DIARREIA – Causas, Tipos e Tratamento

A diarreia é um problema extremamente comum, que pode ser provocado por diversas doenças distintas.

249

A diarreia é um problema tão comum, que todo mundo, ao longo da vida, vai ser acometido por ela diversas vezes. A maioria das pessoas apresenta pelo menos um quadro diarreico por ano, não sendo incomum, porém, pessoas que apresentam 2 a 5 episódios anuais de diarreia.

A diarreia, na verdade, não é uma doença, mas sim uma manifestação clínica comum de várias doenças diferentes que afetam o trato gastrointestinal.

Neste artigo vamos abordar os seguintes pontos sobre a diarreia:

  • O que é diarreia.
  • Como funciona a digestão.
  • Causas comuns de diarreia.
  • Sintomas da diarreia.
  • Sinais de gravidade da diarreia.
  • Tratamento da diarreia.

O que é diarreia?

Tecnicamente, chamamos de diarreia quando o paciente evacua mais de 200 g de fezes ao longo do dia. Obviamente, isso é uma definição técnica, ninguém precisa pesar as fezes para saber se está com diarreia ou não. Uma definição mais palpável é aquela que diz que diarreia é a evacuação de fezes pastosas ou liquidas efetuada com mais frequência que o habitual.

A maioria das pessoas não tem nenhuma dificuldade em reconhecer um quadro diarreico. O mais difícil acaba sendo definir a origem exata da diarreia, já que ela pode ser provocada por diversas causas diferentes. Na maioria dos casos, os quadros de diarreia são de origem infecciosa, provocadas por uma bactéria, vírus ou parasito. Há porém, outras causas para diarreia, conforme veremos ao longo deste artigo.

Bom, mais uma vez, para entender uma doença, é necessário entender o funcionamento normal do organismo, neste caso, do sistema digestivo (ou sistema digestório).

Como funciona a digestão?

Para entender como surge a diarreia é preciso primeiro saber como funciona o processo de digestão e absorção dos alimentos.

Digestão é diferente de absorção. Digerir é o processo de quebrar compostos grandes em moléculas pequenas o suficientes para serem absorvidas. Primeiro se digere os alimentos para depois podermos absorvê-los. Se os alimentos não forem digeridos, os intestinos não conseguem absorvê-los, sendo os mesmos eliminados nas fezes.

Sistema digestivo

Após ingerirmos um alimento qualquer, ele desce pelo esôfago até o estômago. O estômago tem três funções básicas: matar germes presentes nos alimentos através do seu pH baixo (muito ácido), quebrar moléculas grandes em moléculas pequenas para posterior absorção em outros segmentos do trato digestivo e armazenar comida, liberando para o duodeno os alimentos processados em velocidade constante.

Ao sair do estômago, o alimento chega ao duodeno, a primeira parte do intestino delgado. O duodeno recebe as secreções do pâncreas e da vesícula biliar.

O pâncreas libera o suco pancreático, um líquido rico em bicarbonato que ajuda a diminuir a acidez dos alimentos vindos do estômago. O suco pancreático também é rico em enzimas que fazem parte do processo de digestão de proteínas, carboidratos e gorduras (leia: PANCREATITE CRÔNICA E PANCREATITE AGUDA).

A vesícula biliar produz a bile, que é a responsável pela coloração das fezes e pela digestão de gorduras, colesterol e algumas vitaminas (A,D,E e K).

Após o duodeno, temos o jejuno e o íleo, respectivamente 2º e 3º partes do intestino delgado. Jejuno e íleo formam a maior parte do nosso sistema digestivo, podendo chegar a 6 metros de comprimento. Esta é a região onde ocorre a maior parte da absorção dos alimentos digeridos. O intestino delgado é responsável pela absorção de mais ou menos 1 litro de água.

Ao sair do intestino delgado, todo material que não foi absorvido chega ao cólon (intestino grosso). O cólon tem aproximadamente 1,5 metros e é colonizado por mais de 700 espécies de bactérias que participam da digestão dos elementos ainda não digeridos, principalmente fibras e polissacarídeos (carboidratos com moléculas complexas). Essa digestão realizada pelas bactérias do cólon é que causa os gases intestinais (leia: GASES INTESTINAIS). Porém, a função básica do intestino grosso é reabsorver a água presente no conteúdo alimentar e eliminada nas secreções ao longo do trato digestivo, formando fezes sólidas ao final deste processo. O cólon reabsorve até 19 litros de água por dia.

