O que acontece com os pacientes internados em UTI?

Saiba quais são os principais procedimentos médicos realizados em uma unidade de tratamento intensivo (UTI).

50

Ter um parente ou amigo internado em um hospital é uma experiência desagradável. Quanto esta internação é em uma unidade de tratamento intensivo (UTI), o sentimento é ainda pior.

Estar internado em uma UTI indica que o caso inspira cuidados. O paciente que precisa de uma unidade de tratamento intensivo é aquele que necessita de monitorização constante dos seus sinais vitais, do estado hemodinâmico e da função respiratória.

A quantidade de máquinas ligadas e de procedimentos médicos invasivos, associados ao pouco tempo permitido de visita, costumam deixar os familiares muito confusos, assustados e estressados.

Para tentar diminuir esse trauma, vou explicar o princípio das máquinas acopladas aos pacientes de um UTI e os procedimentos mais usados pelos médicos.

MONITOR CARDÍACO

Todo paciente internado em uma UTI precisa estar monitorizado. O monitor serve para a equipe médica avaliar de modo contínuo e “ao vivo” os sinais vitais do paciente. Através de eletrodos, aparelhos de pressão automatizados e sensores ligados ao paciente é possível acompanhar a frequência cardíaca e respiratória, a pressão arterial e a saturação de oxigênio do sangue. O monitor cardíaco também nos fornece um traçado simples de eletrocardiograma, onde é possível identificar o surgimento de arritmias cardíacas.

Monitor cardíaco
Monitor cardíaco

O monitor é programado para alarmar sempre que houver:
– Acelerações ou desacelerações da frequência cardíaca.
– Picos hipertensivos ou hipotensão.
– Queda da saturação de oxigênio no sangue.

BOMBAS INFUSORAS

Pacientes internados em unidades de terapia intensiva frequentemente necessitam de drogas infundidas de modo contínuo. A bomba infusora permite a administração venosa de drogas em ritmo constante. Estas bombas podem ser usadas para administração de insulina, antibióticos, diuréticos, aminas vasopressoras (drogas usadas para aumentar a pressão arterial em caso de hipotensão persistente), sedativos, hipotensores, etc.

É muito comum os uso de bombas infusoras em pacientes em choque circulatório, que apresentam uma pressão arterial muito baixa, insuficiente para a perfusão de órgãos e tecidos.

Bomba infusora
Bomba infusora de medicamentos

O tratamento do choque visa o aumento da pressão arterial, de modo a garantir uma boa perfusão de sangue para os órgãos. Esta elevação da pressão arterial é feita através da infusão de drogas. As mais usadas são a noradrenalina e a dopamina. Como ambas são drogas muito potentes e de curtíssima duração, elas precisam ser administradas continuamente e com velocidade estável.

Assim como podemos tratar hipotensões com medicamentos, um pico hipertensivo de difícil controle também pode ser controlado pela administração de venosa de drogas através de uma bomba infusora. Deste modo, conseguimos administrar drogas muito potentes para uma redução gradual e controlada da pressão arterial, sem risco de causar uma hipotensão.

A bomba infusora também é usada nos casos em que precisamos manter os pacientes sedados, como naqueles que estão em ventilação mecânica (explico a ventilação mecânica mais abaixo). Esta sedação é conhecida popularmente como coma induzido (leia: COMA INDUZIDO). As drogas mais usadas para sedação são os benzodiazepínicos (ex: Midazolan), Fentanil ou Propofol.

Em doente diabéticos com níveis de glicose descontrolados, também podemos usar a bomba para uma lenta e contínua administração de insulina.

PUNÇÃO DE VEIA CENTRAL

O paciente que precisa de UTI costuma não estar em condições de tomar comprimidos. Além disso, muitos dos medicamentos usados em situações graves só existem na forma de administração venosa. Isto significa que o paciente em uma unidade de terapia intensiva recebe diariamente dezenas de medicamentos através de suas veias.

