Artigo atualizado em 15/11/2013
Share on Google+Share on FacebookTweet about this on Twitter

HIPERTENSÃO ARTERIAL DE DIFÍCIL CONTROLE

Publicidade

A hipertensão arterial de difícil controle, também chamada de hipertensão resistente, é aquela que não consegue ser controlada mesmo com múltiplos medicamentos anti-hipertensivos, ocasionando um elevado risco de doenças cardiovasculares.

Não deixe de ler também nossos outros textos sobre hipertensão arterial:

- HIPERTENSÃO ARTERIAL | Sintomas e tratamento
- SINTOMAS DA HIPERTENSÃO
- TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO | Captopril, Enalapril, Losartan
- TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO | Nifedipina, Adalat, Amlodipina…
- DIURÉTICOS | Furosemida, Hidroclorotiazida, Indapamida…
- CAUSAS DE HIPERTENSÃO ARTERIAL (PRESSÃO ALTA)
- EFEITOS DO SAL NA PRESSÃO ARTERIAL
- ECLÂMPSIA | PRÉ-ECLÂMPSIA | Sintomas e tratamento

Hipertensão arterial

O atual consenso classifica a hipertensão da seguinte maneira:

Normotensos: pessoas com pressões arteriais menores ou igual a 120/80 mmHg
Pré-hipertensos: pessoas com pressões arteriais entre 121/81 – 139/89 mmHg
Hipertensos grau I : pessoas com pressões arteriais entre 140/90 – 159/99 mmHg
Hipertensos grau II: pessoas com pressões arteriais maiores ou iguais a 160/100 mmHg

É sempre bom salientar que uma única medição não é suficiente para se estabelecer o diagnóstico de hipertensão. O paciente para ser hipertenso tem que apresentar níveis pressóricos constantemente acima dos 139/89 mmHg. No nosso texto geral sobre hipertensão (primeiro link da lista acima) explicamos com mais detalhes o que é necessário para se estabelecer o diagnóstico de hipertensão arterial.

Definição de hipertensão arterial resistente

Nem toda hipertensão não controlada é sinônimo de hipertensão resistente. Precisar de 2 ou 3 remédios diferentes para controlar a pressão arterial é algo corriqueiro na prática médica. Definimos como hipertensão arterial resistente apenas aquelas que não conseguem ser controladas com ao menos 3 medicamentos anti-hipertensivos diferentes (de preferência um deles sendo diurético). Ou seja, todo paciente que precisa de 4 ou mais drogas diferentes para fazer com que sua pressão arterial fique constantemente abaixo de 140/90 mmHg é considerado como portador de hipertensão de difícil controle. Estima-se que cerca de 15% dos pacientes hipertensos tenham critérios para hipertensão resistente.

hipertensão arterial

Cabe destacar que é preciso que o paciente esteja realmente tomando os anti-hipertensivos prescritos para caracterizarmos uma hipertensão como de difícil controle. Se o paciente voluntariamente toma os remédios de modo errado, indo de encontro ao que foi prescrito, a pressão manter-se-á alta, não porque ela seja resistente, mas sim porque não está sendo tratada corretamente. Do mesmo modo, quando o tratamento proposto pelo médico é insatisfatório, seja por doses insuficientes ou por escolha equivocada das drogas, a pressão arterial pode manter-se descontrolada sem que ela seja realmente uma hipertensão resistente. Por exemplo, a não prescrição de uma diurético para estes pacientes é considerado uma falha da terapêutica (leia: DIURÉTICOS | Furosemida, Hidroclorotiazida, Indapamida…). Nestes casos, basta acertar o tratamento para que a pressão possa ser controlada com menos de 4 drogas diferentes.

Alguns casos considerados como de difícil controle são na verdade pacientes com a chamada hipertensão do jaleco branco (hipertensão da bata branca, em Portugal). São os pacientes que ficam tão ansiosos durante a consulta médica, que suas pressões arteriais, apesar de bem controladas em casa, elevam-se no momento da aferição pelo médico, dando a falsa impressão de não estarem devidamente controladas.

