Adenomiose uterina – Sintomas, Causas e Tratamento

A adenomiose é uma forma de endometriose que ocorre na parede muscular do útero.

Endométrio é o nome dado à parede interna do útero, uma região muito vascularizada e cheia de glândulas. É o tecido do endométrio que descama e gera o sangramento da menstruação.

Por motivos ainda desconhecidos, pequenos pedaços de endométrio podem surgir fora da cavidade uterina, como nas trompas, ovários ou na cavidade abdominal. Quando isso ocorre, toda vez que a mulher fica menstruada, esse pequeno fragmento de endométrio também sangra, provocando grande irritação ao seu redor. Essa presença anômala de tecido endometrial fora do útero recebe o nome de endometriose.

A adenomiose é uma doença semelhante, porém, neste caso, a presença do endométrio não ocorre em outros órgãos, mas sim dentro do miométrio, que é a camada muscular do próprio útero. Na adenomiose, toda vez que a mulher fica menstruada, também há um sangramento dentro da musculatura do útero, o que provoca grande irritação do mesmo. Portanto, podemos dizer que a adenomiose é uma endometriose que ocorre no próprio útero.

Neste artigo vamos nos ater à adenomiose. Se você procura informações sobre a endometriose, leia: ENDOMETRIOSE | Sintomas e tratamento.

Endométrio e miométrio

Para entender a adenomiose, é importante saber o que são o endométrio e o miométrio.

endométrio

O útero é um órgão que pode ser divido em duas camadas:

1- Endométrio: é a parede interna que reveste a cavidade uterina, ou seja, a parte oca do útero. No endométrio há grande quantidade de vasos sanguíneos e glândulas. É lá que o embrião se implanta e é onde se forma a placenta.

Durante cada ciclo menstrual, o corpo prepara o endométrio para uma possível gravidez. Cerca de 7 dias antes da ovulação ocorrer, através de estímulos hormonais, o endométrio se transforma, ficando mais espesso, mais vascularizado e mais rico em glândulas. Tudo isso para que ele se torne um local propício para receber um embrião, caso o óvulo seja fecundado.

Entretanto, se o óvulo liberado não for fecundado, os estímulos hormonais para a proliferação do endométrio cessam, e todo aquela parede espessa desaba, provocando a menstruação.

2- Miométrio: é a camada do útero onde só há músculo. O miométrio é o responsável pela contração uterina durante o trabalho de parto, fazendo com que o feto seja expulso do útero. Na menstruação, o miométrio também se contrai, ajudando a expulsar os restos de endométrio que desabou. Intensas contrações do miométrio são a causa das cólicas menstruais.

O que é adenomiose

Como já explicado na introdução deste artigo, a adenomiose é uma doença que ocorre quando pedaços de endométrio surgem no miométrio, provocando sangramentos cíclicos dentro da camada muscular do útero.

A adenomiose pode ficar confinada a uma pequena parte do miométrio (adenomiose localizada) ou pode ser um processo difuso, havendo tecido endometrial disperso por toda a camada muscular do útero (adenomiose difusa).

As causas da adenomiose ainda são desconhecidas. Algumas teorias sugerem que a doença tenha origem congênita, como se fosse uma má-formação do útero na fase embrionária. Há também uma corrente que acredita que a adenomiose possa ser uma doença adquirida durante a vida, provocada por lesões no útero, como, por exemplo, uma incisão cirúrgica da cesariana.

Sabe-se que há influência dos hormônios femininos na formação da adenomiose. O maior tempo de exposição aos hormônios femininos explica o porquê da maior ocorrência desta doença em mulheres ao redor dos 40 anos. Pelo mesmo motivo, os sintomas da adenomiose costumam piorar com o passar dos anos, mas depois melhoram na menopausa.

Além da idade, outros fatores parecem colaborar com o aparecimento da adenomiose, tais como ter tido mais de uma gravidez durante a vida, primeira menstruação (menarca) precoce e ciclos menstruais curtos.

Estima-se que até 20% das mulheres tenham adenomiose. Porém, a verdadeira incidência pode ser bem mais alta, uma vez que muitas mulheres são assintomáticas e o diagnóstico da adenomiose só pode ser feito com certeza através de cuidadosa avaliação histopatológica de todo útero, o que só é possível caso a mulher seja submetida a uma histerectomia (retirada cirúrgica do útero).

Sintomas da adenomiose

Cerca de 1/3 das mulheres com adenomiose não apresenta sintoma algum. Nos 2/3 que desenvolvem sintomas, os principais são grande fluxo menstrual e cólicas intensas. Dor durante o ato sexual e sangramentos fora do período menstrual são outros sintomas comuns.