Portanto, para resumir, podemos dizer que:
1. Estômago e o duodeno, com o auxílio do pâncreas e da vesícula, digerem os alimentos.
2. O intestino delgado (jejuno e íleo) absorvem grande parte dos nutrientes digeridos e um pouco de água.
3. O cólon absorve uma grande quantidade de água e um pouco de nutrientes digeridos.

Tudo o que não foi digerido ou absorvido ao final do cólon sai nas fezes.

Principais causas de diarreia

1. INTOXICAÇÃO ALIMENTAR – DIARREIA INFECCIOSA

Mais de 200 tipos de germes, entre vírus, bactérias e parasitas podem causar quadros de diarreia por intoxicação alimentar. A diarreia pode ser causada pelo próprio germe ou por toxinas produzidas pelo mesmo. Quanto maior a concentração de toxinas ou micróbios, maior é a chance destes vencerem a acidez do estômago e alcançarem os intestinos. Algumas toxinas após sua produção não são destruídas no cozimento, por isso, o armazenamento de alimentos deve ser feito de modo correto antes e depois da preparação.

A intoxicação alimentar se apresenta de três maneiras diferentes:

1.1 – Vômitos como principal manifestação

O início súbito de náuseas e vômitos, podendo ou não ser acompanhado de diarreia, menos de 12 horas após ingestão de alimentos contaminados (em geral menos de 6 horas), costuma indicar intoxicação por enzimas pré-formadas. Não é bactéria em si que causa a intoxicação, mas sim enzimas que elas produziram e ficaram depositadas nos alimentos. As toxinas agem principalmente no estômago, irritando sua mucosa e causando os vômitos.

Este tipo de intoxicação alimentar é normalmente causado por toxinas das bactérias Staphylococcus aureus (leia: Estafilococos aureus) e Bacillus cereus.

Outra causa de intoxicação alimentar com vômitos é um vírus chamado Norovírus. Esse vírus pode ser transmitido através de alimentos contaminados ou de pessoa para pessoa através de aerossóis como um resfriado.

Nos três casos acima a doença é autolimitada com 3 a 4 dias de duração e não necessita de tratamento específico além da hidratação e medicamentos para aliviar os sintomas.

1.2 – Diarreia aquosa como principal manifestação

A diarreia aquosa causada por intoxicação alimentar é normalmente causada pela lesão da mucosa do intestino delgado pela própria bactéria ou por toxinas produzidas somente após a ingestão do germe. Neste caso os sintomas surgem somente após 24-48h da ingestão do alimento. Vários germes como Cyclospora cayetanensis, Escherichia coli e Clostridium podem ser a causa. Infecções virais também são causas de diarreia aquosa (leia: VÔMITO E DIARREIA | Gastroenterite viral). Pode haver febre baixa (menor que 38ºC).

Geralmente quando várias pessoas com contato social (trabalho, escola, etc.) desenvolvem diarreia, mas não apresentam ingestão de nenhum alimento suspeito em comum, costuma tratar-se de infecções virais, que se transmitem do mesmo modo que os vírus da gripe e do resfriado (leia: DIFERENÇAS ENTRE GRIPE E RESFRIADO).

As bactérias e toxinas agem na mucosa do intestino delgado, aumentado suas secreções e acelerando a velocidade com que os alimentos passam. O intestino delgado não consegue digerir e absorver os alimentos, que, deste modo, chegam em grande quantidade ao cólon. O volume de líquidos e nutrientes que chega ao intestino grosso é muito grande, impedindo sua absorção.

Mais uma vez, o quadro costuma ser autolimitado com duração de 3 a 4 dias. Não é necessário nenhum tipo de tratamento específico. O próprio corpo se encarrega de controlar a bactéria e sarar a mucosa do intestino.

A cólera é a infecção por uma bactéria chamada Vibrio cholerae, que causa uma severa diarreia aquosa. Os pacientes podem ter mais de 20 evacuações por dia e chegam a perder até 1L de água por hora. Nos casos mais graves é necessário internação para hidratação por via venosa.

