Cisto de Baker: o que é, como surge e tratamento

Autor(a): Dr. Pedro Pinheiro

14 comentários

Atualizado:

Tempo estimado de leitura: 3 minutos.

O que é o cisto de Baker?

O cisto de Baker, também conhecido como cisto poplíteo, é uma pequena bolsa de líquido que surge na região atrás do joelho, chamada fossa poplítea.

O cisto de Baker é uma lesão benigna que se apresenta como um nódulo visível e palpável sob a pele, podendo provocar dor no joelho e dificuldade de movimentação desta articulação. Quando o cisto é pequeno, ele pode ser assintomático, passando despercebido pelo paciente.

Em medicina chamamos cisto toda coleção líquida ou semi-liquida que fica envolta por uma membrana, formando uma espécie de bolsa ou saco.

O cisto de Baker (cisto poplíteo) surge quando há um extravasamento do líquido sinovial da articulação do joelho. O líquido sinovial é uma espécie de lubrificante, cuja principal função é reduzir o atrito durante a movimentação de articulações, como a do joelho.

Quando há uma lesão na articulação do joelho ou quando a quantidade de líquido sinovial torna-se excessiva, o mesmo pode ser comprimido e empurrado para a região posterior da articulação, formando uma herniação, como exemplificado na ilustração abaixo.

Cisto de Baker
Cisto de Baker

Causas

Como acabamos de dizer, o cisto poplíteo surge quando há uma lesão do joelho ou quando o volume de líquido dentro da articulação torna-se muito grande.

Em geral, traumas dos joelhos e doenças inflamatórias da articulação, como as diversas formas de artrite, são os principais fatores de risco.

Como exemplos de situações habitualmente relacionadas à formação do cisto de Baker, podemos citar a osteoartrose, artrite reumatoide, artrite infecciosa, artrite juvenil e diversos tipos de traumatismos do joelho, principalmente se houver lesão dos meniscos.

Sintomas

A maioria dos cistos poplíteos são assintomáticos e invisíveis ao exame físico e acabam, portanto, sendo descobertos por acaso durante a realização de um exame de imagem do joelho, como a ressonância magnética, solicitada por qualquer outro motivo.

Em geral, o cisto de Baker é uma alteração de adultos, ocorrendo com maior frequência a partir dos 35 anos. Conforme o individuo envelhece, mais desgastada torna-se a articulação dos seus  joelhos e maior é a incidência do cisto poplíteo.

A ocorrência de sintomas do cisto de Baker depende de alguns fatores, tais como o seu tamanho ou a existência de complicações, como crescimento exagerado ou rotura do cisto.

Quando o cisto poplíteo provoca sintomas, os mais comuns são:

  • Dor na fossa poplítea (parte posterior do joelho).
  • Enrijecimento da articulação do joelho.
  • Inchaço na região atrás do joelho.
  • Surgimento de um nódulo palpável e visível por trás do joelho, principalmente quando o mesmo se encontra-se em extensão, ou seja, com a perna totalmente esticada.

Os sinais e sintomas do cisto de Baker tendem a se agravar com o esforço físico.

Cisto poplíteo
Cisto poplíteo

Complicações

O cisto poplíteo pode crescer muito ou se romper, provocando um quadro que pode ser confundido com trombose venosa profunda dos membros inferiores.

Um cisto que cresce muito pode provocar dor e edema da perna, principalmente se houver compressão das veias adjacentes, atrapalhando o escoamento de sangue dos membros inferiores.

Cisto de Baker gigante na perna direita
Cisto de Baker gigante na perna direita.

Quando o cisto se rompe, o líquido presente escorre pelos músculos, provocando uma reação inflamatória. O quadro é dor, vermelhidão e inchaço na região da panturrilha.

O cisto de Baker é um tipo e câncer?

Não, o cisto de Baker não tem nada a ver com câncer. Este cisto é uma tumoração benigna, composta basicamente de líquido. O cisto poplíteo não é câncer e não tem nenhum risco de virar um câncer.

Diagnóstico

O exame físico costuma ser suficiente para o diagnóstico da maioria dos cistos de Baker que são grandes o suficiente para serem visíveis.

Quando há dúvidas, ou se o cisto for muito pequeno, exames de imagem, como a ultrassonografia e a ressonância magnética podem ser utilizados. A ressonância também serve para avaliar a articulação do joelho como um todo, auxiliando no diagnóstico da lesão que propiciou a formação do cisto poplíteo.

Quando há dúvidas entre um cisto rompido e trombose venosa profunda, uma ultrassonografia com doppler costuma ser realizada para avaliar a saúde dos vasos sanguíneos.

Tratamento

Nos pacientes com cistos pequenos e assintomático, nenhum tratamento se faz necessário, visto que a maioria dos cistos desaparece espontaneamente com o tempo.

Quando o cisto é muito grande ou provoca sintomas, o tratamento inicial costuma ser uma artroscopia do joelho, para drenagem do excesso de líquido dentro da articulação e injeção intra-articular de um glicocorticoide, como a triancinolona.

Com esse tratamento, dentro de uma semana, cerca de 2/3 dos pacientes apresentam uma significante redução dos sintomas e do tamanho do cisto.

O tratamento da lesão primária do joelho é essencial para reduzir o risco de retorno do cisto no futuro. Não basta tratar o cisto, é preciso controlar a sua causa.

Caso não haja melhora, o ortopedista pode, com uma agulha, aspirar diretamente o cisto, injetando corticoide em seguida para reduzir o risco de recidiva.

Esse procedimento não é o mais indicado, primeiro porque o líquido do cisto costuma ser muito viscoso, não sendo fácil de ser aspirado por uma agulha; segundo porque essa forma não trata a lesão do joelho, portanto, não ataca a causa da formação cisto, havendo, assim, elevado risco de recorrência.

Nos raros casos em que tratamento com artroscopia e o controle da inflamação do joelho não são suficientes para resolver o cisto poplíteo, uma cirurgia para a retirada do mesmo pode ser proposta.


Referências


Autor(es)

Médico graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com títulos de especialista em Medicina Interna e Nefrologia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), Universidade do Porto e pelo Colégio de Especialidade de Nefrologia de Portugal.

COMENTÁRIOS (por favor, leia as regras do site antes de enviar a sua pergunta).
Temas relacionados
Esporão do calcâneo Esporão de calcâneo: causas, sinais e tratamento
Fotos de artrite reumatoide Fotos de artrite reumatoide
Artrite reumatoide Artrite reumatoide: o que é, sintomas e tratamento
Anti-inflamatório O que são medicamentos anti-Inflamatórios (AINES)?
Mãos da esclerodermia Esclerodermia: o que é, causas, sintomas e tratamento
Síndrome do túnel do carpo Síndrome do túnel do carpo: sintomas e tratamento
Câimbras Câimbras: causas, prevenção e tratamento
Doenças autoimunes Doenças autoimunes: causas, sintomas e tratamento
avião Problemas de saúde mais comuns em voos comerciais
Mito sobre saúde 30 mitos sobre saúde que muitos acreditam
Artrite ou artrose Diferenças entre artrite e artrose
Artrose Osteoartrite (artrose): causas, sinais e tratamento
Soluço Soluços – Causas e tratamento (adultos e crianças)
Fascite plantar Fascite plantar: causas, sintomas e tratamento
cisto sinovial Cisto sinovial: causas, sintomas e tratamento
Botulismo Botulismo: transmissão, sintomas e tratamento