Artigo atualizado em 07/09/2013
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

ESCLEROSE MÚLTIPLA | Sintomas e tratamento

Publicidade

A esclerose múltipla (EM) é uma doença de provável origem autoimune, na qual o nosso organismo produz inapropriadamente anticorpos contra estruturas dos nossos nervos, levando à inflamação e destruição dos mesmos (leia: O QUE É UMA DOENÇA AUTOIMUNE).

Neste artigo vamos abordar os seguintes pontos sobre a esclerose múltipla:

  • O que é a esclerose múltipla.
  • Causas da esclerose múltipla.
  • Diferenças entre esclerose múltipla e síndrome de Guillain-Barré.
  • Sintomas da esclerose múltipla.
  • Evolução da esclerose múltipla.
  • Diagnóstico da esclerose múltipla.
  • Tratamento da esclerose múltipla.

O que é esclerose múltipla

A esclerose múltipla é uma doença neurológica que ocorre pela destruição da bainha de mielina, substância que recobre os nervos. Portanto, para compreender a esclerose múltipla é preciso saber antes o que é a bainha de mielina.

Impulsos elétricos viajando entre os neurônios

Impulsos elétricos viajando entre os neurônios

Todo o nosso sistema nervoso se comunica através de impulsos elétricos. Por exemplo, quando mexemos a nossa mão, só conseguimos fazê-lo porque o nosso sistema nervoso é capaz de enviar um impulso elétrico, que sai do cérebro, caminha pela medula, passa para os nervos periféricos e chega até os músculos da mão, dando ordem para eles se mexerem . Os impulsos também podem seguir o caminho inverso. Todas as sensações que temos do ambientes (temperatura, tato, pressão, dor, etc.) só são percebidas porque as terminações nervosas da pele conseguem captar esses estímulos, enviando-os aos nervos periféricos, medula e, finalmente, cérebro, onde eles serão interpretados.

Esses estímulos elétricos que chegam e saem do cérebro precisam ser transportados entre um neurônio e outro. O fio condutor dos neurônios responsável por esta conexão é chamado de axônio, um prolongamento do próprio neurônio capaz de ligar uma célula nervosa à outra. Como qualquer fio elétrico, os axônios precisam de um isolamento, como se fosse um fio encapado. A substância que fornece esse isolamento e permite a transmissão dos impulsos elétricos é a bainha de mielina.

Na esclerose múltipla, as células nervosas do cérebro e da medula apresentam progressiva destruição de suas bainhas de mielina, fazendo com que os axônios percam a capacidade de transportar os impulsos elétricos. Os neurônios centrais deixam de enviar e de receber estímulos elétricos.

Causas da esclerose múltipla

A esclerose múltipla é uma doença autoimune causada pela destruição da bainha de mielina pelos nossos próprios anticorpos. Não sabemos bem o porquê, mas de uma hora para outra o nosso organismo passa a tratar a bainha de mielina presente nos axônios do sistema nervoso central como uma estrutura estranha, como se fosse um vírus ou bactéria. O sistema imune passa, então, a atacar a bainha de mielina destes neurônios, destruindo-a progressivamente. Imagina-se que a origem da esclerose múltipla possa estar relacionada a desarranjos do sistema imunológicos que surgem após algumas doenças virais, como, por exemplo, a mononucleose (leia: MONONUCLEOSE – DOENÇA DO BEIJO).

Diferenças entre esclerose múltipla e síndrome de Guillain-Barré

A esclerose múltipla e a síndrome de Guillain-Barré são doenças semelhantes na medida em que ambas tem origem autoimune e ocorrem por ataques à bainha de mielina dos nervos (leia: O QUE É A SÍNDROME DE GUILLAIN-BARRÉ?). A diferença é que no Guillain-Barré os nervos acometidos são os do sistema nervoso periférico (nervos fora da medula), enquanto que na esclerose múltipla são os nervos do sistema nervoso central (medula e cérebro) que sofrem desmielinização. Essa pequena diferença é importantíssima no prognóstico final, uma vez que os nervos periféricos têm capacidade de se regenerar, enquanto que os neurônios e axônios do cérebro e da medula não.

Fatores de risco para esclerose múltipla

A esclerose múltipla normalmente se manifesta pela primeira vez entre os 20 e 40 anos de idade. É duas vezes mais comum em mulheres do que em homens, e três vezes mais comum em pessoas que tenham algum familiar acometido pela doença. A esclerose múltipla ocorre com mais frequência em caucasianos (brancos) do que em afrodescendentes ou asiáticos.

Aparentemente, um dos fatores de risco para o surgimento da esclerose múltipla é a infecção pelo vírus Epstein Barr, causador da mononucleose. Imagina-se que o vírus possa ter proteínas semelhantes às da bainha de mielina, fazendo com que os anticorpos tenham dificuldade de distingui-las. É importante frisar que a imensa maioria dos pacientes que tiveram contato com o vírus Epstein Barr não desenvolvem a esclerose múltipla, o que sugere que mais de um fator seja necessário para o surgimento da doença.

Pacientes portadores de outras doenças autoimunes, como tireoidite de Hashimoto (leia: HIPOTIREOIDISMO | TIREOIDITE DE HASHIMOTO), diabetes mellitus tipo 1 (leia: O QUE É DIABETES?) ou doença de Crohn (leia: DOENÇA DE CROHN | RETOCOLITE ULCERATIVA) também apresentam maior risco de desenvolverem esclerose múltipla.

Nos últimos anos tem-se dado muita atenção à relação entre níveis de vitamina D e a esclerose múltipla. Sabemos que a doença é menos comum em áreas tropicais, onde a incidência solar anual é maior e a produção de vitamina D pela pele é mais intensa. Estudos sugerem que níveis adequados de vitamina D podem ser um fator de proteção contra a esclerose múltipla (leia: VITAMINA D | Deficiência e suplementos).