Cateter venoso central na veia subclávia
Cateter venoso central na veia subclávia

Nem todas as drogas podem ser administradas nas pequenas veias periféricas que temos nos braços. Dois exemplos comuns são as drogas para aumentar a pressão arterial, usadas no choque circulatório, e a nutrição parenteral, usada quando os pacientes são incapazes de se alimentar. Nestas situações, o tratamento só pode ser administrado em veias de grande calibre, que costumam ficar em áreas profundas do corpo. As veias profundas mais utilizadas são a veia subclávia (exemplo na foto ao lado), a veia jugular interna ou a veia femoral. O médico escolhe uma destas veias e implanta um cateter para poder administrar as drogas necessárias.

O cateter venoso profundo também pode ser usado nos casos em que não se consegue mais puncionar uma veia periférica dos braços ou das pernas. Se o paciente precisa de drogas intravenosas e não apresenta veias adequadas nos braços, uma veia profunda pode ser a solução.

VENTILADOR MECÂNICO

Uma das principais indicações de internação em uma UTI é a insuficiência respiratória, com necessidade de ventilação mecânica (respirador artificial). Se o paciente tem uma doença pulmonar e/ou cardíaca que dificulte sua respiração, o mesmo precisa de auxílio mecânico para não evoluir para parada respiratória.

Ventilador mecânico
Ventilador mecânico

O ventilador mecânico é uma máquina que garante a entrada de oxigênio nos pulmões do doentes que apresentam insuficiência respiratória, isto é, incapacidade de manter boa oxigenação dos tecidos. O respirador mecânico é capaz de fornecer oxigênio mesmo que o paciente já não consiga respirar por conta própria.

Intubação orotraqueal
Intubação orotraqueal

Para se acoplar o paciente a um ventilador mecânico é necessário primeiro que o mesmo seja submetido a intubação das vias respiratórias. A intubação orotraqueal consiste na introdução pela vias aéreas de um tubo plástico semirrígido, para que este possa ser ligado ao respirador.

Pacientes que necessitam de ventilação mecânica por vários dias são normalmente submetidos a uma traqueostomia. Deste modo, o tubo pode ser ligado diretamente à traqueia, não precisando mais passar pela boca. Este procedimento reduz os riscos de complicações, como lesões das cordas vocais, pneumonias e extubações involuntárias.

CATETERISMO VESICAL

Todo paciente com sinais de instabilidade hemodinâmica é submetido ao cateterismo da bexiga. Deste modo, conseguimos aferir precisamente o débito urinário do paciente.

Cateter vesical
Cateter vesical

Além de ajudar na avaliação do funcionamento dos rins, que é um dos primeiros a sofrer quando há instabilidade, a quantidade de urina produzida em 24 horas nos auxilia no planejamento do volume de líquidos que será infundido ao longo do dia.

Pacientes graves, com instabilidade dos sinais vitais, costumam apresentar insuficiência renal aguda, ou seja, uma ausência de funcionamento dos rins (leia: ENTENDA A INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA). Um dos sinais de sofrimento dos rins é a diminuição da diurese, ou seja, da produção de urina. Quando o paciente está com um sonda urinária é possível medir a produção horária de urina, sendo fácil detectar alterações da diurese.

HEMODIÁLISE

A insuficiência renal aguda é uma complicação comum nos pacientes em estado crítico internados em um CTI. Quando os rins param de funcionar, é preciso inciar um tratamento chamado hemodiálise (leia: HEMODIÁLISE – Entenda como ela funciona).

Máquina de hemodiálise
Máquina de hemodiálise

A máquina de hemodiálise procura fazer o papel do rins, retirando as toxinas do organismo e controlando o volume de água e os níveis de eletrólitos (sais minerais) do sangue.

O paciente ficará fazendo hemodiálise até que os seus rins mostrem sinais de recuperação. As sessões de hemodiálise podem ser contínuas, isto é, por 24h ininterruptas, ou por apenas algumas horas durante o dia, dependendo da gravidade do caso.

