O QUE SIGNIFICAM LEUCOCITOSE E NEUTROFILIA?

A leucocitose com neutrofilia é um achado muito frequente no hemograma dos pacientes com infecção bacteriana aguda.

1

Leucocitose e neutrofilia são duas alterações frequentemente encontradas no exame de hemograma, que significam, respectivamente, elevação dos leucócitos e dos neutrófilos no sangue.

A leucocitose e a neutrofilia estão habitualmente ligadas a quadros de infecção, mas podem também surgir em diversos outros problemas de saúde, tais como leucemias, inflamações, estresse físico ou uso de certos medicamentos.

Neste artigo, vamos explicar o que são a leucocitose e a neutrofilia, quando cada uma delas surge e quais são os seus significados clínicos.

Para complementar as informações deste texto, sugerimos também a leitura do nosso artigo sobre hemograma: HEMOGRAMA – Entenda os seus resultados.

O que é um leucócito?

Os leucócitos, também conhecidos como glóbulos brancos, são um grupo de células do sangue que fazem parte do sistema imunológico e que estão envolvidas com a proteção do organismo contra germes invasores.

Existem 5 tipos de leucócitos: neutrófilos, linfócitos, monócitos, eosinófilos e basófilos.

Cada um desses tipos de leucócitos é produzido na medula óssea e desempenha funções diferentes no sistema imunológico. Alguns leucócitos atacam diretamente o germe invasor, outros produzem anticorpos, alguns estimulam a produção de mediadores inflamatórios e ainda há aqueles que apenas fazem a identificação do microrganismo invasor para facilitar o trabalho das outras células do sistema imunológico.

Em condições normais, a quantidade de leucócitos no sangue varia entre 4.000 a 11.000 células por microlitro (ou 4,0 a 11,0 x 109/L). Quando os leucócitos estão aumentados, ou seja, acima de 11.000 cel/microL, damos o nome de leucocitose. Por outro lado, quando os leucócitos estão em quantidade menor que 4.000 cel/microL, dizemos que o paciente tem leucopenia.

O que é um Neutrófilo?

Como já referido acima, o neutrófilo é dos tipos de leucócitos. Na verdade, ele é tipo mais comum, representando, em média, de 45% a 75% de todos os leucócitos presentes no sangue. Isso significa que, se o paciente tiver 10.000 leucócitos por microlitro de sangue, a quantidade de neutrófilos esperada é de 4.500 a 7.500 cel/microL.

Os neutrófilos são especializados no combate a bactérias. Quando há uma infecção bacteriana, a medula óssea aumenta a sua produção, fazendo com que a concentração sanguínea se eleve.

Os neutrófilos têm um tempo de vida de apenas 48 horas. Por isso, assim que o processo infeccioso é controlado, a medula reduz a produção de novas células e os níveis sanguíneos retornam rapidamente aos valores basais.

Dizemos que o paciente apresenta neutrofilia quando há um aumento do número de neutrófilos no sangue. Já a neutropenia é o termo usado quando há uma redução do número de neutrófilos circulantes.

Por que surge a leucocitose?

A leucocitose ocorre sempre que a medula óssea aumenta a produção de um ou mais dos 5 tipos de leucócitos. Na maioria dos casos, isso ocorre como resposta à presença de um germe invasor, seja uma bactéria, vírus, fungo ou parasito, ou a um processo inflamatório, como uma reação alérgica, traumas ou queimaduras.

Existem também as leucocitoses provocadas por leucemias, que serão explicadas mais abaixo.

O tipo de leucócito que sofre aumento depende do estímulo. Qualquer uma das 5 linhagens de leucócitos pode ser a responsável pela leucocitose. Por exemplo, infecções bacterianas estimulam a produção de neutrófilos, fazendo com que o paciente tenha leucocitose com neutrofilia (ou leucocitose neutrofílica).

Já os pacientes com quadros graves de alergia costumam ter leucocitose provocada por eosinofilia, ou seja, por aumento no número de eosinófilos no sangue. A eosinofilia também costuma ocorrer nos casos de parasitoses.

