.

O processo autoimune de destruição das células beta do pâncreas ocorre em indivíduos geneticamente suscetíveis e é provavelmente desencadeado por um ou mais agentes ambientais, como alguns tipos de vírus.

O processo de destruição é lento e demora de vários meses a alguns anos até que ocorra dano celular suficiente para que a produção de insulina torne-se escassa.

Existem dois picos na incidência do diabetes, o primeiro ocorre entre os 4 e 7 anos e o segundo entre os 10 e 14 anos.

Em resumo, o paciente já nasce com as alterações genéticas que favorecem o surgimento da diabetes tipo 1, desenvolve os auto-anticorpos nos primeiros anos de vida e só vai apresentar a doença mesmo no meio para o final da infância.

O diabetes tipo 1 de origem autoimune é chamado tipo 1A. Existe ainda o diabetes tipo 1B, que é mais raro, também ocorre por destruição das células beta do pâncreas, mas a origem é desconhecida, não havendo auto-anticorpos envolvidos na gênese da doença.

Diabetes tipo 1 é hereditário?

A história familiar é relevante, mas não é estritamente necessária. O risco de uma criança desenvolver diabetes tipo 1 é de:

  • 0,4%, se não houver história familiar.
  • 1 a 4%, se a mãe for diabética tipo 1.
  • 3 a 8%, se o pai for diabético tipo 1.
  • 2 a 6%, se um dos irmãos tiver DM1.
  • 30%, se ambos os pais tiverem a doença.
  • 30% se um irmão gêmeo univitelino (idêntico) tiver a doença.

Nos casos de diabetes mellitus tipo 2 (DM2), hereditariedade é um fator de risco muito mais forte, com mais de 75% dos pacientes apresentando história familiar positiva.

Qual é a diferença entre a diabetes tipo 1 e a diabetes tipo 2?

Ao contrário do que ocorre na maioria dos casos de diabetes tipo 1, a diabetes mellitus tipo 2 não tem origem autoimune e ocorre principalmente em adultos que são obesos, sedentários e com histórico familiar positivo.

A DM2 é um tipo de diabetes que ocorre por uma insuficiente ação da insulina na circulação sanguínea. O pâncreas produz insulina, mas os tecidos não reconhecem sua presença, impedindo que a glicose possa entrar para dentro das células, um processo conhecido como resistência à insulina.

Para mais informações sobre o diabetes tipo 2, leia:

Quais são os sintomas da diabetes tipo 1?

Os sintomas do diabetes tipo 1 costumam ser provocados pela hiperglicemia. São eles:

  • Sede excessiva.
  • Cansaço.
  • Micção frequente.
  • Perda do controle da bexiga durante o sono (voltar a fazer xixi na cama).
  • Perda de peso.
  • Visão turva.
  • Fome frequente.
  • Irritação.
  • Infecções frequentes
  • Lenta cicatrização de feridas.
  • Mau hálito.
  •  

Cetoacidose diabética

Em algumas crianças, o primeiro sinal da diabetes pode ser uma complicação conhecida como cetoacidose diabética.

Sem insulina, as células não recebem a quantidade adequada de glicose e precisam utilizar os estoques de gordura do corpo como fonte de energia. A quebra das gorduras gera substâncias ácidas, chamadas corpos cetônicos, como o β-hidroxibutirato e o acetoacetato.

O excesso de cetoácidos provoca queda do pH do sanguíneo, podendo acidificar o sangue até níveis fatais, motivo pelo qual a cetoacidose é considerada uma emergência médica. Cerca de 80% das mortes de crianças e adolescentes diabéticos são provocadas por quadros de cetoacidose.

A cetoacidose costuma surgir quando a glicemia encontra-se muito descontrolada, geralmente com valores acima de 500 mg/dl. Seus sinais e sintomas mais comuns são

  • Náuseas.
  • Vômitos.
  • Dor abdominal.
  • Confusão mental.
  • Prostração.
  • Dificuldade respiratória.
  • Coma.

Para mais informações sobre os sintomas da diabetes, leia: 10 primeiros sintomas da diabetes.

Complicações da diabetes tipo 1

Com o passar dos anos, a hiperglicemia crônica pode provocar lesões em vários tecidos do corpo. Entre os órgãos mais afetados estão o coração, vasos sanguíneos, nervos, olhos e rins.

A taxa e a gravidade das complicações está diretamente relacionada com os níveis de açúcar no sangue (glicemia). A longo prazo, quanto mais descontrolada for a glicemia e quanto mais antiga for a diabetes, maior é o risco de surgirem múltiplas doenças.

