Artigo atualizado em 29/06/2013

VÔMITO E DIARREIA | Gastroenterite viral

A gastroenterite viral é uma das doenças mais comuns da humanidade, perdendo em incidência apenas para as infecções respiratórias. A gastroenterite viral pode ser provocada por vários vírus diferentes e acomete pessoas de todas idades, sexo, etnia e condição econômica. Seus principais sintomas são diarreia aquosa, cólicas e vômitos.

Estima-se que, em todo o mundo, as gastroenterites de origem viral sejam responsáveis por mais de 5 bilhões de episódios de diarreia a cada ano. Enquanto o número de casos de gastroenterites de origem bacteriana e parasitária está em queda, devido a gradual melhoria das condições de saúde pública e infraestrutura, como rede de esgoto, saneamento básico, maior disponibilidade de água potável e maior educação da população, os casos de gastroenterite viral mantém-se mais ou menos estável, com um ritmo de redução bem mais lento.

Neste artigo vamos abordar os seguintes pontos sobre a gastroenterite viral:

  • O que é uma gastroenterite viral.
  • Causas da gastroenterite viral.
  • Transmissão da gastroenterite viral.
  • Sintomas da gastroenterite viral.
  • Diagnóstico das gastroenterites virais.
  • Tratamento gastroenterite viral.

Neste texto iremos falar apenas sobre as diarreias de origem viral. Se você deseja mais informações sobre diarreia em geral, leia: DIARREIA | Causas e tratamento.

O que é gastroenterite viral.

Gastroenterite é um termo que significa inflamação do estômago e dos intestinos. A gastroenterite pode ser causada por vários fatores, como infecções por parasitas e bactérias, remédios, álcool, ou doenças, como intolerância à lactose, doença de Crohn (leia: DOENÇA DE CROHN | RETOCOLITE ULCERATIVA) ou doença celíaca (leia: DOENÇA CELÍACA | Enteropatia por glúten). Gastroenterite viral é qualquer gastroenterite provocada por um vírus.

Quando a inflamação da gastroenterite é predominantemente do estômago, náuseas e vômitos são os sintomas são proeminentes. Quando são os intestinos os mais acometidos, cólicas abdominais e diarreia dominam o quadro. Porém, não é incomum o paciente apresentar uma quadro com inflamação extensa, sofrendo com vômitos e diarreia ao mesmo tempo.

O quadro de diarreia ocorre porque o vírus ataca as células da mucosa do intestino, principalmente do jejuno e do íleo, que correspondem aos 2/3 finais do intestino delgado. A inflamação resultante deste ataque destrói as vilosidades do intestino, que são as estruturas responsáveis pela absorção dos nutrientes digeridos. Além de impedir a absorção de nutrientes, alguns vírus, como o rotavírus, estimulam a secreção de água pelas células intestinais, provocando uma diarreia aquosa e profusa, fazendo com que o paciente evacue mais de 15 vezes por dia.

O quadro de vômitos é causado por inflamação e irritação da parede do estômago, que passa a tolerar mal a presença de alimentos.

Causas da gastroenterite viral

Vários vírus diferentes podem provocar gastroenterite, sendo os mais comuns:

- Rotavírus.
- Norovírus (antigamente chamado de vírus Norwalk).
- Adenovírus.
- Sapovírus.
- Astrovírus.

Nos adultos o norovírus é a principal causa de diarreia aguda, sendo responsável pela maiorias das epidemias de gastroenterite viral. Na população pediátrica, principalmente nas crianças até 2 anos, o rotavírus é a principal causa de gastroenterite. Adultos também podem ter diarreia por rotavírus, mas ela é menos comum e o quadro clínico costuma ser bem mais brando.

A incidência das diarreias por rotavírus em crianças tem caído bastante desde a introdução da vacina contra esse vírus. As formas de gastroenterite grave por rotavírus caíram mais 95% na população vacinada.

Transmissão da gastroenterite viral

As gastroenterites virais são chamadas em inglês de “stomach flu”, que numa tradução grosseira pode ser chamado de “gripe estomacal”. Apesar do vírus da gripe não provocar gastroenterite, a analogia é feita devido às semelhanças entre as formas de transmissão e a facilidade de contágio destes vírus.

Lavar as mãos contra gastroenterites

Na maioria dos casos, a transmissão é feita pelo contato próximo, principalmente por mãos contaminadas pelo vírus. Fezes e vômitos dos pacientes contaminados possuem elevadas cargas de vírus. Se uma higiene adequada das mãos não for feita após cada evacuação, este paciente pode contaminar roupas e objetos, facilitando a dispersão do vírus. Pais que não lavam as mãos adequadamente após cada troca de fraldas do filho podem espalhar o vírus para o resto da família. Alimentos preparados por pessoas doentes (principalmente se crus ou mal cozidos) ou águas contaminadas com fezes também são vias comuns de transmissão.

A transmissão através do ar também é possível, principalmente através de gotículas de saliva durante a fala, tosse ou espirros. Também há suspeitas de que o vírus possa ser transmitido pelo ar através dos vômitos. Sugere-se que a limpeza dos vômitos seja feita não somente com luvas, mas também com máscaras.

