O QUE É A SEPSE – Causas, Sintomas e Tratamento

Quanto mais grave for a sepse, maior é o risco de morte. A sepse grave chega a ter uma mortalidade maior que 50%, mesmo com adequado tratamento médico.

A sepse, também chamada de septicemia ou sepsis, é um problema que ocorre nos pacientes com infecções graves, caracterizada por um intenso estado inflamatório em todo o organismo.

A sepse é desencadeada pela invasão da corrente sanguínea por agentes infecciosos, principalmente bactérias ou vírus, por isso, é habitualmente chamada pelo público leigo de infecção do sangue, bactéria no sangue ou infecção generalizada.

O que é sepse

De modo simples, sepse é a doença que surge quando germes, principalmente bactérias, invadem a corrente sanguínea e provocam uma intensa resposta inflamatória por todo o organismo.

Vamos elaborar um pouco mais essa explicação.

Toda a vez que o nosso corpo é invadido por microrganismos, o nosso sistema imunológico é ativado para que possamos combater o agente invasor. Uma das formas usadas pelas nossas células de defesa para atacar agentes infecciosos é através da liberação de mediadores químicos que provocam uma resposta inflamatória. A inflamação que surge em locais infectados não é provocada pela bactéria, mas sim pela resposta imunológica do corpo. Criar um processo inflamatório é uma forma de defesa do organismo. A vermelhidão, a dor, o calor e o pus característicos de feridas infectadas são o resultado da batalha entre o sistema imunológico e os germes invasores.  Para entender melhor o processo inflamatório, leia: O QUE É INFLAMAÇÃO? O QUE É UM ABSCESSO?.

Geralmente, as infecções começam em locais específicos do organismo, como pele, pulmões, vias urinárias, ouvidos, etc. Exemplos de infecções bacterianas localizadas em um ponto específico do corpo:

– Pneumonia → infecção do pulmão (Leia: PNEUMONIA | Sintomas e tratamento).
– Cistite → infecção da bexiga (Leia: CISTITE | Sintomas e tratamento).
– Otite → infecção do ouvido (Leia: OTITE MÉDIA | Dor de ouvido).
– Erisipela→ infecção da pele (Leia: ERISIPELA | CELULITE | Sintomas e tratamento).
– Meningite → infecção das meninges e do sistema nervoso (leia: MENINGITE | Sintomas, transmissão e vacina).

Em um primeiro momento, as bactérias estão alojadas em um órgão, como o pulmão, e são combatidas pelos nossos mecanismos de defesa. Se a infecção não for controlada, essas bactérias se multiplicam e começam a migrar em massa para outros pontos, podendo chegar a um vaso e ter pleno acesso à circulação sanguínea. Pequenas quantidades de bactérias podem cair no sangue em situações triviais, como durante a escovação dos dentes ou quando ralamos o joelho no chão. Poucas bactérias no sangue são rapidamente inativadas e controladas pelo sistema imunológico sem que isso provoque qualquer repercussão clínica relevante.

O problema surge quando grandes quantidades de bactérias chegam em massa à corrente sanguínea, espalhando-se pelo corpo. Como as células de defesa precisam agir em vários pontos ao mesmo tempo para combater a infecção, elas acabam desencadeando um processo inflamatório difuso. Todo mundo já teve uma inflamação, seja no dente, na pele ou em qualquer outro ponto do corpo. Imagine esse processo ocorrendo internamente e de modo simultâneo em vários vasos sanguíneos e órgãos. É como uma guerra sendo travada dentro do seu corpo. Isso é a infecção generalizada, chamada de sepse pelos médicos.

Existem graus de gravidade da sepse. Algumas bactérias são mais virulentas que outras, e cada organismo tem uma capacidade maior ou menor de lidar com agentes invasores, provocando mais ou menos inflamação. Pacientes saudáveis com infecções provocadas por bactérias menos agressivas costumam controlar bem suas infecções, não evoluindo para quadros de sepse mais severa. Por outro lado, pacientes idosos, já previamente enfermos por outras doenças, costumam ter dificuldades para lidar com a presença de bactérias no sangue.