Se houver presença de tecido endometrial de forma difusa pelo miométrio, o útero pode aumentar de tamanho, chegando a ter o volume semelhante ao de uma gravidez de 11 ou 12 semanas. Dor e uma pequena distensão da região inferior do abdômen são sintomas possíveis. Quando a adenomiose é localizada, o tecido endometrial pode formar nódulos, tornando-se parecido com um mioma.

Adenomiose e gravidez

Apesar de ainda não ser um dado totalmente comprovado, acredita-se que a adenomiose esteja relacionada a um maior risco de infertilidade. Isso não significa, porém, que mulheres com adenomiose não possam engravidar.

O maior risco de abortamento ou de parto prematuro nas gestantes com adenomiose também é um tema ainda controverso, havendo discordância de opinião entre os especialistas.

Diagnóstico da adenomiose

Em mulheres sem sintomas e sem aumento do volume uterino, o diagnóstico com absoluta certeza só pode ser feito através da avaliação do útero após uma histerectomia. Por outro lado, nas mulheres com cólicas e fluxos menstruais intensos, associados a um útero de tamanho aumentado, exames de imagem, como a ultrassonografia transvaginal ou a ressonância magnética da pelve, podem ajudar a estabelecer o diagnóstico.

Tratamento da adenomiose

O único tratamento 100% eficaz para a adenomiose é a remoção cirúrgica do útero (histerectomia). Como os sintomas costumam se agravar somente após os 40-45 anos de idade, e desaparecem após a menopausa, a maioria das mulheres acaba não precisando recorrer a um tratamento tão radical.

A instituição de anti-inflamatórios para controlar as cólicas e da pílula anticoncepcional para controlar a liberação de hormônios durante o ciclo menstrual costuma provocar alívio dos sintomas em grande parte das pacientes. Uso contínuo de anticoncepcionais de forma a suspender a menstruação ou uso de DIU Mirena são opções válidas para algumas pacientes.

Outros medicamentos que podem ser usados no tratamento da adenomiose são:

  • Análogos da GnRH (Zoladex®, Lupron depot®, Lorelim depot®).
  • Danazol (Ladogal®).
  • Dienogeste (Allurene®, Dine®, Allurax®, Visabelle®, Kalist® e Pietra ED®).
  • Carbegolina (Dostinex®).

A maioria dos medicamentos listados acima tem boa resposta, mas não são para uso prolongado.

Se a paciente ainda estiver longe da menopausa, já tiver filhos e não desejar ter outros, e não conseguir controlar os sintomas da adenomiose, a histerectomia é uma alternativa que deve ser considerada.

VEJA OUTROS ARTIGOS SEMELHANTES

29
Deixe um comentário

avatar
300
Mariana
Visitante
Mariana

Oi,fui diagnosticada ano passado com adenomiose focal,através de uma usg transvaginal,mas não tenho muitas cólicas nem aumentou de volume menstrual.A médica me receitou zoladex para um tratamento de 9 meses,mas fiquei um pouco receioza por ser um remédio de endometriose.Será que esse tratamento ta correto pra mim?Tenho 32 anos e tenho duas filhas.

Lara
Visitante
Lara

Olá,em Janeiro de 2017 fui diagnósticada com adenomiose através de um Usg.Transvaginal com doppler,a ginecologista me passou um medicamento por nom DINE.essa medicação pode curar o problema ?tenho 33 anos ainda não tenho filhos e tenho medo de não poder mais engravidar .

Joyce Sousa
Visitante
Joyce Sousa

Boa tarde fiz uma videolaparoscopia diagnóstica para endometriose, não tenho. Mas o médico me disse que tenho Adenomiose.. disse que tenho que fazer uma histerectomia​,tem como ele saber isso pela vídeo? Pq a Adenomiose não fica dentro do útero? Ou olhando por fora tem como fazer esse diagnóstico. Fiz uma ultrassom transvaginal e não deu alterações.

Aline Leite
Visitante
Aline Leite

Olá Dr.Tenho 38 anos, três filhos de parto cesarios.
Então… Primeiro fui diagnosticada com endometriose,e agora com adenomiose.Sinto muita dor durante o período menstrual,e principalmente durante as relações sexuais,o que termina me afastando do meu esposo.Tb tenho durante o ano,várias infecções urinárias, candidíase,muita secreção e coceiras absurdas.Um problema tem haver com o outro? A histerectomia é a melhor solução,já que não pretendo mais ter filhos,é o útero só tá me dando problemas?

