13 de setembro de 2013

SINTOMAS DA DEPRESSÃO

Momentos de desânimo e tristeza ocorrem com todo mundo e fazem parte da vida. O problema surge quando este sentimento de vazio custa a desaparecer, atrapalhando suas atividades habituais, tirando-lhe o prazer de viver; atividades sociais e amigos já não lhe interessam como antes, você está exausto o tempo todo, sente-se inútil e a simples espera pelo passar do dia passa a ser intolerável. Se este desgosto permanente lhe é familiar, você pode estar sofrendo sintomas da depressão.

Publicidade

Este é o segundo texto da série sobre transtorno depressivo, onde vamos abordar os seguintes pontos sobre a depressão:

Texto 1:

  • O que é depressão.
  • Causas da depressão.
  • Diferenças entre tristeza e depressão.
  • Depressão pós-parto.

Texto 2:  SINTOMAS DA DEPRESSÃO

  • Sintomas da depressão.
  • Tipos de depressão .
  • Diagnóstico da depressão.

Texto 3: TRATAMENTO DA DEPRESSÃO (em breve)

  • Tratamento da depressão.
  • Mitos sobre a depressão.

Sintomas da depressão

A depressão é uma doença que pode se manifestar de maneiras diferentes e com gravidades distintas. Há vários tipos depressão, sendo as mais comuns a chamada depressão major (depressão maior) e a depressão crônica, também conhecida como distimia. Outros tipos de depressão comuns são o distúrbio bipolar, depressão sazonal, depressão reativa, depressão atípica, depressão pós-parto e depressão minor.

A extrema tristeza é o sintoma mais típico da depressão, embora a doença possa causar vários outros sintomas físicos e psicológicos. A principal característica da depressão é o fato dos sintomas serem persistentes e capazes de interferir nas atividades diárias, no trabalho e nos relacionamentos.

DepressãoInfelizmente, não há nenhum sintoma único que sirva como definidor do diagnóstico de depressão. Mesmo a tristeza profunda pode ocorrer em outras situações que não a depressão. Além disso, há casos de depressão atípica em que o paciente não refere tristeza, mas sim um conjunto de outros sinais e sintomas físicos e psicológicos.

Engana-se que acha que a depressão é uma doença de sintomas estritamente psicológicos. Muitas pessoas não reconhecem que estão deprimidas porque não ligam seus sintomas físicos, como cansaço, dores difusas pelo corpo, alterações do apetite, insônia, etc., ao transtorno depressivo. Há estudos que mostram que até um terço dos pacientes que procuram atendimento médico por sintomas físicos, têm, na verdade, sintomas de depressão.

Depressão major

A depressão major é o tipo de depressão mais comum, sendo caracterizada por uma combinação de sintomas que interferem com a capacidade do paciente de se relacionar com outros, trabalhar, dormir, estudar, comer e desfrutar atividades que anteriormente eram consideradas agradáveis.

Todos nós passamos por momentos de tristeza, desânimo e solidão, principalmente após perdas, como na morte de familiares ou ao fim de relacionamentos. A depressão, porém, distingue-se destas situações por ser persistente e incapacitante. A depressão também não precisa de um fato triste para surgir, o paciente pode passar a apresentar humor deprimido sem motivo aparente.

A depressão major costuma apresentar pelo menos cinco dos nove sintomas listados abaixo, sendo um deles obrigatoriamente a tristeza ou a perda do interesse nas atividades diárias. Os sintomas devem ser diários e estarem presentes por mais de 2 semanas consecutivas.

1- Tristeza na maior parte do dia, particularmente na manhã.
2- Perda do interesse pelas atividades do dia-a-dia.
3- Alterações significativas do apetite e/ou do peso (pode ser aumento ou redução).
4- Insônia ou sono excessivo.
5- Agitação ou letargia.
6- Fadiga ou falta de energia persistente.
7- Sentimentos de inutilidade ou culpa.
8- Incapacidade de concentração e indecisão.
9- Pensamentos recorrentes sobre morte ou suicídio.

