Palpitações, Taquicardia e Arritmias Cardíacas

O que é palpitação?

Palpitação é o nome que se dá a percepção dos batimentos cardíacos, normalmente com desconforto e sensação de que estes batimentos estão irregulares.

Na maioria dos casos, a palpitação é um quadro benigno e de curta duração, que se resolve sozinho. Porém, se a palpitação for frequente ou prolongada, isso pode ser sinal de doença do coração ou efeito colateral de algum medicamento.

O nosso coração, quando estamos em repouso, realiza entre 60 e 100 batimentos por minuto. São, portanto, em média, 4.800 batimentos por hora e 115.200 batimentos por dia.

Exceto quando nos exercitamos, não sentimos os nossos batimentos cardíacos. Na verdade, nem nos damos conta que temos uma bomba funcionando ininterruptamente dentro do nosso peito, colocando o sangue para circular.

A palpitação é exatamente uma anormal consciência do batimento do coração quando estamos em repouso. Normalmente o paciente se queixa de que o coração está acelerado, que sente os batimentos na garganta, ou ainda, que o coração vai sair pela boca. Essa sensação costuma estar associada a mal estar, cansaço aos pequenos esforços, falta de ar, e às vezes, dor no peito. Se a palpitação ocorrer por uma arritmia, é possível até ocorrer desmaios (leia: DESMAIO, SÍNCOPE E REFLEXO VAGAL).

Algumas pessoas quando estão deitadas com o lado esquerdo para baixo, podem sentir os batimentos cardíacos normais sem que isso possa ser chamado de palpitação.

Como foi descrito acima, a frequência cardíaca normal varia entre 60 e 100 batimentos por minutos (bpm). Quando o coração está com mais de 100 bpm chamamos de taquicardia. Quando está abaixo dos 60 bpm, chamamos de bradicardia. As palpitações estão associadas normalmente às taquicardias.

As taquicardias são dividas entre sinusais e taquiarritmias. Vamos descrever rapidamente como funciona a atividade elétrica do coração para melhor entendermos esses dois tipos de taquicardia.

O que são taquicardia sinusal e taquiarritmia?

No ápice do átrio direito, na ponta de cima do coração, encontra-se a fonte elétrica cardíaca, chamada de nodo sinoatrial (também chamado de nó sinusal ou nódulo sinusal). O nodo sinusal é uma espécie de marcapasso natural do coração e produz, em uma frequência regular, descargas elétricas que induzem a contração dos músculos cardíacos. Qualquer batimento cardíaco normal sempre se origina de um impulso elétrico originado neste nodo, por isso, chamamos o ritmo cardíaco normal de ritmo sinusal.

Condução dos impulsos elétricos cardíacos
Condução dos impulsos elétricos cardíacos

O caminho normal desta corrente elétrica segue primeiro para ambos os átrios e, depois, desce para os ventrículos. Esses impulsos elétricos são gerados a uma frequência média de 80 por minuto, podendo variar entre 60 e 100 bpm.

A atividade elétrica gerada pelo nodo sinusal é transmitida para o nodo atrioventricular e posteriormente para todo o músculo cardíaco através do feixe de His e das fibras de Purkinje (veja ilustração).

Toda vez que temos uma frequência cardíaca elevada devido a um aumento da frequência destes impulsos gerados no nodo sinusal, estamos diante de uma taquicardia sinusal. É o que ocorre, por exemplo, quando nos exercitamos ou tomamos um susto. É uma resposta normal e esperada do coração. Portanto, a taquicardia sinusal é apenas uma resposta natural do coração ao aumento da demanda de sangue e oxigênio pelos tecidos.

Quando temos impulsos elétricos vindos de outros pontos do coração que não o nodo sinusal, estamos diante de impulsos anômalos, caracterizando uma arritmia cardíaca. Se esses impulsos anômalos forem transmitidos com grande frequência para os ventrículos, levando a uma aceleração dos batimentos cardíacos, o resultado é uma taquiarritmia., ou seja, uma taquicardia causada por uma arritmia. As taquiarritmias podem chegar a 200 batimentos por minuto.


