Próstata

A próstata, apesar de ser um órgão importante, cuja principal função é a proteção dos espermatozoides no líquido ejaculado, não é essencial para a vida. Pacientes com doenças graves, como o câncer da próstata, podem ter essa glândula retirado cirurgicamente, sem que isso necessariamente acarrete maiores transtornos.

Neste artigo vamos explicar o que é a próstata, onde ela fica, quais são as suas funções, quais são as suas doenças mais comuns e quais são os problemas de se viver sem a próstata.

O que é a próstata?

A próstata é uma glândula (por isso ela é também pode ser chamada de  glândula prostática), que apresenta uma forma arredondada e possui, em média, 3 cm de altura, 4 cm de comprimento e 2 cm de largura, totalizando um volume de aproximadamente 15 a 20 centímetro cúbicos (ou 15 a 20 gramas).

A glândula prostática fica localizada logo abaixo da bexiga e à frente do reto (porção final do intestino grosso). Colada à próstata também ficam as vesículas seminais, órgãos responsáveis pela produção de parte do líquido presente no esperma (veja  figura ao lado para entender melhor onde fica a próstata).

sistema-reprodutor-masculino

Por dentro da próstata passa a uretra, canal que drena a urina da bexiga em direção ao pênis. Também por dentro passam os vasos deferentes, que são os canais que trazem os espermatozoides produzidos pelos testículos. Os vasos deferentes desembocam na uretra no interior da próstata.

Qual é a função da próstata?

A principal função da próstata é produzir uma secreção que sirva de proteção para os espermatozoides. O líquido prostático corresponde a cerca de 30% do volume do esperma ejaculado; é ele quem dá ao esperma a sua aparência leitosa.

Os espermatozoides são produzidos nos testículos e transportados pelo vaso deferente, que se junta à vesícula seminal. Ao passarem pela vesícula seminal, os espermatozoides são misturados ao fluido seminal, uma substância alcalina que corresponde a 50-70% do volume total do esperma. Após a vesícula seminal, os espermatozoides chegam à glândula prostática.

Durante a ejaculação, a próstata se contrai e libera o líquido prostático, misturando-se ao líquido seminal já rico em espermatozoides. A primeira fração do esperma ejaculado é rica em fluido prostático e possui os espermatozoides mais ativos, saudáveis e capazes de fecundar um óvulo. O líquido da próstata protege os espermatozoides do ambiente ácido da vagina, mantendo o seu DNA intacto. O fluido prostático também prolonga a vida dos espermatozoides e faz com que eles se tornem mais móveis, aumentando as chances de chegarem até o óvulo.

Como o vaso deferente desemboca na uretra dentro da próstata, é preciso haver algum controle para que a urina da bexiga não se encontre com os espermatozoides vindos do testículos. Quando o homem ejacula, a próstata se contrai, empurrando os esperma em direção ao pênis e fechando a porção do ureter que se conecta à bexiga. Deste modo, há a garantia de que não haverá passagem de urina durante a ejaculação.

Quais são as doenças mais comuns da próstata?HPB

a. Hiperplasia benigna da próstata (HBP)

Um dos grandes problemas da glândula prostática é a sua tendência a crescer com o passar do anos, principalmente após os 40 anos. O aumento da próstata recebe o nome de hiperplasia benigna da próstata.

A hiperplasia benigna da próstata é tão comum que acomete metade dos homens com mais de 50 anos e mais de 80% dos homens com mais de 80 anos de idade.

A HBP tem como principal complicação a obstrução à passagem de urina. Repare na figura acima como uma próstata grande pode obstruir a uretra, dificultando a drenagem da urina.

Para saber detalhes sobre a hiperplasia benigna da próstata, leia: HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA | Sintomas e tratamento.

b. Câncer de próstata

Outra doença comum da glândula prostática é o câncer de próstata. O adenocarcinoma da próstata (leia: O QUE É UM CARCINOMA?) é o câncer mais comum no sexo masculino, presente em até 80% dos homens que chegam aos 80 anos de idade.

O câncer da próstata é um tumor que costuma ser indolente, crescendo lentamente, podendo permanecer assintomático por vários anos.

Para saber mais sobre o adenocarcinoma da próstata, leia: CÂNCER DE PRÓSTATA | Sintomas e tratamento.

c. Prostatite

A prostatite é uma doença causada pela inflamação da próstata.

A prostatite aguda, que é a forma mais comum de prostatite, é um quadro inflamatório normalmente causado por uma infecção bacteriana, em geral por E. coli, Klebsiella ou Proteus.

A prostatite aguda pode ocorrer tanto em homens jovens quanto em idosos e os seus principais sintomas são a febre, dor para urinar e dor na região pélvica.

Para saber mais sobre a prostatite, leia: PROSTATITE | Sintomas e tratamento.

Exames da próstata

Existem quatro importantes exames para avaliar a próstata. O mais simples é o toque retal. Como a glândula prostática fica colada ao reto, através do toque retal é possível palpá-la, podendo-se obter informações sobre o seu tamanho e formato.

Outro exame simples é a dosagem sanguínea do PSA, uma enzima produzida pela próstata, que costuma estar aumentada nas doenças, principalmente no câncer e na prostatite.

A ultrassonografia da próstata é um exame de imagem útil para se avaliar o tamanho da mesma e a presença de nódulos suspeitos. Quando o ultrassom é feito pela via retal, a eficácia do exame é muito maior, sendo esta a forma ideal de se realizar uma ultrassonografia prostática.

Por fim, há a biópsia da próstata, que é o procedimento realizado quando há suspeitas de tumores. Explicamos a biópsia prostática com detalhes neste texto: BIÓPSIA DA PRÓSTATA | Indicações e complicações.

Podemos viver sem a próstata?

Sim, a próstata não é um órgão essencial à vida. Na verdade, nas pessoas idosas, que já não pretendem mais ter filhos, a próstata não tem função, servindo apenas como fonte de problemas.

A grande questão é que a remoção da próstata não é um procedimento livre de complicações. Entre as mais comuns estão a impotência sexual (leia: IMPOTÊNCIA SEXUAL | Causas e tratamento) e a incontinência urinária (leia: INCONTINÊNCIA URINÁRIA | Causas, tipos e diagnóstico).

Compartilhe
Médico formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (U.F.R.J) em 2002. Especialista em Medicina Interna e Nefrologia. Títulos reconhecidos pela Faculdade do Porto, Ordem dos Médicos de Portugal e Colégio de Nefrologia Português.