A depressão major é uma doença recorrente. A maioria dos pacientes após um primeiro episódio apresenta uma taxa de recorrência acima de 40% nos dois primeiros anos. Nos pacientes com dois episódios, o risco de recorrência dentro de cinco anos é de aproximadamente 75%. Até 1/3 dos pacientes tratados por um episódio depressivo major terá uma recuperação incompleta, mantendo sintomas persistentes ou distimia

Distimia

A distimia é uma forma mais branda de depressão, porém prolongada, presente por pelo menos 2 anos. Às vezes, o paciente só é diagnosticado após muitos anos de doença, sendo os sintomas da distimia confundidos com a personalidade do indivíduo. Este fato é muito comum em crianças. No adulto, é comum o paciente não se lembrar de quando foi o último período em que esteve sem humor deprimido.

O humor depressivo na distimia está presente durante a maior parte do dia, por vários dias ao longo do mês. O paciente distímico passa mais dias com humor deprimido do que com humor normal. Além da sensação de tristeza prolongada, a distimia costuma vir acompanhada por dois ou mais dos seguintes sintomas:

1- Apetite diminuído ou aumentado.
2- Insônia ou excesso de sono.
3- Falta de energia.
4- Baixa autoestima.
5- Dificuldade de concentração.
6- Desânimo ou ausência de perspectivas na vida.

Na distimia os sintomas não são tão numerosos e intensos como na depressão major. Períodos livres de sintomas podem ocorrer, mas são curtos. 10% dos pacientes com distimia acabam evoluindo para um quadro de depressão major.

Depressão reativa

A depressão reativa, também chamada de transtorno de adaptação, é uma condição que ocorre em resposta a um estresse emocional identificável. O fato estressante pode ser único, como o término de uma relação, ou múltiplo, como pressões diárias da vida ou do trabalho.

A depressão reativa é um distúrbio que provoca ansiedade e humor deprimido, mas não apresenta critérios para o diagnóstico de depressão major. Por isso, o nome transtorno de adaptação é mais adequado que depressão reativa.

O transtorno de adaptação é diferente da tristeza que ocorre no luto.

As características do transtorno de adaptação são os seguintes:

– Humor deprimido que ocorre em resposta a um fator estressante identificável nos últimos três meses.
– Humor depressivo excessivo, além do que seria esperado pela natureza do fator de estresse.
– Funcionamento social, acadêmico ou profissional prejudicado.
– Resolução dos sintomas em um prazo de seis meses após o fim do evento estressante.

É importante destacar que um quadro de depressão major pode ser desencadeado por um evento emocional. Para ser considerado transtorno de adaptação, o paciente não pode preencher critérios para outros problemas psiquiátricos, como distimia ou depressão major.

Transtorno bipolar

Pessoas com transtorno bipolar, antigamente chamada de psicose maníaco-depressiva, apresentam períodos de mania (sentir-se excessivamente eufórico, impulsivo, irritável, ou irracional) e períodos de depressão major.

Falaremos do transtorno bipolar com detalhes em um texto à parte que será escrito brevemente.

Diagnóstico da depressão

O diagnóstico da depressão é feito preferencialmente pelo médico psiquiatra e é baseado nos sintomas, na duração e nos efeitos globais que os mesmos causam na vida do paciente. Não há atualmente nenhum exame laboratorial ou de imagem que identifique a depressão, embora alguns testes de sangue possam ser feitos para descartar outras doenças com sintomas semelhantes, como hipotireoidismo, por exemplo (leia: SINTOMAS DO HIPOTIREOIDISMO).

O diagnóstico de depressão major exige que os sintomas sejam graves o suficiente para interferir nas atividades diárias do paciente e na capacidade de cuidar de si mesmo, manter relacionamentos, participar de atividades de trabalho, etc. O diagnóstico também requer que os sintomas estejam ocorrendo diariamente durante pelo menos duas semanas.

Após o diagnóstico é importante tentar identificar pensamentos suicidas, para que o tratamento adequado seja instituído o mais rápido possível.