Fatores de risco para hipertensão arterial de difícil controle

Geralmente as hipertensões de difícil controle são aquelas com níveis pressóricos altos, classificadas como hipertensão grau II. Dificilmente uma hipertensão leve não consegue ser controlada com uma ou duas drogas diferentes.

Algumas características genéticas, alguns fatores ambientais e a presença de certas doenças podem dificultar controle da pressão arterial, favorecendo o aparecimento da hipertensão resistente. Entre eles podemos citar:

- Raça negra.
- Idade avançada.
- Tabagismo (leia: MALEFÍCIOS DO CIGARRO | Tratamento do tabagismo).
- Obesidade (leia: OBESIDADE | SÍNDROME METABÓLICA).
- Consumo excessivo de sal.
- Consumo excessivo de alcaçuz.
- Consumo excessivo de álcool (leia: EFEITOS DO ÁLCOOL | Tratamento do alcoolismo).
- Consumo de cocaína (leia: COCAÍNA | CRACK | Efeitos e complicações).
- Diabetes mellitus (leia: DIABETES MELLITUS | Diagnóstico e sintomas).
- Insuficiência renal crônica (leia: INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA | Sintomas e tratamento).
- Hipertrofia ventricular esquerda (aumento do tamanho do ventrículo esquerdo do coração, uma complicação comum em quem tem hipertensão há muito tempo).

Drogas que interferem no tratamento da hipertensão

Além dos fatores descritos acima, o uso de certos tipos de medicamentos também pode interferir na eficácia dos anti-hipertensivos, fazendo com que tenhamos que aumentar suas doses e/ou associar mais drogas ao esquema de tratamento. Entre elas, citamos:

- Anti-inflamatórios (leia: ANTI-INFLAMATÓRIOS | Ação e efeitos colaterais).
- Aspirina em doses acima de 500 mg por dia (leia: ASPIRINA | AAS | Indicações e efeitos colaterais).
- Anticoncepcionais orais (leia: ANTICONCEPCIONAIS | Interações com outros medicamentos)
- Analgésicos derivados da morfina..
- Anfetaminas e derivados.
- Corticoides (leia: PREDNISONA E CORTICOIDES | Indicações e efeitos colaterais).
- Ciclosporina.
- Descongestionantes nasais.
- Eritropoietina.
- Remédios à base de Ephedra ou Ma huang, muito usados em tratamentos ditos naturais para emagrecer. (obs: a maioria dos remédios para perder peso, naturais ou não, contém substâncias que interferem na pressão arterial)..

Causas secundárias de hipertensão

A imensa maioria dos casos de hipertensão é primária, ou seja, surge sem que haja uma causa estabelecida. Isto significa que o paciente é hipertenso porque é hipertenso, não havendo nenhum motivo identificável para o aparecimento da doença. Toda hipertensão arterial sem causa aparente é chamada de hipertensão essencial, sendo esta responsável por mais de 90% dos casos.

Entretanto, em uma minoria dos pacientes, a hipertensão pode surgir devido a uma doença oculta, sendo denominada assim de hipertensão secundária. Se a hipertensão secundária é incomum dentre a população com hipertensão arterial, quando separamos apenas aqueles com hipertensão de difícil controle, ela se torna uma causa relativamente comum. Entre as causas de hipertensão secundária que devem ser pensadas em pacientes com hipertensão de difícil controle estão:

- Insuficiência renal crônica (a IRC pode causar hipertensão mas também pode ser uma consequência da mesma).
- Hiperaldosteronismo (geralmente causado por um tumor benigno da glândula supra-renal que produz aldosterona em excesso, hormônio que regula a absorção de sal nos rins).
- Estenose da artéria renal (redução do calibre da artéria que irriga o rim).
- Apnéia obstrutiva do sono.

