BULA DO CETOPROFENO – Posologia, Para Que Serve e Efeitos Adversos.

Bula simplificada do cetoprofeno com informações em linguagem simples.

O cetoprofeno, também conhecido pelo nome comercial Profenid, é um medicamento da classe dos anti-inflamatórios não esteroides (AINE), que apresenta propriedades analgésicas, antitérmicas e anti-inflamatórias.

Assim como todos os anti-inflamatórios, o cetoprofeno é indicado para uma série de condições de origem inflamatória, tais como artrites, traumatismos, inflamações dentárias, pós-operatórios e quadros de dor em geral.

Neste artigo, vamos fornecer as seguintes informações sobre o cetoprofeno:

  • Para que serve.
  • Nomes comercias mais comuns.
  • Posologia.
  • Efeitos colaterais.
  • Contra-indicações.
  • Interações medicamentosas.

Atenção: esse texto não tem como objetivo reproduzir a bula completa do cetoprofeno. O que faremos é uma revisão crítica do fármaco em linguagem mais acessível ao público leigo, eliminando as partes da bula que contém linguagem mais técnica e ressaltando as informações que são realmente relevantes para os pacientes que desejam tomar o medicamento.

Se você deseja informações gerais sobre todos os fármacos da classe dos anti-inflamatórios não esteroides (AINE), leia: ANTI-INFLAMATÓRIOS – Ação e Efeitos Colaterais.

Para que serve o cetoprofeno

O cetoprofeno é um fármaco anti-inflamatório indicado para o tratamento das dores de leve a moderada intensidade.

Entre as condições mais indicadas podemos citar:

O cetoprofeno em gel é indicado para o tratamento das dores de leve intensidade de origem muscular ou articular, tais como lombalgia, torcicolo, entorses, tendinites, distensões musculares e lesões de leve gravidade decorrentes da prática esportiva.

Nomes comerciais do cetoprofeno

O cetoprofeno pode ser encontrado na sua forma genérica ou através dos diversos nomes comerciais disponíveis no mercado, entre os quais destacamos:

  • Artrinid.
  • Artoprofen.
  • Artrosil.
  • Bi-Profenid.
  • Ceprofen.
  • Dou Cetofen.
  • Flamador
  • Profenid.

O cetoprofeno pode ser encontrado nas formas de comprimidos de 50,100, 150 ou 200 mg, gotas, xarope, supositório ou gel.

Existe também a forma injetável para administração intra-hospitalar, utilizada nos casos de dor mais severa, como nos pós-operatórios ou crises de cólica renal.

Preço

O preço da caixa do cetoprofeno varia de 15 a 45 reais, dependendo da dose, da marca, da farmácia e da formulação do medicamento (xarope costuma ser mais barato).

Posologia do cetoprofeno

Comprimidos:

A dose habitualmente recomendada é de 200 mg por dia (1 comprimido de 100 mg de 12/12 horas ou 1 comprimido de 50 mg de 6/6 horas). Nos casos de dor mais intensa, a dose máxima pode ser de 300 mg por dia (1 comprimido de 100 mg de 8/8h ou 1 comprimido de 150 mg de 12/12h).

Os comprimidos de 200 mg são de liberação prolongada e a sua posologia é de apenas 1 comprimido por dia.

Devido ao maior risco de efeitos adversos, nos pacientes idosos, recomenda-se não ultrapassar a dose de 200 mg por dia.

Os comprimidos não podem ser partidos, abertos ou mastigados e devem ser ingeridos, de preferência, durante ou logo após as refeições.

Gotas:

Cada gota contém 1 mg de cetoprofeno (apresentação de 20 mg/ml).

As doses recomendadas são:

  • Crianças acima de 1 ano: 1 gota por kg de peso a cada 6 ou 8 horas.
  • Crianças de 7 a 11 anos: 25 gotas a cada 6 ou 8 horas.
  • Acima de 12 anos: 50 gotas a cada 6 ou 8 horas.

Supositório:

1 supositório de 100 mg de 12/12 horas.

Assim como ocorre com todos os anti-inflamatórios, o tempo de uso do cetoprofeno deve ser o mais curto possível.

