Calculadora da concentração sanguínea de álcool

Tempo estimado de leitura: 2 minutos.

Calcule a sua taxa de etanol no sangue

A determinação exata da quantidade de álcool circulando no sangue pode ser obtida diretamente através da dosagem sanguínea por exame de sangue ou indiretamente, através da respiração, com o chamado teste do bafômetro.

Porém, é possível estimar a quantidade de álcool no seu sangue se você souber o volume de bebida alcoólica ingerido e o teor de álcool dela.

Fórmula: concentração de etanol no sangue = (volume ingerido * percentual de etanol da bebida * 0,8) / (peso * 0,6).

Quando bebemos de estômago vazio, os níveis máximos de etanol no sangue são atingidos entre 30 e 90 minutos após a ingestão.

Existe uma grande variação com relação á velocidade com que cada organismo consegue metabolizar o etanol ingerido. A maioria das pessoas elimina o etanol da corrente sanguínea a uma taxa aproximada de 15 a 20 mg/dL por hora. Já os indivíduos que fazem uso crônico de álcool podem eliminar o etanol a uma taxa de 25 a 35 mg/dL por hora.

Portanto, grosso modo, a cada hora que passa após o indivíduo ter parado de beber deve-se subtrair 15 a 20 mg/dl do valor obtido na calculadora.

Por exemplo, se uma pessoa de 70 kg bebeu 7 latas de cerveja de 350 ml com teor alcoólico de 5%, ela terá alcançado uma concentração sanguínea de álcool ao redor de 230 mg/dl. 10 horas depois, ao acordar, ela terá ainda no sangue entre 30 e 80 mg/dl de etanol. No Brasil, essa taxa ainda é considerada embriaguez legal e o indivíduo pode ser pego no teste do bafômetro se for conduzir um carro.

Sintomas de embriaguez conforme a taxa sanguínea de etanol

Os sinais e sintomas da intoxicação por etanol variam muito dependendo da genética do paciente, do tipo, quantidade e taxa de ingestão de etanol e da frequência e padrão de uso de álcool.

Em indivíduos que usam álcool somente em eventos sociais, os efeitos clínicos da intoxicação por etanol são mais previsíveis. Por outro lado, os efeitos da embriaguez em pessoas com histórico de uso frequente de álcool são mais imprevisíveis e estes podem apresentar pouca evidência clínica de intoxicação mesmo com concentração sanguínea acima de 400 mg/dL.

Os sinais e sintomas descritos abaixo são os esperados em pessoas não alcoólatras:

Intoxicação leve: concentração sanguínea de etanol entre 10 e 100 mg/dl:

  • Sentimentos de bem-estar e confiança.
  • Desinibição.
  • Verborreia: tendência a falar muito.
  • Sentimentos de tranquilidade e relaxamento.
  • Déficits leves de coordenação motora.
  • Marcha instável
  • Dificuldade em ficar de pé.
  • Atenção, memória e julgamento ligeiramente diminuídos.
  • Vermelhidão da pele ou rubor do rosto.
  • Batimentos cardíacos ligeiramente acelerados.

Intoxicação moderada: concentração sanguínea de etanol entre 150 e 300 mg/dl:

  • Variabilidade de humor.
  • Desinibição pronunciada.
  • Fala arrastada.
  • Maiores déficits na coordenação e habilidades psicomotoras.
  • Aumento da instabilidade da marcha.
  • Falta de jeito, a pessoa torna-se desastrada.
  • Atenção, memória e julgamento cada vez mais prejudicados.
  • Redução na capacidade de resposta, de alerta e no tempo de reação.
  • Confusão mental.
  • Movimentos oculares descontrolados.
  • Sonolência.
  • Tontura.
  • Náuseas e vômitos.
  • Visão e localização sonora prejudicadas.
  • Amnésia.

Intoxicação grave: concentração sanguínea de etanol entre 300 e 400 mg/dl:

  • Delírios e alucinações.
  • Dificuldade severa para falar.
  • Tontura severa.
  • Déficits graves na coordenação e habilidades psicomotoras.
  • Hipotermia.

Intoxicação potencialmente fatal: concentração sanguínea de etanol a partir de 400 mg/dl:

  • Coma potencial
  • Perda de consciência.
  • Perda dos reflexos defensivos, como a tosse.
  • Insuficiência respiratória.
  • Convulsão.

Referências


Autor(es)

Médico graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com títulos de especialista em Medicina Interna e Nefrologia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), Universidade do Porto e pelo Colégio de Especialidade de Nefrologia de Portugal.

COMENTÁRIOS (por favor, leia as regras do site antes de enviar a sua pergunta).
Temas relacionados
Alcoolismo Alcoolismo (saiba se você está bebendo álcool demais)
Álcool e antibióticos Misturar antibióticos com álcool: qual é o risco?
Doenças do cigarro Doenças do cigarro e como parar de fumar
Marijuana Maconha (cannabis): efeitos no organismo
Álcool-medicamentos Posso beber álcool com remédios ou energéticos?
Ressaca Ressaca: causas, tratamento e prevenção
Cirrose Cirrose hepática: sintomas, causas e tratamento
Cocaína Cocaína e crack: efeitos e complicações
Masturbação Masturbação: o que é, benefícios e quando há sinais de vício
Vídeo: por que ficamos de ressaca? Vídeo: por que ficamos de ressaca?
Vídeo: o que acontece quando bebemos demais Vídeo: o que acontece quando bebemos demais