Tratamento da hipertensão arterial de difícil controle

Para se controlar uma pressão arterial resistente é preciso primeiro certificar-se de alguns pontos, como a aderência do paciente ao tratamento já prescrito e a ausência de hipertensão do jaleco branco. Eliminar drogas que possam estar interferindo no tratamento também é essencial. Se for o caso, o paciente deve parar de fumar, cortar o consumo de álcool, emagrecer e iniciar atividade física regular. O sal deve ser cortado da dieta. A população do mundo ocidental come sal em excesso e não tem ciência do fato.

Se corrigidos todos os fatores acima e a pressão arterial ainda estiver alta, necessitando de pelo menos 4 drogas para um adequado controle, deve-se investigar causas secundárias. Uma vez identificada uma causa para a hipertensão, a mesma deve ser tratada.

Se apesar de tudo a pressão mantiver-se elevada, algumas drogas podem ser associadas ao atual esquema anti-hipertensivo. Entre elas podemos citar:

- Espironolactona.
- Rilmenidina.
- Metildopa.
- Hidralazina.
- Clonidina.
- Minoxidil.

Esta última droga é extremamente potente, sendo capaz de controlar virtualmente todos os casos de hipertensão resistente, porém deve ser usada com cuidado pois causa hipotensão com frequência, além de provocar frequentes efeitos colaterais.

Publicidade
  • Isadora Becker

    Dr. Pedro, faz um mês que comecei a ter pressão alta. Tenho 51 anos e descobri por meio de uma cintilografia que a glândula tireoide está inflamada. Consulta com endocrinologista está marcada para 12 de janeiro. Estou fazendo uma série de exames relacionados com a tireoide, hormônios e ossos. Um deles é a busca de iodo na urina durante 24 horas. Os resultados devem estar prontos na segunda-feira. O TSH é igual a zero. 
    Enquanto isso, estou tomando Propranolol 40 mg (metade de manhã e metade de noite), mas a pressão está sempre em torno de 15 11. Sinto o rosto e a cabeça quentes. Estou triste…

  • Dind-9

    DR.Pedro a  deis anos sofro  com  a pressão  alta  tomo remédio todos os dias medicamento que eu tomo homeopático hidroclorotiazida 6.25  valsartana  40mg  nitrindina estes são  atual  mas nunca estou passando bem  tenho tontura nalzeas  desconforto  intestinal as  fezes insonia fadiga com esfosso as vezes enchergo mau nervosismo  a  pressão nunca eta boa  sempre alta  chegando 16\12  gosto de toma 2 ou3  cervejas  todos os dias depois do serviço para me distrair  não  acredito que isto  me faça mau algum  pois  já fis o teste  ficando  sem  tomar  continuei na mesma já que fis todos os tipos de exames possível  e não conta nada nos mesmos tenho  44  anos  Meu nome é Dimas 

  • Roberto C

    Dr Pinheiro. A hipertensão tem altissimo potencial para levar ao infarto e isto nunca é dito ao paciente. Problemas gástricos como gases, prisão de ventre, regurgitação, às vezes causados por outros medicamentos, também causam com alta frequencia o infarto súbto (entre eles os diuréticos, laxantes e calmantes ou soníferos) e o paciente jamais é alertado por nenhum – nenhum - médico que de repente ele vai sofrer um ataque, uma constipação intestinal após uma saudável e frugal refeição, com direito a vestir um paletó de madeira e tudo. Como é bela a medicina… Em nome daqueles que já se foram sem saber o por que, eu lhe peço que avalie e defenda esta causa de conscientização geral junto aos nossos relapsos cardiologistas.

  • Zeubano

    Dr., tomo hidro de 25, losartan de 100, atelonol de 50 e fluoxetina de 20, esses remedios todos juntos fazem algum mal, ou tem alguma contra indicação, p-ois tomo tudo cetinho e a pressao continua alta, faço camihada de 45 minutos 4 a 5 vezes por semana, tenho 175 de altura e 100 kilos, o qeu devo fazer para ela nao subir 

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Não há problema em tomar esses medicamentos juntos. Com certeza o seu excesso de peso influencia na sua pressão arterial.