São várias as complicações do diabetes tipo 1, algumas diretamente ligadas à hiperglicemia crônica, outras relacionadas às restrições que a doença provoca. Entre as mais comuns, podemo citar:

  • Doença arterial coronariana (angina).
  • Infarto agudo do miocárdio.
  • AVC.
  • Hipertensão arterial.
  • Lesão das artérias dos membros inferiores: pode causar obstrução grave dos vasos sanguíneos das pernas e necessidade amputação do membro.
  • Neuropatia diabética: lesão dos nervos periféricos, habitualmente dos pés e pernas, provocando formigamento, dormência, queimação ou dor.
  • Danos aos nervos do trato gastrointestinal, levando a problemas como náuseas, vômitos, diarreia ou constipação.
  • Disfunção erétil.
  • Nefropatia diabética: lesão dos rins, provocando insuficiência renal crônica e perda de grandes quantidades de proteínas na urina.
  • Retinopatia diabética: lesão dos vasos sanguíneos da retina, podendo causar cegueira.
  • Complicações na gravidez: pré-eclâmpsia, aborto espontâneo, morte fetal e defeitos congênitos.
  • Depressão.
  • Transtornos alimentares, como bulimia e anorexia nervosa.
  • Infecções de repetição, como candidíase vaginal e infecção urnária.
  • Atraso no crescimento.
  • Surgimento de outras doenças autoimunes: tireoidite autoimune e doença celíaca são as mais comuns.

Diagnóstico da diabetes tipo 1

O diagnóstico do DM1 é realizado através da dosagem sanguínea da glicemia ou da hemoglobina glicosilada.

São necessários dois exames de sangue, colhidos em dias diferentes, com pelo menos um dos três critérios listados abaixo:

  • Glicemia em jejum acima de 126 mg/dl.
  • Glicemia em qualquer momento do dia acima de 200 mg/dl.
  • Hemoglobina glicoslada (HbA1c) maior que 6,5%.

Uma vez diagnosticada a diabetes, o endocrinologista pode também pesquisar a presença de auto-anticorpos no sangue.

Explicamos o diagnóstico da diabetes com mais detalhes nos artigos:

Tratamento da diabetes mellitus tipo 1

Não existe cura para a diabetes tipo 1. O tratamento visa o controle da glicemia a longo prazo, de forma a reduzir a incidência das complicações.

O controle da glicemia é feito através de várias abordagens, sendo as mais importantes:

  • Administração regular de insulina (até 6 vezes por dia).
  • Controle da dieta.
  • Monitoramento frequente da glicemia por parte do paciente.
  • Prática de exercícios físicos.
  •  

O objetivo do tratamento é manter o valor da hemoglobina glicosilada abaixo de 7%. Para tanto, o paciente deve procurar manter a glicemia antes das refeições entre 80 e 130 mg/dl e após as refeições abaixo de 180 mg/dl.

Se os valores estiverem descontrolados, a dieta e a dose da insulina devem ser reavaliadas.

Tratamento com insulina

Como na diabetes tipo 1 o pâncreas produz pouca ou nenhuma insulina, os pacientes precisam substituir a insulina natural por insulina artificial, que pode ser administrada por meio de injeções regulares o longo do dia ou através de uma bomba de insulina.

O nível de insulina administrado deve ser cuidadosamente definido de acordo com a dieta e o hábitos de exercício do paciente. Quantidades insuficientes podem não controlar a glicemia e aumentar o risco de complicações, enquanto quantidades excessivas podem provocar hipoglicemia.

Os tipos de insulina mais utilizados são:

  • Insulina de ação rápida: tem início de ação com cerca de 15 minutos, atinge o pico em 1 hora e continua a funcionar por 2 a 4 horas.
    • Tipos: Insulina glulisina (Apidra), insulina lispro (Humalog) e insulina aspártico (NovoLog).
  • Insulina regular ou de ação curta: tem início de ação com cerca 30 minutos após a injeção, atinge um pico em torno de 2 a 3 horas e é eficaz por aproximadamente 3 a 6 horas.
    • Tipos: Humulin R, Novolin R.
  • Insulina de ação intermediária: tem início de ação com cerca de 2 a 4 horas, atinge o pico com 4 a 12 horas e é eficaz por cerca de 12 a 18 horas.
    • Tipos: NPH (Humulin N, Novolin N).
  • Insulina de ação prolongada: atinge a corrente sanguínea várias horas após a injeção e tende a diminuir os níveis de glicose de forma bastante uniforme ao longo de um período de 24 horas.
    • Tipos: insulina detemir (Levemir) e insulina glargina (Lantus).

Referências


ARTIGOS SEMELHANTES

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. OkSaiba mais