Camisinhas

O preservativo masculino, popularmente conhecido como camisinha, é o método contraceptivo mais utilizado no mundo. A camisinha possui uma grande vantagem em relação aos outros métodos: ajuda a prevenir não só a gravidez como também a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis (DST).

Neste texto vamos tentar abordar tudo o que for de importante sobre camisinha masculina: eficácia, como colocar, dicas, vantagens e desvantagens.

O que é a camisinha?

A camisinha é um contraceptivo de barreira, ou seja, impede que as secreções penianas e vaginais entrem em contato. Deste modo, há possibilidade de prevenção não só da gravidez, como também das de doenças sexualmente transmissíveis (DST). Outros métodos contraceptivos como os anticoncepcionais orais e o DIU, por exemplo, impedem apenas a gravidez, não influenciando no risco para DST.

A camisinha é feita normalmente de látex ou poliuretano. Em média, uma camisinha possui 19 cm de comprimento, 5 cm de largura e 0,07 mm de espessura, existindo modelos com variações nas três medidas. Além dos tamanhos, as camisinhas podem variar no formato, cor, cheiro, sabor, lubrificação e presença ou não de espermicida.

Todas essas variações descritas acima afetam apenas na comodidade do usuário; nenhum destes fatores influencia na efetividade do preservativo, nem mesmo a presença de espermicida. Na verdade, camisinhas com espermicida não são mais eficazes que camisinhas sem espermicida, e ainda estão mais relacionadas a ocorrência de infecções urinárias (cistites) nas parceiras (leia: INFECÇÃO URINÁRIA | CISTITE | Sintomas e Tratamento). Atualmente, indicamos sempre camisinhas sem espermicidas.

Eficácia da camisinha

A eficácia da camisinha precisa ser avaliada de duas maneiras:

1) Eficácia contra gravidez
2) Eficácia contra DSTs

Independente do modo, a eficácia da camisinha está diretamente ligada ao seu uso correto. Mais abaixo ensinaremos o modo certo de se colocar e de se usar a camisinha

1) Eficácia da camisinha contra gravidez

Quando usada de modo correto, a camisinha apresenta uma eficácia de 98% contra a gravidez. Quando usada de modo intuitivo, ou seja, colocada sem maiores orientações ou cuidados, a eficácia cai para 85%.

2) Eficácia da camisinha contra DST

O uso correto da camisinha é atualmente a principal arma na prevenção das doenças sexualmente transmissíveis. A sua eficácia varia de doença para doença, não podendo ser considerada 100% eficiente em nenhum dos casos. Por isso, além do uso correto da camisinha, é muito importante que o individuo evite comportamentos de risco, como ter múltiplos(as) parceiros(as) sexuais.

A camisinha é extremamente eficiente contra a transmissão do vírus HIV. O risco de transmissão do vírus durante uma única relação sexual com camisinha, colocada e usada de modo correto, é praticamente nulo.

Os casos de transmissão costumam ocorrer naqueles casais sorologicamente discordantes, ou seja, um HIV positivo e outro HIV negativo, que têm relações sexuais frequentes. Ainda assim, a camisinha é um excelente método de proteção. Um trabalho de 2001 acompanhou 587 destes casais e demonstrou que em apenas onze deles o(a) parceiro(a) acabou se infectando. Veja bem, estamos falando de pessoas que mantiveram relações sexuais frequentes com parceiros infectados. Leia também: SAIBA COMO SE PEGA E TRANSMITE HIV E AIDS

A camisinha também é eficiente na prevenção de outras DST, porém, com taxas de sucesso menores que contra o HIV. Entre as DST que apresentam significante redução na taxa de transmissão podemos citar:

O mais importante é entender que a camisinha é uma poderosa arma contra a disseminação das doenças sexualmente transmissíveis, porém, ela não é infalível e em muitos casos sua performance está longe de ser o ideal.

Se por um lado o papel de alguns grupos religiosos que são contra o uso da camisinha pode ser considerado irresponsável, por outro, campanhas de promoção do preservativo sem que haja o devido esclarecimento podem incentivar comportamentos de risco, o que por si só podeira reduzir os efeitos benéficos do uso frequente de camisinha.

Portanto, para reforçar, a camisinha deve ser usada em toda relação sexual onde não haja intenção reprodutiva, pois a mesma reduz significantemente o risco da transmissão de doenças; porém, um comportamento de risco reincidente diminui a sua eficácia, expondo o indivíduo a riscos.

Prós e contras da camisinha

Prós:
– É um método contraceptivo imediatamente reversível.
– Protege contra gravidez e DST.
– São baratas, de fácil acesso e não requerem prescrição médica.
– É simples de ser usada.
– Pode ser carregada por homens e mulheres.
– Praticamente não existem reações adversas ao seu uso.
– Ajuda a controlar a ejaculação precoce (leia: EJACULAÇÃO PRECOCE | Causas e tratamento).