Quais são as consequências da sepse grave?

O processo inflamatório difuso da sepse grave causa uma dilatação dos vasos sanguíneos, provocando uma queda da pressão arterial, que, em casos graves, pode levar a um estado de choque circulatório (chamado choque séptico). Os mediadores químicos inflamatórios também provocam um aumento da permeabilidade dos vasos sanguíneos, facilitando o extravasamento de líquidos para órgãos como pele e pulmões. O paciente séptico pode ficar todo edemaciado (inchado) e com água nos pulmões.

Essas alterações da permeabilidade dos vasos sanguíneos e da pressão arterial provocam uma redução do aporte de oxigênio e nutrientes aos tecidos, levando à hipóxia (falta de oxigênio) e falência dos mesmos. O sistema de coagulação também pode ser afetado. Um dos eventos mais dramáticos da sepse é a coagulação intravascular disseminada (CIVD), um processo no qual o sistema da coagulação fica descontrolado, ocorrendo simultaneamente tromboses e hemorragias.

Quando a sepse é grave, os rins e o fígado param de funcionar, o coração fica mais fraco, o cérebro funciona mal e os pulmões ficam cheios de água. O paciente pode, então, apresentar a temida falência de múltiplos órgãos.

Quanto mais grave for a sepse, maior é o risco de morte. A sepse severa chega a ter uma mortalidade maior que 50%, mesmo com adequado tratamento médico.

Sintomas da sepse

Qualquer infecção pode levar à sepse. Muitos de vocês provavelmente já tiveram uma sepse em estágio inicial. Para se caracterizar uma sepse basta apresentar uma infecção e 2 dos 4 sinais e sintomas descritos a seguir:

– Temperatura corporal maior que 38ºC ou menor que 35ºC.
– Frequência cardíaca maior que 90 batimentos por minuto.
– Frequência respiratória maior que 20 incursões por minutos.
– No hemograma: leucócitos acima de 12,000 ou abaixo 4000 cel/mm3  (leia: HEMOGRAMA | Entenda os seus resultados).

Na verdade, até uma gripe mais forte pode fazer com que o paciente apresente critérios para sepse. Ter critérios para sepse não significa que o paciente esteja muito grave ou que vá morrer. Esses critérios são sinais de alerta para os médicos, indicando que o paciente deve ser bem tratado para que o quadro não evolua de forma desfavorável. Você pode ter uma amigdalite e ter critérios para sepse, mas basta tratar a infecção adequadamente que a maioria das pessoas irá se recuperar. Por outro lado, se o paciente for negligente e não procurar atendimento médico, a infecção, que inicialmente estava restrita à garganta, pode se espalhar pelo sangue e ficar muito mais difícil de ser controlada. Uma sepse branda pode virar uma sepse grave.

Um paciente com um quadro de infecção com febre alta e calafrios, que começa a ficar mais cansado, mais prostrado, perde o apetite e não consegue sair da cama, apresenta sinais de uma sepse que está se agravando. Idosos com bactérias no sangue podem não ter febre, mas costumam apresentar grande prostração, desorientação e confusão mental. A avaliação médica e o tratamento com antibiótico são importantes para evitar que o quadro evolua de forma catastrófica.

Considera-se sepse grave aquelas que apresentam:

– Hipotensão ou choque circulatório.
– Piora da função dos rins.
– Queda do número de plaquetas.
– Alteração do estado de consciência.
– Dificuldade respiratória.
– Alterações da coagulação.
– Diminuição da função do coração.

A sepse é contagiosa?

Não. A sepse em si não é algo que possa ser transmitido de uma pessoa para outra. A sepse é o agravamento de uma infecção previamente estabelecida. É, por exemplo, uma infecção urinária ou uma pneumonia que está evoluindo de forma perigosa e se espalhando pelo corpo.

