Sarampo – Sintomas, Transmissão e Vacina

O sarampo é provavelmente a infecção com mais capacidade de contágio entre os seres humanos.

Introdução

O sarampo é uma doença infecciosa de origem viral capaz de provocar diversos sintomas, tais como manchas avermelhadas pelo corpo, febre, tosse, faringite, conjuntivite, etc.

O sarampo é potencialmente fatal e extremamente contagioso. A taxa de transmissão para pessoas não vacinadas chega a ser de até 90%. Não ser vacinado e ter contato com alguém infectado pelo vírus é praticamente certeza de ser contaminado.

Antes da vacina, o sarampo chegava a acometer até 90% das crianças até os 5 anos. Atualmente, porém, o sarampo é uma infecção pouco comum, tendo sido praticamente erradicado do Brasil desde o ano 2000.

Infelizmente, campanhas obscurantistas anti-vacinação têm sido responsáveis pelo reaparecimento de surtos de sarampo em países da Europa, Japão e Estados Unidos. A partir de 2017, vários estados do Brasil apresentaram queda na cobertura vacinal, e novos surtos de sarampo e casos de morte voltaram a ser identificados no país depois de muitos anos.

Índice

Neste texto vamos abordar os seguintes pontos sobre o sarampo:

  • Formas de transmissão.
  • Sintomas.
  • Tratamento.
  • Prevenção e vacina.

Transmissão do sarampo

O sarampo é uma doença causada por um vírus chamado Vírus do sarampo, que pertencente ao gênero Morbillivirus, família Paramyxoviridae. O vírus do sarampo é extremamente contagioso e costuma ser transmitido diretamente de uma pessoa para outra através de secreções das vias respiratórias, como aquelas eliminadas na tosse, espirros ou mesmo durante a fala. O ser humano é a única fonte de transmissão da doença.

Gotículas infecciosas a partir de secreções respiratórias de um paciente com sarampo podem permanecer no ar durante várias horas. Portanto, um contato direto com alguém infectado pode não ser necessário para a transmissão do vírus. O sarampo pode ser transmitido em hospitais e consultórios médicos, entre passageiros do avião durante o voo e também em escolas e comunidades densamente povoadas.

O período de incubação do sarampo é de 6 a 19 dias (média de 13 dias). O período de contágio ocorre entre 5 dias antes do aparecimento das erupções da pele até 4 dias depois. O pico do contágio ocorre 2 dias antes e 2 dias após o início das lesões de pele.

Até 90% dos indivíduos não vacinados que são expostos a pacientes contaminados com vírus irão se contaminar e desenvolver sintomas. Ao contrário do que ocorre em várias outras viroses comuns da infância, tais como rubéola e caxumba, o sarampo não costuma causar casos leves, com sintomas brandos e inespecíficos, que possam passar despercebidos. Quem tem sarampo, o tem de verdade, com direito a todos os sintomas clássicos e risco de morte.

Sintomas do sarampo

O sarampo se manifesta inicialmente como uma infecção viral inespecífica, com febre alta, mal estar, coriza, tosse, perda do apetite, dor de garganta e conjuntivite. Esta fase inicial da doença chama-se pródromo e dura de 2 a 3 dias. Na transição da fase prodrômica para a fase de sintomas clássicos do sarampo começam a surgir pequenos pontos brancos na mucosa da boca, próximo aos dentes molares, que recebem o nome de manchas de Koplik. Estas manchas surgem geralmente 48 horas antes do aparecimento do exantema clássico do sarampo.

As erupções de pele típicas do sarampo (exantema do sarampo) são machas avermelhadas, com discreto relevo, que surgem inicialmente no rosto e se espalham para o resto do corpo de forma descendente. As lesões podem ser abundantes, sofrendo fusão, de forma a criar grandes manchas avermelhadas.

Em geral, a extensão e o grau de confluência do exantema se correlacionam com a gravidade da doença. Palmas das mãos e plantas dos pé raramente são envolvidos.

Outros achados característicos durante a fase exantemática incluem linfadenopatia (aumento dos linfonodos), febre alta (às vezes acima de 40ºC), faringite e conjuntivite. Tosse também é comum e pode persistir por até 2 semanas.