Condução elétrica cardíaca normal
Condução elétrica atrial normal
Arritmia cardíaca
Condução elétrica caótica

Na ilustração acima, podemos ver à esquerda um ritmo sinusal e à direita um tipo de arritmia cardíaca (neste caso uma fibrilação atrial), no qual vários pontos diferentes do átrio geram impulsos elétricos ao mesmo tempo.

Reparem que neste exemplo temos uma arritmia sem taquicardia, pois apesar da grande produção de estímulos elétricos nos átrios, poucos são transmitidos para o ventrículos. Portanto, apesar da arritmia, o paciente mantém a frequência cardíaca entre 60 e 100 bpm.

Vamos fechar os conceitos:

  • Taquicardia: coração com frequência acelerada (maior que 100 bpm).
  • Bradicardia: coração com frequência lentificada (menor que 60 bpm).
  • Ritmo sinusal: é o batimento cardíaco normal. Pode haver taquicardia sinusal ou bradicardia sinusal.
  • Arritmia: ritmo cardíaco anômalo, não gerado pelo nodo sinusal. Pode existir taquiarritmia, bradiarritmia ou até arritmia com frequência normal (entre 60 e 100 bpm).

Leia também: EXAME ELETROCARDIOGRAMA (ECG)

Causas

Diante de um quadro de palpitação, a primeira coisa a se fazer é tentar definir se trata-se de uma arritmia ou apenas um taquicardia sinusal.

Entra as causas comuns de palpitações por taquicardias sinusais podemos citar:

  • Quadros psiquiátricos como síndrome do pânico, distúrbios de ansiedade e depressão.
  • Anemia (leia: 7 SINTOMAS DE ANEMIA).
  • Febre (leia: POR QUE TEMOS FEBRE?).
  • Desidratação.
  • Exercício físico.
  • Estresse emocional (ex: final de campeonato ou uma apresentação em público).

Alguns fatores podem ser responsáveis por taquicardias sinusais, mas também por desencadear arritmias. São eles:

As arritmias cardíacas podem também ser geradas por defeitos na condução elétrica do coração,  por quadros de isquemia do músculo cardíaco ou por insuficiência cardíaca.

A distinção entre taquicardia sinusal e taquiarritmias é feita através do eletrocardiograma (ECG). O grande problema é que grande parte das palpitações são intermitentes, e no momento do ECG elas podem já não estar mais presentes. Uma opção, então, é o Holter, que nada mais é do que uma máquina que registra o ECG durante 24 horas. Deste modo, consegue-se detectar qualquer arritmia que se manifeste neste período. Mais uma vez, existe o risco de não haver episódios de arritmias durante o período do exame, não sendo possível estabelecer o diagnóstico.

A importância de se determinar a causa das palpitações está no fato de que, apesar deste sintoma ser benigno na sua grande maioria dos casos, existem algumas alterações cardíacas que podem levar arritmias graves com risco de morte.

Existem quatro fatores na história clínica dos pacientes que apontam para etiologia cardíaca:

  • Sexo masculino.
  • Descrição pelo paciente de batimentos irregulares.
  • História prévia de doença cardíaca como insuficiência cardíaca ou infarto.
  • Duração da palpitação maior que 5 minutos.

Se você tem palpitações mas não apresenta nenhum dos fatores acima a chance dos seus sintomas ter origem em problemas cardíacos é muito pequena. Se tem os 4, é quase certo que tenha alguma arritmia cardíaca.

Deve-se salientar que mesmo aqueles que têm palpitações por arritmias cardíacas apresentam prognóstico favorável na maioria dos casos. Palpitações causadas por arritmias malignas são a minoria, mas como são muito graves, devem sempre ser investigadas.

Se você sente palpitações é importante colocar o dedo no próprio pulso e avaliar dois dados. O primeiro é o ritmo cardíaco. O coração normal bate de modo regular, com intervalos de tempo iguais entre os batimentos. Se notar um ritmo irregular, é provável tratar-se de uma arritmia cardíaca. Atenção, porém, que nem toda arritmia se manifesta com um ritmo cardíaco irregular.