A leucocitose provocada por linfocitose (aumento dos linfócitos) é bastante sugestiva de infecções de origem viral, como gripe, mononucleose ou hepatites virais.

As leucocitoses provocadas por monócitos (monocitose) podem ocorrer por tuberculose ou algumas infecções bacterianas.

Por fim, as leucocitoses originadas por basófilos (basofilia) são raras e geralmente são provocadas por leucemia.

Leucocitose provocada por leucemias

A leucemia é um tipo de câncer do sangue que surge na medula óssea e é provocado pela produção exagerada de leucócitos defeituosos e pouco desenvolvidos, o que pode levar a uma grande elevação no número de leucócitos circulantes no sangue.

A leucemia é uma causa de leucocitose que pode afetar qualquer um dos 5 tipos de leucócitos.

A grande diferença das leucocitoses provocadas pelas leucemias é a sua intensidade. Casos de infecção bacteriana costumam provocar leucocitoses que ficam ao redor de 15.000 a 25.000 cel/microL. Raramente, uma infecção provoca uma leucocitoses que ultrapassa o valor de 30.000 cel/microL.

Já nas leucemias, é bastante comum que a leucocitose ultrapasse as 50.000 cel/microL, chegando frequentemente a mais de 100.000 cel/microL.

Para saber mais sobre as leucemias, leia:

– 10 SINAIS E SINTOMAS DA LEUCEMIA.
– LEUCEMIA – Sintomas, Causas e Tratamento

Leucocitose com neutrofilia

A leucocitose neutrofílica é a forma mais comum de leucocitose. Ela ocorre sempre que o número de leucócitos encontra-se acima de 11.000 cel/microL e o número de neutrófilos é maior que 7.700 cel/microL.

Como já referido, as infecções bacterianas agudas são a principal causa de leucocitose com neutrofilia. Nestes casos, a leucocitose costuma ficar entre 12.000 e 25.000 cel/microL.

Situações, como pneumonia, otite, amigdalite, meningite, sinusite, erisipela, osteomielite e pielonefrite são causas frequentes de leucocitose com neutrofilia.

Mas as infecções bacterianas não são as únicas causas. Outras possibilidades incluem:

– Processos inflamatórios, como uma pancreatite aguda, apendicite ou colecistite.
– Cetoacidose diabética.
– Infarto do miocárdio.
– Exercício extenuante.
– Tabagismo.
– Doenças autoimunes.
– Crise convulsiva.
– Pós-operatório de grandes cirurgias.
– Medicamentos: corticoides, epinefrina, lítio, fator de crescimento hematopoiético, ácido retinoico…
– Cocaína.
– Tumores.
– Leucemia.
– Choque térmico.

Exceto pela leucemia ou pelo uso de fator de crescimento hematopoiético ou de ácido retinoico, a maioria das causas citadas acima provoca uma leucocitose discreta.

Leucocitose com desvio à esquerda

Quando os neutrófilos são jovens, isto é, quando ainda estão em fase de desenvolvimento, eles são chamados de bastões. Quando estão maduros, eles são chamados de segmentados.

Quando estamos infectados por uma bactéria, o objetivo do sistema imunológico é controlar a infecção de modo rápido. A forma como a medula responde à essa invasão é através do aumento da produção e da liberação do maior número de neutrófilos possíveis para a corrente sanguínea. Não há tempo para esperar que os bastões fiquem maduros antes de lançá-los ao combate.

Em situações normais, apenas 4% a 5% dos neutrófilos circulantes são bastões. A presença de um percentual maior dessas células jovens, associado a uma leucocitose com neutrofilia, sugere fortemente a existência de uma infecção aguda.

Quando o paciente apresenta muitos bastões no sangue, dizemos que ele tem um “desvio à esquerda”. Esta denominação deriva do fato dos laboratórios fazerem no hemograma a listagem dos diferentes tipos de leucócitos colocando seus valores um ao lado do outro. Como os bastões costumam estar à esquerda na lista, quando há um aumento do seu número, dizemos que há um desvio para a esquerda no hemograma.