Sintomas da esclerose múltipla

Os sinais e sintomas da esclerose múltipla dependem de quais pontos do sistema nervoso são afetados. Não existe um sintoma típico que feche o diagnóstico de esclerose múltipla, porém, alguns deles são muito sugestivos:

- Neurite óptica: normalmente se apresenta como um dor aguda em um dos olhos, que piora com o movimento ocular. Esta dor costuma vir associada a graus variáveis de perda visual, geralmente no centro do campo visual. O paciente pode também apresentar visão dupla ou borrada. Nistagmo (discreto movimento involuntário dos olhos) é um achado comum.

O acometimento dos dois olhos ao mesmo tempo é incomum na esclerose múltipla e costuma indicar outra doença neurológica.

- Sintomas sensoriais: formigamento e dormências, principalmente nos membros, ocorrendo em um lado do corpo de cada vez, são sintomas muito comuns da esclerose múltipla e aparecem em quase 100% dos casos ao longo do curso da doença.

- Fenômeno de Lhermitte: sensação de choque elétrico que se irradia pela coluna vertebral, desencadeado por movimentos da cabeça e do pescoço é chamado de Fenômeno de Lhermitte. É um sintoma típico da esclerose múltipla, mas pode também ocorrer em outras doenças neurológicas.

- Tonturas e vertigens: até 50% dos pacientes com EM podem apresentar tonturas (leia: TONTURA E VERTIGEM | Causas e sintomas). Este sintoma geralmente surge em pacientes com acometimento da face pela doença, como dormências e alterações oculares e auditivas.

Sintomas da esclerose múltipla

Sintomas da esclerose múltipla (clique para ampliar)

- Sintomas motores: tremores, alterações na marcha, diminuição de força muscular e paralisias dos membros ocorrem por lesão dos neurônios da medula. A perda de força é inicialmente unilateral, mas torna-se bilateral em fases avançadas. O acometimento dos membros inferiores é tipicamente mais intenso do que nos membros superiores.

- Incapacidade de controlar a bexiga e os intestinos: A lesão dos nervos da medula além de causar fraqueza muscular nos membros inferiores, também pode provocar uma perda do controle dos esfincteres anal e da bexiga, provocando incontinência fecal e urinária

A esclerose múltipla se manifesta alternando períodos de ataques com remissões. O doente apresenta sintomas agudos que duram dias a semanas, e depois somem, podendo deixar ou não sequelas. O paciente permanece assintomático até um segundo ataque, que também desaparece. Conforme os ataques vão se acumulando, eles ficam cada vez mais agressivos e as sequelas vão se somando, de modo que o paciente vai ficando progressivamente pior ao final de cada exacerbação.

A sobrevida dos pacientes com esclerose múltipla atualmente é de 30 a 40 anos. Pacientes que após 10 ou 15 anos de doença possuem pouca ou nenhuma sequela são aqueles com melhor prognóstico, apresentando maior tempo e qualidade de vida.

Evolução da esclerose múltipla

A esclerose múltipla pode ter apresentações distintas entre os paciente. Há alguns padrões de comportamento são bem conhecidos.

1- Esclerose Múltipla Remitente Recorrente (EMRR) ou surto remissão.

Esta forma de esclerose múltipla é caracterizada por surtos de início súbito, mas de curta duração, seguidos por recuperação completa (ou parcial com sequelas mínimas). Não há progressão da doença fora dos períodos de surtos, e o paciente pode ficar  meses ou anos sem sinais da da esclerose múltipla. Este padrão de EM é responsável por 85 a 90% dos casos iniciais. No entanto, a maioria dos pacientes com EMRR irá eventualmente entrar numa fase progressiva da doença, chamada Esclerose Múltipla Secundaria Progressiva (EMSP).

2- Esclerose Múltipla Secundaria Progressiva (EMSP)

A esclerose múltipla secundária progressiva ocorre quando há agravamento da forma Esclerose Múltipla Remitente Recorrente (EMRR), geralmente 15 a 20 anos após o início da doença. Nesta forma as crises se tornam mais frequentes e as sequelas começam a se acumular. O paciente agora pode evoluir com piora dos sintomas mesmo sem haver crises agudas.

3- Esclerose Múltipla Primária Progressiva (EMPP)

A esclerose múltipla progressiva primária é caracterizada pela progressão rápida da doença desde fases iniciais. O paciente pode não ter surtos, mas vai acumulando sintomas e sequelas progressivamente. Este tipo tem prognóstico pior e representa cerca de 10 por cento dos casos. Surge habitualmente em pacientes que desenvolvem EM após os 40 anos.

Diagnóstico da esclerose múltipla

Não existe um exame único que estabeleça o diagnóstico da esclerose múltipla. O diagnóstico é feito através da interpretação dos sintomas e de alguns exames completares. Os exames mais usados para a elucidação do quadro são a ressonância magnética nuclear do sistema nervoso central, a análise do líquido cefalorraquidiano, obtido através da punção lombar, e o teste de potencial evocado, que consiste na avaliação da resposta do organismo a pequenos choques elétricos, que estimulam nervos periféricos da visão ou dos músculos.

Tratamento da esclerose múltipla

Infelizmente ainda não existe cura para a esclerose múltipla. Como se trata de uma doença de origem imunológica, o seu tratamento se baseia em drogas que ajam no sistema imunológico. A terapia é divida em tratamento nas crises e tratamento durante a remissão.

Tratamento das crises de esclerose múltipla

Os corticoides são as drogas mais usadas durante os surtos (leia: PREDNISONA E CORTICOIDES | efeitos colaterais). O tratamento é chamado de pulsoterapia e consiste na administração de doses elevadas de corticoides (habitualmente metilprednisolona) por via venosa durante 5 dias.

Nos casos de surto grave, com pouca resposta aos corticoides, indica-se a realização da plasmaferese, um procedimento parecido com a hemodiálise, que serve para limpar o sangue dos anticorpos danosos (leia: ENTENDA COMO FUNCIONA A PLASMAFÉRESE).

