12 de fevereiro de 2014

DPOC | Enfisema pulmonar e bronquite crônica

A doença pulmonar obstrutiva crônica, ou simplesmente DPOC, é termo usado para um grupo de doenças pulmonares caracterizado por obstrução crônica das vias aéreas dentro dos pulmões. Dentro deste grupo, duas doenças se destacam por serem responsáveis por quase todos os casos de DPOC na prática médica:

Publicidade

– Bronquite crônica.
– Enfisema pulmonar.

Para se entender o que é a doença pulmonar obstrutiva crônica é preciso primeiro ter noções básicas da anatomia e do funcionamento dos pulmões.

Quando inspiramos, o ar entra pela nossas vias aéreas superiores e chega à traqueia. Esta bifurca-se, formando os brônquios principais, cada um indo em direção a um pulmão. Conforme avançam para o interior dos pulmões, os brônquios se ramificam em segmentos menores, chamados de bronquíolos, que, por sua vez, terminam nos alvéolos.

Os alvéolos são microestruturas em forma de sacos, altamente vascularizadas, responsáveis pelas trocas gasosas. O sangue que chega aos alvéolos recebe o oxigênio inspirado e entrega de volta gás carbônico para ser exalado na expiração.

Pulmão

Definição de DPOC

A doença pulmonar obstrutiva crônica caracteriza-se por uma limitação da passagem de ar pelas vias respiratórias dentro dos pulmões, principalmente durante a expiração. O ar consegue entrar, mas apresenta dificuldade para sair, ficando preso dentro dos pulmões. Este aprisionamento do ar ocorre pela destruição do tecido pulmonar e perda da elasticidade dos bronquíolos e alvéolos, que acabam por colapsar durante a fase expiratória do ciclo respiratório. A destruição dos bronquíolos e alvéolos também é responsável pela perda de capacidade do pulmão em realizar as trocas gasosas, fazendo com que o paciente não consiga aproveitar o oxigênio respirado, nem expelir adequadamente o gás carbônico (CO2) produzido.

A DPOC costuma ser um doença progressiva causada por uma resposta inflamatória anormal dos tecidos pulmonares após exposição crônica a partículas ou gases nocivos, como o fumo, por exemplo. Cerca de 20% dos fumantes desenvolvem DPOC. Outras causas mais raras de DPOC incluem doenças genéticas como deficiência de alfa-1-antitripsina, exposição crônica a poeira tóxica como nos casos de mineração de carvão, fumaça de soldagem ou fumaça de fogo.

Leia também:

Ao contrário dos quadros de asma comum cuja obstrução só existe durante os períodos de crise, a obstrução do DPOC é constante e irreversível. Bronquite é um termo que significa inflamação dos brônquios. Na asma, a bronquite é aguda e reversível. No DPOC ela é crônica e permanente. Porém, é muito comum esses doentes apresentarem episódios de asma sobrepostos a sua doença, ou seja, uma bronquite aguda em cima de uma quadro de bronquite crônica.

Bronquíolo normal x bronquíolo na DPOC

a) Bronquite crônica

Na bronquite crônica a lesão pulmonar se localiza nos brônquios e bronquíolos, tornando-os cronicamente inflamados, espessos e com constante produção de muco. O paciente com bronquite crônica apresenta além dos sintomas de falta de ar e cansaço, um quadro de tosse crônica com expectoração.

b) Enfisema pulmonar

O enfisema se caracteriza pela destruição e alargamento dos bronquíolos terminais e alvéolos, que perdem sua elasticidade e favorecem o aprisionamento do ar dentro dos pulmões. No enfisema notamos uma hiperinsuflação mantida dos pulmões devido ao ar que nunca sai por completo.

Na prática clínica o que encontramos, na verdade, é um sobreposição entre as duas doenças. O doente com DPOC pode ter um quadro com mais características de bronquite crônica, mas apresenta sempre algum grau de destruição dos alvéolos e hiperinsuflação. O mesmo ocorre no enfisema, que costuma ter também algum grau de produção de muco e tosse crônica. Por isso, o termo DPOC é mais adequado para definir a doença destes pacientes.

