Artigo atualizado em 10/08/2013
Share on Google+Share on FacebookTweet about this on Twitter

COQUELUCHE | Sintomas, tratamento e vacina

Publicidade

A coqueluche, também conhecida como pertússis ou tosse convulsa, é uma infecção altamente contagiosa do trato respiratório causada pela bactéria Bordetella pertussis. A coqueluche, uma doença atualmente prevenível por vacina, cursa com violentas crises de tosse dolorosa. Neste texto vamos abordar a transmissão, sintomas, tratamento e prevenção desta infecção

Epidemiologia da coqueluche

Até a primeira metade do século XX a coqueluche era uma das principais causas de morte em crianças. Após o advento da vacina na década de 1940, a incidência despencou, principalmente nos países desenvolvidos, tornando-se uma doença pouco comum. No Brasil são registrados cerca de 1000 novos casos de coqueluche por ano. Apesar de incomum em boa parte do planeta, a coqueluche ainda atinge anualmente cerca de 40 milhões de pessoas no mundo, principalmente na África e no Sudeste Asiático.

Coqueluche

Tosse convulsa

Nas últimas 2 décadas a incidência de coqueluche tem aumentado em todo mundo, inclusive na Europa e EUA. As causas ainda não são conhecidas, mas acredita-se que seja por uma conjunção de fatores, como perda da eficácia da vacina em adultos vacinados há muito tempo, falhas na vacinação da população infantil (são necessárias pelo menos 3 doses da vacina para uma imunização efetiva) e uma maior capacidade da medicina em diagnosticar a doença.

A despeito da vacinação, a cada 2 a 5 anos ocorrem surtos localizados de coqueluche em praticamente todos os países (não necessariamente ao mesmo tempo). Este dado nos indica que a vacinação é eficaz em prevenir a doença, mas não elimina a circulação da bactéria no meio. Sempre que há acúmulo de indivíduos susceptíveis, seja por falta de vacinação ou por perda de eficácia da mesma com o tempo, a coqueluche reaparece pontualmente.

Transmissão da coqueluche

O ser humano é o único animal que abriga a bactéria Bordetella pertussis. A coqueluche é uma doença altamente contagiosa, sendo a transmissão feita através de aerossóis e gotículas das vias aéreas lançadas ao ambiente, principalmente durante a tosse. Após um episódio de tosse a bactéria é lançada ao ar e pode infectar pessoas em um raio maior do 1,5 metros de distância. A transmissão pelas mãos é uma importante via de propagação da doença.

Assim com em qualquer caso de infecção contagiosa das vias respiratórias, a transmissão de vírus e bactérias é feita por aerossóis expelidos durante a fala, espirros e tosse. Entretanto, a principal via de transmissão costuma ser as mãos, que são frequentemente levadas à boca e ao nariz do indivíduo enfermo, entrando em contato com secreções contaminadas, tornando-se assim um importante reservatório de germes. Para diminuir o risco de contaminação evite contato próximo e prolongado com pessoas infectadas com infecções respiratórias e lave as mãos com frequência, pois mesmos objetos manuseados por indivíduos doentes podem transmitir germes. Uma vez que haja bactérias ou vírus na sua mão, basta coçar o nariz ou encostá-la na boca para se contaminar.

Sintomas da coqueluche

Após a exposição à bactéria Bordetella pertussis, o tempo médio de incubação é de 7 a 10 dias. Quando surgem os sintomas, a doença pode ser dividida em 3 estágios:

1. Estágio catarral

O estágio catarral é a primeira fase da coqueluche e dura de 1 a 2 semanas. O sintomas são semelhantes ao de uma virose respiratória comum, com febre baixa, rinite, mal estar, conjuntivite, espirros e tosse. Esta é a fase onde a doença encontra-se mais contagiosa.

2. Estágio paroxistico

Ao final do estágio catarral, a tosse que era fraca vai se tornado frequente e cada vez mais forte. Os ataques de tosses tornam-se violentos e podem durar mais de um minuto. O paciente durante as crises tem dificuldade para respirar e costuma fazer um som agudo, tipo um silvo ou “guincho”, quando inspira contra as vias aéreas comprimidas pela tosse. Os ataques de tosse podem ser tão intensos que causam vômitos e exaustão. As crises são mais comuns à noite e o paciente pode ter mais de 20 episódios ao longo das 24h. As crises de tosse duram até 6 semanas, sendo mais intensas nas duas primeiras.

