CLAMÍDIA – Sintomas, Transmissão e Tratamento

Conheça os sintomas e o tratamento da clamídia, a DST mais comum em todo o mundo e a principal causa de doença inflamatória pélvica.

87

A clamídia é a doença sexualmente transmissível mais comum no mundo. O paciente infectado por clamídia costuma não desenvolver sintomas, mas quando o faz, o quadro clínico é muito parecido com o da gonorreia, sendo impossível distingui-las apenas pelos sintomas.

Neste texto vamos abordar os seguintes pontos sobre a clamídia:

  • O que é Chlamydia trachomatis.
  • Sinais e sintomas mais comuns.
  • Complicações possíveis.
  • Linfogranuloma venéreo.
  • Como é feito o diagnóstico.
  • Formas de tratamento.

Se você procura informações sobre gonorreia, o seu texto é este: GONORREIA – Sintomas e Tratamento.
Para saber mais sobre as principais doenças sexualmente transmissíveis, leia: O QUE É DST?

O que é clamídia?

A clamídia é uma doença sexualmente transmissível, causada por uma bactéria chamada Chlamydia trachomatis. Nem todas as pessoas contaminadas com clamídia apresentam sintomas, podendo a infecção passar despercebida por muitos anos. Os pacientes com clamídia assintomática tornam-se fontes de contaminação permanentes, motivo pelo qual a clamídia é a DST mais comum no mundo. Quem transmite clamídia pode não saber que está contaminado e quem se contaminou pode não saber de quem pegou.

Estima-se que 5% da população adulta e 10% da população adolescente sexualmente ativa estejam contaminados com a Chlamydia trachomatis. A infecção por clamídia é mais comum em jovens, pessoas que tenham tido  múltiplos parceiros (as)  nos últimos anos ou pessoas que não costumam usar camisinha durante as relações sexuais (leia: CAMISINHA | Eficácia e instruções de uso).

Formas de Transmissão

A Chlamydia trachomatis pode ser transmitida por duas maneiras: pela via sexual (anal, vaginal ou oral) ou de mãe para filho, durante a passagem do bebê pelo canal vaginal na hora do parto.

Assim como na gonorreia, nos adultos e adolescentes a transmissão é exclusivamente por via sexual. Não se pega clamídia em banheiros ou piscinas públicas. O beijo também não é uma forma de transmissão da clamídia.

A transmissão através de toalhas ou roupas íntimas ainda não foi comprovada, mas ela é teoricamente possível caso haja contato com secreções contaminadas frescas. Por exemplo, se uma mulher com corrimento vaginal contamina uma toalha e outra pessoa imediatamente a usa para secar suas partes íntimas, é possível haver transmissão. Isso, porém, é uma situação muito hipotética, e o que vemos na prática é a via sexual como única forma relevante de transmissão desta DST entre adultos.

A contaminação dos olhos pela clamídia pode ocorrer se as mãos estiverem contaminadas com secreções vaginais e o indivíduo coçar os olhos sem lavá-las antes.

Sintomas da clamídia

Como já foi referido, a maioria dos pacientes que se contaminam com clamídia não apresenta sinais da doença. Nas mulheres apenas 10% desenvolvem sintomas; nos homens, o número é um pouco maior, ao redor dos 30%. Entretanto, é bom destacar que mesmo sem sintomas, o paciente contaminado é capaz de transmitir a doença para seus parceiros ou parceiras.

Nos pacientes que desenvolvem sintomas, os mesmos costumam surgir entre 1 e 3 semanas após a contaminação.

Nas mulheres, os principais sintomas da Chlamydia trachomatis são:

No homens, os sintomas mais comuns de clamídia incluem:

  • Ardência ou dor ao urinar.
  • Saída de corrimento purulento pela uretra.
  • Dor nos testículos (leia: DOR NOS TESTÍCULOS | Principais causas).
  • Inchaço do saco escrotal.
  • Proctite (inflamação do ânus que ocorre em homens homossexuais passivos).