Sintomas do DPOC

A maioria dos pacientes que desenvolvem DPOC apresentam um histórico de fumo prolongado, pelo menos 1 maço de cigarros por dia durante 20 anos (leia: COMO E POR QUE PARAR DE FUMAR CIGARRO).

A doença começa normalmente a se manifestar após os 40 anos de idade. O primeiro sintoma perceptível costuma ser tosse matinal com expectoração. Porém, um sinal que costuma passar despercebido pelo paciente e seus familiares é o sedentarismo progressivo. Devido ao cansaço e a falta de ar que os esforços começam a produzir, o paciente vai progressivamente limitando suas atividades diárias, até o ponto em que, depois de alguns anos, a doença está tão avançada que mesmo em repouso sente-se cansado e com falta de ar. Como o DPOC acomete pessoas mais velhas, o cansaço e a falta de ar aos esforços são normalmente atribuídos ao envelhecimento e ao cigarro, não despertando muita atenção inicialmente (leia: FALTA DE AR (DISPNEIA))

Conforme a doença progride, a tosse e a expectoração começam a ficar cada vez mais frequentes. A falta de ar tornar-se limitante. A produção de muco e a destruição dos tecidos pulmonares favorecem o aparecimento de infecções, como pneumonia (leia: SINTOMAS DA PNEUMONIA). O broncoespasmo (chiado no peito) começa a ocorrer com frequência.

Dependendo do tipo de DPOC predominante (bronquite crônica ou enfisema), o paciente costuma apresentar duas aparências distintas.

– O enfisematoso é muito magro, desnutrido, com a caixa torácica aumentada, chamada de tórax em barril. É um doente com importante hiperinsuflação do pulmão e dificuldade para pôr o ar para fora, respirando como se estivesse sempre assoprando.

– O bronquítico crônico costuma ser mais para o obeso, cianótico (tom arroxeado da pele por falta de oxigenação adequada), com tosse frequente e grande produção de catarro.

Mais uma vez é bom lembrar que estamos falando em extremos de um espectro de manifestações clínicas que podem ocorrer na DPOC. A maioria dos doentes apresenta um pouco de cada uma das figuras acima.

Conforme a DPOC progride, outras doenças podem surgir como complicações. As mais comuns são:

– Depressão.
– Insuficiência cardíaca (leia: INSUFICIÊNCIA CARDÍACA – CAUSAS E SINTOMAS).
– Osteoporose (leia: OSTEOPOROSE – SINTOMAS E TRATAMENTO).
– Hipertensão pulmonar.
– Pneumotórax (leia: O QUE É UM PNEUMOTÓRAX?).
– Câncer de pulmão.
– Anemia (leia: ANEMIA – CAUSAS E SINTOMAS).

Diagnóstico da DPOC

Conforme a DPOC destrói o tecido pulmonar e dificulta a eliminação do ar respirado, além da hiperinsuflação, bolhas de ar começam a se formar dentro dos pulmões, podendo ser facilmente identificados na radiografia de tórax ou tomografia computadorizada (TC) do pulmão, como indicado nas setas azuis abaixo.

 TC - DPOC

TC – DPOC

Espirometria

Espirometria

Outro exame útil na avaliação da DPOC é a gasometria arterial, uma simples análise do sangue arterial que fornece os valores de oxigênio e gás carbônico (CO2) circulantes. Como já referido, pacientes com DPOC apresentam oxigenação baixa e elevada retenção de CO2.

Porém, o melhor exame para o diagnóstico da DPOC é a espirometria, também chamada de prova de função pulmonar. Neste exame o paciente respira através de um pequeno tubo enquanto um computador registra vários parâmetros respiratórios que servem para o diagnóstico das doenças pulmonares. A espirometria consegue detectar a DPOC em estágios iniciais, mesmo antes do paciente notar sintomas.

