Anestesia geral: o que é, perigos, efeitos e vantagens

Atualizado em
Comentários: 52

O que é anestesia geral?

A anestesia geral é uma técnica anestésica que promove abolição da dor (daí o nome anestesia), paralisia muscular, abolição dos reflexos, amnésia e, principalmente, inconsciência. Essa forma de anestesia faz com que o paciente torne-se incapaz de sentir e/ou reagir a qualquer estímulo do ambiente, sendo a técnica mais indicada nas cirurgias complexas, longas e de grande porte.

A anestesia geral é muito temida pela população em geral, mas essa má fama é bastante injusta. Conforme veremos mais adiante, o risco de alguém falecer pela anestesia é muitíssimo baixo, principalmente se o paciente for saudável e a cirurgia não for complexa.

Nesse artigo focaremos exclusivamente na anestesia geral. Se você procura informações sobre outros tipos de anestesia, acesse o seguinte artigo: Tipos de Anestesia – Geral, Local e Raquidiana e Peridural.

Informações em vídeo

Antes de seguirmos em frente, assista a esse curto vídeo sobre a anestesia geral produzido pelo nosso canal do Youtube.

YouTube video

Como é feita a anestesia geral?

A anestesia geral possui quatro fases: pré-medicação, indução, manutenção e recuperação.

Pré-medicação

A fase de pré-medicação é feita para o paciente chegar ao ato cirúrgico calmo e relaxado. Normalmente é administrado um ansiolítico (calmante) de curta duração, como o midazolam, deixando o paciente já com um grau leve de sedação. Deste modo, ele entra na sala de operação sob menos estresse.

Indução

A fase de indução é normalmente feita com drogas por via intravenosa, sendo o Propofol o mais usado atualmente.

Após a indução, o paciente rapidamente entra em sedação mais profunda, ou seja, perde a consciência, ficando em um estado popularmente chamado de coma induzido. O paciente, apesar de estar inconsciente, ainda pode sentir dor, sendo necessário aprofundar ainda mais a anestesia para a cirurgia poder ser realizada. Para tal, o anestesista também costuma administrar um analgésico opioide (da família da morfina) como o Fentanil.

Nessa fase, o paciente já apresenta um grau importante de sedação, não sendo mais capaz de proteger suas vias aéreas das secreções da cavidade oral, como a saliva. Além disso, na maioria das cirurgias com anestesia geral é importante haver relaxamento dos músculos, fazendo com que a musculatura respiratória fique inibida. O paciente, então, precisa ser intubado* e acoplado à ventilação mecânica para poder receber uma oxigenação adequada e não aspirar suas secreções.

* Em algumas cirurgias mais rápidas, ou que não abordem o tórax ou o abdômen, pode não ser necessária intubação, ficando o paciente apenas com uma máscara de oxigênio.

Manutenção

No início da fase de manutenção, os fármacos usados na indução, que têm curta duração, começam a perder efeito, fazendo com que o paciente precise de mais anestésicos para continuar o procedimento. Nessa fase, a anestesia pode ser feita com anestésicos por via inalatória ou por via intravenosa.

Na maioria dos casos, a via inalatória é a preferida. Os anestésicos são administrados através do tubo orotraqueal na forma de gás (vapores) junto com o oxigênio, sendo absorvidos pelos alvéolos do pulmão, passando rapidamente para a corrente sanguínea.

Alguns exemplos de anestésicos inalatórios são o óxido nitroso e os anestésicos halogenados (halotano, sevoflurano e desflurano), fármacos que são administradas continuamente durante todo o procedimento cirúrgico.

A profundidade da anestesia depende da cirurgia. O nível de anestesia para se cortar a pele é diferente do nível para se abordar os intestinos, por exemplo.

Conforme o procedimento cirúrgico avança, o anestesista procura deixar o paciente sempre com o mínimo possível de anestésicos. Uma anestesia muito profunda pode provocar hipotensão e desaceleração dos batimentos cardíacos, podendo diminuir demasiadamente a perfusão de sangue para os tecidos corporais.

Recuperação

Quando a cirurgia entra na sua fase final, o anestesista começa a reduzir a administração das drogas, já planejando uma cessação da anestesia junto com o término do procedimento cirúrgico. Se há relaxamento muscular excessivo, drogas que funcionam como antídotos são administradas.