Logicamente, se a causa da sepse for uma doença contagiosa, como uma meningite bacteriana, por exemplo, ter contato com este paciente séptico pode ser perigoso, pois há risco de transmissão da meningite.

Portanto, o que é contagioso não a sepse em si, mas sim a infecção bacteriana que a está provocando. Se a bactéria que provoca a sepse não é contagiosa, não há nenhum problema em ter contato com o paciente séptico.

Tratamento da sepse e do choque séptico

O tratamento da sepse deve ser iniciado o mais rápido possível. Quanto maior e mais difusa for a inflamação sistêmica, menor é a resposta ao tratamento e maior é a mortalidade. Além da gravidade da infecção generalizada, outro fator importante no prognóstico é a capacidade do paciente de lutar contra a infecção.

São fatores de pior prognóstico na sepse e no choque séptico:

O tratamento inicial da sepse é com antibióticos para eliminar as bactérias no sangue e interromper o fator de estímulo ao processo inflamatório. Se houver sinais de queda da pressão arterial, é essencial a imediata reposição de líquidos por via intravenosa para reverter a hipotensão. Quanto mais rápido se inicia o tratamento contra a sepse, maior é a chance de sucesso.

Nos casos de choque séptico pode ser necessário uso de medicamentos para estabilizar a pressão arterial. Muitos paciente evoluem com insuficiência respiratória e/ou renal, necessitando de ventilação mecânica e/ou hemodiálise (leia: HEMODIÁLISE| Como funciona, cateter e fístulas). Quanto mais órgãos param de funcionar, maior o risco de evolução para o óbito. Portanto, pacientes que precisam de aparelhos para respirar, hemodiálise, drogas para controlar a pressão arterial, etc., apresentam elevado risco de morte.

Pacientes com sepse grave ou choque séptico devem ser tratados, preferencialmente, em uma unidade de tratamento intensivo (UTI) (leia: ENTENDA O QUE ACONTECE COM OS PACIENTES NA UTI).

Deixe um Comentário

Antes de comentar, leia as REGRAS PARA COMENTÁRIOS.

Seu email não será publicado.

55 Comentários

  1. RAI DE LIMA ARAUJO

    Boa tarde!
    Tenho um familiar que está com sepse, a médica nos disse que a infecção estava nível 9 e desceu pra 7, por gentileza e se possível, gostaria de saber se a infecção está regredindo?
    Boa tarde!

    1. Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

      Eu não sei que graduação é essa que a médica usou. Não conheço nenhuma classificação de sepsis que chegue a 7 ou 9.

  2. Vitor Gabriel

    dr.pedro furei um piercing na sonbrancelha e ta roxo em baixo do lado do olho isso e grave ?

    1. Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

      Deve ter acertado algum vaso sanguíneo. Essa região é muito vascularizada.

  3. Jessika Alves

    Dr. Pedro, fiquei internada de 20/08 á 16/09 onde descobri infecção por KPC no exame de urina, do qual foi tratado com medicamentos. No dia 12/10 tive crise convulsiva, e fui diagnostica com sepse urinária e cetoacidose diabética, onde fiquei internada do dia 12/10 á 06/11. Em ambas internações fiquei na UTI. Gostaria de saber se as convulsões pode ter sido provocada pela Sepse e cetoacidose e se a sepse pode ter sido uma consequência da bactéria KPC. Sou portadora de várias patologias e vivo mais no hospital (sempre em UTI) do que em casa.
    Desde já agradeço. Jéssika Alves

    1. Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

      Sim e sim.

  4. Gabriel

    É possível ter sepse sem sintoma algum? Suspeita de pneumonia sem febre, sem dor, apenas tosse com secreção verde e no inicio dor de garganta (que já passou). Idade: 18.

    1. Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

      Não é possível ter sepse e estar assintomático.

