Fogacho

As ondas de calor da menopausa, chamadas de fogachos ou afrontamentos, acometem 3/4 das mulheres no período pós-menopausa (climatério). Os seus sintomas costumam ser uma sensação de calor, transpiração e ruborização da pele, principalmente na face.

Neste texto falaremos especificamente sobre as ondas de calor da menopausa. Para saber mais sobre outros sintomas menopausa, leia:

Antes de falarmos nos fogachos, vamos esclarecer dois conceitos. Há muita confusão, principalmente entre o público leigo, com os termos menopausa e climatério. Menopausa é a última menstruação da vida da mulher. O período que se segue após a cessação da menstruação é chamado de climatério. Portanto, apesar de ser muito comum ouvirmos dizer que uma mulher está na menopausa, o mais correto seria dizer que ela teve a menopausa e agora está no climatério.

Ao longo do texto usarei o termo “ondas de calor da menopausa” em vez de “ondas de calor do climatério” por ser a primeira uma expressão mais consagrada, apesar de não ser a mais correta tecnicamente.

Sintomas do fogacho

As ondas de calor da menopausa surgem por uma desregulação no nosso mecanismo de controle térmico, aparentemente causada por diminuições dos níveis circulantes de estrogênio.

O fogacho costuma começar como uma sensação súbita de calor localizada na face e na parte superior do tórax, tornando-se rapidamente generalizada. Essa onda de calor ocorre por uma má interpretação da temperatura corporal real pelo hipotálamo, região do sistema nervoso central que age como termostato. A paciente sente-se muito quente, mas sua temperatura mantém-se normal, ao redor dos 36,5ºC.

A sensação de calor dura entre dois e quatro minutos e está frequentemente associada a intensa transpiração e vermelhidão da pele. Como o organismo pensa que o corpo está muito quente, ocorre uma inapropriada dilatação dos vasos da pele, o que leva à vermelhidão e à transpiração.

Com a vasodilatação, sudorese e consequente perda de calor, há uma rápida queda da temperatura corporal, causando uma leve hipotermia. Neste momento, o fogacho começa a se dissipar e surgem os calafrios, um mecanismo usado pelo corpo para gerar calor, numa tentativa de restaurar a temperatura habitual do organismo.

Em algumas mulheres as ondas de calor surgem várias vezes por dia, podendo também aparecer enquanto dormem. Os calores noturnos atrapalham o sono e podem levar à insônia. Se a paciente também tiver problemas como ansiedade ou depressão, comuns na idade da menopausa, podem surgir distúrbios importantes do sono.

O fogacho acomete até 3/4 das mulheres e costuma surgir quando a menopausa se aproxima. Em 80% dos casos as ondas de calor da menopausa duram por mais de um ano. Na maioria das vezes, o fogacho dura por dois ou três anos. Entretanto, 25% das mulheres sofrem com calores por mais de cinco anos e cerca de 10% mantém os sintomas até depois dos 70 anos de idade.

Mulheres com sobrepeso, fumantes ou sedentárias apresentam maior risco de desenvolver fogachos. Não se sabe o porquê, mas afrodescendentes têm mais fogachos que mulheres de origem europeia, que por sua vez têm mais fogachos que mulheres asiáticas.

Tratamento do fogacho

É sempre bom lembrar que o fogacho costuma desaparecer espontaneamente após alguns anos. Como muitas mulheres têm sintomas brandos, não se indica tratamento a não ser que os calores sejam realmente incômodos.

O tratamento mais efetivo para as ondas de calor da menopausa é a reposição de estrogênio, porém, atualmente, devido aos efeitos colaterais, seu uso só está indicado por curtos períodos (dois ou três anos) e em mulheres com sintomas de moderada a forte intensidade.

O estrogênio pode ser administrado por via oral ou transdérmica. Nas mulheres que não retiraram o útero, o estrogênio de deve ser administrado junto com a progesterona para evitar proliferação da mucosa uterina, um efeito que aumenta o risco de câncer do endométrio (câncer do útero).

Pacientes com história de doença cardiovascular, trombose ou câncer de mama (leia: CÂNCER DE MAMA | Sintomas, auto exame e diagnóstico) não devem ser tratadas com estrogênios.

Outras opções de tratamentos incluem os antidepressivos (ex. fluoxetina ou citalopram), Gabapentina ou Clonidina, um medicamento usado no tratamento da hipertensão.

Tratamentos naturais para o fogacho

Algumas terapias não medicamentosas também ajudam. Perder peso e parar de fumar é imperativo. Evitar bebidas alcoólicas, comidas apimentadas e cafeína também funciona para algumas mulheres.

O calor piora os fogachos, por isso, no verão, procure ficar em ambientes ventilados ou com ar-condicionado. Use roupas leves e beba bastaste líquidos gelados.

A prática regular de atividades físicas e técnicas de relaxamento também são efetivas.

O uso de isoflavonas ou fitoestrogênios (estrogênios das plantas) não apresenta nenhuma comprovação científica. Pelo contrário, os trabalhos indicam que os mesmos possuem apenas efeito placebo e podem ser prejudiciais em mulheres com histórico de câncer de mama

Também não há evidências inequívocas de que a acupuntura tenha efeito no alívio dos calores da menopausa.

Compartilhe
Médico formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (U.F.R.J) em 2002. Especialista em Medicina Interna e Nefrologia. Títulos reconhecidos pela Faculdade do Porto, Ordem dos Médicos de Portugal e Colégio de Nefrologia Português.