Ritmo regular:
tum…..tum…..tum…..tum…..tum…..tum…..tum…..tum…..tum…..tum….tum.

Ritmo irregular:
tum…..tum………tum..tum.tum……..tum…tum………tum……tum…..tum.tum.

Outro dado importante é a frequência cardíaca. Frequências maiores que 150 batimentos em repouso e na ausência de febre são quase sempre indicativas de arritmias, mesmo se houver um ritmo cardíaco regular. Em idosos, frequências maiores que 130 BPM já sugerem arritmias.

Existem vários tipos de arritmias, mas as mais comuns são a fibrilação atrial e a taquicardia supraventricular. A primeira é mais comum em idosos e a segunda em jovens.

Tratamento

O tratamento das palpitações depende da causa. Se a palpitação for causada por um taquicardia sinusal e a sua origem for anemia. Basta corrigi-la. Se for febre, ela desaparecerá quando a temperatura corporal se normalizar. Se a taquicardia ocorre por distúrbios de ansiedade, o tratamento com o ansiolíticos costuma ser eficaz.

No caso de arritmias cardíacas, principalmente naqueles sem doença cardíaca prévia, o tratamento pode ser a ablação (destruição por cauterização) do foco elétrico anômalo. Em outros casos, pode-se lançar mão de alguns medicamentos para o controle da frequência cardíaca como, entre outros, a amiodarona e os beta-bloqueadores, este último, medicamentos também usados no tratamento da hipertensão.

Em casos de taquiarritmias graves que podem levar à parada cardíaca, chamada de arritmias malignas, pode ser necessária a colocação cirúrgica de um desfibrilador implantável, um aparelho que detecta estas arritmias  e imediatamente lança um choque elétrico no coração, restabelecendo o ritmo cardíaco normal e abortando a parada cardíaca.

RELACIONADOS

Regras para Comentários

Antes de comentar, clique no link a seguir para ler as REGRAS PARA COMENTÁRIOS.
Perguntas fora das regras serão descartadas.

Deixe um comentário

111 comentários em “Palpitações, Taquicardia e Arritmias Cardíacas”

  1. Boa noite doutor. Fibrilação atrial e ventricular são problemas diferentes ou são definições diferentes do mesmo bug? Obrigado!

    Responder
    • São bem diferentes. Fibrilação ventricular é uma emergência médica grave, equivalente a uma parada cardíaca.

      Responder
  2. Extra-sistoles isoladas não têm significado clínico algum. Se elas ocorrem com frequência e causam sintomas, é preciso ser avaliado por cardiologista.

    Esses seus sintomas são inespecíficos e podem ocorrer até em crises de ansiedade.

    Responder
  3. Um prolapso simples, sem sinais de insuficiência mitral, não traz riscos. Mas isso será avaliado corretamente no pré-operatório.

    Responder
  4. Oi, Dr. Tenho panico , e tem uns dois dias tenyo sentido mita dor no ombro esquerdo e hoje verifiquei e minha pressão estava 16 10 e batimentos 104 , isso e normal no panico ?( ja fui no clinico geral , mais nao marquei o psicologo ainda).

    Responder
    • Pode, sim, ser sinal de algum problema, como, por exemplo, uma anemia. Mas não necessariamente é. O ideal é que você procure um médico para ele poder lhe avaliar.

      Responder
  5. Boa noite Dr. Sou homem muito ansioso, as vezes meu coração fica batendo da seguinte forma tum……tum……tum……tum.tum……tum…..tum……..tum ! depois demora um pouco e acontece de novo o que pode ser ?? obs: prático esportes ,futebol , corrida ,entre outros. isso me dá um nervoso!

    Responder
    • Parecem extra-sistoles. Não é necessariamente algo de mau, mas o ideal é que um cardiologista avalie essa arritmia.