Tratamento da DPOC

A DPOC não tem cura, costuma ser uma doença progressiva e é fatal em casos avançados. Portanto, ainda que haja tratamento visando retardar sua progressão, a única atitude realmente eficaz é a prevenção, ou seja, NÃO FUMAR.

Uma vez que o paciente já tenha DPOC, o fator individual que mais ajuda a desacelerar a doença é parar de fumar imediatamente.

A terapia medicamentosa visa principalmente aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida. Broncodilatadores inalatórios como salbuterol, formoterol, ipratrópio e tiotrópio, entre outros, ajudam a diminuir a obstrução dos brônquios temporariamente, facilitando o fluxo de ar dentro das vias respiratórias.

Durante períodos de exacerbação da doença, como há grande inflamação das vias aéreas, o uso de corticóides por via oral ou venosa durante alguns dias é importante para ajudar na reversão da crise (leia: INDICAÇÕES E EFEITOS DA PREDNISONA E CORTICÓIDES). Fora das crises os corticóides só estão indicados naqueles casos com pouca resposta aos broncodilatadores, e mesmo assim, são administrados apenas por via inalatória.

Quando as exacerbações são causadas por infecções, o uso de antibióticos é imprescindível. A vacinação contra gripe e contra o pneumococo (bactéria que mais causa pneumonia) são importantes para diminuir a incidência de complicações respiratórias.

Exercícios de reabilitação pulmonar são importantes por melhorarem a qualidade de vida e reduzirem o número de internações hospitalares.

Nos casos mais avançados, quando o paciente já apresenta hipoxemia (baixa de oxigênio no sangue) persistente, o uso de oxigênio suplementar está indicado. A quantidade e o período em que o paciente deve ficar com oxigênio suplementar é decisão médica, podendo ser indicado apenas ao dormir, durante esforços ou ininterruptamente nos casos mais graves.

Pacientes com DPOC devem evitar viagens de avião sem consentimento médico devido a baixa concentração de oxigênio dentro das cabines (leia: PROBLEMAS DE SAÚDE EM VIAGENS DE AVIÃO). Nestes casos o uso de oxigênio pode ser necessário mesmo para aqueles que não apresentam hipoxemia relevante ao nível do mar.

Quando as bolhas de ar tornam-se muito grande e passam a comprimir os pulmões, pode-se indicar cirurgia para removê-las.

Casos terminais podem ser tratados com transplante pulmonar, se o paciente apresentar condições clínicas para tal.

Publicidade
Publicidade
  • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD. Saúde

    Berotec só serve se também houver broncospasmo.

  • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD. Saúde

    Berotec só serve se também houver broncospasmo.

  • joao

    quem tem derrame pleural pode usar berotec para aliviar .

  • Cibele Oliveira

    Muito bom!
    Estava com dúvida sobre quais eram as diferenças de bronquite crônica e enfisema pulmonar. Agora ficou tudo esclarecido.
    Me ajudou bastante!!!! Obrigada, está de parabéns!

  • Jessika Alves

    Olá Dr. Pedro. O que significa estrias esparsas pelo parênquima pulmonar bilateral de aspecto fibroatectasio. Espessamento da pele e densificação do subcutâneo na região axilar.

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      São fibroses, ou seja, cicatrizes de algum processo inflamatório atual ou antigo.

  • Kawanne

    Semplesmente perfeito, muito obrigado me ajudou, linguagem clara e fácil de entender, Parabéns !

  • Rafael Gomes

    Olá, Dr. Pedro. É possível um jovem sem deficiência da enzima alfa 1 antitripsina desenvolver DPOC abaixo dos 20 anos?

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Sim.

      • Rafael Gomes

        Quais situações poderiam levar à isso? Obrigado pela resposta!

        • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

          Os pacientes com a forma genética mais grave, se forem tabagistas desde muito cedo, podem ter um risco mais elevado de DPOC precoce. Em geral, porém, nos pacientes com menos de 30 anos o fígado costuma ser uma preocupação maior que o pulmão.

