Clamídia – DST pela bactéria Chlamydia trachomatis

Conheça os sintomas e o tratamento da clamídia, a DST mais comum em todo o mundo e a principal causa de doença inflamatória pélvica.

A clamídia é a doença sexualmente transmissível mais comum no mundo. A maioria dos pacientes infectados por essa bactéria não costuma desenvolver sintomas, mas quando isso ocorre, o quadro clínico é muito parecido com o da gonorreia, sendo impossível distingui-las apenas pelos sintomas.

Como a clamídia é uma infecção transmitida através de relações sexuais, a forma mais eficaz de preveni-la é com sexo seguro, através do uso de camisinha.

Neste texto vamos abordar os seguintes pontos sobre a clamídia:

  • O que é Chlamydia trachomatis.
  • Sinais e sintomas mais comuns.
  • Complicações possíveis.
  • Linfogranuloma venéreo.
  • Como é feito o diagnóstico.
  • Formas de tratamento.

Se você procura informações sobre gonorreia, o seu texto é este: GONORREIA – Sintomas e Tratamento.
Para saber mais sobre as principais doenças sexualmente transmissíveis, leia: O QUE É DST?

O que é clamídia?

A clamídia é uma doença sexualmente transmissível, causada por uma bactéria chamada Chlamydia trachomatis. Nem todas as pessoas contaminadas com clamídia apresentam sintomas, podendo a infecção passar despercebida por muitos anos. Os pacientes com clamídia assintomática tornam-se fontes de contaminação permanentes, motivo pelo qual a clamídia é a DST mais comum no mundo. Quem transmite clamídia pode não saber que está contaminado e quem se contaminou pode não saber de quem pegou.

Estima-se que 5% da população adulta e 10% da população adolescente sexualmente ativa estejam contaminados com a Chlamydia trachomatis. A infecção por clamídia é mais comum em jovens, pessoas que tenham tido  múltiplos parceiros (as)  nos últimos anos ou pessoas que não costumam usar camisinha durante as relações sexuais (leia: CAMISINHA | Eficácia e instruções de uso).

Formas de Transmissão

A Chlamydia trachomatis pode ser transmitida por duas maneiras: pela via sexual (anal, vaginal ou oral) ou de mãe para filho, durante a passagem do bebê pelo canal vaginal na hora do parto.

Assim como na gonorreia, nos adultos e adolescentes a transmissão é exclusivamente por via sexual. Não se pega clamídia em banheiros ou piscinas públicas. O beijo também não é uma forma de transmissão da clamídia.

A transmissão através de toalhas ou roupas íntimas ainda não foi comprovada, mas ela é teoricamente possível caso haja contato com secreções contaminadas frescas. Por exemplo, se uma mulher com corrimento vaginal contamina uma toalha e outra pessoa imediatamente a usa para secar suas partes íntimas, é possível haver transmissão. Isso, porém, é uma situação muito hipotética, e o que vemos na prática é a via sexual como única forma relevante de transmissão desta DST entre adultos.

A contaminação dos olhos pela clamídia pode ocorrer se as mãos estiverem contaminadas com secreções vaginais e o indivíduo coçar os olhos sem lavá-las antes.

Sintomas da clamídia

Como já foi referido, a maioria dos pacientes que se contaminam com clamídia não apresenta sinais da doença. Nas mulheres apenas 10% desenvolvem sintomas; nos homens, o número é um pouco maior, ao redor dos 30%. Entretanto, é bom destacar que mesmo sem sintomas, o paciente contaminado é capaz de transmitir a doença para seus parceiros ou parceiras.

Nos pacientes que desenvolvem sintomas, os mesmos costumam surgir entre 1 e 3 semanas após a contaminação.

Nas mulheres, os principais sintomas da Chlamydia trachomatis são:

No homens, os sintomas mais comuns de clamídia incluem:

  • Ardência ou dor ao urinar.
  • Saída de corrimento purulento pela uretra.
  • Dor nos testículos (leia: DOR NOS TESTÍCULOS | Principais causas).
  • Inchaço do saco escrotal.
  • Proctite (inflamação do ânus que ocorre em homens homossexuais passivos).

A faringite por Chlamydia trachomatis é uma quadro incomum, mas pode surgir se a via de transmissão for o sexo oral.

Complicações

As complicações da infecção pela Chlamydia trachomatis costumam ocorrer nos pacientes com poucos ou nenhum sintoma, que por isso mesmo, acabam não procurando tratamento médico.

A principal complicação da infecção por clamídia nas mulheres é progressão da bactéria em direção ao útero, trompas e ovários, provocando uma grave infecção conhecida como doença inflamatória pélvica (DIP). Cerca de 10 a 15% das mulheres infectadas com a Chlamydia trachomatis desenvolvem DIP (leia: DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA – Causas, Sintomas e Tratamento).