Tratamento da esclerose múltipla durante a remissão

Já existem drogas para tratar os pacientes fora das crises, visando reduzir as sequelas e a ocorrência de novos surtos. Este tratamento, chamado modificador de doença, é especialmente eficaz nos casos de Esclerose Múltipla Remitente Recorrente (EMRR). Ele não cura a EM, mas melhora muito o seu prognóstico.

As drogas mais usadas atualmente são o interferon beta (Avonex, Rebif ou Betaseron) e o acetato de glatiramer (Copaxone). No Brasil estes medicamentos são distribuídos gratuitamente pelo governo.

Nos casos graves, com pouca resposta ao interferon e ao glatiramer, ainda existe a opção pelo tratamento com natalizumabe (tysabri) ou pulsoterapia mensal com corticoides.

Pacientes com deficiência de vitamina D devem receber suplementos para normalizar seus níveis. Estudos sugerem que a vitamina D ajuda no controle das crises da esclerose múltipla.

Publicidade
  • Maíra

    E’ possivel um quadro de esclerose multipla comecar a se desenvolver em uma pessoa de 17 anos sem historicos familiares?

  • http://www.blogger.com/profile/07948507723271517173 Dr. Pedro Pinheiro

    Maíra,
    Sim, é perfeitamente possível.

  • Anonymous

    Parabéns dr, um dos melhores textos sobre esclerose múltipla na internet
    Vera.

  • Mhaia

    Boa noite.
    Estou com um caso de esclerose multipla inicial na família, e desde então tenho procurado estudar e pesquisar acerca. Estive pensando em relação aos textos – ótimos, por sinal, e em outras fontes, quanto ao tratamento. Seria possível a administração de imunossupressores, seguida de plasmaferese, concomitante com transferência sanguínea com carga de anticorpos ‘normais’, de forma a transferir a ‘biblioteca’ já carregada no sangue doador, para o sistema imune afetado?
    Ilustrando, seria como evitar que sejam criados novos anticorpos no paciente, retirar os que estão afetados e inserir uma nova base de dados de anticorpos.
    Em relação à transfusão, creio que a principal complicação, poderia vir a ser uma possível rejeição, mas de certa forma, poderia existir tal possibilidade?

  • http://www.blogger.com/profile/07948507723271517173 Dr. Pedro Pinheiro

    Mhaia,
    o seu raciocínio funciona até a parte da transfusão. Realmente se usa imunossupressão com plasmaferese para eliminar auto-anticorpos e impedir a criação de novos. Porém, transfusão de sangue não serve para impedir a imunossupressão, até porque o sistema imune é muito mais complexo e não se baseia apenas em anticorpos. A transfusão de sangue não serve para esse propósito.

  • regynaregys

    Boa noite! sempre fico atento ao que é esta doença, perdi o meu irmão a pouco tempo com esta maldita doença. Porque até hoje não tem nenhuma forma de curar este inimiga.

  • keli

    Bom dia Doutor! Minha irmã tem Neurite optica desde os 6 anos de idade, hj ela está com 24 anos. Gostaria de saber se ela tem possibilidade de desenvolver esclerose? Ela já fez varias ressonâncias magnéticas e está tudo bem, não deu nenhuma alteração.Fez a retirada do Líquor e apenas deu uma pequena alteraçao na fraçao Gama, 15,5. Gostaria de ressaltar que em nossa família não tivemos nenhum caso de esclerose nem de Neurite. Obrigada. Keli

  • http://www.blogger.com/profile/07948507723271517173 Dr. Pedro Pinheiro

    @keli
    provavelmente a neurite dela não tem nada a ver com esclerose múltipla.

  • Fernanda Bacoccina

    Oi Doutor! descobri recentemente que tenho esclerose multipla, ja tive dois surtos sem maiores sequelas, mas estou muito inchada creio que seja por conta das pulsões de corticóides, estou tratando também com copaxone, mas esse exesso de peso é realmente um grande incomodo que tem me deixado muito triste, sinto também um cansaço exessivo, teria alguma coisa que poderia associar a esses medicamentos para esse excesso de peso? obrigada   

    • https://plus.google.com/113288925849694682313 Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Esse inchaço é um efeito colateral dos corticoides. Não há muito o que fazer. O melhor é evitar o sal e comidas que engordam para não piorar a situação.

  • Carla

    Doutor, bom dia! Meu irmão está diagnosticado há 3anos (ele tem 40)ele está sendo acompanhado no fundão-RJ mas eu estou em São Paulo-Campinas e tenho tido alguns sintomas estranhos, como vista embaçada, perda de força, e perda auditiva sem explicação. É possível a doença aparecer em irmãos? Gostaria de saber se o senhor poderia me indicar um especialista pela UNIMED aqui em Campinas. Acho que não custa nada fazer algum exame. O senhor pode me ajudar?

  • http://www.blogger.com/profile/07948507723271517173 Dr. Pedro Pinheiro

    Sim, é possível aparecer esclerose múltipla em irmãos. Não conheço ninguém específico em Campinas. Mas procure no livrinho da Unimed um neurologista que trabalhe na Unicamp. A chance de ser alguém bom é muito grande.

  • Felipe

    Muito bom texto sobre esclerose múltipla. Tirou toas as minhas dúvidas, obrigado.

  • Patricia

    Dr., essa ressonância do sistema nervoso central é da coluna?
    Outra coisa: esses ataques ou surtos de que se fala são fortes? Como são eles?

    • https://plus.google.com/113288925849694682313 Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Não, é do cérebro. Os surtos são variáveis e podem ser qualquer um dos sintomas descritos na imagem do texto.

  • Patrícia

    Ah, Dr Pedro, a precocidade do diagnóstico auxilia de alguma forma o paciente?

    • https://plus.google.com/113288925849694682313 Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Ajuda, pois o tratamento pode ser iniciado mais precocemente.