1.3 – Diarreia sanguinolenta ou com pus e muco

A diarreia que apresenta sangue, pus, muco ou febre alta associada deve ser sempre avaliada por um médico. Esse quadro é chamado de diarreia inflamatória ou disenteria e pode levar à sepse ou outras complicações graves (leia: O QUE SIGNIFICA E POR QUE TEMOS FEBRE ? e O QUE É SEPSE / CHOQUE SÉPTICO? )

A diarreia inflamatória é causada por bactérias como Salmonella, Shigella, Campylobacter e Escherichia coli enterohemorrágica, que acometem a mucosa do intestino grosso. Pode ser necessário o tratamento com antibióticos para controlar a infecção.

Todavia, é importante salientar que em casos de infecção por Escherichia coli, o uso de antibióticos pode piorar a diarreia e favorecer o aparecimento de um grave doença chamada síndrome hemolítica urêmica, que leva à anemia e insuficiência renal grave (leia. BACTÉRIA Escherichia coli | E.coli). Por isso, deve-se sempre realizar cultura das fezes para identificar o agente causador e indicar a necessidade ou não de antibióticos. Nunca se auto medique com antibióticos em caso de diarreias.

O uso mal indicado de antibióticos além de causar complicações, pode perpetuar a diarreia por impedir que a flora bacteriana original do intestino volte a crescer. Sem a flora natural não há digestão de alimentos no cólon e a diarreia não cessa.

Outro perigo dos antibióticos é a infecção pelo Clostridium difficile, uma bactéria que se aproveita da ausência da flora bacteriana normal para causar um diarreia inflamatória grave. A infecção pelo Clostridium difficile é a principal causa de diarreia em pacientes internados e em uso de antibióticos.

Diarreias causadas pela bactéria Campylobacter estão associadas ao surgimento da síndrome de Guillain-Barré (Leia: O QUE É A SÍNDROME DE GUILLAIN-BARRÉ?).

Além das gastroenterites bacterianas, diarreia sanguinolenta também pode ocorrer nos casos de infecção pela ameba Entamoeba histolytica (leia: AMEBA (Entamoeba histolytica) | Sintomas e tratamento). A amebíase intestinal provoca um quadro um pouco mais arrastado, com semanas de evolução, provocando perda de peso, cólicas e diarreia aquosa, que muitas vezes se transforma em disenteria.

2. DIARREIA CRÔNICA

Toda diarreia com mais de duas semanas de evolução deve levantar suspeitas sobre alguma doença do trato intestinal que não tenha origem em uma intoxicação alimentar. Diarreias com mais de um mês de evolução são considerada diarreias crônicas e devem sempre ser investigadas.

As principias causas de diarreia crônica são as doenças inflamatórias intestinais, como a Doença de Crohn e a retocolite ulcerativa (leia: ENTENDA A DOENÇA DE CROHN E A RETOCOLITE ULCERATIVA), SIDA (AIDS), infecção por amebas e outros parasitas (leia: VERMES E EXAME PARASITOLÓGICO DE FEZES), tumores e hipertireoidismo (leia: DOENÇAS E SINTOMAS DA TIREÓIDE).

2.1 – Síndrome do intestino irritável

A síndrome do intestino irritável é uma causa comum de diarreia intermitente e dor abdominal. Não existe nenhuma doença orgânica que justifique o quadro. Normalmente o paciente se apresenta com diarreia e cólicas relacionadas a períodos de estresse emocional. Alguns pacientes alternam diarreia com constipação intestinal, outros apresentam pequenas quantidade de muco nas fezes. Excesso de gases intestinais também é frequente.

A síndrome do intestino irritável é uma doença benigna e pode apresentar melhora com algumas mudanças na dieta e no estilo de vida.

A presença de diarreia com sangue não ocorre na síndrome do intestino irritável. A sua presença indica a existência de outra causa para a diarreia.

2.2 – Síndrome de má absorção

Existem algumas doenças dos intestinos que impedem a absorção de determinados nutrientes, levando à diarreia.

Um exemplo comum é a intolerância a lactose (derivados de leite). Ocorre devido a uma deficiência na produção da lactase, enzima que digere a lactose no intestino delgado (leia: INTOLERÂNCIA À LACTOSE | Sintomas e tratamento).