        • Rafael Gomes

          Muito obrigado, Dr. Pedro! Parabéns pelo site! Um abraço.

  • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

    Pneumologista é o especialista em doenças do pulmão.

  • patricia

    minha mae tem alguns sintomas de dpoc que especialista devo procurar ?e quais exames devo pedir ?

  • Celiane

    Dr. Pedro e a enfisema envolve lesoes bacterianas no pulmao cercadas por tecido cicatrizado?

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Essa não é a lesão do enfisema. Isso indica apenas que há uma infecção nesta região.

  • rosi

    Dr. Pedro boa tarde, apresentou no meu exame de TC de tórax, pequenas estrias fibroatelectásicas de aspecto residual nos ápices pulmonares, isso tem cura? obrigada.

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Isso é cicatriz.

  • http://www.blogger.com/profile/07948507723271517173 Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

    Realmente eu ainda não escrevi especificamente sobre esse assunto. Sugestão anotada.

  • Diego Vitor

    Bom dia, Dr.
    Procurei no site rapidamente e não encontrei sobre atelectasias. Já existe uma postagem com o tema? Se não, não achas que é uma boa pedida?
    Att.

  • Diego Vitor

    Bom dia, Dr.
    Procurei no site rapidamente e não encontrei sobre atelectasias. Já existe uma postagem com o tema? Se não, não achas que é uma boa pedida?
    Att.

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Realmente eu ainda não escrevi especificamente sobre esse assunto. Sugestão anotada.

  • http://profile.yahoo.com/7B5SLGFOVBHFJ3CTH2ILIJ7MOM Fabi

    Gente!!!! Tudo relacionado acima foi bem explicadinho… mas por favor! Se vc tem um parente ou conhecido e quer ajudá-lo, aja rápido, bem rápido, pq é a pior doença dos tempos, pior que HIV, e Dr. francamente, pelo menos as pessoas que já sofrem de dpoc, responda mais claramente responda com mais respeito. Difícil afirmar… relação direta… isso não é resposta, o mínimo peça que procurem um especialista rápido. Vc Wellyta_lima O2 a 3L é mto grave, as dores tem relação sim, está forçando o músculo do abdomen para respirar a fisioterapia vai amenizar, e Anjosrodrigues o alenia é só o começo, claro que não podemos prever nada e cada um reage de um jeito, a medicina é biológica e não exatas, primeiro passo é entender a doença, pesquise, informe, procurem especialistas (pneumologia), promovam a pessoa doente uma alimentação mais saudável, profissionais como psicologo e fisioterapia é mto importante, não os procurem quando a doença estiver mais avançada, de ao paciente antes, e acima de qualquer coisa carinho e atenção, principalmente quando a doença está avançando. Sou filha de um pai com DPOC IV já no CTI entubado, lutando pra viver, fumou por mais de 30 anos parou a 10, no último estagio da doença estamos firmes, seu coração está a mil por hora pra continuar vivo, e as visitas diárias está fazendo ele lutar pela vida. Só quero que os doutores que juraram pela vida, pratiquem vida, doem mais atenção, não vistam de branco simplesmente.

  • Ieroshua

    Quais os valores na espirometria confirmam o DPOC?

  • Vanderlei Silverio

    qual exame pode ser feito para o diagnostico da bronquite

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      O mais habitual é a espirometria.

  • Helenavasconcelos

    dr.meu marido tem 73 anos e apareceu esse problema,ele já passou mal,fez vários exames e os primeiros diagnosticaram enfisema pulmonar,tomou alguns remédios e melhorou.depois piorou fez outros exames e não deu nada,não fumava porém desde novo sempre trabalhou com carvão a forno.
    agora a tosse piorou e segundo ele seu pulmão chia e tem dificuldades para dormir.
    por favor ajude-me com nomes de remédios pois aqui os médicos não sabem mais o que passar.ele estava tomando AMBROXISOL E SERETIDE

  • Paulo Ramos

    Prezados,

    Somos produtores de CARNE DE RÃ gostaríamos de
    disponibilizar nossos produtos para seus pacientes que necessitem do mesmo e
    não conseguem encontrá-lo. Produto registrado na secr. de Agricultura sob nº
    1018, entregamos em domicílio.