  • http://www.blogger.com/profile/07948507723271517173 Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

    Não, é do cérebro. Os surtos são variáveis e podem ser qualquer um dos sintomas descritos na imagem do texto.

  • Cris

    Eu tenho uma irmã gemea que tem esclerose múltipla. Eu tenho mais chances de ter??

    • https://plus.google.com/113288925849694682313 Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Sim.

  • Cris

    Eu tenho uma irmã gemea que tem esclerose múltipla. Eu tenho mais chances de ter??

  • http://www.blogger.com/profile/07948507723271517173 Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

    Sim.

  • Cris

    Mas qual exame eu faço para descobrir se tenho propensão? Sem ser diretamente a ressonância medular..

    • https://plus.google.com/113288925849694682313 Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Não existe exame para avaliar o seu risco.

  • Shirleyfassin

    Minha mãe tem e eu não lembro das coisas, fico tonta, tenho tirodes, eu reconheço o objeto mais não lembro do nome e esqueço de tudo muito rapido.

  • Shirleyfassin

    Minha mãe tem e eu não lembro das coisas, fico tonta, tenho tirodes, eu reconheço o objeto mais não lembro do nome e esqueço de tudo muito rapido.

  • Cecilia

    Olá, Dr.
    Parabéns pelo texto. Muito bom mesmo.
    Minha dúvida é a seguinte: tive diagnóstico de esclerose múltipla há 14 anos, depois de um forte surto onde mal podia andar e precisei ficar internada por 12 dias. Por decisão minha, na época, recusei o tratamento. Desde então tenho tido surtos regulares mas muito mais brandos, que duram cerca de uma semana e reaparecem depois de alguns meses. Atrapalham um pouco, mas não chegam a interferir no meu cotidiano. Hoje tenho 41 anos. É Possível que um portador desta doença passe a vida com um quadro estável assim ou posso pensar em erro de diagnóstico?
    Obrigada.

  • Isa Farias

    Há cinco anos sofro de um mal que não foi diagnosticado. tenho ataques estranhos que me leva ao hospital. Os sintomas são: fadiga muito forte, dores musculares, movimentos involuntários dos musculos das pernas, face, dedos, etc. muita dor na coluna e nos quadris, dificuldade para respirar, com dor no torax e costas( como uma cãibra) rush cutaneo, perda de controle do intestino( as vezes com diarreia) e da bexiga. fico urinando de 5 em cinco minutos. dor e ardencia nos olhos, visão dupla, muita dor de cabeça, e sudores nas mãoe e pés com os pés ficando roxos. Geralmente, junto com os ataques sinto nauseas, tontura e taquicardia. Foco prostrada é e horrivel. começou em  em janeiro de 2008, aos 35 anos de idade. eram raros, agora, desde novembro, estou tendo ataques todos os dias. estou perdendo peso. geralmente passo mal depois que como. Creio que seja uma doença autoimune, mas nenhum medico me ouve. Será esclerose multipla?

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Pela descrição não parece.

  • Katiadasilvaantonio

    gostaria das saber   mais  sobre  a   doença  pois   sou   portadora     tenho   sintomas   semellantes  ten epoca  q   me   sinto   muito    cansada             e desanimada    meu  nome   e   katia    tenho    quarenta   e   cinco   anos   moro   no    estado   do    rio    de    janeiro        meu    email     katiadasilvaantonio@hotmail.com

  • Rosangela

    gostaria de saber mais sobre a esclerose pois sou portadora do hipotireoidismo por ablação com radio iodo pelo hipertiroidismo com bocio difuso, hoje sinto muita fraquesa, cansaço, incontinencia urinaria, nervosismo extremo, dificuldade pra raciocinar e dormencia nos braços e pescoço, dor na coluna, já foi feito vários exames e não da em nada. meu nome é Rosângela tenho 36 anos moro no Estado de Goias email luluteixeira11@yahoo.com.br

  • Silvia Massoca

    gostaria de saber se há possibilidade de eu ter esclerose, pois qd pequena tive um problema, não conseguia parar em pé de jeito nenhum, minha mãe me levou no médico e não souberam falar o q poderia ser, eu tinha uns 3 anos. Qdo adulta tive um problema de neurite óptica, os médicos até suspeitaram de esclerose, mas como n acharam nd na tomografia e na punçaõ disseram q podia ser q já tinha passado o pico do problema e assim n conseguiam diagnosticar. Atualmente tenho visão turva as vzs, mas disseram q pode ser devido ao pré-diabetes e a hipertenção. Tenho 41 anos.
    Gostaria de saber se preciso me preocupar realmente.

  • Isa Farias

    tenho todos este sintomas relatados acima. Além de pés roxos, rush cutaneo e taquicardias quando estou em crise. Pode ser esclerose multipla?

  • Gleice santos

    Meu irmão tem esclerose múltipla, quero saber se isso pode ser hereditário, porque faz mais ou menos 1 mês que tenho dores nas articulações, tenho a sensação que os meus músculos estão pesados, sinto umas cãibras por várias partes do meu corpo inclusive nas maçãs do rosto, sinto dores nos ombros, me sinto constantemente cansada e com tonturas, sinto como se tem algo mexendo no meu intestino e as vezes tenho que ir ao banheiro, se eu ficar muito tempo na mesma posição os dedos dos meus pés começão a formigar, me sinto constantemente tensa com os músculos contraídos quando percebo relaxo. Fui ao médico e ele disse que é fibromialgia mas tenho minhas dúvidas, se ele pelo menos tivesse passado uma ressonância magnética….eu teria ficado mais tranquila.
    Dr. Pedro, o que o senhor acha desses sintomas?     

  • Gmichelig

    Boa noite Doutor !

