Quais são os riscos da bactéria Staphylococcus aureus?

O Staphylococus aureus (Estafilococos aureus) é uma das bactérias mais comuns na prática clínica, uma vez que costuma colonizar a pele de até 15% dos seres humanos.

Chamamos de colonização quando uma bactéria se adere a uma tecido e começa a multiplicar-se, criando literalmente colônias. A colonização não significa que haja infecção e não é necessariamente uma coisa ruim. Nossa pele, nossa boca e nosso intestinos, por exemplo, estão cheios de bactérias que não nos causam doença enquanto permanecem restritas a estes sítios.

Existem 33 tipos de estafilococos, alguns mais virulentos que outros. O tipo mais comum na nossa pele é o Staphylococcus epidermiditis, uma espécie de estafilococo bem mais branda que o Staphylococcus aureus, o mais virulento da espécie.

O problema da colonização é o fato desta ser um reservatório de bactérias pronto para invadir outros pontos do nosso corpo toda vez que uma das nossa barreiras de defesa sofre enfraquecimento. Os estafilococos que vivem na pele estão apenas esperando o aparecimento de uma pequena lesão para poderem penetrar dentro do nosso organismo. Este é o motivo pelo qual devemos sempre lavar bem nossas feridas. Qualquer lesão na pele é uma porta de entrada para as bactérias que vivem no meio externo (leia: TRATAMENTO DE FERIDAS E MACHUCADOS). É também pelo fato da nossa pele ser colonizada por bactérias que a implantação de piercings ou qualquer outro procedimento que perfure a pele pode levar a infecções graves (leia: BODY PIERCING | PERIGOS E COMPLICAÇÕES).

Ter bactérias na pele não significa que a pessoa esteja doente ou seja suja. Nós temos uma flora natural de germes e é impossível não ter bactérias na pele. Porém, pessoas com maus hábitos higiênicos apresentam uma quantidade e uma variedade maior de bactérias colonizando sua pele, ou boca, como nos casos de pessoas com dentes em mau estado de conservação.

Além das pele, o Staphylococcus aureus pode invadir nosso organismo através da ingestão de alimentos contaminados. Além de atacar diretamente nosso corpo, o S.aureus também produza uma série de toxinas, que quando ingerida, provocam uma intensa infecção intestinal com vômitos e diarreia (leia: DIARREIA | Causas, sinais de gravidade e tratamento)

O Staphylococcus aureus é responsável por vários tipos de infecção em nosso organismo. As infecções de pele são as mais comuns, e qualquer porta de entrada, mesmo uma mordida de inseto, pode ser suficiente para o desenvolvimento destas. As infecções de pele mais comumente causadas pelo S.aureus são o impetigo (leia: IMPETIGO COMUM e IMPETIGO BOLHOSO | Sintomas e tratamento), foliculite, terçol (leia: TERÇOL (TERSOL) | HORDÉOLO | Causas e tratamento), furúnculo (leia: FURÚNCULO | Causas e tratamento), síndrome de pele escaldada estafilocócica, mastite puerperal (leia:MASTITE DA AMAMENTAÇÃO | Sintomas e tratamento) e a celulite (leia: ERISIPELA E CELULITE – Sintomas e tratamento).

O Staphylococcus aureus, após a entrada no organismo, pode não ficar restrito a pele, invadindo o sangue e  levando a infecções graves, sepse e choque séptico (leia: O QUE É SEPSE / SEPSIS E CHOQUE SÉPTICO ? ).

Uma vez no sangue, o S.aureus pode atingir qualquer órgão. A infecção das válvulas do coração, chamada de endocardite é uma temida complicação das infeções pelo Staphylococcus aureus (leia: ENDOCARDITE| Sintomas e tratamento). Outras infecções possíveis pelo S.aureus são a pneumonia (leia: PNEUMONIA | Sintomas e tratamento), a pielonefrite (leia: PIELONEFRITE | INFECÇÃO DOS RINS | Sintomas e tratamento) e a osteomielite (infecção dos ossos).

As infecções por Estafilococos aureus são tratadas classicamente com derivados da penicilina, como a Oxacilina, Cefazolina e Cefalotina. Infecções restritas a pele podem ser tratadas com antibióticos por via oral. Infecções mais graves devem ser tratadas com internação hospitalar e antibióticos venosos.

Estafilococos aureus MRSA

Ultimamente, um subtipo de Staphylococcus aureus chamado de MRSA tem ganhado muito destaque na mídia, geralmente com textos alarmistas e cheio de erros de conteúdo.

A sigla MRSA que dizer Methicillin-resistant Staphylococcus aureus, em português, Staphylococcus aureus resistente à meticilina.

A meticilina é um antibiótico da família das penicilinas. O MRSA é portanto, um Staphylococus resistente ao tratamento convencional através das penicilinas. A primeira descrição de MRSA é de 1959, logo após a invenção da meticilina. Com o uso cada vez mais difundido, e muitas vezes desnecessário, de antibióticos, as infecções por MSRA têm sido cada vez mais frequentes em todo mundo.