Outro exemplo é a pancreatite crônica, onde a ausência do suco pancreático impede a digestão de vários nutrientes ingeridos.

A doença celíaca ocorre por incapacidade de absorver glúten, uma proteína presente no trigo e em vários outros cereais (leia: DOENÇA CELÍACA | Enteropatia por glúten).

A síndrome de má absorção também pode ocorrer por parasitoses, como na giardíase (leia: GIARDIA LAMBLIA | Sintomas e Tratamento).

Como se pode ver, existem dezenas de causas para diarreia. A maioria dos casos é autolimitado, causado por infecções virais ou intoxicação alimentar.

Quando procurar um médico devido a diarreia?

Quando a diarreia apresentar algum sinal de gravidade é necessário procurar atendimento médico, pois a mesmo provavelmente não irá desaparecer espontaneamente e ainda pode evoluir para um quadro mais grave. São sinais de gravidade da diarreia:

  • Febre alta, normalmente maior que 38,5ºC.
  • Diarreia severa que não melhora após 48-72h.
  • Desidratação.
  • Diarreia com sangue.
  • Diarreia por mais de duas semanas.
  • Diarreia em pacientes idosos e/ou imunossuprimidos.
  • Crianças que recusam hidratação ou alimentação durante a diarreia.

Tratamento da diarreia

Antes de seguirmos em frente com o artigo, assista a este vídeo de 3 minutos produzido pela equipe do MD.Saúde sobre como preparar o soro caseiro. Ajude-nos a divulgar esse vídeo e a disseminar informações que podem salvar vidas.

A grande maioria dos casos de diarreia é auto-limitada e de curta duração. Portanto, em geral, não é preciso nenhum remédio específico para a diarreia. Basta ingerir líquidos.

Se não houver os sinais de gravidade descritos acima, a diarreia deve ser tratada com ingestão generosa de líquidos. Quanto mais intensa for a diarreia, maior deverá ser a reposição de água. Já existem soluções prontas para hidratação à venda nas farmácias, como o Pedialyte®. Nas farmácias populares este soro é distribuído gratuitamente.

Uma opção para quem não pode sair de casa imediatamente é o soro caseiro, que pode ser feito com 3,5 gramas de sal e 20 gramas de açúcar diluídos em 1 litro de água filtrada ou fervida. Se você não tiver uma balança para medir a quantidade de sal e açúcar, o soro pode ser feito a partir da adição de uma colher de chá de sal mais uma colher de sobremesa de açúcar em um recipiente com 1 litro de água. Esta forma, porém, é a menos desejada, dado o risco de haver erros na dosagem. Em geral, o soro pronto adquirido nas farmácias é a melhor solução. Uma vez pronto, o soro deve ser consumido em no máximo 24 horas (leia: SORO CASEIRO – Como fazer e para que serve?).

Deve-se evitar a todo custo o uso de medicamentos para interromper a diarreia. Se há uma bactéria ou toxina no trato intestinal, ela deve ser expulsa do corpo. A suspensão da evacuação em doentes infectados pode levar à sepse grave. Remédios que inibem a motilidade intestinal, como o famoso Imosec® (Loperamida), só devem ser usados sob prescrição médica. Na maioria dos casos ele não está indicado, pois pode agravar a infecção.

Medicamentos probióticos, como o Floratil® (Saccharomyces boulardii) podem ajudar a reduzir o tempo de diarreia em alguns casos, mas o seu benefício é bastante questionado.

O paciente não precisa ficar em jejum quando tem diarreia. Na verdade, a alimentação ajuda a controlar a diarreia. Deve-se apenas evitar alimentos gordurosos ou à base de leite, pois durante uma infecção intestinal a mucosa do intestino delgado está muito inflamada e não consegue absorver nutrientes complexos. Refrigerantes não são bons para diarreia, pois contêm grande quantidade de açúcar.

Para diminuir a contaminação, deve-se sempre lavar as mãos antes de preparar alimentos ou iniciar refeições. Pacientes com diarreia não devem preparar alimentos para outras pessoas até que estejam curados.

VEJA OUTROS ARTIGOS SEMELHANTES