VÍDEO: VACINA CONTRA O HPV

Visite nosso canal no Youtube: https://www.youtube.com/mdsaude

Transcrição do vídeo

O papiloma vírus humano é mais conhecido como HPV e causa uma doença sexualmente transmissível

Existem 150 subtipos de HPV, doze deles provocam verrugas genitais e 15 provocam câncer, que pode ser do colo uterino, do ânus ou do pênis.

Mas, em 70% dos casos, os subtipos envolvidos são HPV-16 e HPV-18.

Já no caso das verrugas genitais, os subtipos 6 e 11 são os mais comuns, responsáveis por 90% dos casos.

Por ano, cerca de 270 mil mulheres morrem em todo mundo por tumores no colo do útero provocados pelo HPV.

No Brasil, estima-se que ocorram 15 mil novos casos de câncer do colo uterino por ano.

Tudo isso pode ser prevenido por uma vacina.

A vacina contra o HPV protege contra os subtipos 6, 11, 16 e 18. Ou seja, os que mais causam câncer e os que mais provocam verrugas genitais.

Ela é indicada para mulheres e homens entre 9 e 26 anos, porque, apesar do objetivo principal ser reduzir a incidência de câncer de colo do útero, cerca de 40% dos casos dos tumores de pênis e ânus são também devido à infecção pelo HPV.

No Brasil, desde o início de 2014, o Ministério da Saúde tem disponibilizado a vacina para meninas
entre 9 e 13 anos de idade.

Mas por que só para meninas entre 9 e 13 anos?

Porque do ponto de vista de saúde pública, a incidência dos casos de câncer de pênis e ânus é muito menor do que  os de colo uterino, e porque quando tomada ainda na infância, ou seja, antes do início da vida sexual a vacinação tem uma eficácia de 100%.

Quando administrado em mulheres com vida sexual ativa, portanto, com maior risco de já terem sido expostas ao HPV, a eficácia cai para apenas 44%.

Isso não significa que homens ou mulheres até 26 anos não possam recorrer ao sistema privado de saúde, caso os seus médicos recomendem a vacinação.

Ter HPV não é contra-indicação para tomar a vacina porque ela vai servir como prevenção contra
os outros subtipos

Mas lembre-se: vacina não trata infecção já existente, somente previne novas infecções.

Mesmo protegidas pela vacina, as mulheres devem continuar a fazer o exame ginecológico preventivo de rotina.

Isso porque a vacina só cobre os dois subtipos mais perigosos do HPV e porque há casos de câncer do colo do útero não provocados pelo HPV.

Essa vacina é segura?

Sim. Nos EUA, por exemplo, entre 2006 e 2013 foram administradas mais de 57 milhões de doses da vacina, e a incidência de efeitos colaterais foi somente 0,03%.

Publicidade - Publicidad

VEJA OUTROS ARTIGOS SEMELHANTES