Vérsion en español:  SÍNTOMAS DE LA DEPRESIÓN
Publicidade
  • jessica monteiro

    ola dr depois que eu tive a minha filha fui diagnosticada com depressao pos parto ja tomei varios tipos de remedio fluoxetina,sertralina,risperion,haldon,varios e ate agora nao tive resultado algum ja faz 7 meses que estou com essa depressao,troquei de medica e estou tomando citalopram com quetiapina a pergunta é ate agora nao tive resutados por que meu organismo nao achou a medicação correta como muitos falam

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      É possível. Você ainda não se acertou com o tratamento.

  • Mari Fields

    Olá, Dr. Pedro, minha dúvida: pelo fato de a síndrome do pânico trazer tantos sintomas físicos (taquicardia, sudorese, tremedeiras) relacionados a problemas cardíacos, uma pessoa que sofra dessa síndrome pode vir a ter um problema cardíaco, de fato? Deixa eu ser mais clara: tantos episódios de taquicardia e estresse por conta do pânico não podem acarretar em uma doença cardíaca propriamente dita? Grata!

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Não. Para isso ocorrer teria que ser algo diário e várias vezes por dia por várias semanas seguidas.

  • Raquel Beghini

    Olha, muito obrigada por ter respondido tão prontamente. Abraços.

  • Raquel Beghini

    Ainda não deu pra escrever nada sobre Transtorno Bipolar?

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Não, Raquel. Assuntos de psiquiatria são muito específicos e demandam algum tempo de estudo para que eu não escreva informações erradas. Para mim, é muito mais fácil escrever sobre doenças clínicas, que são o meu dia-a-dia como médico. Com certeza escreverei sobre todas as principais doenças psiquiátricas, só não posso prometer um prazo.

  • daniela

    Boa tarde!

    Tenho depressão desde que me entendo por gente, é muito dificil viver com a depressao tem dias que se pudesse não saia da cama,não falava com ninguem ,nada me da prazer,falta paciencia,sinto muita ansiedade por isso fumo muito,tenho tremoris nas mão,angustia contante,ja tentei suicidio varias veses lugar nenhum me agradaas veses acho que o mundo ta comtra min ,que Deus me esqueceu ,depois me arrependo de ter paensado tudo isso ,

  • Jr

    Sindrome do pânico, stress, vida pessoal e profissional no limite, Rivotril, Sertralina, Ocadil, terapia… Depressão!
    Solidão, rejeição, dor, e espera do fim. Se manter vivo é um ato heróico! Só não se sabe o quanto se pode suportar.
    Como será o próximo post?

  • http://profile.yahoo.com/TXJIIQCZTH4XNFU234Y2ADXMPE albafeline

    Farei uma cirurgia de pedra na vesicula em janeiro e agora em novembro comecei a tomar dois medicamentos antidepressivos: pristiq e seroquel xro. Terei que interromper o tratamento, pois pode afetar nos medicamentos utilizados na anestesia geral? Desde já, grata pela informação.

    • https://plus.google.com/+PedroPinheiro/ Dr. Pedro Pinheiro – MD.Saúde

      Não, mas o anestesista precisa saber que você usa estes remédios.

  • Julianamaroni

    Achei otimos esses temas escolhidos, porem preciso saber muito mais sobre transtorno bipolar como por exemplo sintomas, causas e o principal como devol lidar com essa situação pois sou casada com uma pessoa a 3 anos e preciso saber como lidar com ele pois ele nao aceita ajuda medica estou sofrendo muito com essa situação. preciso de ajuda…..