    Bom descobri q tenho esclerose multipla a pouco tempo; mas já faz fazia uns  6 anos q estava tentando descobrir o q tinha d errado comigo pois qualquer coiza q eu fazia me sentia muito cansada… andava uma quadra e me sentia tão cansada q minhas pernas não levantavam e eu acaba caindo e toda vez q ficava nervosa passava mal e perdia as forças nas pernassem fazer nada.
    Até q chegou ao ponto d eu perder os movimentos na parte esquerda do corpo, mas procurei um psciquiatra q me receitou paroxetina tomei e logo voltei ao normal, mas ainda não consigo caminhar muito pois fico muito cansada !!!

    O Dr Neurologista me receitou Interferon Beta 1 b 250 mcg mas estou com medo d iniciar o tratamento pelas reações q o medicamento pode me fazer !

    Poderia me explicar melhor o q pode acontecer e o  q devo fazer !

    Obrigada por sua atenção !!!

  • Renata

    Minha mãe possui sensação de choque elétrico muito intenso, que se irradia pelas vértebras, principalmente do lado esquerdo (obs.: ela trabalha em van, realizando movimentos repetitivos com esse lado para abrir/fechar a porta). Esse sintoma vinha sempre em uma época do ano, mas recentemente ele tem vindo com maior frequência. Ela está usando medicações como Lyrica (pregabalina), Cymbalta e Etna. Já realizou ressonancia magnética da coluna dorsal, ultrassonografia da parede torácica, tomografia, exames de sangue, raio x do torax pa e perfil, e eletroneuromiografia; mas nenhum médico conseguiu identificar o que era. Já consultamos ortopedistas, neurologistas, reumatologistas e clínicos gerais. Por favor, já estamos a 3 anos procurando o diagnóstico e o tratamento para esse sintoma e não conseguimos, gostaria de saber se pode ser EM ou se existe outra doença provável, e qual médico especialista ela deve procurar. Muito obrigada.

  • Renata

    Fui diagnosticada com esclerose há 6 meses, depois de 12 dias internada apresentando visão dupla, tontura e convulsões que já ocorriam desde meus 24 anos (tenho 29). Hoje, além de dois anticonvulsivantes, faço tratamento com vacina (interferon). Dr., você acha que posso engravidar?

  • tatinha

    Minha amiga já teve a tres anos atras Mielite e ficou até mesmo sem andar e por um milagre ela se recuperou e não sentiu mais nada. Mas de uns três meses pra cá ela tem sentido muita tonturas e vertigens, sem causas aparentes já que os exames dela estão todos bons e ela tão tem aguentado de tanta fraqueza. Tem possibilidades da mielite voltar ou até mesmo não ter sarado é nada, ou até mesmo existe a possibilidade dela está com esclerose múltipla?

  • janete

    Ola,minha pergunta não tem nada haver com o assunto,quero saber sobre,glandula de bartolini,pois tenho isso,e ja fui em 3 medicos que não me explicaram direito e tenho medo de virar um cancer futuramente

  • Vago Carlos

    ok

  • ALESSANDRO

    ola dr pedro me chamo alessandro tenho 32 anos e de uns tempos para ca andei tendo uns sintomas estranhos tipo assim começou na minha perna esquerda era tipo um formigamento dai fui no medico tomei uma injeçao e passou e mais ou menos 1 mes depois agora começei a sentir uma dor muscular na perna direita muito forte q era quase impossivel andar e tenho sentido muita dor atraz do pecoço bem no final do cabelo e tenho sentido meus olhos muito vermelhos e sobretudo o esquerdo com uma certa ardencia seguida e tenho tido tbm uma especie de ( espinhamentos no corpo tipo choques eletricos obs….esses choques são + da cintura para cima ok ) fui em um cardio e ele me disse ser ansiedade pois eu me trato de depressao e ansiedade e agora no meu dia dia caminho uns 15 minutos e ja sinto o tal incomodo na perna direita e as vezes no banho qndo esfrego os olhos em seguida me veem os choques subindo pela coluna agora dia 27 vu consultar um ortopedista …….. mas eu mesmo estou suspeitando de ESCLEROSE MULTIPLA sera que posso estar mesmo ou e coisa da minha cabeça me reponda por favor estou preocupado desde ja agradeço

  • Luca

    Boa noite dr. Pedro. Já faz cinco dias venho tendo uns sintomas estranhos. Sabe aquela sensação de que parece que o cérebro está sendo chocalhado dentro da cabeça? Pois é, é intermitente essa sensação, principalmente se estou assistindo TV, no computador ou lendo alguma coisa. Minha concentração está um pouco limitada (embora eu consiga acompanhar as aulas) também. Se eu inclino a cabeça sinto tontura, andando também. Tenho de vez em quando umas fisgadas no topo da cabeça, e vez por outra também uns incômodos no peito e nas costas. Já faz um mês venho tendo algumas dores na região do fígado, fiz alguns exames e deu bilirrubinas e as transaminases acima do nível normal, minha urina tem um cheiro relativamente forte, não sei se pode ter alguma relação com os sintomas que venho tendo nesta semana. Voltando as descrições, também sinto sono, não cansaço, pois consigo ir na academia e executar os exercícios com pesos, fico tonto mas tenho força para fazê-los. Acordei ontem com dor de cabeça, focada principalmente na região “atrás dos olhos”, que tomando dois comprimidos de paracetamol (um a cada seis horas) foi suprimida e não voltou mais. A única medicação que faço uso diariamente é finasterida 1 mg, para alopécia androgenética (tenho vinte anos, tomo faz quatro meses). O que poderia ser isto que venho sentindo?

  • silva cristina

    doutor tem muito tempo que sinto dorrmencia na mao ou nas pernas cansaco no corpo difilcudades as vezes para andar tremores nos olhos e as vezes nao enchergo dificuldades para fazer os trabalhos domesticos como usar a mao esquerda picar car verduras sinto um cansasso enorme nos brasos e tenho que bparar o que fazer me ajude meu nome e cristina e tenho 38 anos

  • Marilucebezerra

    vasculite tem tratamento para cura?

