MAU HÁLITO (halitose) – Causas e tratamento

O que é halitose?

O mau hálito, também chamado de halitose, é um problema que atormenta a humanidade há milênios. Existem relatos de tratamentos para o mau hálito desde há três mil anos. Até na Bíblia, no livro Gênesis, há menção de tratamentos para refrescar o hálito.

É importante salientar que muitas pessoas que não têm halitose se preocupam exageradamente com seu hálito, enquanto boa parte das que realmente tem mau hálito não suspeita do fato.

Até 25% das pessoas que procuram atendimento médico queixando-se de mau hálito, na verdade não o tem. É muito difícil para o indivíduo notar se o próprio hálito ruim é crônico ou aparece apenas pontualmente.

Causas

Existes mais quarenta causas diferentes para o mau hálito. Vamos focar apenas nas mais comuns.

Mais de 80% dos casos de halitose se originam na própria boca. São causados pela ação da flora bacteriana natural da nossa orofaringe sobre os alimentos que ingerimos. Possuímos mais de 600 tipos de bactérias na nossa cavidade oral, muitas delas capazes de produzir gases com odor devido à metabolização de materiais orgânicos, principalmente proteínas.

Dois pontos da cavidade oral são críticos: os dentes e a região posterior da língua, onde frequentemente ocorrem acúmulo da bactérias. O cheiro da halitose provém da produção de gases por bactérias após a metabolização de alimentos que ficam depositados nestas regiões.

Como é previsível, quanto menor for higiene bucal, mais bactérias existirão, mais detritos alimentares permanecerão na cavidade oral e mais intenso será o mau hálito. Inflamações como gengivites e periodontites, causadas por má higiene oral, também favorecem a halitose.

A saliva é uma antisséptico bucal natural. Além de possuir substâncias antibacterianas, ela ajuda no enxague da orofaringe, diminuindo os resíduos de bactérias e alimentos. Quanto mais ressecada for a boca, pior é o hálito.

A saburra lingual, ou língua saburrosa, é outra causa comum de mau hálito. Esta alteração se manifesta como uma placa esbranquiçada composta por bactérias e células descamadas que se aderem à língua. A saburra costuma surgir por falta de hidratação na cavidade oral, geralmente por falta de saliva ou por uma deficiente escovação da língua.

Entre outros fatores de risco para a saburra estão dormir de boca aberta, roncar, uso de antissépticos bucais à base de álcool e uso de aparelhos ortodônticos. Escovar a língua e beber bastante água para manter a boca sempre hidratada são simples modos de diminuir a incidência da saburra e, consequentemente, do mau hálito.

Ainda na boca, outro ponto que pode dar origem ao mau hálito são as amígdalas. Um mau hálito que surge subitamente pode ser o primeiro sinal de um faringite ou amigdalite em desenvolvimento. Isto é particularmente real nas crianças.

Os pacientes com amigdalite de repetição costumam apresentar pequenas criptas em suas amígdalas, que favorecem a deposição de alimentos e de restos celulares, formando o cáseo (ou caseum). De vez em quando pequenas “pedrinhas” extremamente mal cheirosas se soltam destas criptas levando o paciente a imaginar que o seu hálito é tão ruim quanto este odor. Na verdade, nem sempre o cáseo amigdaliano é causa de mau hálito. O fato da “pedrinha” ser mau cheirosa não significa que o hálito seja igual.

Outro sítio que pode ser a causa da halitose é o nariz, ocorrendo principalmente devido a quadros de sinusite. A existência de gotejamento pós-nasal pode levar ao acúmulo de substâncias mal cheirosas na base da língua.

Muito raramente, um tumor oculto da orofaringe ou laringe pode ser a causa do mau cheiro.

Um tipo de mau hálito extremamente comum e normalmente passageiro é aquele que ocorre ao acordarmos. Dois fatos contribuem para essa halitose:

Muitas pessoas dormem de boca aberta, levando a um ressecamento da boca durante a noite que, como já foi explicado anteriormente, leva ao mau hálito.

O fator mais importante, porém, é outro. Durante o sono, chegamos a ficar mais de 10 horas em jejum.

O corpo precisa produzir energia constantemente e em períodos de jejum há pouca glicose disponível como combustível. O organismo passa então a queimar gorduras para produzir energia. A metabolização de gorduras leva à produção de corpos cetônicos, substâncias com odor forte que são eliminadas pelos pulmões.

Reparem que toda vez que estamos com muita fome, ou em longos períodos de jejum, ficamos com mau hálito. Felizmente este é fácil de resolver; é só comer.

O hálito cetônico do jejum é o mesmo que ocorre nos pacientes com diabetes mal controlados.

Outras doenças sistêmicas que podem causar mau hálito são a cirrose e a insuficiência renal crônica avançada. Esta última causa um hálito com cheiro de urina devido ao acúmulo de ureia e outras substâncias que não são devidamente eliminadas pelos rins. Infecções nos pulmões também podem causar halitose.

Costuma-se supervalorizar o papel do estômago na halitose, todavia, raramente doenças deste são causas do mau hálito. A exceção ocorre no pacientes com refluxo gastroesofágico que podem, em alguns casos, apresentar halitose. Porém, não se justifica uma investigação do estômago se o paciente apresentar mau hálito sem outros sintomas do refluxo.

Nossos hábitos diários também influenciam no hálito. O tabagismo, o consumo regular de bebidas alcoólicas e excesso de café são causas de mau hálito. Existe também uma relação ainda pouco entendida entre obesidade e halitose.