  5. Daniel Andre

    Minha santa irmã, minha defensora, minha VIDA, veio a falecer em 25/05/2015 no HOSPITAL PASTEUR no MEIER – RJ, com apenas 26 anos !!!! Ela já tinha colangite esclerosante e retocolite ulcerativa e contraiu uma pneumonia no inicio desse ano. Começou a tratar da pneumonia no HCSG, recebeu alta em apenas uma semana, e teve que voltar a ser internada novamente num estado mais avançado. Concluindo: chegou em choque séptico, mas o estado em que ela ficou, foi deplorável, e triste demais. É um tipo de cena, que nunca esquecerei, uma jovem que teve que fica entubada, em seguida traqueostomia, não falava mais, so me olhava tipo pedindo ajuda…. Que dor meu Deus !

    1. Jessika Alves

      Daniel, passei e passo por isso. Fiquei 6x entubada (entubação orotraqueal) onde nem os médicos achavam que eu voltaria, em abril fiz uma traquestomia, e em setembro uma gastrostomia. Perdi a voz á mais de 1 ano, e perda gradual da visão, fora outras complicações e patologias. Dentro de 1 ano e 7 meses fiquei 19 vezes internada e todas as vezes na UTI, sempre intubada ou na ventilaçao mecanica pela traqueostomia. Não é fácil, mas com fé, força e coragem, conseguimos lutar. Pois com Deus tudo podemos.

  6. fabiana

    Doutor meu tio esta na uti e esta entubado com uma bacteria no pulmao mas ja esta com uma sonda alimentar mas antis disso ele estava tussindo muito e com sanque tem possibilidade doutor dele voltar para casa

    1. Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

      Fabiana, lamento, mas é impossível opinar com informações tão superficiais assim.

  7. Marciléia Geni Silva Rodrigues

    Bom dia doutor meu irmão esta na UTI tratando uma sepse com foco pulmonar. Ele encontra-se muito agitado e por este motivo estao o sedando. É normal a agitação? Normalmente ele nao é assim.

    1. Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

      Sim, a sepse pode causar alterações transitórias na parte neurológica.

  8. Paullo Moraes

    Boa Tarde
    Dr. O choque Séptico e capaz de deixar a pessoa sem lucidez?

    1. Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

      Sim, é o mais habitual.

  9. Daniella

    Boa noite. A mãe de um amigo está na UTI e foi diagnosticada com infecção generalizada a 11 dias atrás. Esse tempo de tratamento sem melhoras é normal?

  10. Sandro R. Figueiredo

    Boa noite dr. Minha mãe está na uti, fui hoje informado sobre a possibilidade do choque séptico, lendo percebi que realmente as informações batem, minha mãe foi mastectomizada e faz tratamento contra o câncer, e apresentou metástase na coluna, fígado e pulmão, já teve pneumonia e as taxas sangüíneas estão muito abaixo do normal. Gostaria de saber sua opinião quanto a possibilidade de diminuir a medicação que a induz ao coma (dormind), isso e possível?

  11. Hudson

    Excelente site, já estou recomendando a todos meus colégas de faculdade ! Parabéns pelo trabalho Dr Pedro. Abraços.

  12. André Luís F. Guilherme

    Parabéns! Excelente conteúdo e muito esclarecedor!

  13. Giovania

    Quando o intestino é atingido por ferimento à bala o único procedimento a ser adotado é a bolsa de colostomia? Pode de primeira reconstruir o trânsito intestinal?

    1. Pedro Pinheiro

      Se houver muita inflamação ao redor, a sutura não fixa e acaba cedendo. Por isso, a reconstrução costuma ser feita em um segundo tempo, depois que a peritonite estiver resolvida.

  14. Carlucia

    boa noite dr. Pedro adorei o blog, está me ajudando muito em provas .

  15. Sabrina

    Obrigada. Entendi um pouco mais sobre as causas da morte da minha mãe. Do fundo do meu coração: muito obrigada!

