Dor no rim

A dor no rim, caracterizada por uma dor na região lombar, é uma queixa muito comum na população em geral. Entretanto, ao contrário do que a maioria das pessoas acredita, a grande maioria dos casos de dor nas costas não é provocada pelos rins, mas sim pela coluna e estruturas adjacentes.

A lombalgia por problemas da coluna e a dor renal são completamente diferentes e possuem causas distintas. Neste texto vamos falar sobre as principais características e causas da dor no rim, abordando os seguintes pontos:

  • Anatomia do rim.
  • Causas de dor de origem renal.
  • Insuficiência renal causa dor?
  • Características da dor no rim.
  • Diferenças entre dor renal e dor na coluna.

Para saber mais sobre outros sintomas dos rins, além da dor, leia: 10 SINTOMAS DOS RINS.

Anatomia do rim

A maioria das pessoas possui 2 rins, que se localizam paralelamente à coluna vertebral, habitualmente entre a 12ª vértebra da coluna torácica (T12) e a 3ª vértebra da coluna lombar (L3). O rim esquerdo fica, normalmente, localizado um pouco mais alto que o direito. Os rins são órgãos retroperitoniais, ou seja, ficam localizados mais próximos das costas, atrás da cavidade abdominal, protegidos pela porção posterior das costelas.

Os rins e ureteres (canais tubulares que levam urina dos rins à bexiga) são altamente inervados, o que permite sentirmos dor quando os mesmos sofrem alguma agressão ou inflamação. Esta rica inervação renal, porém, cruza-se com as fibras nervosas vindas de outras estruturas e órgãos próximos, incluindo nervos vindos da pele. Como resultado, o cérebro tem dificuldade de precisar a origem da dor. Por isso, não é incomum que a dor de uma lesão renal ou dor ureter possa surgir em locais distantes, como barriga, testículos ou ovários.

Em geral, a dor dos rins é mal definida e difusa, acometendo lateralmente a região lombar e um dos flancos.

Causas de dor no rim

A dor renal pode ser precipitada por isquemia renal (redução do aporte de sangue), inflamação/infecção dos rins, tração ou distensão da pelve renal ou distensão da cápsula que recobre os rins.

Na prática, isso significa que as seguintes lesões e doenças renais costumam ser as causas mais comuns de dor nos rins:

– Cálculo renal (leia: CAUSAS E SINTOMAS DO CÁLCULO RENAL).
– Infecção dos rins (pielonefrite) (leia: INFECÇÃO URINÁRIA | Pielonefrite).
– Doença policística renal (leia: RINS POLICÍSTICOS | Doença policística renal).
– Hidronefrose (obstrução da passagem de urina, resultando em dilatação dos rins).
– Trombose da veia renal.
– Isquemia renal.
– Câncer renal (leia: CÂNCER DE RIM – Causas, Sintomas e Tratamento).
– Trauma nos rins.

Em geral, as três primeiras doenças citadas acima correspondem pela imensa maioria dos casos de dor renal.

Insuficiência renal causa dor nos rins?

Ao contrário da crença popular, a insuficiência renal, seja ela crônica ou aguda, não causa dor nos rins. Mesmo em fases avançadas, a dor no rim não faz parte dos sintomas do paciente com insuficiência renal. Esse dado é importante, já que a maioria dos pacientes com insuficiência renal é idosa, faixa etária na qual problemas de coluna são muito frequentes. É muito comum o paciente insuficiente renal ter problemas de coluna, mas culpar injustamente os rins pela sua dor.

VÍDEO SUGERIDO:
SAIBA SE OS SEUS RINS ESTÃO DOENTES
Video-rins

A insuficiência renal crônica é uma doença silenciosa até fases bem avançadas. Mesmo os pacientes já sob tratamento com hemodiálise não sentem dor nos rins, a não ser que também tenham algum dos problemas listados acima.

Para saber mais sobre a insuficiência renal, leia:
INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
O QUE É HEMODIÁLISE

Sintomas da dor no rim

A dor no rim tem características próprias dependendo da doença responsável pelo seu aparecimento. Além da dor em si, os sintomas associados ajudam muito no esclarecimento da causa.

Exemplos:
– A dor do cálculo renal, chamada de cólica renal, é uma excruciante dor lombar unilateral, talvez a pior dor que o paciente já tenha sentido na vida. Ela surge repentinamente, vai piorando ao longo das próximas horas e não melhora com nada, deixando o paciente extremamente inquieto. Não adianta levantar, deitar, sentar, curvar-se, massagear as costas…  nada funciona! O paciente fica “enlouquecido” com a dor.  É comum haver vômitos e presença de sangue na urina (leia: URINA COM SANGUE | Hematúria). A dor do cálculo renal pode irradiar para flancos ou para região da virilha.

VÍDEO SUGERIDO:
PRINCIPAIS SINTOMAS DA INFECÇÃO URINÁRIAS
video-itu

– A dor da infecção dos rins, chamada pielonefrite, é uma dor lombar unilateral que geralmente vem associada à febre, calafrios, queda do estado geral, náuseas e vômitos. A dor lombar não tem a ver com posição do tronco ou movimentos da coluna. Sentar, deitar ou levantar não interferem com a dor. Porém, leves socos na região lombar podem agravar a dor, sendo esta uma manobra que os médicos usam durante o exame físico.

– A dor lombar dos pacientes com rins policísticos é mais difícil de ser distinguida. Além dela poder ter características semelhantes às das dores de coluna, como agravamento ao andar ou após movimentos do tronco, se o rim for muito grande, ele próprio pode causar sobrecarga dos músculos e ligamentos da coluna lombar, levando à lombalgia crônica.

Pacientes com rins policísticos podem ter dor renal devido a várias causas, incluindo aumento do tamanho dos cistos, rotura ou sangramento de um cisto, infecção renal, pedra nos rins, etc. Além disso, o rim policístico também pode causar dor abdominal se for muito grande (leia: DOR NA BARRIGA | DOR ABDOMINAL | Principais causas).

Diferenças entre dor no rim e dor na coluna

O principal diagnóstico diferencial para a dor no rim é a dor de origem músculo esquelética da coluna lombar, conhecida como lombalgia. Na verdade, a maioria dos casos de dor lombar tem origem na coluna e seus ligamentos e músculos. Apenas uma pequena parte dos casos é realmente de origem renal.

A principal característica da dor doenças musculoesqueléticas da coluna é o fato desta ter características mecânicas, ou seja, é uma dor que piora com o movimento e em determinadas posições, mas costuma aliviar com o repouso.  As dores de origem musculoesqueléticas também podem causar certa rigidez, impedindo o paciente de fazer movimentos com a coluna. Outras características comuns são a irradiação da dor para a perna, podendo ir até a altura do joelho, fraqueza muscular nos pés e perda de sensibilidade em um dos membros inferiores (leia: HÉRNIA DE DISCO | Sintomas e tratamento).

As dores de coluna costumam ser quadros mais arrastados, com dores de intensidade moderada que duram meses ou até anos. Na maioria dos casos não há outros sintomas, como febre, vômitos, sangue na urina, perda de apetite, etc.

Resumindo, em geral, é fácil distinguir uma dor de origem renal de uma lombalgia musculoesqueléticas.  Não só as características da dor costumam ser bem distintas, como também os sintomas associados são completamente diferentes.

Compartilhe
Médico formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (U.F.R.J) em 2002. Especialista em Medicina Interna e Nefrologia. Títulos reconhecidos pela Faculdade do Porto, Ordem dos Médicos de Portugal e Colégio de Nefrologia Português.