Laringitis

Laringite é o nome que damos à inflamação da laringe, região das vias aéreas onde ficam localizadas as cordas vocais. A laringite tem várias causas, sendo as principais a alergia, infecções, o fumo, refluxo gastroesofágico ou uso excessivo da voz. A inflamação da laringe e das cordas vocais pode ser manifestar sob a forma de laringite aguda ou laringite crônica.

Neste artigo vamos explicar o que é a laringite, quais são as suas causas, os seus sintomas e as principais opções de tratamento. Falaremos um pouco também sobre a crupe, também conhecida como laringite estridulosa.

Não deixe de ler também nossos outros artigos relacionas às infecções das vias aéreas:
SINUSITE | Sintomas e tratamento.
RINITE ALÉRGICA | Sintomas e tratamento.
O QUE É A ADENOIDE?
DOR DE GARGANTA | FARINGITE | AMIGDALITE
OTITE MÉDIA | Dor de ouvido

O que é a laringe

A laringe é uma curta estrutura cilíndrica, localizada abaixo da faringe e logo acima da traqueia, responsável por abrigar as cordas vocais. A laringe fica atrás de uma saliência cartilaginosa do pescoço conhecida como pomo-de-adão.

Laringite
Anatomia das vias aéreas e laringe

Durante o ato de engolir, o acesso à laringe se fecha, impedindo que alimentos cheguem às cordas vocais e à traqueia. O fechamento da laringe garante que os alimentos sigam o caminho correto em direção ao esôfago. Pela laringe não passam alimentos, somente o ar inspirado e expirado.

As cordas vocais ficam na laringe e, além de permitirem a passagem de ar em direção à traqueia, podem vibrar com a passagem de ar vindo dos pulmões na direção contrária, permitindo-nos emitir sons e falar.

A laringe, portanto, tem três funções principais:

– Canalizar o ar respirado em direção às cordas vocais e à traqueia.
– Agir como válvula, fechando a traqueia quando você engole, impedindo que alimentos ou líquidos entrem nas suas vias respiratórias.
– Permitir a emissão de sons através da vibração das cordas vocais com a passagem de ar vindo dos pulmões.

Quando a laringe inflama, dizemos que o paciente tem laringite, um quadro caracterizado predominantemente pela inflamação das cordas vocais, que provoca uma redução na sua capacidade de vibrar, levando à rouquidão ou perda da voz.

Causas de laringite

A maioria das laringites é aguda e autolimitada, com duração menor que 3 semanas. As laringites agudas são habitualmente provocadas por infecções virais que acometem as vias áreas superiores. É muito comum um quadro de laringite vir acompanhado de outras infecções, como gripe, resfriado, faringite ou sinusite. Crises de alergia que acometem as vias áreas também podem provocar laringite aguda.

Outra causa comum para laringite aguda é o uso excessivo das cordas vocais, provocando irritação das mesmas. As cordas vocais podem sofrer lesões quando gritamos repetidamente, cantamos em voz alta por muito tempo ou quando usamos a voz prolongadamente sem descanso. Crises de tosse também podem causar lesão nas cordas vocais.

A laringite crônica é aquela que dura mais de 3 semanas. Cigarro (leia: DOENÇAS DO CIGARRO) e uso abusivo de bebidas alcoólicas são causas comuns de laringite persistente. A irritação crônica da laringe também pode ser causada por refluxo gastroesofágico (leia: HÉRNIA DE HIATO | Refluxo gastroesofágico), sinusite crônica, uso excessivo e constante da voz, como no caso de cantores ou locutores, ou por uso constante de bombas inalatórias para asma.

Rouquidão crônica também pode ser provocada pela presença de nódulos, pólipos ou tumores nas cordas vocais. Nestes casos não há exatamente uma laringite, já que os sintomas são provocados pela presença da massa nas cordas vocais e não por inflamação das mesmas.

Sintomas da laringite

Os sintomas mais típicos da laringite são a rouquidão e a perda da voz. Dor na garganta também é comum. O pigarro e a sensação de ter que limpar a garganta frequentemente também podem ser sinais de laringite.

Quando a inflamação da laringe é causada por uma infecção viral das vias aéreas, sintomas como coriza, espirros, prostração ou tosse costumam estar presentes (leia: VIROSE – Sintomas, Causas e Tratamento).

Crupe ou laringite estridulosa

A laringite estridulosa, também chamada de crupe, é o termo usado para uma inflamação, habitualmente de origem viral, que acomete concomitantemente a laringe, a epiglote e a traqueia. O crupe afeta preferencialmente as crianças entre 6 meses e 3 anos de idade. Seu principal sinal é uma tosse rouca, chamada popularmente como “tosse de cachorro”.

A laringite estridulosa é, geralmente, autolimitada, mas em algumas crianças a inflamação das vias aéreas torna-se intensa, provocando dificuldade respiratória. Febre alta, sonolência, chiado ao respirar, dificuldade para mamar e incapacidade de chorar são sinais de gravidade que devem ser avaliados urgentemente por um médico.

Tratamento da laringite

A laringite aguda é um quadro que melhora espontaneamente, na maioria dos casos com menos de 1 semana. Para ajudar na cura das cordas vocais, é importante não fumar, não beber e evitar ambientes com fumaça ou poluentes. Manter uma boa hidratação garante que as cordas vocais não irão ressecar, o que poderia agravar o quadro. Inalação com soro pode ser usada, pois ajuda a manter as vias aéreas úmidas.

Gargarejos com água morna e pastilhas ajudam caso haja dor de garganta associada. Se for somente rouquidão, eles não tem efeito, pois nenhum líquido chega à laringe. Lembre-se, o que você deglute vai para o esôfago e não para as vias respiratórias, onde se encontram as cordas vocais.

Evite falar, se possível. Sussurrar não poupa as cordas vocais, muito pelo contrário. Se precisar falar, use um tom suave e baixo, que é mais benéfico para a laringe que o sussurro.

Na maioria dos casos não há indicação para o uso de antibióticos, uma vez que a maioria dos casos infecciosos são provocados por vírus.

As laringites crônicas precisam ser investigadas pelo otorrinolaringologista. O tratamento passa pela identificação da causa.

Compartilhe
Médico formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (U.F.R.J) em 2002. Especialista em Medicina Interna e Nefrologia. Títulos reconhecidos pela Faculdade do Porto, Ordem dos Médicos de Portugal e Colégio de Nefrologia Português.