  • Erisonoliveiratj

    Bom dia DR. tenho uma grande dúvida,na parte de baixo do meu pênis ou seja escroto há uma micose que nunca sara ela tipo vai caminhando tenho ela eu acho a mas de uma década ja passei pomadas para micoses e outros as vezes ela some e depois aparece,o interessante é que ela só piora quando me alimento de coisas remosa …sei que não tem nada a ver com esclerose mas gostaria de saber o que pode ser?

  • Adriana

    Boa tarde doutor, tenho tido muita caimbra a noite, principalmente na mao esquerda, na direita também ocorre com menos , durante o dia tenho um pouco de formigamento nas maos. Qual especialista devo procurar?
    Obrigada pela ajuda.

  • Bruna pinheiro

    tenho a esclerose multipla tenho 21 anos e ando ja a tomar a copaxone.
    ao principio deu-me dormencia no lado esquerdo do corpo nao sinta nada e fiquei sem força na perna direira e na mão direita tambem nao conseguia simplesmente cortar um bife e nem andar para levantar a perna eu própria tinha que puxa-la com as mãos fiquei quase um mês assim e ando na fisioterapia… mas só que ás vezes a minha perna direita falha como se alguem tivesse por trás a dar na perna para cair.. i tambem dá-me muitas dores fortes na cabeça e nos olhos e tambem ultimamente doi-me a espinha onde fiz o exame a medula a partir dai fiquei com umas dores na coluna, será que esses sintomes deve para vir alguma surto??
    o meu médico disse quando me desse um surtio ou esses sintomas de dormencia para ir logo para o hospital e ficar internada durante um dia ou dois para tomar um remédio. so que ele disse para nao tomar aquele de 5 dias porque engordava muito.

    • Nicole Defacio

      Bruna me chamo Nicole e tenho 22 anos e sou portadora da E.M o remédio de 5 dias que citou ai em cima seria o corticoide, ele não engorda, na verdade ele incha e da muita fome.

      já tomei algumas vezes, em umas inchei e engordei pq como descontroladamente e nas duas ultimas só inchei menos de 2 kls, mas desinchei facilmente com bastante agua.

      e esse tratamento já faz efeito na própria semana que esta tomando o remédio. :)

      boa sorte!

  • Darlaquoz

    tive dores e travei por horas o carpo; apos exames constatou se nero patia do carpio.
    e outras dores q veio junto q desapareceu com um medicamento COLCHIXIN, EU TOMAVA FUMARATO DE QUETIAPINA, quando parei por desconfiar dele, eu melhorei 90% da sessaçao de morte, queda de pressao, e dores pelo corpo parte neuro.

  • R Zago

    Ola, minha tia é portadora da EM e tem teve uma melhora de todos os sintomas com tratamento com Vitamina D… e não vi esse tratamento citado aqui.

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Na extensa bibliografia que usei para criar este artigo não encontrei relatos de que a vitamina D sirva para tratar esclerose múltipla.

      • Mário Ventura

        Senhor Dr. Pedro Pinheiro, gostaria de saber quais são as suas referências bibliográficas sff. Obrigado.

        • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

          Yudkin PL, Ellison GW, Ghezzi A, et al. Overview of azathioprine treatment in multiple sclerosis. Lancet 1991; 338:1051.
          Sipe JC, Romine JS, Koziol JA, et al. Cladribine in treatment of chronic progressive multiple sclerosis. Lancet 1994; 344:9.
          Rice GP, Filippi M, Comi G. Cladribine and progressive MS: clinical and MRI outcomes of a multicenter controlled trial. Cladribine MRI Study Group. Neurology 2000; 54:1145.
          Filippi M, Rovaris M, Iannucci G, et al. Whole brain volume changes in patients with progressive MS treated with cladribine. Neurology 2000; 55:1714.
          Goodkin DE, Kinkel RP, Weinstock-Guttman B, et al. A phase II study of i.v. methylprednisolone in secondary-progressive multiple sclerosis. Neurology 1998; 51:239.
          Hauser SL, Dawson DM, Lehrich JR, et al. Intensive immunosuppression in progressive multiple sclerosis. A randomized, three-arm study of high-dose intravenous cyclophosphamide, plasma exchange, and ACTH. N Engl J Med 1983; 308:173.
          The Canadian cooperative trial of cyclophosphamide and plasma exchange in progressive multiple sclerosis. The Canadian Cooperative Multiple Sclerosis Study Group. Lancet 1991; 337:441.
          Efficacy and toxicity of cyclosporine in chronic progressive multiple sclerosis: a randomized, double-blinded, placebo-controlled clinical trial. The Multiple Sclerosis Study Group. Ann Neurol 1990; 27:591.
          Rudge P, Koetsier JC, Mertin J, et al. Randomised double blind controlled trial of cyclosporin in multiple sclerosis. J Neurol Neurosurg Psychiatry 1989; 52:559.
          Wolinsky JS, Narayana PA, O’Connor P, et al. Glatiramer acetate in primary progressive multiple sclerosis: results of a multinational, multicenter, double-blind, placebo-controlled trial. Ann Neurol 2007; 61:14.
          Rojas JI, Romano M, Ciapponi A, et al. Interferon beta for primary progressive multiple sclerosis. Cochrane Database Syst Rev 2009; :CD006643.
          Leary SM, Miller DH, Stevenson VL, et al. Interferon beta-1a in primary progressive MS: an exploratory, randomized, controlled trial. Neurology 2003; 60:44.
          Montalban X. Overview of European pilot study of interferon beta-Ib in primary progressive multiple sclerosis. Mult Scler 2004; 10 Suppl 1:S62; discussion 62.
          La Mantia L, Vacchi L, Di Pietrantonj C, et al. Interferon beta for secondary progressive multiple sclerosis. Cochrane Database Syst Rev 2012; 1:CD005181.
          Placebo-controlled multicentre randomised trial of interferon beta-1b in treatment of secondary progressive multiple sclerosis. European Study Group on interferon beta-1b in secondary progressive MS. Lancet 1998; 352:1491.
          Panitch H, Miller A, Paty D, et al. Interferon beta-1b in secondary progressive MS: results from a 3-year controlled study. Neurology 2004; 63:1788.
          Kappos L, Weinshenker B, Pozzilli C, et al. Interferon beta-1b in secondary progressive MS: a combined analysis of the two trials. Neurology 2004; 63:1779.
          Cohen JA, Antel JP. Does interferon beta help in secondary progressive MS? Neurology 2004; 63:1768.
          Secondary Progressive Efficacy Clinical Trial of Recombinant Interferon-Beta-1a in MS (SPECTRIMS) Study Group. Randomized controlled trial of interferon- beta-1a in secondary progressive MS: Clinical results. Neurology 2001; 56:1496.
          Hughes RA. Interferon beta 1a for secondary progressive multiple sclerosis. J Neurol Sci 2003; 206:199.
          Cohen JA, Cutter GR, Fischer JS, et al. Benefit of interferon beta-1a on MSFC progression in secondary progressive MS. Neurology 2002; 59:679.
          Andersen O, Elovaara I, Färkkilä M, et al. Multicentre, randomised, double blind, placebo controlled, phase III study of weekly, low dose, subcutaneous interferon beta-1a in secondary progressive multiple sclerosis. J Neurol Neurosurg Psychiatry 2004; 75:706.
          Li DK, Zhao GJ, Paty DW, University of British Columbia MS/MRI Analysis Research Group. The SPECTRIMS Study Group. Randomized controlled trial of interferon-beta-1a in secondary progressive MS: MRI results. Neurology 2001; 56:1505.
          Goodkin DE, Rudick RA, VanderBrug Medendorp S, et al. Low-dose (7.5 mg) oral methotrexate reduces the rate of progression in chronic progressive multiple sclerosis. Ann Neurol 1995; 37:30.
          Gray OM, McDonnell GV, Forbes RB. A systematic review of oral methotrexate for multiple sclerosis. Mult Scler 2006; 12:507.
          Olek MJ, Hohol MJ, Weiner HL. Methotrexate in the treatment of multiple sclerosis. Ann Neurol 1996; 39:684.
          Hartung HP, Gonsette R, König N, et al. Mitoxantrone in progressive multiple sclerosis: a placebo-controlled, double-blind, randomised, multicentre trial. Lancet 2002; 360:2018.
          Krapf H, Morrissey SP, Zenker O, et al. Effect of mitoxantrone on MRI in progressive MS: results of the MIMS trial. Neurology 2005; 65:690.
          Ramkumar B, Chadha MK, Barcos M, et al. Acute promyelocytic leukemia after mitoxantrone therapy for multiple sclerosis. Cancer Genet Cytogenet 2008; 182:126.
          Bosca I, Pascual AM, Casanova B, et al. Four new cases of therapy-related acute promyelocytic leukemia after mitoxantrone. Neurology 2008; 71:457.
          Martinelli V, Cocco E, Capra R, et al. Acute myeloid leukemia in Italian patients with multiple sclerosis treated with mitoxantrone. Neurology 2011; 77:1887.
          Marriott JJ, Miyasaki JM, Gronseth G, et al. Evidence Report: The efficacy and safety of mitoxantrone (Novantrone) in the treatment of multiple sclerosis: Report of the Therapeutics and Technology Assessment Subcommittee of the American Academy of Neurology. Neurology 2010; 74:1463.
          Goodin DS, Arnason BG, Coyle PK, et al. The use of mitoxantrone (Novantrone) for the treatment of multiple sclerosis: report of the Therapeutics and Technology Assessment Subcommittee of the American Academy of Neurology. Neurology 2003; 61:1332.
          Boster A, Edan G, Frohman E, et al. Intense immunosuppression in patients with rapidly worsening multiple sclerosis: treatment guidelines for the clinician. Lancet Neurol 2008; 7:173.
          Goodin DS, Cohen BA, O’Connor P, et al. Assessment: the use of natalizumab (Tysabri) for the treatment of multiple sclerosis (an evidence-based review): report of the Therapeutics and Technology Assessment Subcommittee of the American Academy of Neurology. Neurology 2008; 71:766.
          Hawker K, O’Connor P, Freedman MS, et al. Rituximab in patients with primary progressive multiple sclerosis: results of a randomized double-blind placebo-controlled multicenter trial. Ann Neurol 2009; 66:460.
          Mancardi G, Saccardi R. Autologous haematopoietic stem-cell transplantation in multiple sclerosis. Lancet Neurol 2008; 7:626.
          Fassas A, Kimiskidis VK, Sakellari I, et al. Long-term results of stem cell transplantation for MS: a single-center experience. Neurology 2011; 76:1066.
          Mancardi GL, Sormani MP, Di Gioia M, et al. Autologous haematopoietic stem cell transplantation with an intermediate intensity conditioning regimen in multiple sclerosis: the Italian multi-centre experience. Mult Scler 2012; 18:835.
          Sullivan KM, Muraro P, Tyndall A. Hematopoietic cell transplantation for autoimmune disease: updates from Europe and the United States. Biol Blood Marrow Transplant 2010; 16:S48.
          Burt RK, Loh Y, Cohen B, et al. Autologous non-myeloablative haemopoietic stem cell transplantation in relapsing-remitting multiple sclerosis: a phase I/II study. Lancet Neurol 2009; 8:244.
          Uccelli A, Laroni A, Freedman MS. Mesenchymal stem cells for the treatment of multiple sclerosis and other neurological diseases. Lancet Neurol 2011; 10:649.
          Connick P, Kolappan M, Crawley C, et al. Autologous mesenchymal stem cells for the treatment of secondary progressive multiple sclerosis: an open-label phase 2a proof-of-concept study. Lancet Neurol 2012; 11:150.
          Reston JT, Uhl S, Treadwell JR, et al. Autologous hematopoietic cell transplantation for multiple sclerosis: a systematic review. Mult Scler 2011; 17:204.
          Popat U, Krance R. Haematopoietic stem cell transplantation for autoimmune disorders: the American perspective. Br J Haematol 2004; 126:637.
          Hough RE, Snowden JA, Wulffraat NM. Haemopoietic stem cell transplantation in autoimmune diseases: a European perspective. Br J Haematol 2005; 128:432.
          Fergusson D, Hutton B, Sharma M, et al. Use of intravenous immunoglobulin for treatment of neurologic conditions: a systematic review. Transfusion 2005; 45:1640.
          Noseworthy JH, O’Brien PC, Weinshenker BG, et al. IV immunoglobulin does not reverse established weakness in MS. Neurology 2000; 55:1135.
          Hommes OR, Sørensen PS, Fazekas F, et al. Intravenous immunoglobulin in secondary progressive multiple sclerosis: randomised placebo-controlled trial. Lancet 2004; 364:1149.
          Gordon PA, Carroll DJ, Etches WS, et al. A double-blind controlled pilot study of plasma exchange versus sham apheresis in chronic progressive multiple sclerosis. Can J Neurol Sci 1985; 12:39.
          Khatri BO, McQuillen MP, Harrington GJ, et al. Chronic progressive multiple sclerosis: double-blind controlled study of plasmapheresis in patients taking immunosuppressive drugs. Neurology 1985; 35:312.
          Cortese I, Chaudhry V, So YT, et al. Evidence-based guideline update: Plasmapheresis in neurologic disorders: report of the Therapeutics and Technology Assessment Subcommittee of the American Academy of Neurology. Neurology 2011; 76:294.
          Cook SD, Devereux C, Troiano R, et al. Total lympoid irradiation in multiple sclerosis. In: Treatment of multiple sclerosis: Trial design, results,a nd future perspectives, Rudick RA, Goodkin DE. (Eds), Springer Verlag, New York 1992. p.267.
          Goodin DS, Frohman EM, Garmany GP Jr, et al. Disease modifying therapies in multiple sclerosis: report of the Therapeutics and Technology Assessment Subcommittee of the American Academy of Neurology and the MS Council for Clinical Practice Guidelines. Neurology 2002; 58:169.