Portanto, desvio à esquerda no hemograma é um sinal de produção aumentada de neutrófilos, o que, na maioria dos casos, indica um processo infeccioso agudo em curso.

Como se trata uma leucocitose

É importante destacar que a leucocitose não é o problema si, ela é apenas uma consequência. A leucocitose é um aviso de que há uma condição que está estimulando o sistema imunológico, seja ela inflamatória, infecciosa ou neoplásica.

Portanto, se você pretende “tratar a leucocitose”, o seu objetivo deve ser tratar a doença ou condição que está provocando a leucocitose. Para isso é preciso fazer uma investigação diagnóstica.

A redução progressiva do número de leucócitos é uma das formas que usamos pra saber se o tratamento está sendo efetivo. Por exemplo, se um paciente com pneumonia começa o tratamento com antibióticos e a leucocitose começa a cair progressivamente aos longo dos dias, isso nos indica que o antibiótico está fazendo efeito.

Perguntas frequentes

O que é uma neutrofilia relativa e uma neutrofilia absoluta?

A neutrofilia absoluta ocorre quando o número total de neutrófilos encontra-se acima das 7700 cel/microL.

Caso o percentual de neutrófilos aumente, mas o número de leucócitos total continue dentro da faixa de normalidade, como no caso de um paciente com 7.000 leucócitos/microL mas com 6000 neutrófilos/microL (85% de neutrófilos), dizemos que o paciente tem uma neutrofilia relativa.

Caso o paciente tenha aumento dos leucócitos, aumento dos neutrófilos e um aumento no percentual de neutrófilos, como, por exemplo: 20.000 leucócitos/microL com 16.000 neutrófilos/microL (80%), dizemos que o paciente tem uma neutrofilia relativa e absoluta.

Portanto, neutrofilia relativa é um aumento do percentual de leucócitos que são compostos por neutrófilos, e neutrofilia absoluta é um aumento no número absoluto de neutrófilos no sangue.

Tanto a neutrofilia relativa quanto a absoluta podem ocorrer em infecções bacterianas.

O que é uma leucocitose discreta?

Dizemos que o paciente tem uma leucocitose discreta quando o número de leucócitos está apenas um pouco elevado, como entre 11.000 e 12.500 cel/microL. Uma leucocitose discreta com neutrofilia pode indicar um processo infeccioso ainda em estágio inicial. Já uma leucocitose discreta sem neutrofilia pode ser algo transitório e sem relevância clínica, principalmente se o paciente estiver assintomático.

Todos os pacientes com leucemia apresentam leucocitose com valores muito elevados?

Não. Uma leucocitose acima de 50.000 cel/microL não é algo exclusivo das leucemias, mas é muito sugestivo. Porém, o paciente com leucemia também pode ter uma leucocitose semelhante à de um processo infeccioso (ao redor de 15.000 cel/microL), pode ter valores normais de leucócitos ou pode até mesmo ter leucopenia (leucócitos baixos).

Como distinguir uma leucocitose provocada por uma infecção de uma leucocitose provocada por uma leucemia?

Quando o hemograma é feito, a maioria dos laboratórios também faz um exame chamado esfregaço do sangue periférico, que serve para avaliar a morfologia das células sanguíneas. Nas leucemias agudas, é comum encontramos células muito imaturas no sangue, como mieloblastos nas leucemias mieloides, ou linfoblastos nas leucemias linfoides.

O que é uma reação leucemoide?

Quando o paciente desenvolve uma leucocitose acima de 50.000 cel/microL, sem que a causa seja uma leucemia, dizemos que ele tem uma reação leucemoide.

Este artigo foi útil?  
1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, Total: 5,00 de 5)
Loading...
VEJA OUTROS ARTIGOS SEMELHANTES
1 comentário
  1. Diane

    Muito bom! Sou estudante de medicina e esse site tem me ajudado bastante a esclarecer alguns conceitos que não são bem passados na faculdade. Agradeço pelas informações, e continuem!!!

Deixe um Comentário

Antes de comentar, leia as REGRAS PARA COMENTÁRIOS.

Seu email não será publicado.