Nessa fase de recuperação, novamente analgésicos opioides são administrados para que o paciente não acorde da anestesia com dores no local onde foi cortado.

Conforme os anestésicos inalatórios vão sendo eliminados da circulação sanguínea, o paciente começa a recuperar a consciência, passando a ser capaz de voltar a respirar por conta própria. Quando o paciente já se encontra com total controle dos reflexos das vias respiratórias, o tubo orotraqueal pode ser retirado.

Nesse momento, apesar do paciente já ter um razoável grau de consciência, ele dificilmente se recordará do que aconteceu devido aos efeitos amnésicos dos medicamentos.

Riscos

Existe um mito de que a anestesia geral é um procedimento perigoso. Complicações exclusivas da anestesia geral são raras, principalmente em pacientes saudáveis.

Na maioria dos casos, as complicações são derivadas de doenças graves que o paciente já possuía, como doenças cardíacas, renais, hepáticas ou pulmonares em estágio avançado, ou ainda, por complicações da própria cirurgia, como hemorragias ou lesão/falência de órgãos vitais.

Só como exemplo, um trabalho canadense de 1997, apenas com cirurgias odontológicas com anestesia geral, ou seja, cirurgias de baixo risco realizadas em pacientes saudáveis, detectou uma taxa de mortalidade de apenas 1,4 a cada 1 milhão de procedimentos. Esse tipo de estudo nos mostra que a anestesia em si é muito segura.

Em geral, a taxa de mortalidade da anestesia geral é de apenas 1 em cada 100.000 a 200.000 procedimentos, o que significa um risco de morte de míseros 0,0005% a 0,001%.

É importante destacar que muitas cirurgias sob anestesia geral são realizadas em pacientes com doenças graves ou em cirurgias complexas de alto risco. Porém, na imensa maioria dos casos, quando o desfecho é trágico, raramente a culpa é da anestesia geral.

Também há que se destacar que a anestesia geral é um procedimento complexo, devendo ser feita somente por profissionais qualificados e em ambientes com ampla estrutura para tal. A anestesia geral é segura quando feita por uma equipe qualificada.

Fatores que aumentam o risco de complicações

Antes de qualquer cirurgia, um anestesista irá consultá-lo para avaliar o seu risco cirúrgico. Além do reconhecimento prévio de doenças graves que podem complicar o ato cirúrgico, é importante para o anestesista saber algumas informações pessoais do paciente que possam aumentar o risco da anestesia, tais como:

Efeitos colaterais possíveis

A maioria dos efeitos colaterais da anestesia geral ocorre imediatamente após a cirurgia e desaparece em questão de horas. Eventualmente, porém, podem surgir casos de efeitos adversos que demoram mais tempo para melhorar ou que se tornam permanentes.

Efeitos adversos imediatos

Os efeitos imediatos da anestesia geral costumam ser aqueles notados logo que o paciente acorda. Em geral, eles são de curta duração, geralmente inferior a um dia. Os mais comuns são:

  • Náusea e vômitos.
  • Boca seca.
  • Calafrios.
  • Dor muscular.
  • Coceira pelo corpo.
  • Dificuldade para urinar.
  • Tontura.

Rouquidão após anestesia

Cerca de 5 a 10% podem apresentar um quadro de rouquidão no pós-operatório. Essa complicação ocorre devido à lesão das cordas vocais pela intubação orotraqueal necessária durante a cirurgia. Na imensa maioria dos casos, o quadro é brando e melhora espontaneamente após alguns dias, como qualquer rouquidão comum.

Raramente, pode haver uma lesão mais séria das cordas vocais, provocando rouquidão a longo prazo. Cirurgias prolongadas e pacientes fumantes são os fatores de risco mais comuns para rouquidão pós-anestesia geral.

O uso de corticoides ajuda a reduzir o edema das cordas vocais e reduz o risco de rouquidão a longo prazo.

Confusão mental e delirium

A confusão mental é um efeito colateral comum, mas que costuma durar muito pouco tempo, principalmente nos pacientes jovens. Nos idosos, o risco maior é o desenvolvimento de delirium.