Infertilidade também é uma complicação comum da clamídia não tratada e ocorre por lesão das trompas e/ou do útero por infecção prolongada.

As mulheres com infecção por Chlamydia trachomatis (especialmente a causada por sorotipo G) apresentam 6 vezes mais riscos para o desenvolvimento de câncer do colo do útero.

Nas grávidas, infecções por clamídia podem levar a parto prematuro. Bebês que nascem de mães infectadas podem se infectar e desenvolver complicações precoces. A clamídia é uma das principais causas de pneumonia e conjuntivite em recém-nascidos.

Nos homens a complicação mais comum é a prostatite, infecção da próstata (leia: PROSTATITE | Sintomas e tratamento). Infecção do epidídimo, localizado acima dos testículos, também pode ocorrer.

Linfogranuloma venéreo

Existem alguns sorotipos da Chlamydia trachomatis, chamados de L1, L2 e L3, que são capazes de apresentar uma doença chamada linfogranuloma venéreo, um quadro diferente da infecção clássica pela clamídia.

No linfogranuloma venéreo, a infecção inicial é caracterizada por um pequeno nódulo, que se rompe e forma uma úlcera genital. Duas a seis semanas mais tarde a infecção estende-se para os nódulos linfáticos regionais, ou seja, para os gânglios da virilha. O paciente apresenta um ou mais gânglios inflamados e aumentados, chamados de bubões. Estes bubões podem romper-se, drenando grande quantidade de pus.

Como é feito o diagnóstico

O exame para identificar a clamídia é feito através da urina ou por amostra de material colhido com um cotonete na vagina, colo do útero ou na uretra. Os resultados estão geralmente disponíveis no prazo de 24-48 horas.

Muitos médicos solicitam a sorologia para pesquisa dos anticorpos IgM e IgG contra a clamídia, mas esse exame, apesar de útil, não é o mais confiável. Se for possível, a pesquisa da Chlamydia trachomatis deve ser feita por uma técnica chamada PCR, que procura a presença do DNA da clamídia nas secreções vaginais. Nos homens, essa pesquisa do DNA pode ser feita na urina.

Tratamento da Chlamydia trachomatis

O tratamento da clamídia é simples, sendo feito com administração de antibióticos. A Azitromicina em dose única de 1 grama é o antibiótico mais prescrito. O paciente infectado deve ficar por pelo menos 7 dias sem atividade sexual após o início do tratamento (leia: AZITROMICINA – Indicações, Doses e Efeitos Colaterais).

Uma alternativa à azitromicina é a Doxiciclina por 7 dias. Nos pacientes com linfogranuloma venéreo ou infecção anal pela clamídia, o regime com doxiciclina é o mais indicado.

Como o quadro clínico da clamídia pode ser muito parecido com o da gonorreia, é comum o médico prescrever um tratamento que atue sobre as duas bactérias. Geralmente associa-se ceftriaxona com a azitromicina

Todos os parceiros (as) do paciente infectado devem ser testados e se necessário, tratados para clamídia, mesmo que não apresentem sintomas.

É possível se contaminar com o Chlamydia trachomatis por mais de uma vez. O fato de já ter tido uma infecção por clamídia anteriormente não confere imunidade.

VEJA OUTROS ARTIGOS SEMELHANTES

87
Deixe um comentário

avatar
300
Yuri
Visitante
Yuri

Dr Pedro, estou apresentando sinais de Clamídia a 1 semana, e desde ontem comecei a tomar o Doxicilina que vi que serve para Clamídia e Gonorreia tbm (caso seja). Porém eu li aqui no post que o Doxicilina é mais indicado para infecção anal, sou heterosexual e no meu caso os sintomas são apenas no pênis. Você acha que o tratamento apenas com Doxicilina pode resolver o meu caso?

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

Pode, mas não é a melhor opção.

Luciano Oliveira
Visitante
Luciano Oliveira

Essa medicação trimetoprima sulfametoxazol serve para tratar a clamidia?

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

Não é uma boa opção.

Guilherme Passos Silva
Visitante
Guilherme Passos Silva

Bom dia Dr.
É possível descobrir qualquer DST em menos de 24 horas através de exames, até mesmo para aquelas pessoas que acabaram de ser infectadas ?

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

Se já existirem sintomas, como úlceras ou corrimento uretral, sim. Porém, se você se refere 24 horas após a relação sexual que provocou a transmissão, aí a resposta é não.

Luíza
Visitante
Luíza

Dr. Pedro sintomas como corrimento amarelado mau cheiroso, coceira, dor na relação sexual acompanhada de ínguas na virilha que “vazam” sangue e pus pode ser linfogranuloma venéreo ou seria outra dst?

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

O que você descreve parece muito linfogranuloma venéreo.