3. Estágio de convalescença

Após 6 semanas de estágio paroxístico, a tosse começa a aliviar, permanecendo por ainda quase 1 mês, mas já sem os paroxismos. Todavia, as crises podem voltar caso o paciente nesta fase tenha o azar de apresentar outra infecção das vias aéreas, como uma gripe, por exemplo.

Adultos podem ter coqueluche se não tiverem sido vacinados corretamente ou se a vacina tiver perdido eficácia ao longo dos anos. Neste grupo a coqueluche pode não apresentar os sintomas e estágios típicos descritos acima, principalmente se o paciente já tiver sido vacinado. O sintoma mais comuns de coqueluche no adulto são as intensas crises de tosse, que podem levar a vômitos e duram até 3 meses.

Complicações da coqueluche

As principais complicações da coqueluche ocorrem em crianças, principalmente nas menores de 6 meses. Os problemas são geralmente secundários às violentas crises de tosses e incluem:

- Pneumotórax (leia: PNEUMOTÓRAX | Causas, sintomas e tratamento)
- Distensão muscular
- Crises convulsivas (leia: EPILEPSIA | CRISE CONVULSIVA | Sintomas, tipos e como proceder)
- Hernias abdominais
- Fratura de costela
- Pneumonia (leia: PNEUMONIA | Sintomas e tratamento)
- Lesões nos ouvidos
- Lesões nos olhos

A maioria dos casos de mortes por coqueluche ocorrem em crianças menores que 6 meses, exatamente o grupo que ainda não completou a série de 5 vacinas. A taxa de mortalidade encontra-se em 1% dos casos. Quanto mais nova a criança, maior o risco.

Tratamento da coqueluche

Quando a coqueluche ocorre em crianças com até 1 ano de idade, geralmente é necessário internamento hospitalar para ajudar na hidratação e alimentação. Antitussígenos não funcionam e atualmente seu uso é desencorajado. Antibióticos contra Bordetella pertussis, se inciados precocemente, diminuem o tempo de doença e a taxa de transmissão. Após 5 dias de antibióticos, o paciente deixa de ser transmissor da bactéria.

A profilaxia com antibióticos é indicada para todos familiares ou pessoas que tiveram contato próximo com o paciente nos 21 dias que antecederam o início dos sintomas, não importando a idade ou o estado vacinal dos mesmos.

Vacina para coqueluche

O atual esquema de vacinação do ministério da Saúde no Brasil indica um total de 5 doses da vacina tríplice DTP contra difteria, tétano e pertússis (coqueluche) a serem dadas nos 2º, 4º e 6º meses, com doses de reforço no 15º mês e aos 4 anos de idade. Com o aumento da incidência de coqueluche entre adolescentes e adultos, alguns médicos estão indicando uma nova dose de reforço aos 11 anos de idade.

A vacina reduz muito a chance de contaminação, mas como qualquer vacina, não é 100% efetiva, principalmente se a última dose foi administrada há muitos anos.

Para saber mais sobre vacinas e o calendário de vacinação brasileiro, leia: VACINAS | Calendário, efeitos colaterais e contra-indicações

Publicidade
  • Dj

    Bom dia Dr. tenho 35 anos e não sei mais o que fazer,a 1 mês atraz comecei com uma tosse seca e branda que chamava atenção pois não tinha catarro nem febre mas dava um estalo no peito. Foram quase 2 semanas assim, até esta tosse começar a aumentar, principalmente no período da noite comecei a ter fortes acessos seguidos de desmaio devido ao engasgo e expulsão de uma gosma parecida com clara de ovo grossa.
    Já procurei diversos médicos, fiz raio X dos pulmões, eletrocardiograma, exames de sangue e nada.
    Um dos médicos procurados me diagnosticou com pneumonia atípica, me receitou Notuss para alívio da tosse e azitromicina, tomei tudo e nada.
    Procurei um novo médico e esse ao me oscultar disse que eu estava com coqueluche e pneumonia atípica me receitando: Taveflox, Seki e Hexomedine, ao tomar esta medicação consegui controlar as crises de desmaio, mas a tosse e a tosse noturna seguida de vômito ainda incomoda muito, já estou na metade do tratamento e não sei mais a quem recorrer.
    Estou ficando assustado só em pensar que vou dormir, pois ao acordar as crises são terríveis, sinto que tenho que expulsar algo de dentro de mim e ai vem o vômito e muita tosse.