Existem vários outros procedimentos médicos invasivos realizados em uma UTI. Os que foram descritos aqui neste texto são apenas os mais comuns. É importante frisar que o paciente que necessita de uma unidade de tratamento intensivo normalmente apresenta falência de um ou mais órgãos vitais. Os procedimentos descritos acima visam monitorar e substituir essas funções até que o organismo seja novamente capaz de desempenhar esse trabalho por conta própria.

Por que os pacientes na UTI ficam inchados?

Uma das coisas que mais assusta e chama a atenção dos familiares é o edema (inchaço) generalizado que os pacientes internados apresentam (leia também: INCHAÇOS E EDEMAS). O edema é nada mais do que excesso de água na pele.

Pacientes com doenças graves costumam apresentam um quadro de inflação em todo o organismo. Nossos vasos sanguíneos apresentam poros microscópicos que permitem a passagem de água de dentro para fora e de fora para dentro, conforme o organismo ache necessário.Quando estamos com um estado de inflação sistêmica, esses poros aumentam de tamanho, permitindo a passagem além do desejado de água do sangue para os tecidos, principalmente para a pele.

Além da inflamação dos vasos sanguíneos, mais três fatores contribuem para o edema:
– Redução da produção de urina, o que provoca retenção de líquidos.
– Administração excessiva de líquidos através de soros e medicamentos.
– Diminuição das proteínas no sangue, que ajudam a segurar a água dentro dos vasos.

Apesar de assustar, o edema da pele por si só não traz grandes riscos. Ele é basicamente uma consequência do estado grave do paciente. Conforme há melhora do quadro clínico, o organismo consegue restaurar a distribuição normal da água corporal. Em geral, quando recebem alta hospitalar, os pacientes já não estão mais inchados.

Por que os pacientes ficam desorientados na UTI?

É muito comum os pacientes graves e com longo tempo de internação apresentarem o que chamamos de delirium. O delirium é um quadro de confusão mental aguda, que provoca várias alterações do estado mental do paciente. O quadro é transitório é costuma desaparecer conforme o estado geral do paciente melhora. Falamos sobre delirium em detalhes neste texto: DELIRIUM | Confusão mental.

ARTIGOS SEMELHANTES
50 Comentários
  1. Ana Maria.

    Parabens, amei tudo que li e me foi muito util, foi Deus quem iluminou vcs para fazer esse blog tenha certeza disso, obrigada.

  2. Dr. Pablo

    Faço residência médica em anestesiologia e também estou cursando uma pós em terapia itensiva em vassouras.No momento estamos no módulo de sepse,passei pelo site e achei muito bacana. Gostaria de parabenizar toda equipe do MD.Saúde. !!!!

  3. Iasmin

    Excelenteeeeeeeeee! Tive uma bb internada 45 dias em uma UTI. Só acho que poderiam falar sobre as infecções hospitalares… No mais, nota 1000! Muito esclarecedor! Façam mais outras páginas por favor! Atenciosamente, Iasmin

  4. Wil

    Parabéns muito explicativo e perfeito para leigos entender faço enfermagem e tinha muitas duvidas sobre uti e foram todas tiradas aqui.

  5. estevania

    Vocês são maravilhosos obrigada

  6. May

    Parabéns, tirei minhas duvidas sobre coma induzido, estou com um primo nesse estado e tava com muita duvida, obrigada

  7. Babiarsilva

    e de suma importancia que exista blgs como este para quem trabaha em uti .parabens!

  8. Moema_afm

    Fiquei satisfeita sobre a explicação do choque séptico, pois não sabendo dos sintomas, aconteceu com o meu neto . Ele faleceu com esse problema, e veio a falecer com apenas 1 ano e 2 meses. Foi uma grande perda para mim. Obrigada pela explicação!!!

  9. Helena

    Obrigada pelas explicações e principalmente por compartilhar o seu saber conosco.
    Feliz Páscoa!
    Helena

  10. Zilma

    São ótimos os artigos do Dr. Pedro Pinheiro, sou estudante de enfermagem e agora sim consegui entender perfeitamente como e porque acontece o edema generalizadona UTI
    parabéns!