Sintomas da gastroenterite viral

As gastroenterites causadas pelo norovírus, sapovírus ou astrovírus podem provocar desde uma doença leve, com febre baixa e diarreia leve, até um quadro bem grave, com febre alta e dezenas de episódios de vômitos e diarreias ao longo do dia . A presença de vômitos é mais comum com infeções causadas pelo norovírus e pelo sapovírus. Já o rotavírus só costuma causar diarreia importante nas crianças ou nos adultos com imunidade deficiente.

Diarreia pelo norovírus

A gastroenterite pelo norovírus costuma provocar sintomas 1 a 3 dias após a contaminação. O quadro é de início abrupto, com vômitos e/ou diarreia. A diarreia costuma ser moderada, com 4 a 8 evacuações por dia. As fezes são bem líquidas e não há presença de sangue, pus ou muco. Também são comuns dor muscular, mal-estar, dor de cabeça, cólicas, dispepsia (leia: DOR NO ESTÔMAGO | DISPEPSIA) e febre ao redor de 38-39ºC. Em adultos saudáveis, esta forma de gastroenterite provoca desconforto, mas não costuma causar graves consequências. Em dois ou três dias o paciente se recupera do quadro sem maiores problemas.

Manifestações mais graves da doença podem ocorrer em crianças pequenas, idosos ou pacientes debilitados, já com outros problemas de saúde.

Diarreia pelo rotavírus

A gastroenterite pelo rotavírus é habitualmente branda em adultos, mas pode ser bem grave em crianças muito pequenas. Algumas crianças podem ter mais de 20 episódios de vômitos e/ou diarreia por dia, levando a quadros de desidratação grave. A diarreia pelo rotavírus é bem aquosa e também não contém sangue, pus ou muco. O quadro surge habitualmente 48 horas depois da contaminação e o paciente fica por até 10 dias eliminando o vírus nas fezes. Os sintomas duram de 12 a 60 horas.

A maioria das crianças não vacinadas irão contrair o rotavírus até o 3 anos de idade, devido ao intenso e próximo contato entre as mesmas em creches e infantários. A primeira infecção costuma ser a mais severa. Depois, como o organismo desenvolve anticorpos, as reinfecções ao longo da vida costumam ser bem mais brandas. Por isso, as infecções por rotavírus em adultos costumam ser leves. Nos pacientes devidamente vacinados, 60% ficam totalmente imunes ao vírus e mais de 95% ficam imunes às formas graves da gastroenterite.

Diagnóstico das gastroenterites virais

Na maioria dos casos, o diagnóstico é feito somente com base no exame médico. Até existem testes para rotavírus e norovírus nas fezes, mas eles são desnecessários na maioria das vezes, já que o tratamento das diarreias aquosas, sem sinais de sangue ou pus, é basicamente o mesmo, seja ela de origem viral ou não.

O exame das fezes pode ser útil se o médico tiver dúvidas entre a gastroenterite viral ou bacteriana. Geralmente, os sintomas são diferentes, mas em alguns casos a distinção pode não ser tão simples.

Tratamento das gastroenterites virais

Não existe um remédio específico para curar diarreias causadas por vírus. E nem é preciso, pois na maioria dos casos a doença é autolimitada e de curta duração. O principal objetivo do tratamento é impedir que o paciente desidrate por conta das grandes perdas de água nas fezes e nos vômitos. A hidratação adequada é muito importante, principalmente nas crianças pequenas. Em casos graves, a internação hospitalar para administração de soro intravenoso pode ser necessária.

Já existem soluções prontas para a hidratação por via oral à venda nas farmácias, como o Pedialyte®. Nas farmácias populares este soro é distribuído gratuitamente. Esta forma de hidratação é mais eficiente do que água pura ou soro caseiro feito em casa.

Antibióticos não devem ser usados, pois eles só funcionam para diarreias provocadas por bactérias. Remédios para parar a diarreia, como a loperamida (Imosec®), não devem ser usados em diarreias agudas e de origem infecciosa, pois podem piorar o quadro e causar efeitos colaterais importantes.

Probióticos, como lactobacillus (Floratil® – Saccharomyces boulardii), podem ser úteis, ajudando a reduzir o tempo de doença em alguns casos. Mas não espere efeitos milagrosos, como resolução da diarreia após algumas horas.

Não é preciso interromper a alimentação durante o quadro de gastroenterite. Evite apenas alimentos muito gordurosos ou que piorem o seu enjoo. Não é precioso fazer nenhuma dieta muito restritiva. Dê preferência a alimentos ricos em água, como frutas, sopas, iogurtes, etc. A maioria dos pacientes não apresenta problemas com a ingestão de lactíneos.

Publicidade
  • http://www.facebook.com/mariadapenha.souza.3914 Maria da Penha

    nossa,vcs são dez,não largo mais essa pag.são coisas que nós aprendemos,e entendemos de forma clara.e única parabéns………………..

  • Giovana

    Ótimo esses conteúdos!Está sempre me ajudando!Parabéns ao Dr Pedro Pinheiro!Abraços!

  • priscila mota melo

    Dr. A um senama meu filho de 2 ano comeu um lanche com maionese temperada. Agora todo dia ele vomita seco tem dor forte na barriga e esta com diarreia. Ajuda por favor

    • http://www.mdsaude.com Pedro Pinheiro

      Lamento, mas eu moro do outro lado do planeta, não tenho como lhe ajudar. Se o seu filho pequeno está há dias com dor abdominal e vomitando, ele já deveria ter sido visto por um pediatra.