O delirium é um quadro transitório de redução da capacidade de concentração, alterações da memória, confusão mental e alteração da percepção do ambiente, que é bastante comum nos pacientes idosos que estão hospitalizados (explicamos o delirium em detalhes no artigo: Delirium – Confusão Mental nos Idosos).

Os principais fatores de risco para o desenvolvimento de delirium pós-operatório são:

  • Idade avançada.
  • Tabagismo.
  • História prévia de doença psiquiátrica.
  • Uso de medicamentos psicotrópicos.
  • História prévia de AVC.
  • Demência.
  • Cirurgia de emergência.

O delirium não é provocado exclusivamente pela anestesia geral. Ele surge com frequência em pacientes idosos internados por qualquer motivo, princialmente nos casos mais graves e prolongados. A ocorrência de delirium no pós-operatório aumenta a taxa de complicações e o tempo de internação. Todos os idosos melhoram após alguns dias, mas cerca de 40% nunca retornam totalmente ao estado cognitivo pré-operatório.

Problemas de memória

Os pacientes idosos também apresentam maior risco de desenvolverem um quadro chamado disfunção cognitiva pós-operatória, que é um quadro de redução das capacidades cognitivas e problemas de memória. Os fatores de risco são basicamente os mesmos descritos acima para o delirium.

Assim como ocorre no delirium, a disfunção cognitiva pós-operatória não é provocada diretamente pela anestesia e não costuma ocorrer em pessoas jovens e previamente saudáveis.

Hipertermia maligna

A hipertermia maligna é uma raríssima e potencialmente fatal complicação que pode ocorrer durante a cirurgia. O quadro ocorre em 1 a cada 100 mil anestesias, geralmente tem origem familiar e cursa com febre alta, alterações respiratórias e contrações musculares que se iniciam logo após a administração de anestésicos inalatórios.

Conclusões

A anestesia geral é um procedimento extremamente seguro quando realizado por uma equipe capacitada, sendo habitualmente o método anestésico mais indicado para cirurgias de médio/grande porte. A taxa de mortalidade é muito baixa e as complicações após o procedimento costumam ser brandas e de curta duração.


Referências


Autor(es)

Médico graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com títulos de especialista em Medicina Interna e Nefrologia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), Universidade do Porto e pelo Colégio de Especialidade de Nefrologia de Portugal.


O Artigo te Ajudou? Então nos Ajude Agora!
Se você achou este artigo informativo e útil, por favor, considere compartilhá-lo nas suas redes sociais. Cada compartilhamento não só ajuda outras pessoas a obterem informações de saúde de qualidade, mas também contribui significativamente para o crescimento do nosso site.
Temas relacionados
Lipoma foto Fotos de lipoma (no braço, costas, pescoço e cirurgia)
Apendicite Sintomas da apendicite (adultos, idosos, crianças e bebês)
Diverticulite Diverticulite e diverticulose: sintomas e tratamento
Apendicite Apendicite: sintomas, causas e tratamento
Pedra na vesícula Pedra na Vesícula – Sintomas, causas e cirurgia
Anestesia Tipos de anestesia (geral, local, raquidiana e peridural)
Hérnia inguinal Hérnia Inguinal: Causas, sintomas e tratamento
Cefaleia de baixa pressão Cefaleia Pós-Raquianestesia (pós-punção lombar)
- Publicidade -
COMENTÁRIOS
Por favor, leia as regras do site antes de enviar a sua pergunta.

Deixe um comentário

52 comentários em “Anestesia geral: o que é, perigos, efeitos e vantagens”

  1. Tenho síndrome do Pânico e quando da crise minha pressão sobe 20por 11 e o batimento cardiaco 170 e vou fazer uma cirurgia tirar o útero tenho mioma vou tomar anestesia geral estou com medo

    Responder
    • A anestesia geral tem medicação pré-anestésica que serve para acalmar o paciente. Para quem tem pânico, a anestesia geral é boa, porque você dormirá e quando acordar já estará no quarto. Não vai ver nem sentir nada.

      Responder
  2. Uma pessoa pode parar de respirar durante o procedimento anestésico?

    E na hora da transição do processo para entubação, fica um pequeno intervalo sem respirar até que entuba de vez o paciente, nesse momento não é arriscado.