    Ranários Lagoa Azul

    Abatedouro e Frigorífico Rei das
    Rãs

    Contato: (21) 7847-3898 – ID 81 *
    42040 – Nextel

                     (21) 9984-0957 – Vivo

                     (21) 8309-1141 – Tim

     
     

  • Dario Nicolau Sobrinho

    Muito bom a matéria,aproveito para pedir a todos que vierem a ler o artigo que se fumam,parem. Eu fumei por 42 anos,hoje sofro com  o efisema que esta se desenvolvendo dentro de mim,sou um homen de boa apar^necia ,inteligente privilegiado geneticamente e poderia ver até os cem anos,mas por causa do cigarro consegui  reverter tudo isso.

  • http://www.blogger.com/profile/07948507723271517173 Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

    Difícil afirmar.

  • Falsousa

    Muito bom, estou estudando isso, acrescentou bastante no meu conhecimento. Obrigada

  • Dario Nicolau Sobrinho

    Muito bom a matéria,aproveito para pedir a todos que vierem a ler o artigo que se fumam,parem. Eu fumei por 42 anos,hoje sofro com  o efisema que esta se desenvolvendo dentro de mim,sou um homen de boa apar^necia ,inteligente privilegiado geneticamente e poderia ver até os cem anos,mas por causa do cigarro consegui  reverter tudo isso.

    • VINICIUS_MATHEUS99

      meu nome é Vinicius sou um estudante tenho 12 anos,estou na 7 série e estou estudando sobre isso e quero que saibam que fumar qual quer tipo de droga faz mal prqm com isso.

  • Luis

    estou com essa doença e agora vou tratar e parar de fumar

  • Luis

    estou com essa doença e agora vou tratar e parar de fumar

  • thiago

    Tenho 27 anos fumo des dos 15 fui ao medico ele disse disse que tenho um pequeno efisema pulmonar gostaria de saber se com a minha idade é ainda pior ter essa doença,imagino quando estiver com 50 anos como vou estar se agora ja esta dificil mesmo sendo pequeno

  • thiago

    Tenho 27 anos fumo des dos 15 fui ao medico ele disse disse que tenho um pequeno efisema pulmonar gostaria de saber se com a minha idade é ainda pior ter essa doença,imagino quando estiver com 50 anos como vou estar se agora ja esta dificil mesmo sendo pequeno

  • Alexandre Zapparoli

    Boa noite!
    Meu nome é Alexandre e gostaria de tirar uma dúvida.
    Meu pai tem enfisema e quando fica resfriado fica muito complicada a sua situação, fomos ao médico e ele indicou inalação com Berotec e outro medicamente, meu pai passou mal e o médico disse para fazer inalação somente com o soro,porém ele passou mal novamente.
    Acredito que seja psicológico que leva ele fica nervoso e piora sua situação quando faz inalação.
    Gostaria de saber se existe outro tipo de tratamento que não a inalação?
    Desde já agradeço
    Alexandre

  • Alexandre Zapparoli

    Boa noite!
    Meu nome é Alexandre e gostaria de tirar uma dúvida.
    Meu pai tem enfisema e quando fica resfriado fica muito complicada a sua situação, fomos ao médico e ele indicou inalação com Berotec e outro medicamente, meu pai passou mal e o médico disse para fazer inalação somente com o soro,porém ele passou mal novamente.
    Acredito que seja psicológico que leva ele fica nervoso e piora sua situação quando faz inalação.
    Gostaria de saber se existe outro tipo de tratamento que não a inalação?
    Desde já agradeço
    Alexandre

  • Maria José – Portugal

    Boa noite.