  16. Carla Vieira

    minha mãe morreu há um mês de choque septico. ela fez uma cirurgia de apendice no sábado(12/11), saiu do centro cirurgico bem, ficou na uti dois dias pq não tinha vaga nos quartos do ICP(Instituto Cardio Pulmonar em Salvador), na segunda à noite teve vômitos com coloração e cheiro de fezes e o abdomen bem distendido, na terça cirurgião passou para dar uma olhada nela pq a família solicitou, acrescentou algum remédio na prescrição anterior,na quarta ela já estava com a voz bem fraca e sentindo muito incomodo, mandamos chamar o cirurgião novamente – ele não estava – veio o médico responsável pelas cirurgias gerais do hospital, disse que ela estava ótima…tinha que andar para desfazer os gazes.À noite ela passou mal e voltou para a UTI com fezes saindo pela boca e tinha aspirado esse líquido contaminado ocasionando uma grave pneumonia e veio a falecer no sábado 19/11. ASSIM SE PERDE UMA MÃE, SIMPLES ASSIM, RÁPIDO ASSIM.

  17. Gracileide

    Boa tarde, sou estudante de fisioterapia, e tenho tirado muitas dúvidas pela internet, principalmente quando vejo seus artigos. Está de parabéns!!!!!!!!!!

  18. Claudetemenezes

    Olha, se todo profissional da saúde usasse uma linguagem acessível como a sua… Parabéns Dr.!!!

  19. Denise

    Consegui entender o pq de meu filho não resistir a uma cerebrite. Primeiro o médico não fez o diagnostico correto ( meu filho chegou ao hospital com convulsão) as consequências desse erro foram sérias.Ele fez uma tomo com meu filho agitado, e o resultado foi indefinido depois de 3 dias de demência e febre altíssima foi transferido para o Hospital São Sebastião no Barreto Niterói.Lá a equipe virou ele do avesso .Resultado já era tarde a cerebrite invadiu o cranio e contaminou todo o corpo .Meu filho morreu ao 21 anos, por cerebrite e choque séptico.O triste é que em todo tempo eu falava para os médicos que a febre não passava, eles disseram a neura passa em 3 dias deram diazepam para ele e um antibiotico . Oro a Deus para não errarem outra fez.Abraços!

  20. Graciela

    Adorei o blog! Amo medicina e sinto profundamente por não poder ser médica. Sinto-me frustrada por isto. Sempre leio tudo que posso, da área, e com certeza acompanharei os artigos, perguntas e respostas. Um abraço, Dr!

  21. Corrinha63

    E muito esclarecedor. Estou com uma pessoa muito especial na uti a mais de 1 mes com esse problema de saude .Com a leitura deste artigo posso entender as melhoras do quadro dele valeu.

  22. Adrianabonadia

    Parabéns pelo seu trabalho, se a maioria se interessasse pelo asunto como o Dr..creio que esse quadro de mortes, (que ocupam 25% dos leitos das UTIs no Brasil e chega a 220 mil mortes por ano) conforme li em um estudo sobre sepse ou septicemia – essas mortes diminuiriam bruscamente..que Deus ilumine cada vez mais sua mente!

  23. Marcelo

    Excepcional a forma como o Dr Pedro Pinheiro explica os diferentes temas. Parabéns, os textos são bastante elucidativos, para que nós, leigos, possamos compreender os temas abordados e adotar procedimentos para o restabelecimento de nossa saúde, ou adotar medidas preventivas para cuidá-la. Muito obrigado

  24. Érico Ferreira Lourenço

    Boa madrugada!

    Parabéns pelo texto de fácil compreensão! Minha melhor amiga/ irmã da vida inteira está há quase 1 mês na UTI por conta da sepse, se não fosse o texto mesmo com as visitas que faço e as explicações que me dão não conseguiria entender ao certo pelo que ela está passando, mas com fé em Deus ela irá sair dessa.

