Fibromialgia

Esta seção de perguntas e respostas sobre fibromialgia é um complemento do texto FIBROMIALGIA | Sintomas e tratamento.

Estas são as perguntas mais frequentemente feitas aqui no blog e em outros fóruns da internet.

1) A fibromialgia é uma doença de verdade ou é apenas psicológica?
Desde a década de 1980 que a fibromialgia é reconhecida como “doença real”. Sabe-se hoje que o cérebro dos pacientes com fibromialgia são mais sensíveis a informações vindas do exterior, reconhecendo como dor estímulos que o cérebro da maioria das pessoas reconhece como não dolorosos.

2) Existe alguma lesão visível ou detectável em algum órgão dos pacientes com fibromialgia?
Não. Por isso a doença é tão difícil de ser diagnosticada.

3) O que causa a fibromialgia?

Não se sabe. Atualmente aceita-se que a doença tenha origem genética, uma vez que familiares de primeiro grau apresentam 8,5 vezes mais chances de também ter fibromialgia. Porém, ainda não se conseguiu identificar nenhum gene quem possa ser responsabilizado.

4) Como é feito o diagnóstico da fibromialgia?
Não existe nenhum exame laboratorial ou de imagem que forneça o diagnóstico da fibromialgia. Estes exames são pedidos na maioria das vezes apenas para descartar outras doenças.

Atualmente o modo mais usado é através da identificação de pelo menos 11 dos 18 pontos dolorosos típicos da fibromialgia, exemplificados na ilustração abaixo.

Fibromialgia

5) Quais são os sintomas da fibromialgia?
Dor músculo-esquelética difusa, principalmente na coluna, pescoço, braços e pernas; cansaço, mesmo sem se ter feito nenhum esforço físico recente; memória fraca e dificuldade de concentração, dificuldades para dormir; dor de cabeça crônica e sensibilidade a mudanças de temperatura são os sintomas mais comuns.

6) Existe cura para fibromialgia?
Não. Tenha cuidado com as famosas promessas de cura e remédios milagrosos ou revolucionários. A maioria são engôdos que se aproveitam do desespero do paciente para ganhar dinheiro.

Já há tratamentos que ajudam no controle dos sintomas, mas nenhum deles é considerado milagroso. O atual tratamento da fibromialgia inclui vários fatores como mudanças de estilo de vida, exercícios, terapias de relaxamento e ajuda psicológica.

7) Qual é o tratamento para fibromialgia
O tratamento é divido em várias direções. Uma delas é o controle da dor; outra é otimização do sono. Exercícios regulares e alongamentos ajudam. Também é importante uma re-educação alimentar, evitando-se álcool e cafeína. Não fumar também ajuda.

O tratamento das doenças associadas, como por exemplo depressão,  melhoram a qualidade de vida dos pacientes com fibromialgia.

8) Quais são as doenças que costumam estar associadas a fibromialgia?
Depressão, ansiedade, síndrome do intestino irritável, enxaqueca, dor pélvica crônica, disfunção da articulação temporomandibular e cistite intersticial.

9) Qual o médico especialista que trata fibromialgia?
Reumatologista. Porém, um clínico geral que tenha experiência no assunto, também pode tratar a fibromialgia.

10) Fibromialgia piora com o passar do tempo?
Depende. Cerca de 25% dos casos se tornam pior ao longo dos anos; outros 25% melhoram. A evolução depende da existência de outras doenças associadas e da aderência e resposta do paciente ao tratamento proposto pelo médico.

Em um trabalho cientifico que acompanhou pacientes com fibromialgia por 14 anos, pôde-se perceber que  a maioria dos pacientes não referiu melhora significativa dos sintomas, porém, mais de 75% mantinham uma vida produtiva normal a despeito de terem fibromialgia.

11) Fibromialgia pode levar ao óbito?
Não. Porém, se não tratada corretamente pode prejudicar muito a qualidade de vida e tornar o paciente pouco produtivo.

12) Existe uma dieta especial para fibromialgia?
Não, mas evitar gorduras, álcool e cafeína parece ajudar no tratamento.

Se quiser saber mais sobre fibromialgia, leia: FIBROMIALGIA | Sintomas e tratamento.

Compartilhe
Médico formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (U.F.R.J) em 2002. Especialista em Medicina Interna e Nefrologia. Títulos reconhecidos pela Faculdade do Porto, Ordem dos Médicos de Portugal e Colégio de Nefrologia Português.