Artigo atualizado em 02/07/2014

REMÉDIOS PARA BAIXAR O COLESTEROL ALTO

As estatinas são atualmente os medicamentos mais usados para tratar o colesterol alto. As estatinas existentes no mercado são: Sinvastatina, Atorvastatina, Pravastatina, Rosuvastatina, Lovastatina, Fluvastatina e Pitavastatina.

Neste artigo vamos abordar os seguintes pontos sobre as estatinas:

  • O que são as estatinas.
  • Melhores remédios para o colestrol alto.
  • Como se deve tomar as estatinas.
  • Efeitos colaterais das estatinas.
  • Interação medicamentosa

Após a leitura deste texto, não deixe de ler também nossos outros artigos sobre colesterol:
- COLESTEROL HDL | COLESTEROL LDL | TRIGLICERÍDEOS
- DIETA PARA BAIXAR O COLESTEROL
- O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS?

O que são as estatinas?

A nossa taxa de colesterol sanguíneo tem duas origens: dieta e produção pelo fígado. As pessoas com colesterol alto podem tê-lo devido a uma dieta rica em gordura ou porque seu fígado produz mais colesterol do que o necessário.

As estatinas são cientificamente chamadas como inibidores da enzima HMG-CoA redutase. A HMG-CoA redutase é uma das enzimas do fígado responsáveis pela produção de colesterol. Dependendo da dose e do tipo de estatina usada, a redução do colesterol LDL (colesterol ruim) pode ser superior a 60%.

As estatinas não são as únicas drogas disponíveis no mercado para tratar o colesterol alto, porém, são as que apresentam os melhores resultados nos estudos científicos. As estatinas comprovadamente inibem o acúmulo de colesterol nas artérias, um processo chamado de aterosclerose, que a longo prazo leva a doenças cardiovasculares graves, como infarto e AVC (leia: INFARTO DO MIOCÁRDIO | Causas e prevenção e AVC | ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL).

Melhores remédios para baixar colesterol

Além das estatinas, há no mercado uma variedade de drogas indicadas para o tratamento do colesterol alto, entre elas, Ezetimiba, colestiramina, ácido nicotínico e fibratos. Todavia, nenhuma destas apresenta o mesmo desempenho que as estatinas nos estudos científicos.

Mesmo entre as estatinas, os resultados variam, havendo algumas drogas claramente mais potentes que outras. A Rosuvastatina e a Atorvastatina são as duas estatinas mais potentes, com maior capacidade de redução dos níveis do colesterol LDL. Sinvastatina, Pravastatina e Pitavastatina têm potência intermediária, enquanto a Fluvastatina e Lovastatina são as estatinas menos potentes.

A Rosuvastatina e Atorvastatina também são as que possuem melhores resultados na redução dos triglicerídeos e no aumento do colesterol HDL (colesterol bom). Em relação ao HDL, doses elevadas de Sinvastatinas também apresentam bons resultados.

Apesar dos diferentes resultados, todas as estatinas são eficazes para reduzir o colesterol LDL e aumentar o colesterol HDL. A Rosuvastatina e a Atorvastatina são as estatinas mais eficazes, mas também as mais caras. Nem todo paciente precisa da droga mais potente para controlar seu colesterol. Mesmo a Fluvastatina, que é a menos potente das estatinas, quando em doses altas, pode conseguir reduções de até 40% nos valores de colesterol LDL, o que é suficiente para muitos pacientes.

O ideal é pesquisar bem os preços das estatinas no mercado e conversar com o seu médico sobre qual é a melhor opção para o seu caso individual. Nem todo mundo precisa da estatina mais cara.

Só para ilustrar, em 2011 a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) fez uma pesquisa sobre os preços da estatinas no mercado. O resultado pode ser visto abaixo.

Remédios para colesterol

Preços das principais estatinas segundo a ANVISA (clique na imagem para ampliá-la)

Potência das doses de estatinas

Potencial de redução do colesterol LDL de acordo com a dose prescrita de cada estatina

Efeitos colaterais das estatinas

Além de ser o grupo de medicamentos para baixar o colesterol com maior eficácia, as estatinas também são as que apresentam menores taxas de efeitos colaterais. Isso, porém, não significa que eles não ocorram. Entre os efeitos potencialmente mais graves, podemos citar:

Lesão do fígado

Estudos mostram que 0,5 a 1% dos pacientes que tomam uma estatina pode apresentar sinais de lesão leve do fígado e 0,1% pode ter lesões mais graves, como hepatite medicamentosa (leia: O QUE É HEPATITE?).