  • Ildebertogomes

    Sr.doutor…:) eu gostaria saber onde foi buscar toda essa informaçao sobre EM e lhe peço e por outro lado exijo mais respeito por parte da classe médica em relaçao aos doentes com EM ,porque por vezes ate parece que estamos a falar de uma constipaçao ou do ciclo menstrual ,e se por acaso quer falar de forma séria ,upsss espera nao vou perder tempo instruindo-te porque tenho mais que fazer ,como por ex. tratar de ter qualidade de vida para chegar aos meus 73 anos o melhor que possa.atentamente (para ti)Sr. Ildeberto.

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Não entendi bem, mas parece-me que você está irritado com alguma coisa que leu no texto. Acho que você quis fazer uma critica, mas no final das contas acabou só resmungando, e não disse exatamente aonde está a falta de respeito e quais informações estão erradas.
      Só para constar, este artigo, como qualquer outro do MD.Saúde, foi totalmente baseado em artigos publicados nas mais conceituadas revistas médicas do mundo. O que está escrito está em conformidade com que pensa a comunidade científica mundial.

  • Kaueschultz

    olá, uma pergunta quando passo a mão nos olhos, sinto um choque é normal isso ?

  • Fernanda Bacoccina

    Oi Doutor! descobri recentemente que tenho esclerose multipla, ja tive dois surtos sem maiores sequelas, mas estou muito inchada creio que seja por conta das pulsões de corticóides, estou tratando também com copaxone, mas esse exesso de peso é realmente um grande incomodo que tem me deixado muito triste, sinto também um cansaço exessivo, teria alguma coisa que poderia associar a esses medicamentos para esse excesso de peso? obrigada   

  • Ruth Ferreira

    Dr. Pedro procurei no site e não achei nada sobre a Neuromielite Óptica que também é muito confundida com a EM. Sou portadora de NMO há 11 anos, mas durante algum tempo meu diagnóstico foi de EM. Se for possível, gostaria de um texto sobre a NMO.

  • zazak758

    Prezado Dr. Pedro,
    Vi uma reportagem sobre o tratamento da EM com vitamina D, pois nesta reportagem eles afirmam que a causa da doença é a ausência desta vitamina. A pesquisa está sendo desenvolvida por uma brilhante equipe da UNIFESP, em SP.
    O que vc tem a dizer sobre isso?

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Há dezenas de pesquisas sobre o assunto no mundo. Mas atualmente há apenas indícios. Não existe ainda base científica sólida para afirmar que haja relação direta entre vitamina D e esclerose múltipla. É preciso esperar a realização de estudos mais abrangentes e mais bem desenhados.

  • Ana Clara

    Olá, talvez a sua mãe não teve esclerose múltipla mas sim síndrome de Guillain Barré.

  • claudio

    DR bom dia eu sinto uma fraquesa na perna direita que não consigo andar e percebi que a esquerda tbm esta ficando fraca sinto formigamento e muita dor no rim quando fecho os olhos perco o equilíbrio e da muitas câimbras sera que pode ser esclerose m desde já eu agradeço e espero ter uma resposta .

    • Pedro Pinheiro

      Não me parece. De qualquer modo, procure a orientação de um médico para ele avaliar os seus sintomas.

  • http://www.mdsaude.com Pedro Pinheiro

    Isso ainda não está provado. A esclerose múltipla é uma doença complexa, e como tal, não possui uma causa única. Nunca é tão simples assim. A vitamina D pode ter algum papel na seu aparecimento, mas sozinha não explica tudo.

  • Marcelo

    Boa Tarde Pedro, Como colega e Nefrologista também formado pela UFRJ, gostaria de parabenizá-lo pelo grande serviço prestado à todos que tem a oportunidade de consultar seu site. Por diversas vezes consultei e me impressionei com a qualidade das informações nele contida.