    Gostava de colocar as seguintes questões:

    1/ O texto refere que a espirometria consegue detectar a DPOC em estágios iniciais, mesmo antes do paciente notar sintomas. Nesse caso, e com tratamento adequeado, pode ter cura?

    2/ Há alguma possibiliade de a espirometria detectar DPOC e na verdade ser outra doença?

    3/ Por que razão existem pessoas que fumaram toda a vida e chegam aos 80 anos continuando a fumar e sem DPOC ou pelo menos sem sintomas como falta de ar e outras que apresentam os sintomas de falta de ar logo aos 50 anos?

    4/ “Pesquisadores do IMC (Instituto de Moléstias Cardiovasculares), de São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, e da Universidade Estadual Paulista (Unesp) – campus de Assis – anunciaram nesta terça-feira a realização de uma terapia com a aplicação de células-tronco adultas para tratamento da Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), o enfisema pulmonar, em pacientes que adquiriram a doença com o cigarro. A terapia, que é totalmente financiada pelo IMC, é inédita no País e no mundo, algo semelhante, com outros tipos de cultura de células e outros grupos de pacientes, está sendo feito nos Estados Unidos e no Rio.”

    in http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI3964250-EI8147,00.html

    Esta notícia data de Set 2009, saberá o Sr. Dr.informar sobre os resultados actuais desse estudo?

    Agradecida pela atenção.

    MJ

  • paulo roberto magalhaes

    dr.bom dia gostaria de saber,estou sentindo muita dor ao urinar,nunca senti isto,ja fiz exame de urina eas em 26/03/2012 e nada acusou,tambem ja fiz exame da prostata toque e sangue tudo normal,mas de sextafeira  passada conecei a sentir hma leve dor e que agora realmente esta doendo muito.agradeço vossa resposta e atenção gostaria que o sr me respondesse para meu email ok
    robertomagalhaespaulo@yahoo paulo roberto magalhaes.com.br,muito obrogado por tudo e tenha um bom dia,

  • Falsousa

    Muito bom, estou estudando isso, acrescentou bastante no meu conhecimento. Obrigada

  • Anjosrodrigues

    o meu marido foi diagnosticado com Efisema  pulmonar pois o exame de expirometria dele naõ passa do numero 2.diagnostico disturbio ventilatorio obstrutivo grave com CVF reduzida. sem resposta ao broncodilatador.A médica passou um remédio por nome de ALENIA e só. E disse que tem que tomar remédio por resto da vida dele ,mas quanto ele tem de vida se ela disse que tem apenas um quarto do pulmão apenas com um Rx eo exame do sopro da pra dar um diagnostico  tão gave assim(ele não é fumante) trabalha muitos anos de moto boy será que foi a poluiçao  que acabou com seu pulmão devido já ser asmatico?

    • https://plus.google.com/113288925849694682313 Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Difícil afirmar.

  • http://www.blogger.com/profile/07948507723271517173 Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

    Não há uma relação direta.

  • Wellyta_lima

    Olá… otimo o artigo, mas poderia me explicar se as dores abdominais estão relacionada com o enfisema? Meu avô faz uso de oxigenio terapia 3L/min em media 16 hrs diarias, mas esta tendo fortes dores abdmonias e se queixa de gases, esta sendo internado com frequencia pelas dores, poderia me esclarecer melhor!?

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Não há uma relação direta.

  • Bandafervocarioca

    obrigado dr. bem explicado.

  • Anonymous

    boa noite a materia sobre dpoc fico muito boa mesmo !!!parabens!!

  • Anonymous

    boa tarde a todos adore esse texto
    me ajudou muito no meu trabalho parabens

  • http://www.blogger.com/profile/07948507723271517173 Dr. Pedro Pinheiro

    @Jorge
    Sim, em fases avançadas a DPOC pode levar ao óbito.

  • Jorge

    Dr, DPOC pode matar? isto é, um paciente com DPOC pode morrer da doença ou morre de outras complicações?

  • Anonymous

    Mais um excelente texto dr. parabens.
    Rodrigo, MA