      Responder
      • Igualzinho ao meu! Ele bate normal de repente da uma aceleradinha, que até parece que vai parar do nada, e volta ao normal. Isso é rápido. Ja acostumei, mas tem dias que dá mais seguido. Tb sou mto ansiosa

        Responder
  6. Boa noite Dr. A algum tempo venho sentindo falta de ar, coração muito acelerado, perda de peso e um cansaço muito grande durante o dia todo, isso pode estar relacionado a algum problema de coração?
    OBS: tenho 21 anos

    Responder
    • Esses sintomas podem ocorrer em dezenas de doenças, incluindo problemas cardíacos. Pode ser também ansiedade, depressão… Tem que ir a um médico para investigar.

      Responder
  7. Dr. Bom dia! Percebo que após tomar bebida alcóolica tenho tido aceleração no meu coração, principalmente ao deitar, isto me incomoda, acha que devo fazer um eletro

    Responder
  8. Tenho muitas palpitações E o meu corpo fica todo trêmulo quanďo tomo calmante isso não ocorre e normal ou e uma ansiedade

    Responder
  9. Ando sentindo muitas dores no peito, só que fiz um exame o ECG e deu normal apenas com taquicardia sinusal não intendi :(
    Porém todos os ECG que fiz deram normais.
    Sera que mesmo assim corro risco de algo?

    Responder
  10. Uma pessoa hipertensa, ( com ECG, exames de sangue e urina e exame de esforço OK’s) que tem a pressão controlada por exercícios físicos, dieta e remédios ( diuréticos e betabloqueadores) é normal que,somente ao se deitar,sinta palpitações sem alteração do ritmo cardíaco?

    Responder
  11. dtr. fiz uns exames de sangue e no exame deu que estou com a anemia muito forte, anoite eu acordo co meu coraçao muito acelerado, tem alguma coisa haver com essa anemia estar muito forte?? desde ja agradeço!

    Responder
  12. Dr,tenho 17 anos e tenho observado que quando estou em posição de repouso,meus batimentos estão normais, porém quando me levanto ou saiu do repouso meu coração acelara bastante,sou ansioso,queria saber se é arritmia ou taquicardia,ou até mesmo ansiedade?

    Responder
    • Se for algo de curta duração, Isso é normal, principalmente se você se levantar rápido demais.

      Responder
  13. Oi Dr. Meu namorado senti o coração dele acelerado do nada sem fazer nada, ele fica com falta de ar e senti muita dores na costa o que pode ser mim ajude

    Responder
  14. Olá Dr, gostaria de saber se é normal meu coração oscilar tanto, ele já chegou a bater a 132 bpm, mas também já chegou a 52, fiz eletro e não apresentou nada. Ultimamente ele bate sempre acima de 100, as vezes mesmo estando em repouso. Ele oscila muito e eu não entendo.

    Responder
    • Às vezes, só o eletrocardiograma não basta, é preciso fazer um holter para ter uma melhor ideia do que está ocorrendo.

      Responder
  15. Dr. Sou muito ansiosa, procuro me controlar ao máximo, mas quando vejo que estou entrando em uma crise forte de ansiedade, logo tomo 2,5 mg de alprazolam, isto faz com que eu melhore instantaneamente, já faço este ritual a hum ano, mas tenho tido crises de taquicardia, 135 bpm e tontura, pode ser por causa do remédio ou problema cardíaco.,Tks

    Responder
    • Pode ser só da ansiedade, mas sem fazer um eletrocardiograma ou ser vista por um cardiologista é impossível descartar outras causas.

      Responder
  16. Dr. Pedro, vc está de parabéns com seu site. É sempre muito informativo e instrutivo. Estou tendo arritmias… vou procurar um cardio, mas quero parabenizar o seu empenho no site. Um abraço! Sandra

    Responder
  17. Ola Dr. esta noite, acordei com meus batimentos completamente fora do normal, irregulares e com muitas palpitações, já pela manhã fui medir minha pressão arterial e a mesma apontou come sendo de 153 x 710, tenho 50 anos e faz 2 meses que parei com meus treinamentos de corrida e musculação, por motivo de lesão muscular, não sinto tontura nem cansaço, o que devo fazer?

    Responder
    • Procurar um cardiologista para fazer exames e tentar confirmar se as palpitações são mesmo arritmias.

      Responder