  • susan-marie de Araujo

    Roberta, eu tenho sindrome do panico ha 12 anos, não tomo remedios e tenho uma vida normal . no começo foi um pesadelo, mas graças á Deus hoje esta tudo sob controle. quando vi que os medicos não podem ajudar e que os remédios não curam eu resolvi estudar o sindrome e me estudar a mim mesma e conhecer meus limites e respeitá-los.fiquei 6 mêses tomando antideprecivos e remedios para anciedade, isso me deu desespero pois estes remedios fortes podem matar se misturados com outros, e também eu não era eu. preferia morrer do que viver dopada. aprendi sozinha á lidar com cada sintoma, e para cada sintoma tenho uma tecnica e depois de um ano inteiro aprendendo a discernir os sintomas e a praticar as tecnicas, finalmente vi que eu era mais forte que o pânico e hoje esta sob controle. não tenho convênio e nunca fui á um psiquiatra.hoje eu ajudo as pessoas com o mesmo problema.não é facil, a pessoa tem que ser forte e crer que vai vencer. a crise de pânico e apenas uma anciedade muito grande que passou dos limites, e quando a anciedade passa dos limites transforma-se num medo .geralmente as crises aparecem uns 3 mêses depois que a pessoa passa por um stress muito grande. eu perdi um irmão assassinado e dez meses depois minha sogra morreu de cancer foi muito dificil, mas no meio dessa tempestade eu aprendi á lidar com os sintomas do pânico. hoje me considero uma vencedora. ainda tenho os sintoma, mas vem muito fracos e sei como impedir de ter uma crise e isso não me incomoda mais. fui persistente e venci. se quiser informaçôes sobre as tecnicas que uso meu imail é susandearaujo@ymail.com. Creio que com a ajuda de Deus sua prima vai superar o problema assim como eu.

  • Soraya-alves-69

    sofro de depressão a 10 anos sempre estou triste  chorosa, cansada, durmo o dia todo para não ver o tempo passar fico dias sem comer irritada agressiva baixa estima nao consigo finalizar nada que começo e nem tenho animo para viver nada tem graça odeio barulho entro em panico quando penso que tenho que sair me da até dor de barriga, vivo angustiada e amo o silencio e a solidao me afastei de todos e de tudo , tenho problemas de memoria e raciocinio, sinto-me fraca, cansada ouço vozes e ate vejo vultos acho que estou enlouquecendo mesmo tomando os antidrepressivos ainda não consigo viver uma vida normal ja tentei me matar umas 3 vezes sou professora e ja cheguei ao meu limite de licenças existe alguma possibilidade de eles me aposentarem sem eu querer e se isso acontecer tenho direito a aposentadoria integral. me ajude pelo amor de Deus.

  • Roberta Honorato

    Boa Noite,
    Preciso muito de ajuda, é a segunda vez que minha prima tem essas crises de depressão, pânico e de fica sem dormi, a primeira vez ela fico  5 anos mal, até que um médico receitou para ela tomar de dia 1 Venlift 75 mg e 1 Frontal xr 2 mg. A noite tomava 1 Zypexa olanzapina 10 mg, 1 Pristiq 50 mg, 1 Rivotril 2 mg, fiquei boa por 7 anos, até que a mãe dela faleceu e tudo voltou, procuramos o mesmo médico, mais não obtivemos sucesso, dai começou a batalha atras de médico e remédios certos, pois já levamos ela a vários psiquiatras e cada um deles passa um diagnostico diferentes, ela eu não consigo dormi, tem crises de pânico, agora ela esta tomando novamente o Frontal xr e ele esta controlando um pouco os pânicos, toma ele uma vez ao dia de manhã, a boite tomo Geodon 80mg mais outro Geodon de 40 mg, Quetiapina 200 mg, o Venlafaxina 75 mg e Lamitor 100mg essa medicação foi receitado por outro médico que a diagnosticou com distúrbio bipolar, o primeiro medico disse que ela tinha principio de esquizofrenia, distúrbio no sono ( segundo ele, ela não atinge o grau de sono necessário para o celebro descansar ) e síndrome do pânico, os outros médicos que fui nem vou comentar pois só esses dois que conseguiram controlar um pouco ela . Esses remédios não estão dando fim sofrimento dela, ela melhorou um pouco, mais ainda não é a mesma pessoa, fica muito deitada, continua tendo crises, tem muita tonteira, sensação de cabeça fraca, tremedeira, dor de cabeça, mania de fica olhando se estar piscando os olhos e se estar respirando, tem medo de morre, atualmente ela morra comigo Espirito Santo e não tenho muito recursos para seu tratamento, graças a deus contamos com doações e alguns remédios consigo pega no SUS, enfim souber indicar algum médico ou algum remédio que faça ela dormi , vou ficar muito feliz, quero poder ver ela viver normal novamente…..