  11. Lunaaraujorodrigues

    Muito bom…sou estudante de enfermagem e me esclareceu bastante coisa!! Obrigada e parabens pela sabedoria.

  12. Claudiafabiolamelo

    Muito bom Pedro,sucesso!

  13. Mercedes Lopes

    Gostei muito parabéns tirou algumas duvidas,

    obrigada

  14. marcos gean

    Por favor ,so me esclareça o seguinte:procede a informação de que uma pessoa com um quadro em que ha agua no pulmão nao pode receber soro,pois esse agravaria a situação?e isso pode levar a parada cardio respiratoria?obrigado e aguardo a resposta.

    1. Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde

      Água no pulmão é um termo leigo que pode ser usado em mais de uma situação. Você tem que ser mais específico para eu poder entender a situação.

  15. Oticavejabem2012

    oi tenho uma irma na uti agora entendir o que estar acontecenado  com minha irma obrigado

  16. Julianacapanema

    Nossa esse artigo me ajudou muito. Minha avó de 83 anos encontra-se internada em uma UTI, e para nós leigos é muito difícil ve-la com tantos aparelhos e sendo furada a todo instante. Com essa artigo pude compreender melhor a dinâmica de uma UTI, haja vista a linguagem super acessível.

  17. adriana vasseur de lima

    arrassssssssouuuuuuuuuuuu neeemmmmmmmmmmmm parabéns além de bonito ainda é inteligente bjca!!!!!!!!!!!!

  18. Claudetemenezes

    Ameiiiii

  19. Valeria Gama

    Maravilhoso este artigo!!!!!!!!!!!!!! Me sanou várias dúvidas…Muitíssimo obrigada Dr.

  20. Cíntia Pompeu

    Muito esclarecedor esse artigo. Simples e sucinto. Apesar de meu filhinho ter morrido de pneumopatia aguda, sepse, insuficiência renal aguda, agora estou mais preparada pra identificar os sintomas dessa doença e cuidar de meus dois outros filhos.

  21. Jonas Cesar Albano

    gostei olha isso que acabei de ver e uma excelência, de conteúdo muito obrigado pois me ajudou muito essas matériasTAF.’. jonas estudante tecno em enfermagem !!

  22. Michelle Almeida

    Dr. Pedro, achei bastante interessante essa matéria, infelizmente meu pai está numa Unidade de Terapia Intensiva e cercado por todos esses aparelhos. Gostaria, se possível, que o senhor me explicasse um pouco sobre Embolia Pulmonar maciça e sobre recuperação. Meu pai infartou faz 20 dias, não chegou a fazer cateterismo por causa dessa complicação e completa 10 dias hj que ele está na UTI. Ao falar com os médicos eles sempre dizem que o caso é grave e ele está estável, mas com todos os riscos gostaria de saber se há uma possibilidade de pacientes graves com embolia plumonar maciça se recuperarem. Desde já agradeço a atenção!

    1. Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde

      Possibilidade há, mas o risco de óbito é muito alto nestes casos.

  23. Silene Lívia

    Muito proveitosa as informações. Gostaria de compartilhar no meu face pois quero que mais pessoas conheçam e sejam instruídas, como faço?

    1. Pedro Pinheiro

      Use o botão de curtir que está no final do texto.

  24. Euda Carvalho

    muito esclarecedor,de linguagem clara e precisa,resumida porem proveitosas as informaçoes

  25. Halerrandro Lincoon

    Muito bom esse essas informações! Estou com meu Pai em recuperação pós Cirúrgica na UTI! Isso me ajudou a intender melhor a situação! Obrigado!

  26. Laine Ramos

    Minha Vó esta na UTI, e este site tirou todas as minhas dúvidas, Parabéns…. Adorei e vou recomendar o site pros amigos…

  27. Cristiane Cabral

    Adorei!!Vou ler todos!!