    Obrigado Dr. Pedro Pinheiro

  25. Marcelo

    Excepcional a forma como o Dr Pedro Pinheiro explica os diferentes temas. Parabéns, os textos são bastante elucidativos, para que nós, leigos, possamos compreender os temas abordados e adotar procedimentos para o restabelecimento de nossa saúde, ou adotar medidas preventivas para cuidá-la. Muito obrigado

  26. Pfesquerdo

    Simplesmente maravilho, consegui entender tudo continue inteligente assim Deus abençõe.

  27. Maria aparecida

    obrigado por esse comentário gostei de saber sobre isso pq perdi uma mãe assim pena que descobri tarde demais o significado disso ela morreu apenas dois dia de internada ainda sofro com isso mais hj faz três anos e li isso e pude saber o que e realmente obrigada

  28. jorge

    olá dr pedro,é verdade que sí atpe 448hs não ouver o óbito na meningite, o paciente si salva?
    Jorge Imbé rs

    1. Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde

      Não necessariamente.

  29. Justine

    Parabéns pela clareza na exposição do tema, com esta explicação, ficou fácil a compreensão do assunto que a princípio parecia tão complexo. 

  30. Mônica Nery

    Uma coisa que não entendo no choque séptico, é como essa bactérias entram no nosso corpo? Outra dúvida, é: Tem algum paciente que consegue reverter o quadro de sepse e não morreu?

    1. Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde

      Existem várias maneiras de uma bactéria entrar no corpo, como através de um corte na pele, secreções respiratórias, alimentos contaminados…
      Sim, muitos pacientes conseguem reverter um quadro de sepse.

  31. Lídia

    Adorei O blog . Minha prima morreu de choque séptico e eu não fazia ideia do que era isso
    Bbrigada por sanar minhas dúvidas.
    Ela estava enternada no INCA ela já não possuia mais o cancer e nem a trombose . Eu só queria mesmo entender por que aconteceu e aqui eu consegui obrigada mesmo

  32. Vanessa

    Boa noite!Gostaria de saber como e qual as possibilidades de se contagiar com esta doença,pois meu pai faleceu estes dias e o diagnostico é sepse.Tenho uma filha de 2 anos e queria saber se corremos algum risco

    1. Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde

      A sepse em si não é contagiosa. Depende da doença que a causou.

  33. Vivian

    Uma coisa que não entendo no choque séptico, é como essa bactérias entram no nosso corpo? Outra dúvida, é: Tem algum paciente que consegue reverter o quadro de sepse e não morreu?

    1. Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde

      Existem dezenas de maneiras de uma bactéria entrar no corpo. Qualquer infecção pode ser a porta de entrada. Sim, muitos pacientes conseguem reverter o quadro.

  34. CS

    Boa noite. Ao ler um dos comentarios aqui, fiquei com uma duvida: a sepse pode ser contagiosa de alguma forma?

    1. Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde

      A sepse em si não, mas a causa dela sim. Um exemplo é sepse causada por meningite.

  35. Nayhara

    Olá gostaria apenas de agradecer pela criação do seu blog,tão rico em informações,realmente um meio muito útil para “necessitados” de esclarecimentos,ajuda ou algo do tipo.Estudo pra cursar medicina e interesso-me bastante porque qualquer assuntos relacionados a área da saúde,meus parabéns pela iniciativa Dr..
    Abraços!!

  36. Annelisie

    Olá,bom gostaria apenas de cumprimentar pelo blog e pela maneira que foi abordado o tema,sou estudante de enfermagem e amanhã tenho uma prova sobre o assunto,e pra dizer a verdade só entendi de verdade o tema aqui..rs!

    Meus Parabéns e Obrigada!

  37. Igor Rodolpho.

    Gostei muito do blog…
    É realmente bem legal,além de conter muitas informações úteis em linguagem “leiga”.

  38. Louis Gogol & Troy

    Muito bom o blog parabéns

  39. Marcella

    Sou assessora de imprensa de uma empresa da área da saúde e adorei o blog, existem aqui várias informações úteis, com fácil entendimento para leigos. Adorei, parabéns!