O Staphyloccus aureus MRSA não é mais agressivo do que o Staphylococcus não MRSA. O seu problema está nas opções reduzidas de antibiótico e não na virulência da bactéria.

A transmissão é feita pelo contato entre pessoas, principalmente através das mãos. Isto é um grande problema no meio hospitalar onde os profissionais de saúde têm contato com vários doentes no mesmo dia, podendo levar o MRSA de um para outro. O simples ato de lavar as mãos após examinar os pacientes diminui muito o risco de transmissão da bactéria.

Em geral, o doente hospitalizado com MRSA é colocado em isolamento de contato (uma espécie de quarentena) para evitar propagação da bactéria. Pessoas saudáveis não desenvolvem nenhuma doença se tiverem contato com pacientes infectados ou colonizados por MRSA, como por exemplo, os familiares que visitam o hospital. Mas para o doente da cama ao lado, essa contaminação pode ser fatal.

O MRSA é uma bactéria tipicamente de hospital, mas pode ocorrer na comunidade também. Neste caso costuma responder a um espectro mais amplo de antibióticos alternativos, sendo de mais fácil tratamento. A transmissão do S.aureus MRSA pode ocorrer em academias, após uso conjunto de toalhas, roupas, uniformes e inclusive escova/pente de cabelo.

O tratamento do MRSA hospitalar é feito com antibióticos potentes como Vancomicina, Linezolida e Teicoplanina. O problema é que alguns hospitais já apresentam casos de MRSA resistente também a Vancomicina.

Não há necessidade de se tratar ou investigar familiares de doentes com MRSA. Bastam os cuidados básicos de higiene, principalmente se houver alguma lesão na pele que sirva de porta de entrada para a bactéria.

Como já dito, o risco de doença por MRSA em pessoas saudáveis é muito baixo. Muitos entram em contato com o MRSA, mas não ficam colonizadas porque a bactéria não consegue se fixar devido à competição por alimento com as milhões e milhões de outras bactérias já existentes na pele.

VEJA OUTROS ARTIGOS SEMELHANTES

144
Deixe um comentário

avatar
300
MR
Visitante
MR

Olá!!
foi encontrado no meu exame cultura a bacetria staphylococus epidermidis colônia de 80% o que isso significa

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

Cultura de que?

Sandro Marcos
Visitante
Sandro Marcos

Olá Dr Pedro,

Minha filha de 1 mês e meio teve confirmada a presença desta bactéria pela cultura de secreção nas fossas nasais e orofaringe. Gostaria de saber se ela pode ter adquirido esta bactéria através do contato (direto, próximo e fisicamente estreito) com seu avô. Ele é paciente recente de Hemodialise (3 vezes por semana) que nas ocasiões deste contato estava com cateter no pescoço e faixas enroladas cobrindo. Depois foi colocado o cateter no braço e houve contato com minha bebê mesmo antes de sua cicatrização.

Assim, gostaria de saber se existe esta possibilidade de contágio. Obrigado e bom dia!

Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD. Saúde

Sim, existe.

maria bernadete
Visitante
maria bernadete

DR Pedro Pinheiro
Pergunto quem tem staphylococcus aureus pode trabalhar em hospital na area da enfermagem ? Obrigada pela atenção .

Pedro Pinheiro
Visitante
Pedro Pinheiro

O que você quer dizer com ter? Todo mundo tem S.aureus, ela é uma bactéria natural da pele.

Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde

Muito difícil julgar a conduta de outros médicos à distância e sem ter visto o caso. Teoricamente há como identificar a presença do estafilococos, mas fazer diagnóstico retrospectivamente é muito fácil. O problema é que os pacientes precisam do diagnóstico antes da doença se tornar muito grave.

Christian Fonseca
Visitante
Christian Fonseca

Boa tarde Dr. Meu filho de 4 anos faleceu com sidrome do choque toxico, e os médicos disseram q mesmo c eles realizasem um exame de sangue ou outro a dois antes eles não identificaria a o q ele tinha. Meu filho estava com muita dor na barriga e chegou a vomitar sangue, isso na quinta-feira e eles não fizeram nenhum tipo de exame, alegavam q meu filho estava com virose. E 4 dias depois ele piorou e veio a obito. Tinha como identificar essa doença com exames?
Desde ja obrigada, por favor me responda!

Anielle83
Visitante
Anielle83

Bom dia Dr. Sou farmacêutica e o quadro do meu pai a cada me preocupa mais. Ele fez uma cirurgia da coluna e depois de 3 dias recebeu alta, foi para casa e depois de 5 dias começou com forte dores e febres. Voltou ao hospital e foi detectado que estava com infecção por Estafilococos Aureus. Está a 15 dias no hospital recebendo VANCO 1g/dia e até o momento não estamos vendo melhoras no exames de proteína C reativa e hemossedimentação. A questão é a seguinte, convém continuar com Vanco? o médico vai conversar com o infectologista, mas procuro informações por todos os lados, pois tenho um bom contato com o médico. Será que uma associação não seria mais recomendada? No antibiograma foi detectado resistencia apenas por clindamicina, eritromicina e penicilina, porém o q me assusta é q a cirurgia verte muita secreção e os exames estão muito irregulares. Gostaria de uma luz, alguma idéia, alguma sugestão por experiência clinica. Estamos bem aflitos, pois nao queríamos que fosse aberto novamente a cirurgia para uma limpeza, a recuperação cada vez fica mais complicada.

