Exame de HIV – Janela imunológica, teste rápido e ELISA

Os testes mais modernos conseguem detectar a infecção pelo HIV até 15 a 20 dias após o contágio.

Introdução

Anualmente, entre 2,5 e 3 milhões de pessoas se infectam com o vírus HIV. Muitas delas levam anos até descobrirem que estão contaminadas.

Na verdade, cerca de um terço dos indivíduos atualmente contaminados pelo HIV não sabem que são soropositivos, pois nunca realizaram o teste para o diagnóstico, chamado sorologia para o HIV. Isso corresponde a mais de 10 milhões de pessoas em todo o mundo.

Desde a década de 1980, quando os primeiros testes para o HIV foram desenvolvidos, muita coisa mudou, principalmente em relação à janela imunológica, que inicialmente era de até 6 meses e hoje caiu para apenas 4 semanas.

A sorologia para o HIV é um teste muito importante, pois o diagnóstico precoce aumenta as chances do paciente soropositivo viver de modo saudável por muitos anos. Além disso, saber que é portador do HIV também ajuda a reduz risco de transmissão para outras pessoas.

Atualmente, indicamos a realização da sorologia para HIV para os pacientes com sintomas de infecção aguda ou crônica pelo vírus, assim como para aqueles que tiveram comportamento de risco, com possível exposição ao HIV. O teste do HIV também costuma ser feito de rotina nas mulheres grávidas.

Índice

Esse artigo abordará os seguintes pontos sobre os testes diagnósticos do HIV:

  • Sorologia para HIV.
  • Janela imunológica atual.
  • Quando é necessário repetir a sorologia.
  • Causas de falso positivo.
  • Causas de falso negativo.
  • Teste rápido para HIV.

 Sorologia para HIV

A sorologia tradicional existe desde 1985 e é conhecida como ELISA (Enzyme-Linked Immunoabsorbent Assay). O ELISA pode ser usado para várias doenças além do HIV, sendo uma técnica que permite a detecção de anticorpos específicos no sangue. Neste tipo de teste não se pesquisa diretamente a presença do vírus, mas sim a existência de anticorpos contra o mesmo. Existem outras metodologias além do ELISA para se detectar anticorpos contra o vírus HIV, como o MEIA, EQL e ELFA e CMIA, mas o ELISA ainda é o método mais popular.

A lógica do exame é simples: só haverá anticorpos contra HIV no sangue se o paciente tiver sido contaminado pelo vírus. Pessoas que nunca tiveram contato com o HIV não têm como desenvolver anticorpos contra o mesmo. O nosso sistema imunológico só consegue produzir anticorpos contra uma determinada doença se ele tiver sido previamente exposto ao seu agente causador, seja ele um vírus ou bactéria.

Os anticorpos são proteínas produzidas com o objetivo de combater agentes infecciosos específicos. Uma vez que o vírus HIV tenha entrado em nosso organismo, ele é imediatamente capturado pelas células de defesa e sua estrutura é analisada. A partir desta análise, o sistema imune torna-se capaz de produzir anticorpos diretamente voltados para combater este invasor. Sempre que entramos em contato com algum germe pela primeira vez, o corpo demora algum tempo para analisar sua estrutura e produzir anticorpos específicos. Porém, uma vez reconhecido, o paciente terá anticorpos para o resto da vida. Um anticorpo contra o HIV só ataca o vírus do HIV, ele é inócuo para outras infecções, como por exemplo, gripe ou catapora.

As atuais técnicas de sorologias para HIV conseguem detectar a presença de anticorpos contra o HIV-1 (subtipo mais comum e agressivo) e HIV-2 (subtipo menos contagioso e menos agressivo).

Janela imunológica

O tempo que decorre entre o momento da contaminação por um vírus até a produção de quantidade suficiente de anticorpos para serem detectados na sorologia é chamado de janela imunológica. Portanto, quando falamos que um teste tem uma janela imunológica de 3 meses, isto significa que o exame só será capaz de dar positivo 3 meses depois do paciente ter entrado em contato com o determinado vírus ou bactéria. Qualquer resultado negativo antes desses 3 meses não é confiável.

Nas últimas décadas, o diagnóstico sorológico do HIV evoluiu muito. A primeira geração das sorologias com ELISA, usada na década de 1980, tinha uma janela imunológico de 6 meses. Hoje, já estamos na 4º geração do ELISA, que é superior às gerações antigas não só pelo fato de conseguir detectar anticorpos contra o HIV mais precocemente, mas também por conseguir pesquisar o antígeno P24, uma proteína existente no vírus HIV.

O ELISA 4ª geração é, portanto, um teste duplo que procura por anticorpos e por proteínas do próprio vírus. Deste modo, a janela imunológica é bem mais curta e o teste consegue detectar infecções com menos de 4 semanas (em alguns casos em até 2 semanas).

Atualmente, a taxa de detecção do ELISA 4a geração é de 95% com a janela imunológica de 4 semanas. Com janela de 6 semanas, a taxa de acerto é de praticamente 100%.

Resultado do exame de HIV

1. Se a sorologia vier negativa

Sempre que um paciente faz uma sorologia para HIV e o ELISA vem negativo, o resultado é liberado para o paciente sem necessidade de realizar outros testes confirmatórios.

