Leptospirose – Transmissão, sintomas e tratamento

Atualizado em
Comentários: 46

O que é leptospirose?

A leptospirose é uma zoonose, ou seja, uma doença transmitida de animais para humanos. Ela é causada por uma bactéria chamada Leptospira interrogans.

A leptospirose é uma doença que ocorre no mundo inteiro – exceto nos pólos – mas possui maior incidência nos trópicos. Acomete pessoas de todas as idades e é mais comum nas populações com piores condições de saneamento básico.

Transmissão

A leptospirose é uma doença de animais mamíferos, principalmente roedores. Pode também atingir cães e gatos domésticos, além de animais de criação, como gado, cavalos, porcos, ovelhas, etc.

O animal contaminado elimina a bactéria em sua urina, contaminando o solo e água. A bactéria Leptospira interrogans é capaz de sobreviver por muito tempo em ambientes úmidos, porém, morre rapidamente em ambientes secos.

Um mito urbano muito difundido é o da transmissão de leptospirose em latas de refrigerante ou cerveja. Esta é uma via pouco comum, já que uma vez que as latas estejam secas, a bactéria torna-se inviável. Todavia, essa modo de transmissão é possível se as latas, após contato com a urina infectada, permanecerem armazenadas em locais úmidos até o momento do consumo.

Entre os humanos, a principal fonte de transmissão são os ratos de esgoto. A infecção ocorre geralmente após o consumo de líquidos e alimentos e também por contato direto da pele – principalmente se houver feridas – com água contaminados pela urina destes roedores. Quanto mais prolongado for o contato com a pele, maior o risco de contágio.

Não há relatos de transmissão de humano para humano, ou seja, o contato com a urina de outras pessoas não transmite leptospirose.

Nas regiões mais pobres, a maioria das infecções ocorre através do contato com águas de chuvas e enchentes contaminadas por urina de ratos. A ineficácia ou inexistência de rede de esgoto e drenagem de águas pluviais, a coleta de lixo inadequada e as consequentes inundações são condições favoráveis às epidemias.

É possível pegar leptospirose ao nadar em rios e lagos de água doce, caso as mesmas estejam contaminadas. Na praia a contaminação é pouco provável devido ao alto teor de sal da água que mata a bactéria (leia também: DOENÇAS TRANSMITIDAS PELA ÁGUA).

Sintomas

Como ocorre em várias outras doenças infecciosas, o quadro clínico da leptospirose varia muito de indivíduo para indivíduo. O paciente pode apresentar desde quase nenhum sintoma até um quadro grave com risco de morte.

O período de incubação pode variar de 2 a 30 dias. A média é 10 dias de intervalo entre a contaminação e o início dos sintomas da leptospirose.

Mais de 75% dos pacientes apresentam febre alta com calafrios, dor de cabeça e dor muscular. 50% apresentam náuseas, vômitos e diarreia. Um achado típico da leptospirose é a hiperemia conjuntival (olhos acentuadamente avermelhados).

Outros sintomas da leptospirose possíveis incluem tosse, faringite, dor articular, dor abdominal, sinais de meningite, manchas pelo corpo e aumento dos linfonodos, baço e fígado.

Como os sintomas da leptospirose são semelhantes aos de várias outras doenças febris, o dado mais importante para o seu diagnóstico é a exposição recente a situações de risco, como enchentes ou contato com água de poços, fossas, bueiros e esgoto.

A maioria dos pacientes melhora em um semana. Algumas vezes a evolução da doença é bifásica, com alguma melhora por 2 ou 3 dias seguido de nova piora dos sintomas.

A maioria dos casos de leptospirose apresenta evolução benigna, entretanto, em cerca de 10% a evolução é mais grave, complicando com insuficiência renal aguda, hemorragias, insuficiência hepática e insuficiência respiratória.

Os pacientes que complicam costumam apresentar sinais de icterícia (pele amarelada) após o terceiro dia de doença, um sinal de que o fígado começa a falhar.

O diagnóstico da leptospirose é normalmente feito através da sorologia, um simples exame de sangue.

Tratamento

A imensa maioria dos casos de leptospirose é autolimitada e a cura é espontânea. Por isso, ela é habitualmente tratada apenas com sintomáticos e hidratação.

Quando o diagnóstico é feito nos 4 primeiros dias, pode-se lançar mão de antibióticos, como penicilinas, tetraciclina (ou doxiciclina) e eritromicina, que reduzem o tempo de doença e o risco de complicações.

Aspirina e anti-inflamatórios devem ser evitados, pois os mesmos aumentam o risco de hemorragia.

Nos casos mais graves pode ser necessário internamento em UTI e instituição de tratamentos mais agressivos como ventilação mecânica e hemodiálise.

A vacina não confere imunização permanente e só está indicada em pessoas com trabalhos de risco, como limpadores de bueiros e fossas.


Referências


Autor(es)

Médico graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com títulos de especialista em Medicina Interna e Nefrologia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), Universidade do Porto e pelo Colégio de Especialidade de Nefrologia de Portugal.


