HIDROCLOROTIAZIDA – Para que Serve, Como Tomar e Efeitos

Bula simplificada de um diurético muito utilizado no tratamento da hipertensão arterial.

0

A hidroclorotiazida é um medicamento diurético da classe das tiazidas que é muito utilizado no tratamento da hipertensão arterial, seja sozinho ou em terapia conjunta com outros anti-hipertensivos.

Apesar de ter um efeito diurético inferior ao da furosemida (outra classe de diurético), a hidroclorotiazida apresenta um tempo de ação mais longo, o que a torna especialmente eficaz na redução da pressão arterial a longo prazo, conforme veremos mais à frente.

Neste artigo, vamos abordar os seguintes pontos sobre a hidroclorotiazida:

  • Mecanismo de ação.
  • Indicações.
  • Nomes comerciais mais famosos.
  • Como tomar.
  • Efeitos colaterais.
  • Contraindicações.

Atenção: este texto não pretende ser uma bula completa da hidroclorotiazida. Nosso objetivo é ser menos técnico que uma bula e mais útil aos pacientes que procuram informações objetivas e em linguagem acessível ao público leigo.

Advertisements

Como age a hidroclorotiazida

A hidroclorotiazida é um diurético da classe das tiazidas e apresenta mecanismo de ação semelhante a outros diuréticos dessa classe, tais como a clortalidona, indapamida e a metolazona.

Assim como a maioria dos diuréticos, a hidroclorotiazida tem como ação básica o aumento da excreção de cloreto de sódio (sal) pelos rins. Sempre que a quantidade de sódio urinário aumenta, o rim precisa eliminar mais água para diluí-lo. O resultado, portanto, é um aumento da quantidade de água corporal eliminada pela urina.

Os diuréticos tiazídicos promovem uma diurese menor que a furosemida, porém, por terem um efeito que dura até 12 horas (contra 6 horas da furosemida), a perda de sódio e água acaba sendo mais constante ao longo do dia (leia: FUROSEMIDA – Para Que Serve, Como Tomar e Efeitos Adversos).

Após o início do tratamento, uma redução da pressão arterial costuma ocorrer após cerca de 1 semana, mas o efeito hipotensor máximo pode só ser alcançado após 12 semanas de uso.

A redução nos valores da pressão arterial costuma estar associada a uma redução no volume de água corporal. Em geral, o paciente perde de 1 a 1,5 kg de água após o início do tratamento.

Um consumo exagerado de sal na dieta impede que o paciente alcance essa perda de peso e acaba por ser uma das causas mais comuns de falta de eficácia da hidroclorotiazida.

Nos pacientes com resposta inadequada, uma restrição ao consumo de sal na dieta e a associação com um anti-hipertensivo da classe dos inibidores da ECA costumam ser bastante eficazes.

A hidroclorotiazida emagrece?

Não, a hidroclorotiazida não deixa ninguém mais magro, pois ela não tem efeito algum sobre a gordura corporal.

Advertisements

Porém, conforme já explicado, no início do tratamento, o paciente pode notar uma perda de cerca de 1 kg no seu peso, que é devido única e exclusivamente a uma maior perda de água pela urina.

Se o paciente, porém, tiver uma dieta rica em sal, essa perda de peso inicial pode não ocorrer.

Indicações da hidroclorotiazida

A principal indicação da hidroclorotiazida é para o tratamento da hipertensão arterial.

As atuais guidelines internacionais sugerem que um diurético tiazídico seja a primeira ou, no máximo, a segunda opção de tratamento para o controle da pressão arterial*

A hidroclorotiazida também pode ser usada, associada ou não a outros diuréticos, para tratar os edemas nos pacientes com insuficiência cardíaca, síndrome nefrótica ou cirrose hepática.

* Atualmente consideramos a clortalidona ou a indapamida como as melhores opções entre as tiazidas, pois eles têm um tempo de ação mais prolongado e melhores resultados nos estudos clínicos sobre hipertensão arterial.

Um dos efeitos da hidroclorotiazida é diminuir a eliminação urinária de cálcio. Esse efeito pode ser benéfico nos pacientes que apresentam história de cálculo renal composto por cálcio, já que a diminuição do cálcio na urina diminui o risco de formação de novas pedras (leia: CÁLCULO RENAL – Causas, Sintomas e Tratamento).

Também por reduzir a perda urinária de cálcio, a hidroclorotiazida costuma ser o anti-hipertensivo de escolha nos pacientes hipertensos que também apresentam osteoporose. Estudos mostram redução da perda óssea e diminuição de risco de fratura nos idosos tratados com hidroclorotiazida.

A hidroclorotiazida também é útil nos pacientes com diabetes insipidus (não confundir com diabetes mellitus) – leia: DIABETES INSIPIDUS – Causas, Sintomas e Tratamento.

Hidroclorotiazida nas farmácias

Advertisements

Nomes comerciais da hidroclorotiazida

A hidroclorotiazida é um fármaco já presente no mercado há várias décadas, sendo facilmente encontrado sob a forma de medicamento genérico.