O diagnóstico da toxicidade hepática é feito através do doseamento das transaminases do sangue (TGO e TGP) (leia: O QUE SIGNIFICAM TGO, TGP, GAMA GT e BILIRRUBINA?). Níveis elevados de TGO e TGP podem indicar lesão hepática provocada pelas estatinas.

As lesões do fígado geralmente surgem nos primeiros 3 meses de tratamento e, se forem discretas, costumam regredir espontaneamente, mesmo que o tratamento não seja interrompido. Nas lesões hepáticas mais relevantes, como no caso de elevação da TGO e da TGP em mais que 3 vezes o valor normal, apenas redução da dose costuma ser suficiente. Na imensa maioria dos casos, não é preciso suspender o tratamento definitivamente.

Pacientes com doença conhecida do fígado, como cirrose, devem evitar o uso de estatinas (leia: CIRROSE HEPÁTICA | Sintomas e causas).

Obs: a Fluvastatina parece ser a que mais frequentemente provoca alterações nos exames do fígado.

Lesão muscular

A toxicidade dos músculos é outro efeito colateral possível das estatinas. Cerca de 2% a 10% dos pacientes em uso de uma estatina podem queixar-se de dor muscular ou câimbras (leia: CÂIMBRAS | Causas e tratamento). 0,5% aprestam miosite, que é uma inflamação do músculo, caraterizada por dor e fraqueza em alguns grupamentos musculares, como nos músculos da coxa. 0,1% apresenta rabdomiólise, que é uma lesão grave do músculo.

A Pravastatina e a Fluvastatina são as drogas que menos causam lesão muscular. Nos pacientes com queixas de dor muscular e/ou aumento dos níveis de CK sanguínea (CK é a enzima que aumenta nos casos de lesão muscular), deve-se tentar reduzir a dose da estatina ou trocá-la por uma destas duas menos tóxicas aos músculos.

Obs: pacientes com hipotireoidismo apresentam maior risco de lesão muscular pelas estatinas (leia: HIPOTIREOIDISMO | TIREOIDITE DE HASHIMOTO).

Não se indica solicitar exames para dosar TGO, TGP e CK de rotina em pacientes que usam estatinas. Porém, antes do início do tratamento é interessante saber quais são os valores basais do paciente para futura comparação, caso seja necessário.

Diabetes mellitus

Nos últimos anos tem havido uma crescente preocupação em relação ao aumento de casos de diabetes provocados pelo uso das estatinas. O que se sabe atualmente é que o risco é baixo e ocorre somente nos pacientes que fazem uso de doses elevadas de estatinas. Nestes, a incidência de diabetes parece ser de 0,2 a 0,1% (leia: O QUE É DIABETES?).

Como tomar o remédio do colesterol

A produção de colesterol pelo fígado parece ser mais intensa durante a madrugada, quando o indivíduo está em jejum prolongado. Por isso, geralmente aconselhamos os pacientes a tomar suas estatinas à noite. Todavia, as estatinas mais novas , como a Atorvastatina e a Rosuvastatina, têm um tempo de ação mais prolongado que a sinvastatina, podendo ser tomadas a qualquer hora do dia.

As estatinas podem ser tomadas fora ou durantes as refeições, exceto pela Lovastatina que deve ser tomada junto com os alimentos, pois estes potencializam sua absorção.

As estatinas devem ser tomadas diariamente. Em raros casos, o médico pode sugerir o uso em dias alternados, principalmente nos pacientes que apresentam efeitos colaterais. Aparentemente tomar uma estatina dia sim, dia não, só é eficaz se a dose do comprimido for aumentada.

Apesar de na teoria ser uma opção, não há estudos que provem que o uso de estatinas em dias alternados tenha os mesmo resultados que o uso diário.

Interação medicamentosa

As estatinas podem interagir com vários outros medicamentos. O principal risco é o aumento dos casos de lesão muscular.