Daiane
Visitante
Daiane

Olá, tenho apenas 19 anos e fui diagnostica com adenomiose através de uma cirurgia dê videolaparoscopia. Meu médico citou todos os sintomas e comentou sobre a gravidez cedo. Agora isso está entrando nos meus planos, mesmo tão cedo. Meu médico sempre achou que seria endometriose e iriamos tratá-la na cirurgia, mas saber que não tenho tratamento e tenho que viver com essas dores isuportaveis, mexeu muito com meu psicológico. Agora tenho acompanhamento com psicológo. Super indico

Rosana
Visitante
Rosana

Olá Dr Pedro tenho 37 anos e já tem um ano e meio que fui diagnosticada com adenomiose não fiz né hum tratamento e sinto muitas cores dá menstruação além do fluxo intenso com pedaço enorme de coagulo a dor é tão intensa que chego ater febre e calafrios , também tenho histórico de trombone venosa profunda nas duas pernas há 12 anos não consigo tratamento no meu posto sofro muito agora tenho sentindo dores no rim direito e calafrios além do mal cheiro na urina e vaginal tou com medo pode ser uma infeção por causa das edenomiose.

Adri Viana
Visitante
Adri Viana

Boa tarde
Ja fui diagnosticada com adenomiose.fiz um ano de tratamento com dp provera, sem parar de menstruar. agora to no tratamento com pilulas. Mas a única que ta segurando é a gestimol 28. Que não é aconselhável qnd tem diabetes que é o meu caso. A histerectomia seria a solução?

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

A histerectomia é uma solução radical, só está indicada se não houver mesmo outra forma de controle dos sintomas.

Jislaine
Visitante
Jislaine

Caro Dr. Pedro, gostaria de saber se o ato sexual frequente de mulheres que foram diagnosticadas com adenomiose prejudica ou agrava a doença. Se sim, com que frequência deve se praticar o ato?

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

Não prejudica.

Sandra Oliver
Visitante
Sandra Oliver

Olá , tenho 35 anos e tenho adenomiose profunda, não consegui me adaptar ao tratamento com pilula uso continuo, senti mta dor e não parava de menstruar, então parei com a pilula, e agora tem 2 meses que não menstruo…..pode acontecer de não menstruar mais??? grata

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

Assim que você voltar a ovular, a menstruação volta.

Jaqueline Souza
Visitante
Jaqueline Souza

Olá, tenho 26 anos e tenho adenomiose focal e possível engravidar através do método convencional? Ou só através de fertilização in vitro? Obrigada desde já!

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

A princípio, pode engravidar normalmente.

Camila
Visitante
Camila

ola Minha tia descobriu que tem adenomiose e eu queria saber se corre risco da adenomiose virar um câncer ??

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

Adenomiose não costuma virar câncer.

milena
Visitante
milena

Ola tenho apenas 20 anos e nunca engravidei fiz o trans.vaginal fui diagnosticada com a adenomiose .isso é possível ? ? Será que poderei engravidar ?

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

Sim e sim.

Aida Saádeh
Visitante
Aida Saádeh

Olá! Gostaria de colaborar com minha experiência pessoal (e dolorosa) com a adenomiose. Recebi o diagnóstico há 7 anos ( aos meus 37 anos), pois já tinha hemorragia intensa no período menstrual. O médico desconsiderou a histerectomia, pois não queria “mutilar” uma mulher de 36 anos, apesar de eu ser divorciada, e com 3 filhos na época (todos de partos naturais). Foi-me dito que eu estaria possivelmente infértil. No entanto, em 2011, aos 39 anos engravidei sem planejar. Fiquei com medo de problemas na gestação, riscos de abortamento, mas o ginecologista garantiu que a dificuldade seria engravidar, e que se eu já estava grávida poderia levar a gestação normalmente até o final. Foi bem mais difícil do que minhas gestações anteriores, aos 20 e poucos anos, pois a resistência física não é a mesma…além dos calorões. Minha filha nasceu com 32 semanas de gestação, de parto natural, após rompimento da bolsa, e é normal. Hoje, aos 42 anos, tenho muitas dores no período menstrual, com fluxos intensos demais, e estou encaminhando histerectomia, pois meu útero está demasiadamente aumentado. Há ainda a possibilidade de eu ter endometriose, além da adenomiose, mas segundo o médico, isso só pode ser confirmado após procedimento… Read more »

zine cardoso
Visitante
zine cardoso

ola boa noite tenho 42 anos e estou com miomae ademiose.sera que vou fazer cirugias.

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

Não sei, não tenho como opinar à distância. Tem que perguntar ao seu ginecologista que deve conhecer o seu caso com detalhes.

Amanda
Visitante
Amanda

olá tenho 29 anos e fiz uma video à 1 ano para retirar focos de endometriose, acabei descobrindo que tinha adenomiose, já fiz outras 3 videos e sempre voltava, estou tentando engravidar à qse 2 anos e nada ate o momento. Meu médico diz que esta tudo bem, mas estou bastante preocupada. A adenomiose pode ser um problema para mim?

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

Até pode, mas para culpar a adenomiose pela sua infertilidade, é preciso antes descartar outras causas mais comuns.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. OkSaiba mais