    Por favor me dê uma luz!

  • Selma Nunes

    Doutor, por gentileza, gostaria de tirar uma dúvida. Qual especialista devo ir para diagnosticar uma possível bronquite, tuberculose ou coqueluche? Há mais ou menos os 15 anos, fiz uma viagem ao Rio de Janeiro e lá cheguei a sentir sintomas típicos de uma forte gripe tipo: dor de cabeça, febre, dores no corpo e quando retornei a cidade de origem, ainda doente, o sintoma maior foi tosse compulssiva com dor de cabeça ao tossir e rouquidão. Hoje em dia, com uma filha de 5 anos de idade para criar é que eu me atentei para investigar essa minha problemática. Digo problemática porque esse problema se manifesta uma vez ou outra e são os mesmos sintomas, inclusive neste momento me encontro em crise da mesma. Daí a minha curiosidade e pesquisa das doenças citadas inicialmente. Tenho 42 anos de idade.  

    • https://plus.google.com/113288925849694682313 Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Pneumologista.

  • Marcelo Borghezan

    Boa noite, minha esposa pegou a Bactéria ¨BORDETELLA PERTUSSIS¨, Já estamos fazendo o tratamento, mais gostaria desaber se existe uma vacina especifica para adultos e onde po-sso encontr-ar. Sou de Santa Catarina. Obrigado

  • Talita Prado

    Doutor,

    Tenho um filhinho de um mês e meio de vida que está com coqueluche (tossindo desde o último dia 08/07), há 2 dias, sob orientação médica, passei a administrar o estolato de eritromicina. Mas os ataques de tosse continuam frequentes e severos. Existem mais procedimentos que eu posso adotar afim de diminuir e acabar com o sofrimento do meu bebê?

  • Selma Nunes

    Doutor, por gentileza, gostaria de tirar uma dúvida. Qual especialista devo ir para diagnosticar uma possível bronquite, tuberculose ou coqueluche? Há mais ou menos os 15 anos, fiz uma viagem ao Rio de Janeiro e lá cheguei a sentir sintomas típicos de uma forte gripe tipo: dor de cabeça, febre, dores no corpo e quando retornei a cidade de origem, ainda doente, o sintoma maior foi tosse compulssiva com dor de cabeça ao tossir e rouquidão. Hoje em dia, com uma filha de 5 anos de idade para criar é que eu me atentei para investigar essa minha problemática. Digo problemática porque esse problema se manifesta uma vez ou outra e são os mesmos sintomas, inclusive neste momento me encontro em crise da mesma. Daí a minha curiosidade e pesquisa das doenças citadas inicialmente. Tenho 42 anos de idade.  

  • MARCIA DE OLIVEIRA MUNIZ PINTO

    Minha filha Julia de 8 anos teve um diagnostico de coqueluchoide.
    Quero saber qual a diferença entre a coqueluche porque o médico que deu o diagnostico em um PS publico não me disse que era contagiosa.E também não me receitou nada disse que não tinha remédio para isso que não adiantava dar nenhum xarope,nenhum remédio que a tosse pararia sozinha,e que essa tosse poderia durar até 03 meses.estou preocupada porque todas as vezes que ela tosse perde a respiração.preciso de ajuda!

    Marcia muniz

  • maria elza mariano mendonça

    Dr! Sou técnica de enfermagem, atuo na Imunização ha + de 8 anos.Fiz a vacina DTP a uma criãnça de 18 meses seguindo a técnica e a via de aplicação exigida par esta vacina e orientação a mãe.Após 02 dias a mesma retornou a UBS com sua filha, a perna com edema vermelhidão e nódulo no local da aplicação.Foi internada por dois dias ,esta ótima agora sem sinais que ividencie alguma coisa!Mas a mãe publicou em face book e radio com fotos da criãnça e ta tendo muita repercução e meu nome sendo citado…Ta sendo muito constragedor e me fazendo muito mal isso tudo.O que faço..Por favor me responda.

  • Ana Clara

    Por que a coqueluche é altamente contagiosa?

    • http://www.mdsaude.com Pedro Pinheiro

      É uma característica da própria bactéria da coqueluche. Há germes que tem maior dificuldade de iniciar uma doença em pessoas saudáveis. A bactéria da coqueluche é que nem o vírus da gripe, é altamente infeccioso.