A faringite por Chlamydia trachomatis é uma quadro incomum, mas pode surgir se a via de transmissão for o sexo oral.

Complicações

As complicações da infecção pela Chlamydia trachomatis costumam ocorrer nos pacientes com poucos ou nenhum sintoma, que por isso mesmo, acabam não procurando tratamento médico.

A principal complicação da infecção por clamídia nas mulheres é progressão da bactéria em direção ao útero, trompas e ovários, provocando uma grave infecção conhecida como doença inflamatória pélvica (DIP). Cerca de 10 a 15% das mulheres infectadas com a Chlamydia trachomatis desenvolvem DIP (leia: DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA – Causas, Sintomas e Tratamento).

Infertilidade também é uma complicação comum da clamídia não tratada e ocorre por lesão das trompas e/ou do útero por infecção prolongada.

As mulheres com infecção por Chlamydia trachomatis (especialmente a causada por sorotipo G) apresentam 6 vezes mais riscos para o desenvolvimento de câncer do colo do útero.

Nas grávidas, infecções por clamídia podem levar a parto prematuro. Bebês que nascem de mães infectadas podem se infectar e desenvolver complicações precoces. A clamídia é uma das principais causas de pneumonia e conjuntivite em recém-nascidos.

Nos homens a complicação mais comum é a prostatite, infecção da próstata (leia: PROSTATITE | Sintomas e tratamento). Infecção do epidídimo, localizado acima dos testículos, também pode ocorrer.

Linfogranuloma venéreo

Existem alguns sorotipos da Chlamydia trachomatis, chamados de L1, L2 e L3, que são capazes de apresentar uma doença chamada linfogranuloma venéreo, um quadro diferente da infecção clássica pela clamídia.

No linfogranuloma venéreo, a infecção inicial é caracterizada por um pequeno nódulo, que se rompe e forma uma úlcera genital. Duas a seis semanas mais tarde a infecção estende-se para os nódulos linfáticos regionais, ou seja, para os gânglios da virilha. O paciente apresenta um ou mais gânglios inflamados e aumentados, chamados de bubões. Estes bubões podem romper-se, drenando grande quantidade de pus.

COmo é feito o Diagnóstico

Pesquisa de clamídia
Pesquisa de Chlamydia trachomatis

O exame para identificar a clamídia é feito através da urina ou por amostra de material colhido com um cotonete na vagina, colo do útero ou na uretra. Os resultados estão geralmente disponíveis no prazo de 24-48 horas.

Muitos médicos solicitam a sorologia para pesquisa dos anticorpos IgM e IgG contra a clamídia, mas esse exame, apesar de útil, não é o mais confiável. Se for possível, a pesquisa da Chlamydia trachomatis deve ser feita por uma técnica chamada PCR, que procura a presença do DNA da clamídia nas secreções vaginais. Nos homens, essa pesquisa do DNA pode ser feita na urina.

Tratamento da Chlamydia trachomatis

O tratamento da clamídia é simples, sendo feito com administração de antibióticos. A Azitromicina em dose única de 1 grama é o antibiótico mais prescrito. O paciente infectado deve ficar por pelo menos 7 dias sem atividade sexual após o início do tratamento (leia: AZITROMICINA – Indicações, Doses e Efeitos Colaterais).

Uma alternativa à azitromicina é a Doxiciclina por 7 dias. Nos pacientes com linfogranuloma venéreo ou infecção anal pela clamídia, o regime com doxiciclina é o mais indicado.

Como o quadro clínico da clamídia pode ser muito parecido com o da gonorreia, é comum o médico prescrever um tratamento que atue sobre as duas bactérias. Geralmente associa-se ceftriaxona com a azitromicina

Todos os parceiros (as) do paciente infectado devem ser testados e se necessário, tratados para clamídia, mesmo que não apresentem sintomas.

É possível se contaminar com o Chlamydia trachomatis por mais de uma vez. O fato de já ter tido uma infecção por clamídia anteriormente não confere imunidade.

VEJA OUTROS ARTIGOS SEMELHANTES