Contras:
– Alguns homens se queixam de perda da sensibilidade do pênis.
– Alguns homens perdem a ereção quando se interrompem as preliminares para se colocar a camisinha.
– O uso da camisinha necessita de aprovação do parceiro(a).
– O seu uso pode levar a falsa impressão de proteção completa e sem falhas.
– Algumas mulheres têm vergonha de carregar camisinha por terem medo de serem taxadas de promíscuas.
– Algumas religiões não permitem o seu uso.

Como colocar a camisinha – como usar a camisinha

Para a camisinha ser um eficaz método de controle de natalidade e/ou de transmissão de doenças, ela precisa ser usada corretamente. Apesar de ser um método muito simples e praticamente intuitivo, algumas regras precisam ser respeitadas. Algumas das dicas abaixo podem parecer óbvias, mas estão entre as principais causas para o insucesso.

1- Compre camisinhas em locais autorizados, como farmácias e máquinas automáticas. Evite comprá-las em ambulantes ou em locais que estejam armazenadas incorretamente. No Brasil, atente para a presença do selo do INMETRO que atesta a qualidade da marca. Outro ponto importante é a data de validade do produto; se o envelope estiver danificado, recuse a camisinha.

2- A camisinha deve ser guardada em locais frescos, não úmidos e longe dos raios solares. O carro não é um bom local para armazená-las, a não ser que o mesmo permaneça sempre estacionado em locais cobertos. Na carteira, o tempo ideal é de no máximo um mês. Expô-las ao calor danificará o látex, favorecendo seu rompimento.

3- A camisinha é um produto descartável e de uso único. Mesmo que a segunda vez seja entre as mesmas pessoas, a camisinha não pode ser reutilizada.

4- Apenas abra o envelope da camisinha na hora que for colocá-la. Cuidado para não rasgá-la e evite materiais cortantes para abri-la.

5- Para reduzir o risco das DST a camisinha deve ser colocada antes que haja qualquer contato entre as genitálias, mesmo se ainda não houver intenção de penetração.

6- A camisinha só deve ser colocada quando o pênis estiver ereto.

7- Como colocar a camisinha:

– Com o pênis ereto, coloque a camisinha na glande (cabeça) segurando o reservatório para evitar que este fique cheio de ar.
– Desenrole-a até a base do pênis. Se a camisinha não desenrolar facilmente é porque ela deve estar ao contrário. Troque o lado e reinicie o processo.
– Se colocada corretamente, o reservatório na ponta do pênis ficará murcho, sem ar.
– A camisinha deve ser sempre desenrolada o máximo possível, ficando bem justa na base do pênis

8- As camisinhas já vêm lubrificadas. Evite acrescentar qualquer outro produto lubrificante, pois os mesmos podem danificar o látex. Se for necessária mais lubrificação, use apenas lubrificantes a base de água, como KY®.

9- Não tente colocar a camisinha em um pênis não ereto. Ela ficará frouxa e poderá sair durante o ato sexual.

10- Uma vez que tenha ejaculado, termine a penetração antes que o pênis fique flácido, pois neste momento a camisinha pode ficar frouxa, permitindo que o esperma escorra pelos lados. Existe também o risco da camisinha sair e ficar dentro da vagina.

11- A camisinha deve ser trocada sempre que houver mudança de sexo anal para sexo vaginal.

12- Após a retirada, deve-se dar um nó na base da camisinha e desprezá-la no lixo. Não jogue a camisinha no vaso sanitário.

E se a camisinha estourar?

Apesar de ser um evento raro, o incorreto uso ou armazenamento da camisinha podem eventualmente levar a rompimentos ou vazamentos da mesma. Se a camisinha arrebentar antes da ejaculação, retire o pênis, lave-o com água e sabão (o mesmo para vagina) e troque de preservativo se quiser reiniciar o ato sexual. Se isto for feito imediatamente, o risco de gravidez e transmissão de doença é muito baixo. Atenção: mulheres devem evitar ducha vaginal na hora de se lavar.

Se a camisinha estourar após ou durante a ejaculação, o pênis deve ser retirado imediatamente e ambas genitálias devem ser lavadas. Para evitar a gravidez, entre em contato com seu ginecologista para orientações sobre contracepção de emergência, como a pílula do dia seguinte (leia: PÍLULA DO DIA SEGUINTE | Como tomar, eficácia e efeitos). Sempre que houver contato entre mucosas e secreções genitais há o risco de transmissão de DST. Se houve algum problema com a camisinha e você suspeita que seu (sua) parceiro(a) possa ter alguma doença venérea, procure um médico para receber orientações de como proceder.

Compartilhe
Médico formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (U.F.R.J) em 2002. Especialista em Medicina Interna e Nefrologia. Títulos reconhecidos pela Faculdade do Porto, Ordem dos Médicos de Portugal e Colégio de Nefrologia Português.