Efeitos colaterais do cetoprofeno

Por ser um anti-inflamatório não esteroide (AINE), o cetoprofeno compartilha de todos os efeitos adversos desta classe de fármacos, sendo os mais comuns:

  • Dispepsia (queimação no estômago) – 11%.
  • Dor abdominal – 3 a 9%.
  • Prisão de ventre – 3 a 9%.
  • Diarreia – 3 a 9%.
  • Flatulência – 3 a 9%.
  • Enjoos – 3 a 9%.
  • Insuficiência renal aguda – 3 a 9%.
  • Edemas – 2%.
  • Úlcera péptica – 2%.
  • Hemorragia digestiva – 2%.
  • Tonturas – menos de 1%.
  • Alterações visuais – menos de 1%.
  • Estomatite – menos de 1%.
  • Rash de pele – menos de 1%.

Obs: o cetoprofeno em gel apresenta pouca absorção sistêmica e os efeitos colaterais descritos acima não costumam ocorrer.

Duas complicações graves do cetoprofeno que merecem um pouco mais de atenção são a úlcera péptica e a insuficiência renal, situações que podem surgir com o uso prolongado de qualquer AINE. Pacientes que fazem uso crônico de qualquer anti-inflamatório também apresentam maior risco de complicações cardiovasculares.

Os AINE também são conhecidos por interferir no controle da pressão arterial, podendo provocar hipertensão e resistência aos medicamentos anti-hipertensivos.

precauções e contra-indicações

O cetoprofeno não deve ser administrado a nenhum paciente que já tenha tido reação alérgica ou crise de broncoespasmo relacionada a qualquer AINE ou ácido acetilsalicílico (aspirina).

Como os anti-inflamatórios inibem a ação das plaquetas, nos pacientes com cirurgia programada, o cetoprofeno deve ser suspenso pelo menos 48 horas antes do procedimento para minimizar o risco de hemorragia no período intra e pós-operatório.

O cetoprofeno também deve ser evitado nos pacientes com as seguintes condições:

O cetoprofeno pode prejudicar a fertilidade feminina, devendo, portanto, ser evitado em
mulheres que estão tentando engravidar.

O uso de qualquer anti-inflamatório na população idosa deve ser feito com cuidado, pois o risco de lesão renal e sangramento gastrintestinal nessa população é bastante alto. Deve-se sempre usar a menor dose eficaz pelo menor período possível.

Interações medicamentosas

A associação do cetoprofeno com outros medicamentos pode causar os seguintes efeitos adversos por interação medicamentosa:

  • Qualquer outro AINE – elevado risco de lesão gastrintestinal.
  • Álcool – elevado risco de efeitos adversos gastrintestinais e toxicidade do fígado.
  • Anticoagulantes (heparina e varfarina) – aumento do risco de sangramento.
  • Inibidores da agregação plaquetária (ex.ticlopidina e clopidogrel) – aumento do risco de sangramento.
  • Lítio – risco de aumento dos níveis de lítio no sangue.
  • Metotrexato em doses maiores do que 15 mg/semana – aumento do risco de toxicidade
    hematológica.
  • Colchicina – aumenta o risco de ulceração ou hemorragia gastrintestinal.
  • Corticosteroides (ex. prednisona, prednisolona, dexametasona) – aumento do risco de
    ulceração ou sangramento gastrintestinal.
  • Diuréticos (ex. furosemida, hidroclorotiazida, clortalidona) – maior risco de desenvolvimento
    de insuficiência renal aguda.
  • Inibidores da ECA (ex. ramipril, enalapril, lisinopril) ou antagonistas da angiotensina II (ex. irbesartan, losartan, valsartan) – aumento risco de hipercalemia (elevação do potássio no sangue) e lesão renal aguda.
  • Tenofovir – aumenta o risco de lesão renal aguda.
  • Medicamentos anti-hipertensivos – risco de redução do efeito anti-hipertensivo.
  • Ciclosporina – aumenta o risco de lesão renal aguda e hipertensão arterial.
  • Inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ex. fluoxetina, paroxetina, sertralina) – aumento do risco de sangramento gastrintestinal.
Esse artigo foi útil?  
1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas6 Estrelas7 Estrelas8 Estrelas9 Estrelas10 Estrelas (3 votos, Nota: 10,00)
Loading...
VEJA OUTROS ARTIGOS SEMELHANTES