Rash do sarampo

Durante o período exantemático, o paciente fica com o sistema imunológico comprometido, sendo um alvo fácil para outras infecções de origem bacteriana ou viral.

48 horas após o aparecimento da erupção cutânea, o paciente começa a melhorar. Com três a quatro dias, a erupção escurece, ficando acastanhada, e depois começa a descamar e sumir. A erupção geralmente dura um total de seis a sete dias. A febre costuma sumir quando o exantema começa a aliviar. Uma febre que dura mais de 3 ou 4 dias após o início das erupções pode ser sinal de uma complicação em curso, como pneumonia, diarreia, otite ou encefalite (inflamação do cérebro).

A pneumonia e a encefalite são as complicações mais perigosas do sarampo.

O diagnóstico do sarampo é feito através dos achados clínicos e da sorologia sanguínea (pesquisa por anticorpos). O anticorpo do tipo IgM contra sarampo fica positivo a partir do terceiro dia de exantema e desaparece após 30 dias. O anticorpo tipo IgG surge no sétimo dia de exantema e fica positivo para o resto da vida.

Tratamento do sarampo

Uma vez que os sintomas do sarampo já tenham surgidos, não há tratamento específico para a doença. A única coisa a fazer é dar suporte e esperar que a doença se cure sozinha. Nas crianças, a administração de vitamina A parece reduzir a incidência de casos graves.

A febre pode ser controlada com antipiréticos comuns, como Paracetamol. Não se deve usar nunca a aspirina (AAS) no sarampo, devido ao risco de síndrome de Reye, uma doença rara, mas com alta mortalidade, caraterizada por edema cerebral e lesão do fígado. Antibióticos só têm valor se houver alguma infecção bacteriana complicando o quadro de sarampo.

Prevenção e vacina do sarampo

Como não há tratamento efetivo durante a fase de sintomas, o controle do sarampo deve ser voltado para a prevenção. Nas últimas décadas, devido a ampla cobertura vacinal na maioria dos países, o sarampo de tornou uma doença pouco comum. No Brasil, por exemplo, não há circulação do vírus entre a população desde o início da década de 2000. A vacina contra sarampo é feita com vírus vivo atenuado e faz parte do calendário vacinal nacional (leia: CALENDÁRIO VACINAL).

Nos últimos 10 anos, porém, houve uma queda nas taxas de vacinação em vários países do mundo, o que tem sido responsável pelo surgimento de surtos de sarampo e tem dificultado a sua erradicação completa. Só nos primeiros meses de 2017 já foram reportados mais de 1500 casos de sarampo na Europa.

Como a maioria das vacinas, a vacina do sarampo deve ser administrada antes do paciente ter qualquer contato com o vírus, de preferência durante o primeiro ano de vida. Porém, como o período de incubação do sarampo pode chegar a 19 dias, uma pessoa nunca imunizada, que tenha tido contato com alguém contaminado, pode ser vacinada, contanto que não ultrapasse o limite de 72 horas após a exposição ao vírus. Esta forma de vacinação não é a ideal, mas costuma ser efetiva em muitos casos.

Outra forma de prevenção para pessoas expostas ao vírus do sarampo é a administração de imunoglobulina. Pacientes com elevado risco de complicação, como imunossuprimidos, grávidas e crianças com menos de 1 ano ainda não vacinadas podem fazer uso da imunoglobulina caso venham a ter contato com pessoas contaminadas. Esta medicação deve ser administrada dentro dos primeiros 6 dias de exposição ao vírus.

VEJA OUTROS ARTIGOS SEMELHANTES

5
Deixe um comentário

avatar
300
julia
Visitante
julia

a vacina acaba sendo um anticorpo para a criança nao precisar fazer ela novamente ?

RenataCMS
Visitante
RenataCMS

Olá, Dr. ainda existe sarampo no Brasil?

Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde

Ainda existem casos “importados”, ou seja, de gente que vem de fora do Brasil e trás o vírus para cá. A cada ano ocorrem apenas cerca de 100 casos de sarampo em todo o país. Felizmente, não há risco de surto, pois a cobertura vacinal da população é bem alta.

Paulo
Visitante
Paulo

Muito bom texto doutor. Me ajudou muito no trabalho da escola sobre sarampo. Obrigado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. OkSaiba mais