AGUARDO CONTATO.

Caio11
Visitante
Caio11

enfim, generalizando mais a pergunta: quando há uma lesão de pele infectada pelo stafilococus aureus isso quer dizer que a bactéria veio do exterior e está ali, naquela infecção, ou significa dizer que a bactéria já circulou na corrente sanguínea e se alojou naquele ponto do corpo? Ou ainda… Se a lesão da pele está infectada e é a pele que nos protege, isso significaria dizer que a bactéria já rompeu a primeira defesa do nosso organismo (a nossa pele) e já caiu na corrente sanguínea…?

Caio11
Visitante
Caio11

Dr, estou muito preocupado. Estou com balanopostite e depois do médico me receitar Trok n e, posteriormente, Omcilon M, o problema apenas piorou. Depois de mais de 1 mês e meio com essas pomadas, foi solicitado um exame de cultura e antibiograma de secreção da glande e prepúcio, cujo resultado detectou a presença de stafilococus aureus resistente a oxicilina. Enquanto eu estava aguardando o resultado do exame, parei com as pomadas por conta própria e passei 4 dias lavando as lesões com água e sabão e expondo a glande durante todo o dia ao vento (fiquei deitado nu debaixo do ventilador por 4 dias). As lesões secaram e estão diminuindo, mas ainda persistem (se bem que está bem melhor). Com o resultado do exame, comecei um tratamento de garamicina de 160mg intra muscular (uma injeção por dia, por 7 dias). Mas tem uma dúvida que não me sai da cabeça e não me deixa dormir: essa bactéria está na minha corrente sanguínea e acabou atacando a glande ou está apenas na minha pele? Se qualquer lesão na pele é uma porta de entrada para a corrente sanguínea, e por minha glande ter ficado lesionada por tanto tempo, devo me preocupar… Read more »

Cleudiomar
Visitante
Cleudiomar

Gostei muito das informações contidas neste site. Obrigado pela palavras claras e de fácil entendimento.

Fabio
Visitante
Fabio

ola sou a cintia meu irmao esta com a suspeita de estar com essa doença staphilococus aureos ja fez 5 biopcia nao deu nada mas os medicos estao achando que e ele ja operou 4 vezes pra fazer uma limpeza pra ver se o antibiotico consegue chegar lar nos nao sabemos o que fazer o medico falou que ele tem risco de vida por favor nos ajude ele so tem 23 anos esta com esse soflimento tem 6messes

Fabio
Visitante
Fabio

ola sou a cintia meu irmao esta com a suspeita de estar com essa doença staphilococus aureos ja fez 5 biopcia nao deu nada mas os medicos estao achando que e ele ja operou 4 vezes pra fazer uma limpeza pra ver se o antibiotico consegue chegar lar nos nao sabemos o que fazer o medico falou que ele tem risco de vida por favor nos ajude ele so tem 23 anos esta com esse soflimento tem 6messes

Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde
Visitante
Dr. Pedro Pinheiro - MD.Saúde

Não faz sentido. Se você obtém reposta com cefalosporina é porque o S.aureus não é verdadeiramente um MRSA.
Sim, a descolonização funciona.

Quelen Baggio
Visitante
Quelen Baggio

Ola meu filho Douglas de 17 anos tem Staphilococus aureos a 2 anos e a cada 2 meses aparece nos olhos ja fez cirurgia nas 4 pálpebras dos olhos quando estava com as bolsas de sangue muito grande que nem consegguia fechar os olhos. No momento ele usa uma pomada chamada terramicina quando começa aparecer os primeiros índicios nos olhos mas crescem rápido e a pomada não contém mais.
Existe algum outro tratamento?
Obrigado, fico no aguardo do retorno

Quelen Baggio
Visitante
Quelen Baggio

Ola meu filho Douglas de 17 anos tem Staphilococus aureos a 2 anos e a cada 2 meses aparece nos olhos ja fez cirurgia nas 4 pálpebras dos olhos quando estava com as bolsas de sangue muito grande que nem consegguia fechar os olhos. No momento ele usa uma pomada chamada terramicina quando começa aparecer os primeiros índicios nos olhos mas crescem rápido e a pomada não contém mais.
Existe algum outro tratamento?
Obrigado, fico no aguardo do retorno

ALEX
Visitante
ALEX

Dr., eu estou tendo furúnculos à quase 1 ano, resolvi fazer um swab da secreção e o antibiograma
deu resistente à oxacilina(MRSA) e ao mesmo tempo sensível à cefalexina, cefalotina,cipro e `as
outras cefalosporinas.Detalhe: a cefalexina realmente cura os meus fúnculos, como pode isso ????
Será que existem vários tipos de MRSA???A descolonização funciona??? O organismo com uma boa imunidade é capaz de erradicar sozinho essa bactéria ???Desde já agradeço, Dr.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. OkSaiba mais