Entre os nomes comerciais mais conhecidos, podemos citar:

  • Clorana.
  • Clorizin.
  • Diureclor.
  • Diuretic.
  • Diurezin.
  • Diurix.
  • Drenol.
  • Hidroflux.
  • Hidroless.
  • Hidromed.
  • Neo Hidroclor.
  • Oltana H.

A hidroclorotiazida é comercializada nas doses de 25 ou 50 mg. A caixa de 30 comprimidos da marca genérica custa entre 2 e 3 reais.

Em Portugal, a hidroclorotiazida só é comercializada em associação com outros fármacos anti-hipertensivos. Não existe medicamento com esta substância isolada.

Como tomar a hidroclorotiazida

Hipertensão arterial

A dose habitual da hidroclorotiazida na hipertensão é de 12,5 a 25 mg por dia em dose única diária.

A maioria das bulas do medicamento fala em doses de 50 mg e até 100 mg por dia, o que atualmente sabemos ser uma posologia exagerada. A partir de 50 mg por dia, não há nenhum efeito benéfico em relação ao controle da pressão arterial e ainda há um grande aumento na incidência de efeitos colaterais.

Nos idosos, sugerimos iniciar o tratamento com 12,5 mg por dia, aumentando para 25 mg caso não haja resposta. A dose de 50 mg por dia deve ser usada somente em situações específicas e sob orientação médica.

A equipe médica do MD.Saúde não aconselha a prescrição de doses maiores que 50 mg por dia de hidroclorotiazida para o tratamento da hipertensão.

Edemas

Advertisements

A furosemida costuma ser o diurético de escolha no tratamento dos edemas, principalmente naqueles de origem cardíaca, hepática ou renal.

Porém, nos pacientes que apresentam má resposta ao tratamento, a associação da hidroclorotiazida à furosemida costuma dar bons resultados.

Nesses casos, a dose habitualmente utilizada é de 25 a 50 mg 2 vezes por dia, podendo ser elevada até um total máximo de 200 mg por dia.

Cálculo renal

Nos pacientes que precisam reduzir a excreção de cálcio na urina para prevenir a formação de novos cálculos renais, a dose preconizada é de 50 mg por dia.

Diabetes insipidus

No diabetes insipidus, a dose recomendada da hidroclorotiazida é de 25 a 50 mg por dia.

Efeitos adversos da hidroclorotiazida

A hidroclorotiazida age aumentando a eliminação renal de água e alterando a concentração de eletrólitos na urina, alguns deles para mais, como sódio e potássio, outros para menos, como ácido úrico e cálcio.

Desta forma, a maior parte dos efeitos colaterais surge quando um ou ambos efeitos acabam sendo mais intensos que o desejado, provocando desidratação e/ou alterações metabólicas.

Os efeitos colaterais da hidroclorotiazida mais comuns são:

  • Hipotensão arterial.
  • Desidratação.
  • Câimbras.
  • Fraqueza.
  • Hipocalemia (baixa concentração de potássio no sangue).
  • Hiponatremia (baixa concentração de sódio no sangue).
  • Hipomagnesemia (baixa concentração de magnésio no sangue).
  • Hiperuricemia (elevação da concentração de ácido úrico no sangue).
  • Hipercalcemia (elevação da concentração de cálcio no sangue).
  • Hiperglicemia (elevação da concentração de glicose no sangue).
  • Elevação do colesterol.
  • Impotência sexual.
  • Náuseas.
  • Distúrbios do sono.

Conforme já referido, os efeitos colaterais são mais comuns quando usamos doses acima de 25 mg por dia.

Doses elevadas de diuréticos podem provocar insuficiência renal ou agravar um quadro de insuficiência renal já existente, principalmente nos pacientes idosos.

Contraindicações e precauções da hidroclorotiazida

Por motivos óbvios, a hidroclorotiazida não deve ser prescrita para nenhum paciente com as alterações hidreletrolíticas descritas anteriormente. Se o paciente tem um potássio sanguíneo baixo, o diurético só irá agravar a situação.

O diurético também não deve ser administrados em pacientes desidratados ou hipotensos.

Nos pacientes com história de gota, diabetes mellitus ou colesterol elevado, a dose máxima de hidroclorotiazida deve ser de 25 mg por dia.

A hidroclorotiazida não é contraindicada na gravidez. O fármaco pode ser prescrito nas grávidas, caso o médico entenda ser necessário. Porém, é importante ressaltar que não se deve utilizar esse diurético para tratar os edemas naturais da gravidez.

Nos pacientes com insuficiência renal crônica e taxa de filtração glomerular abaixo de 30 ml/min, a hidroclorotiazida é um diurético pouco eficaz, devendo ser substituída pela furosemida.

Este artigo foi útil?  
1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (29 votos, Total: 4,55 de 5)
Loading...
Advertisements
Advertisements
VEJA OUTROS ARTIGOS SEMELHANTES

Deixe um Comentário

Antes de comentar, leia as REGRAS PARA COMENTÁRIOS.

Seu email não será publicado.