Os medicamentos que costumam ter interação com as estatinas são:

- Antirretrovirais usados no tratamento do HIV.
- Eritromicina.
- Itraconazol.
- Claritromicina.
- Ciclosporina.
- Diltiazem.
- Verapamil.
- Genfibrozila.

O consumo excessivo de álcool também aumenta o risco de lesão muscular e hepática pelas estatinas (leia: ALCOOLISMO | Quando a bebida se torna um problema).

Publicidade
  • claudio ponti

    O artigo menciona que “não se indica solicitar exames para dosar TGO, TGP e CK de rotina em pacientes que usam estatinas.” Por quê não? E se houver queixa do paciente quanto a dores musculares, como se dará o diagnóstico da causa?

    • Pedro Pinheiro

      Se houver queixas, a dosagem está indicada. O que não se deve fazer é dosar TGO e TGO de rotina, ou seja, de tempos em tempos sem que haja algum motivo que indique a realização do exame.

  • breda borda

    Na sinvastatina tem o corante TARTRAZINA. Esse corante não é cancerígeno? Tenho medo!

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Não há nenhuma prova de que a tartrazina seja cancerígena. Também não existe nenhum estudo que mostre aumento da incidência de câncêr em pessoas medicada com a sinvastatina.

      • breda borda

        Obrigada.

  • Felipe

    Quando o médico dobra a dose da Sinvastatina de 20MG pra 40MG e logo nos primeiros dias o paciente sente uma dor muscular (na região abaixo do peito, mais perto do estômago, dor que diminui com um analgésico), esse é um efeito da Sinvastatina que deve fazer o paciente procurar seu médico rapidamente ou é algo que ele pode esperar pra ver se reverte, pois o organismo pode estar se acostumando com a nova dose e não é uma urgência?

  • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

    Tão rápido assim não deve ser culpa da sinvastatina. Até porque a dor muscular das estatinas costuma ser nos membros, principalmente nas coxas.

  • Felipe

    Doutor, mais uma dúvida. A Sinvastatina pode causar infecção urinária ou algo do tipo, aumentar demais a frequência da urina, esta sem dor ou ardência, sem cor ou cheiro ruim, apenas vontade frequente (30 em 30 min aproximadamente) e a sensação de um certo peso? Pode ter a ver com a medicação se começou dias após a ingestão de nova dose?

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Aumento da frequência de infecção urinária ou dor ao urinar não costumam ser um efeitos colaterais da sinvastatina.

  • Sarah

    Doutor,
    Gostaria de saber se o LIVALO (Pitavastatina Cálcica) de 2 mg, tem interação com YAZ (Drospirenona 3mg e Clatrato de etinilestradiol betaciclodextrina 0,02mg) reduzindo seu efeito contraceptivo?

    Atenciosamente,

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Não atrapalha.

  • Luciana

    Doutor, porque a sinvastatina causa dor muscular? Quais os efeitos dela nós músculos?

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      É por lesão direta das células musculares.

  • Luzia

    Qual a diferença da Sinvastatina e Resuvastatina Cálcica ?

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      A rosuvastatina é mais potente, mas também é mais cara.

  • Thamiris

    Dr. boa tarde!
    Minha mãe está com uma hérnia em estado avançado, porém devido ao fato d estar com anemia e alto colesterol esta impossibilitada de fazer a cirurgia, o medico passou remédio para anemia, e pediu que cuidasse da alimentação para o colesterol baixar, porem acho que ela não dispõe de muito tempo, tendo em vista que a hérnia já saiu para fora, neste caso pode-se tomar algum destes remédios para baixar mais rápido o colesterol dela?…

    • https://plus.google.com/u/0/113288925849694682313/posts Pedro Pinheiro

      Os valores do colesterol não impedem cirurgia. Anemia, sim.

  • aline

    Boa noite , meu marido tem que fazer uma cirurgia de visicula mas o colesterol dele está alto deu 258 ele pode ser submetido a cirurgia ? E pode fazer o uso da sinvastatina antes e depois de ser operado ?Inclusive foi um clinico geral que receitou para ele a um tempo atras.

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      O valor do colesterol não costuma ser empecilho para cirurgia. Se foi indicado por algum médico, não há problema algum em usar a sivastatina.