Laila
Visitante
Laila

Dr. Pedro, gostaria de saber se a clamidia pode ser diagnosticada através do preventivo??

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

Pode, basta o médico colher o material e mandar investigar.

Adriano de carvalho
Visitante
Adriano de carvalho

Boa tarde

Gostaria de saber se durante o tratamento TB n se pode fazer sexo oral?

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

Depende. Pode ser feito sexo oral na genitália que não está doente.

Henrique
Visitante
Henrique

Boa noite
Foi bem explícito no artigo que poucas pessoas apresentam os sintomas da Clamídia. Mas existe a possibilidade de a bactéria ficar incubada por longo período e após isso se manifestar com o corrimento? Ou pode-se interpretar que, se houve corrimento, o contágio foi recente?
Obrigado

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

Pode demorar algumas semanas pros sintomas surgirem, mas não chega a ser vários meses ou até mais de 1 ano.

MersonGamers Gamers e Tutoriai
Visitante
MersonGamers Gamers e Tutoriai

vlw vo tirar nota maxima k vlw mesmo pelas respostasfaceis haha

Sarah Katiane
Visitante
Sarah Katiane

Olá Dr.Pedro é possível ter Clamídia com apenas um parceiro ? tenho relação apenas com meu namorado a dois anos e apresento sintomas é possível ?

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

Sim, basta que o parceiro esteja infectado.

Sarah Katiane
Visitante
Sarah Katiane

Não há outra forma de pegar a doença ? ou alguma parecida mas que não seja sexualmente transmissível ?

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

A transmissão sem ser pela via sexual é muito pouco comum.

Junior
Visitante
Junior

Olá Dr. Pedro tenho algumas perguntas.

01 uma vez feito o tratamento eu ainda serei portador dessa
bactéria? quer dizer, mesmo depois de diagnosticado e tratado ainda posso
transmitir para outra pessoa?

02 Essa é uma DST certo? Mesmo depois do tratamento ainda
posso ter complicações por clamídia?

03 E em caso de concurso publico sendo uma DST clamídia pode
ser motivo de saúde para desclassificação do concurso? Uma vez que no edital
esta previsto como motivo as DST.

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

1- Não, se curou tá curado.

2- Não.

3- Se o edital diz que DST é motivo de desclassificação, sim. Porém, não sei se isso é legal. Além de ser invasão de privacidade, é preciso haver uma justificativa muito boa para discriminar alguém que tenha uma DST.

Junior
Visitante
Junior

Obrigado por responder Dr. Pedro porem ainda fico na duvida
quanto a 3° pergunta…

Uma vez curado não seria mais um problema com que me
preocupar, certo? Sendo assim eu entendo que no máximo com exames daria para
saber que já tive Clamídia, mas não seria mais um problema de saúde porque nessa
situação já estaria curado.

Esse raciocínio esta correto?

Só mais uma pergunta. Qual o tempo mínimo após o tratamento
para ser considerado curato da Clamídia?

Henrique
Visitante
Henrique

Pode-se usar amoxilina + ac clavulanico para tratamento?

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

Não é uma boa escolha.

Aline
Visitante
Aline

Dr. Pedro, qual dos exames apresenta um diagnóstico mais preciso para Clamídia: papanicolau ou exame de sangue? Ou ha outro exame para melhor detectar?

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

O melhor exame para diagnosticar clamídia é a pesquisa do DNA da Clamidia por PCR nas secreções vaginais, que pode ser obtida durante o exame ginecológico.

Tiago
Visitante
Tiago

A uns meses atrás depois de ter tido relações resolvi fazer exames onde o igg para clamidia deu positivo,sei q é um resultado q indica memória mas no entanto eu era virgem e a menina fez exame e deu negativo,como posso ter o igG positivo sem antes nunca ter tido relações e como posso ter me curado sem nunca ter feito tratamento?

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

Pode ser erro laboratorial. A sorologia para Clamídia não é um exame muito confiável. A pesquisa do DNA da C. trachomatis por PCR é muito melhor.

Fernanda
Visitante
Fernanda

Tive um filho há 7anos e meus exames da época não deram nenhuma alteração. Hoje descobri que meu exame para clamídia IgGdeu reagente. Posso acreditar que fui contaminada após minha gravidez? Devo fazer algum exame em meu filho? Fiz uma cesariana.

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

Se o IgG naquela gravidez era negativo e agora tornou-se positivo, isso indica uma contaminação neste intervalo de 7 anos. Se o seu filho é saudável, não vejo motivo para fazer exames nele.

Jean
Visitante
Jean

Qual a possibilidade de contrair clamídia sem ato sexual?

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

É bem baixa, mas, raramente, pode ocorrer através de roupas íntimas ou toalhas, se houver contato com secreções contaminadas.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. OkSaiba mais