O protocolo indicado é fornecer o resultado com a seguinte frase: “Amostra Não Reagente para HIV”.

2. Se a sorologia vier positiva

Quando ELISA fornece um resultado positivo para HIV, ele precisa ser confirmado por um outro exame, que pode ser um dos três seguintes métodos:

  • Western blot.
  • Imunoblot.
  • Imunofluorescência indireta para o HIV-1.

O resultado positivo somente é liberado se o exame confirmatório também for positivo. O Western blot, por exemplo, tem uma acurácia de 99,7%. Quando temos dois resultados positivos (ELISA + WB) a chance de falso positivo é desprezível.

O resultado positivo confirmado por duas técnicas é liberado como: “Amostra Reagente para o HIV”.

3. Se a sorologia vier indeterminada

Algumas vezes, o ELISA apresenta um resultado duvidoso, sendo incapaz de afirmar se há ou não a presença de anticorpos no sangue. Nesses casos com resultado indeterminado, o laboratório costuma entrar em contato com o paciente para solicitar uma nova amostra de sangue para que o teste possa ser refeito.

O laudo do laboratório costuma referir: “Amostra Indeterminada para HIV”. Este fato significa que houve um problema técnico com a amostra que a tornou incapaz de fornecer um resultado confiável.

Quando o ELISA é positivo, mas o teste confirmatório com Western blot é negativo, o resultado também é liberado como “Amostra Indeterminada para HIV”. Nesses casos, o paciente deve retornar ao laboratório em 30 dias para colher nova amostra de sangue.

Alguns laboratórios enviam os resultados indeterminados para centros de referência para realização do teste NAT (Teste de Amplificação de Ácidos Nucleicos) que pesquisa a presença do RNA do vírus no sangue. O NAT consegue detectar o HIV com janela imunológica de apenas 8 dias.

Se um resultado inicialmente indeterminado vier negativo pelo NAT, o laboratório libera o resultado como “Amostra Não Reagente para HIV”.

Quando é necessário repetir um exame negativo?

O exame não reagente para HIV é geralmente um resultado definitivo. Como já referido, se respeitada a janela imunológica de um mês, o risco de falso negativo é muito baixo.

Porém, se o paciente acha que foi contaminado ou foi exposto a uma situação com elevado risco de contaminação, como sexo anal desprotegido ou acidentes com agulhas, sugere-se a repetição do teste após 30 dias.

Se esta situação de risco aconteceu com alguém sabidamente HIV, ou seja, se o paciente tem certeza que foi exposto ao vírus HIV, sugere-se que o teste não reagente seja repetido duas vezes, uma aos 3 meses e outra aos 6 meses, para se descartar os raros casos de conversão tardia.

É importante salientar que mesmo nos pacientes expostos ao HIV, um teste inicial negativo torna o risco de contaminação muito baixo. A repetição é indicada apenas porque há casos raros de seroconversão tardia e casos ainda mais raros de falso negativo (não existe exame laboratorial 100% perfeito).

Nos pacientes que fazem o teste para HIV apenas por rotina ou sem que tenha havido uma situação de risco relevante, um único resultado negativo é suficiente, não sendo necessária a repetição do exame.

Resultados errados

Causas de resultados falso positivos

Alguns fatores aumentam o risco da sorologia do HIV dar falso positivo. Os mais comuns são: gravidez, neoplasias, doenças autoimunes e vacinação recente contra gripe.

Porém, conforme foi explicado nos tópicos anteriores, o protocolo atual de liberação dos resultados, com um ou dois testes confirmatórios, praticamente elimina o risco de um resultado resultado falso positivo ser entregue ao paciente.

 Causas de resultados falso negativos

A principal causa de resultado falso negativo é a realização do exame antes da janela imunológica sugerida. Pelo menos um mês de intervalo deve ser respeitado para a realização do ELISA de 4ª geração, e pelo menos 3 meses para o ELISA de 3º geração.

Teste rápido para HIV

Os testes rápidos para HIV ganharam bastante popularidade a partir dos anos 2000. O teste rápido é aquele capaz de liberar o resultado em apenas 30 minutos. Este teste pode ser feito com uma pequena amostra de sangue colhida através de um furinho no dedo ou através da saliva, dependo do tipo de teste usado.

Os testes rápidos pra HIV têm uma sensibilidade um pouco menor do que os testes sorológicos tradicionais, porém, ainda assim, a sua taxa de falso negativo é baixíssima. Portanto, um resultado negativo no teste rápido tem o mesmo valor do resultado negativo na sorologia tradicional. Um resultado positivo deve ser confirmado pelo sorologia tradicional.

Em geral, indica-se o teste rápido naqueles casos onde deseja-se um resultado rápido. Ele é importante, por exemplo, para profissionais que se acidentam com agulhas (neste caso o teste é feito no profissional e no paciente) ou em grávidas que chegam em trabalho de parto sem terem realizado exames pré-natais.

Os pacientes com exposição ao HIV ou com comportamento de risco recente devem dar preferência ao teste tradicional, pois este ainda é o melhor exame para o HIV.

ARTIGOS SEMELHANTES

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. OkSaiba mais