  • mauro

    Prezado Dr.

    Tenho 51anos. Quando jovem, ficava desesperado com meus níveis de PA… 100X60 100X70 isso até os meus 20 anos. Praticava diariamente esporte, em torno de 2h/média; não beebia e fumava uns 03 cigarros /dia. às veses punha até cloreto de sódio por baixo da língua para elevar os níveis…até efortil tomava…
    agora, sou muito ansioso.vez enquando baixo p socorro a pressaõ dá até 180×80. depois de uns 10 minutos ,sem medicação , numa nova mediçaõ dá 11×70. o cardiologista me receitou rivotril 0,5 mg a pressão normaliza, mas quando tenho crise de ansiedade… sobe…
    afinal; a PA É INFLUENCIADA POR ANSIEDADE? Mauro

  • Mariza

    Dr.Pedro, minha mãe é diabética já a vários anos, ela toma insulina todos os dias, uma vez ao dia, 20U da seringa. Ela também tem pressão alta, ultimamente está ficando alta todos os dias, 19×9; 19×8; 17×9; fica oscilando sempre. Ela toma losartana potássica 50mg todos os dias, um comprimido pela manhã. será que ela poderia tomar outro remédio para baixar a pressão, junto com esse losartana? antes do losartana ela tomava captopril. Ela vai no médico regularmente, só que o médico dela fica em uma cidade vizinha, por isso  pedindo sua opinião agora..

  • Keity Mangia

    meu marido é hipertenso teve um avc ha 2 meses , o exame de sangue deu como resultado vhs aumentado em 89 mm/1 h o que pode ser isso?

  • http://www.blogger.com/profile/07948507723271517173 Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

    Não há problema em tomar esses medicamentos juntos. Com certeza o seu excesso de peso influencia na sua pressão arterial.

  • Isadora Becker

    Dr. Pedro, faz um mês que comecei a ter pressão alta. Tenho 51 anos e descobri por meio de uma cintilografia que a glândula tireoide está inflamada. Consulta com endocrinologista está marcada para 12 de janeiro. Estou fazendo uma série de exames relacionados com a tireoide, hormônios e ossos. Um deles é a busca de iodo na urina durante 24 horas. Os resultados devem estar prontos na segunda-feira. O TSH é igual a zero. 
    Enquanto isso, estou tomando Propranolol 40 mg (metade de manhã e metade de noite), mas a pressão está sempre em torno de 15 11. Sinto o rosto e a cabeça quentes. Estou triste…

  • Everton S. PEREIRA

    hipertensao e ereditaria

  • Maria Melo Barbosa

    Dr Pedro Pinheiro o que acontece com os batimentos cardiácos do ser humano quando a pressão dele se eleva a 170×100.

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Não necessariamente há mudanças.

  • tania

    dr pedro o meu pai esta com as tencoes sempre descontrladas e esta a tomar medicacao ainda ontem tava a 17 sera k outra doenca influencie isso?ando com medo

  • Keity Mangia

    ele toma analapril. nifedipino , tenalol e antesina esta certo o medicamento?

  • http://www.facebook.com/RosileideSantana Rosileide Santana

    Bom dia, Pergunta feita por minha mãe de 62 anos de idade.Tomava o capitropil + tiazida+ proponalol para o controle da pressão, mas por estar alta constantemente a médica trocou por Losartana+ tiazida+ proponalol, ainda tomo Daonil para controle de glicemia. Só que quando tomo o Losartana sinto mal estar, pernas fracas, moleza no corpo, mal estar no estomago, fico preocupada com esses sintomas, como operei a vesícula penso que seja por conta disso. será que tem alguma associação? estou confusa.