    Responder
    • Um anestesista leva menos de 10 a 15 segundos para passar o tubo. E no raros caso em que ele não consiga, o paciente fica sendo ventilado por ambu. Sem oxigênio ele não fica.

      Responder
  3. Tive reação alérgica a anestesia local (bupivacaína + lidocaína), isso impede ou vai causar alguma reação se eu usar a geral?

    Responder
  4. Fiz a retirada de duas pedras no rim direito, cirurgia por vídeo, fã uma semana hoje. Cinco dias após a cirurgia retirei o cateter duplo j e desde então venho tento crises de dor de cabeça muito fortes, isso é normal? Devo procurar um neurologista?

    Responder
  5. Dr. vou fazer uma cirurgia de retirada de tumor da hipofíse,será feita pelo nariz,posso fazer a cirurgia se no dia estiver menstruada?

    Responder
  6. Como me tranquilizar para uma cirurgia de amigdalectomia (anestesia geral)? Posso pedir para o anestesista já me levar dormindo para o centro cirúrgico?

    Responder
    • Você irá dormir assim que chegar ao centro cirúrgico. A primeira coisa que eles vão fazer é lhe sedar.

      Responder
    • A anestesia costuma ser geral. Toda cirurgia tem riscos, mas se o médico propôs a operação é porque ele acha que no seu caso os benefícios superam os riscos.

      Responder
  7. Bom dia Dr. Pedro.
    Farei 3 cirurgias plásticas esse ano, redução de mama com prótese, abdominoplastia e lipoaspiração. Farei cada uma por vez e tomarei 3 anestesias geral neste ano.
    Sei do período normal de recuperação para cada procedimento que farei, minha dúvida é sobre a anestesia geral.
    Será necessário prazo de semanas ou meses para que eu me submeta a essas 3 anestesias geral dentro de 10 meses ?
    Desde já agradeço sua atenção.

    Responder
  8. Tenho sinusite crônica . Posso ficar
    asfixiada ou a secreção ir para o pulmão quando estiver anestesiada ? ( anestesia geral ). Tem problema se estiver tomando corticóide ?

    Responder
    • Não é o ideal. As cirurgias na gravidez são mais seguras se feitas no 2 trimestre. Além disso, a sua cirurgia é estética e mexe com as mamas. O ideal seria adiá-la para só depois que você terminar a amamentação.

      Responder
  9. Farei a cirurgia de desvio de septo nasal. Tenho 1,73 e 150kg, existe algum problema? Se sim, qual?

    Presumo que devo perder peso antes da cirurgia, está correto este pensamento?

    Grato pela resposta desde já!

    Responder
    • Sim, a obesidade é sempre um fator de risco adicional em qualquer cirurgia. Se você conseguir emagrecer alguns quilos antes da cirurgia já ajuda.

      Responder
  10. Bom dia, estou pra fazer uma cirurgia de artroscopia da ATM e o Buco-maxilo me disse que vou tomar anestesia geral, bom já fiz cururgia da adenoide quando criança, não sei qual anestesia tomei e alguns anos atras fiz uma cirurgia do utero e tomei a anestesia raqui, onde no pós operatorio tive uma dor de cabeça insuportavel que só melhorava quando estava deitada e foi o que o neuro me receitou uma semana de cama direto ai a dor passou…

    Responder
    • Cirurgia de adenoide é com anestesia geral.
      O que você teve depois da cirurgia do útero chama-se cefaleia pós-raqui. É comum neste tipo de anestesia.

      Responder
  11. Oi boa tarde gostaria de saber se existe algum problema receber novamente anestesia na minha gestação pois já fui operada da coluna de escoliose e recebi anestesia nas costa,…..existe algum risco receber anestesia caso o parto seja cesárea ou não?

    Responder
  12. Devemos então acreditar que o anestesiologista permanece na sala de operação durante TODO o tempo de procedimento ou apenas é algo que médicos querem que acreditemos?

    Responder
  13. Dr irei fazer cirurgia bariatrica. Eu descobrir tem um ano que tenho só um rim. Poço ter complicações com a anestesia? O Rim funciona 100% cleratinina e uréia normais. Tenho 38 anos.

    Responder
    • Não se deve parar ou começar nenhum medicamento antes de uma cirurgia sem o consentimento do anestesista.

      Responder