O Artigo te Ajudou? Então nos Ajude Agora!
Se você achou este artigo informativo e útil, por favor, considere compartilhá-lo nas suas redes sociais. Cada compartilhamento não só ajuda outras pessoas a obterem informações de saúde de qualidade, mas também contribui significativamente para o crescimento do nosso site.
Temas relacionados
Soro Caseiro Como fazer soro caseiro ou solução de reidratação oral?
Legionelose Legionelose: sintomas, transmissão e tratamento
Hepatite A Hepatite A: transmissão, sintomas, vacina e tratamento
Doenças da água Doenças transmitidas por água contaminada
Ameba Amebíase (infecção por Entamoeba histolytica)
Cólera Cólera: sintomas, causas e tratamento
- Publicidade -
COMENTÁRIOS
Por favor, leia as regras do site antes de enviar a sua pergunta.

Deixe um comentário

46 comentários em “Leptospirose – Transmissão, sintomas e tratamento”

  1. Saudações Dr. Pedro
    Li o conteúdo sobre leptospirose e fiquei na dúvida quando diz que Aspirins e anti-inflamatórios devem ser evitamos devido o risco da hemorragia. Eis a minha questão: Qual é o medicamento ideal neste caso para aliviar a dor de cabeça e a febre visto q os antiinf. São proibidos?

    Responder
  2. Dr. eu estou com a doença,eu tomo dorflex para alivia as dores musculares que tenho..
    minha pergunta e,isso pode agrava meu quadro?
    o que o senhor me recomenda alem do tratamento medico e claro.

    Responder
  3. um dia desses pisei na lama ao descer do carro , ai molhou meu pé , mas ao chegar em casa lavei ele num banho bem demorado (15 minutos) pois estava com medo de ter pego ao pisar apenas na lama , kkkk , mas poderia me dizer se realmente é possível alguém pegar só de pisar numa lama , ou se o rato tem que morder a pessoa para que ela pegue!

    Responder
  4. No fundo de casa havia urina de rato, logo depois que vi deixei o local contaminado de molho com candida e sabão em pó, depois de 20 minutos lavei o local, e porém vi que tinha um machucado no pé, e tinha entrado em contato, queria saber se mesmo eu ter deixado com a candida e o sabão em pó de molho, e ter tido contato com a água depois de lavar, posso pegar leptospirose… Obrigado e aguardo a resposta

    Responder
  5. leptopirose pode ser transmitida por:
    “lagos,rios e ratos de esgoto
    realmente muito graves em relação aos animais domésticos como “cães e gatos”
    pode tambem ser transmitida em humanos sabendo que 75% dos pacientes apresentam febre alta com calafrios, dor de cabeça e dor muscular. 50% apresentam náuseas, vômitos e diarreia. Um achado típico da leptospirose é a hiperemia conjuntival (olhos acentuadamente avermelhados).
    não queiram pegar galera é realmente muito grave!!

    Responder
  6. algumas eu percebi que são realmente muito graves em relação com animais domésticos
    “ratos de esgoto”
    não quero pegar não
    pode ser transmitida em humanos

    Responder
  7. tenho duvidas de ter tido contato com a urina de roedores e em alguns dias, precisamente hoje, amanheci com dores e sinal de inchasso na mandíbula. Doe bastante e está inchado. Pode ser algum sintoma da leptospirose? Grato por sua atenção.

    Responder
  8. Bom dia!
    Estou com 38 semanas de gestação,e a dois dias foi constatado que estou com leptospirose.
    Gostaria de saber quais são os riscos que o bebê tem?
    O medico apenas passou amoxilina pra eu tomar está certo?

    Responder
  9. Bom Dia,
    Confirmando, a bacteria então não sobrevive no seco neh? eu fiquei meio pensativo depois que coloquei meu Twister ( ratazana) de criação na mesa do halpendre para brncar, pq suspeito de haver rato andando lá anoite, ai fiquei com medo de dele ter pisado em alguma urina e pegar a bactéria!

    Responder
  10. quando um animal cachorro contrai essa doença leptospirose o  rim  fica debilitado mas quando volta a urinar isso e bom sinal

    Responder
  11. para mim leptospirose  e uma doença  bacteriana causada pelas  urina de ratos que ficam  em contatos com:.agua,aguas de esgotos e terrenos baldios. entao temos que ficar atento com a leptospirose, porque  e uma doença muito facil  de se pegar  

    Responder
  12. interessante..adorei a matéria sobre doenças transmitidas pela agua e as pesquisas sobre essas doenças me ajudaram bastante do dever de casa 

    Responder
  13. … Não entendi direito isso…
    A Leptospirose tem vetor e reservatório ???

    Qual a diferença entre vetor e reservatório?
    Qual a diferença entre vetor e hospedeiro?
    Qual a diferença entre hospedeiro e reservatório?
    Agradeço, quero muito essas respostas.

    Responder
    • Hospedeiro é quem abriga o germe. Se o germe consegue ficar vivo mas não causa doença, o hospedeiro é chamado de reservatório. Se o hospedeiro É capaz de transmitir o germe, ele é chamado de vetor. Na leptospirose o ser humano é hospedeiro, mas não é nem vetor, nem reservatório, pois a bactéria causa doença e não é transmitida pela urina humana

      Responder