Alguns alimentos como alho e cebola são capazes de causar mau hálito por várias horas. No caso do alho, um dos gases produzidos pela sua digestão consegue ser absorvido pela circulação sanguínea, sendo eliminado pelos pulmões. Por isso, após a ingestão de alho, o hálito ruim pode permanecer por horas mesmo após a escovação dos dentes.

Tratamento

Como a grande maioria dos casos têm origem na boca, o dentista costuma ser o melhor especialista para diagnosticar e tratar a halitose. Já o otorrinolaringologista pode ser o melhor médico nos casos de mau hálito originado nas amígdalas, faringe ou nariz.

Algumas dicas podem resolver, ou pelo menos aliviar o problema:

  • Adequada higiene oral e uso frequente de fio dental.
  • Check-up dental regular.
  • Gargarejos com antissépticos orais, principalmente à noite.
  • Escovação da língua. Molhe sua escova com antissépticos orais em vez de pasta de dente (dentífrico) para limpar a língua.
  • Ingestão de líquidos para evitar desidratação e ressecamento da boca.
  • Chicletes sem açúcar aumentam a salivação e ajudam a “lavar” a boca. Cinco minutos de mastigação são suficientes.
  • Evitar álcool, café e cigarro.
  • Evitar longos períodos de jejum.
  • Alimentar-se bem no café da manhã.

Referências


RELACIONADOS

Regras para Comentários

Antes de comentar, clique no link a seguir para ler as REGRAS PARA COMENTÁRIOS.
Perguntas fora das regras serão descartadas.

Deixe um comentário

28 comentários em “MAU HÁLITO (halitose) – Causas e tratamento”

  1. Um individuo que, cirurgicamente teve sua amígdala removida, ainda corre o risco de apresentar mal hálito cronico?

    Responder
    • Para o odor no corpo, pode ser o dermatologista. Ele saberá depois indicar outro médico caso haja necessidade.

      Responder
  2. Hoje acordei com um “caseum” na garganta e por impulso tirei, dando leves apertadas com o dedo, quando removi percebi que o cheiro é insuportável. E fui pesquisar para descobrir o que seria, e então associei aos sintomas de cáseos amigdalianos. A questão é: Devo removê-lo? Qual especialista devo procurar? (Alguém me dá um help, to nervosa)

    Responder
  3. boa noite,fui ao dentista pgt,como estava minha boca,ele me falou que estava 10,minha saúde bucal,mas tem um cheiro muito forte,percebo que vem de dentro,de mim,o que será isso? Alguém pode me ajudar? É um odor horrível,parece carniça,tenho muita vergonha de falar proximo das pessoas,olha que escovo bem os dentes,e uso listerine sem alcool!

    Responder
  4. cara você e 10 parabéns! desculpa pela pobreza de vocabulário mas o que guez dizer e que o medico realmente eficiente, certeiro, excelente no seu trabalho, oficio.

    Responder
  5. Olá DR, me chamo Renato e tenho 19 anos, estou passado por esse problema já faz um tempo, eu uso aparelho e desde antes do tratamento eu já me sentia inseguro com o meu hálito, por pura vergonha eu não tive coragem de tocar no assunto com o meu dentista, já faz dois anos que eu uso aparelho e eu me cuido e mesmo assim eu sinto que estou com mau hálito, sinto um gosto ruim na boca em alguns períodos do meu dia, com essa insegurança eu deixei de namorar de sair com os meus amigos, queria me sentir mais seguro em relação ao meu hálito. o que eu devo fazer para descobrir a origem dele?

    Responder
  6. Muito bom seu artigo, eu mesmo já sofri bastante com este pesadelo, mais superei eu usei somente tratamentos com produtos naturais que temos em casa mesmo, e eu acho que ainda é uma excelente alternativa, em meu blog eu postei o que eu usei e realmente o mau hálito foi embora e não voltou mais.

    hoje eu sempre procuro evitar o mau hálito vou deixar 10 dicas para evitar
    Beba água,Escove os dentes apos todas as refeições,Não pule o fio dental,Escove a língua,
    Cuide da alimentação,A boca não é a única suspeita,Evite café,Masque chiclete (sem açúcar).

    funciona comigo.

    muito bom mesmo o seu site.

    Responder
  7. Concordo com tudo que li sobr o mau hálito,mas não posso me furtar a dar umainformação baseada emexperiência própria e, posteriormente, verificada em outras pessoas. Uma boa parte das causas de mau hálito, senão, a maior delas, é a ingestão de leite. Quem tem mau hálito(pergunte à esposa ou filhos) experimente eliminar o leite da sua alimentação e depois comente o resultado.

    Responder
  8. Tambem sofro (sofri)  com a formacao de caseos, o que descobri foi que se voce diminuir, ou eliminar o consumo de “LEITE” e seus derivados eles quase nao apareceram.
    O problema e que o nosso organismo nao consegue digerir o leite (lactose).
    Fiz o teste e realmente funciona.
    Hoje controlo mais o consumo de leite e seus derivados, e os caseos quase nao aparecem mais.
    Espero ter ajudado.

    Almir 

    Responder
  9. Olá Doutor, parabéns pela maneira excelente de esclarecer de forma simples assuntos tão complexos. Desde criança tenho faringites e amigdalites recorrentes, o que melhorou muito com a vacina contra influenza. No entanto, ainda sofro com as formações constantes de cáseos, é horrível; a remoção das amigdalas é recomendável neste caso?

    Responder