Queda de cabelo após o parto – Eflúvio telógeno gravídico

0

O que é eflúvio telógeno gravídico?

Cuidar de um bebê nos primeiros meses de vida pode causar grande estresse emocional e ainda impedir a mãe de se alimentar bem e descansar o suficiente. Mas esses não são os motivo pelos quais o cabelo da mãe cai. Pelo menos não são os principais motivos. A causa é o eflúvio telógeno gravídico, que conforme será explicado a seguir, é um mecanismo fisiológico normal.

O corpo da mulher passa por diversas transformações ao longo da gravidez, grande parte delas devido à ação hormonal. Muitas alterações estéticas são indesejadas, como o surgimento de estrias, os inchaços, as varizes e as manchas na pele. Porém, há pelo menos uma dessas modificações na aparência que as grávidas não costumam se queixar: os cabelos tornam-se mais densos, brilhosos e aparentemente mais saudáveis.

Infelizmente, após o parto, todo o estímulo hormonal que mantinha o cabelo mais grosso e denso é subitamente eliminado, dando origem a um quadro de grande perda de cabelo, chamado eflúvio telógeno gravídico. Essa queda de cabelo costuma iniciar-se no primeiro mês pós-parto e pode durar até 15 meses.

Informações em vídeo

Antes de seguirmos em frente com as explicações, assista a esse curto vídeo que resume as informações contidas nesse artigo.

Por que os cabelos crescem na gravidez e depois do parto começam a cair?

O nosso couro cabeludo possui aproximadamente 100.000 fios de cabelo. A todo momento há cabelo nascendo, crescendo e caindo. Como a queda e o nascimento são feitos de forma dessincronizada, não é esperada a ocorrência de episódios de perda de maciça de cabelo, gerando “buracos” no couro cabeludo. Pelo contrário, a queda de cabelo ocorre de forma lenta e contínua em diversos pontos da cabeça.

O ciclo de vida do cabelo dura vários anos e é dividido em três fases:

  1. Anágena ou fase de crescimento dos cabelos. Dura em média de 2 a 3 anos.
  2. Catágena ou fase de involução. Dura apenas algumas semanas, em média duas ou três. Nessa fase, o cabelo para de crescer e o folículo começa a regredir.
  3. Telógena ou fase de queda. Dura 3 a 4 meses. O cabelo se solta da papila e uma nova fase de crescimento começa. O cabelo antigo cai quando o novo cabelo o empurra para fora.

Em situações normais, o nascimento de novos fios é mais ou menos igual à taxa de queda, de forma que o cabelo mantenha uma densidade estável durante meses ou anos. Em qualquer momento, 90% dos cabelos estão na fase de crescimento e 10% estão ou estagnados ou na fase de queda.

Ciclo do cabelo
Ciclo de vida do cabelo

Portanto, o cabelo tem um tempo limitado de vida. Perder vários fios de cabelo todos os dias é absolutamente normal e ocorre com todo mundo. A média é de 50 a 150 fios por dia. O problema surge quando a telógena passa a ser mais intensa que a anágena, ou seja, quando a taxa de queda de cabelo é maior que a taxa de crescimento de novos fios.

Na gravidez, a estimulação hormonal, principalmente do estrogênio, causa uma desaceleração no ciclo do cabelo, tornando a passagem da anágena para telógena bem mais lenta. O resultado é um aumento da quantidade de cabelos na fase de crescimento e uma redução dos cabelos na fase de queda. Por isso, os cabelos tendem a ficar mais volumosos e “vivos”. Durante a gravidez, a mulher realmente passa a ter mais cabelo, não porque ele cresce mais, mas sim porque ele demora mais tempo para cair.

Quando a gravidez acaba, cessa o estímulo hormonal e o processo se inverte. Uma grande quantidade de fios entra na fase telógena. Em vez de termos uma proporção de 90/10 entre cabelos crescendo e caindo, passamos a ter até 70/30. Em vez de perder 50 fios por dia, a mulher pode passar a perder até 500 fios.

O eflúvio telógeno gravídico costuma durar várias semanas. Habitualmente, são necessários entre 6 a 15 meses até que o cabelo alcance novo equilíbrio, voltando a ter uma taxa de queda semelhante a de nascimento. Ao final, o cabelo tende a voltar ao volume que tinha antes da gravidez, mas, em alguns casos, ele pode ficar menos denso.

Existem outros motivos para queda de cabelo pós-parto?

Chamamos de eflúvio telógeno qualquer perda de cabelo que ocorra por aumento da fase telógena. O eflúvio telógeno gravídico é apenas um dos tipos de eflúvio. Outras causas comuns são:

Nada impede que a mulher no pós-parto possa ter outras causas de eflúvio telógeno além do parto. Mas, como já foi dito, a principal causa para queda do cabelo nessa fase é mesmo o fim do estímulo hormonal que estava mantendo o ciclo do cabelo artificialmente mais longo.

Se após cerca de 12 meses a sua perda de cabelo ainda se mantiver intensa, o ideal é procurar um dermatologista. É possível que você tenha alguma outra causa para eflúvio que esteja perpetuando a queda de fios.

A queda de cabelo após o parto pode deixar a mulher careca?

O eflúvio telógeno gravídico é um mecanismo natural, não é uma doença. A queda excessiva de fios surge simplesmente porque o ciclo de vida do cabelo está voltando ao seu normal. Todo aquele cabelo que está caindo é, na verdade, cabelo que já deveria ter caído nos meses anteriores, mas que não caiu devido a um anormal prolongamento da fase anágena.

Sendo assim, essa perda de cabelo é auto-limitada. Em alguns casos, o volume do cabelo pode até ficar menor que o anterior, mas a mulher não vai desenvolver calvície.

Tratamento do eflúvio telógeno gravídico

Não é necessário nenhum tratamento específico para a queda de cabelo após a gravidez. Como já referido, o quadro é natural e auto-limitado. Procure apenas evitar que outras causas de eflúvio telógeno possam surgir. Tente manter uma alimentação balanceada, não tome medicamentos ou suplementos sem necessidade, procure dormir e descansar o máximo possível e fique atenta a sinais de doenças, como lesões no couro cabeludo ou sintomas de hipotireoidismo.

Referências


ARTIGOS SEMELHANTES

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. OkSaiba mais