  28. max engeles

    Dr meu nome e max gostaria de uma resposta concreta, gostaria de saber se tem codicoes de uma pessoa q tar numa uti, feito uma traquiostomia e ta resebendo ventilasao mecanica tem como ter uma parada respiratoria aguda com o aparelho fazendo a funsao do pulmao.gostaria muito dr de receber essa resposta.muito obg dr

    1. Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

      Não, a ventilação mecânica funciona mesmo que o paciente não seja capaz de respirar sozinho. O que pode acontecer é o paciente morrer, aí não há máquina que dê jeito.

      1. paula oliveira

        Dr poque pacientes que ali estão adquirem infeção no pulmão e pneumonia devido a intubação ?isso e comum ou ha riscos ?

        1. Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

          A intubação cria uma via direta entre a cavidade oral e os pulmões. Isso facilita a vida das bactérias.

  29. grazy

    A pessoa que tem insuficiencia renal cronica , ja teve infarto , avc , faz hemodialise 3x por semana tem 58 anos esta bem debilitado . Quantos anos ele pode viver ainda?

    1. Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

      Essa pessoa é obviamente um paciente com elevado risco de mortalidade dentro de 10 anos. Mas não dá pra fazer previsões, até porque depende do grau do infarto e do AVC.

  30. Antônio

    Qual a justificativa para proibição de acompanhante?

    1. Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

      A UTI é um local de pacientes muito graves e que precisam de cuidados intensivos e constantes. Não dá para permitir a presença de várias pessoas no local. Cria confusão, atrapalha o trabalho da equipe e ainda aumenta o risco de infecções.

  31. Thiago Goulart Thiléo

    Boa tarde Doutor, me chamo Thiago, meu pai está internado e entubado a 3 dias devido a uma grave pneumonia, tem 63 anos, não tem pressão alta, nem diabetes, nem problemas cardiacos e n é fumante, mas n teve melhora, é normal isso? Estou muito preocupado, obrigado

    1. Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

      Se antes da pneumonia ele era saudável e tinha bom estado estado geral, a tendencia é que com tratamento médico adequado ele consiga melhorar. Como ele está agora?

  32. Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

    A pessoa pode ser internada quantas vezes for necessário. Mas se isso estiver ocorrendo com curto espaço de tempo, é sinal que o médico está errando na hora de dar alta. Quando um paciente tem alta do CTI, a não ser em situações excepcionais, não é para ele voltar na semana seguinte.

    1. Adriano Seixas

      Olá, Dr. Estou com meu cunhado na UTI devido a uma pancreatite grave, ate então ela nao atingiu nenhum outro órgão. Mas de acordo com os médicos que estão cuidando dele, ela é bem grave. Ele tava reagindo bem ao tratamento, mas, hj do nada piorou, ta com muitas dificuldades para respirar sozinho, dai foi intubado. A dúvida que tenho é, a dificuldade de respirar poder ser a infecção se espalhando, ou é do próprio procedimento natural de estar na UTI? Ele esta em como induzido. Mas, antes disso estava bem consciente, e pedia agua pra mae dele, e ela levou escondido por dois dias, agua e gelo. Isso pode agravar o quadro?

      1. Dr. Pedro Pinheiro

        A insuficiência respiratória pode ser complicação da própria pancreatite. É relativamente comum acontecer nos casos mais graves.

  33. Paulo Bomfim

    Muito bom e muito esclarecedor.. obrigado Dr.

  34. Maria Antonia

    Mmaria Antonia Rodrigues , pela primeira vez que procurei informaçoe ssobre os cuidaddos em , geral sobre paciente em UTI, o que li foi muito esclarecedor.

  35. Maria de Lourdes

    Muito boa essa matéria

  36. NELSON de Vasconcelos

    Uma ótima matéria e fácil de entendimento sobre o assunto de grande complexidade

Qual é a sua dúvida?

Antes de comentar, leia as REGRAS PARA COMENTÁRIOS.

Seu email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. OkSaiba mais