Hérnia inguinal

A hérnia inguinal surge quando uma porção do intestino encontra uma região de fraqueza na parede abdominal e consegue empurrá-lo, criando uma protuberância na região inguinal (região da virilha), que pode ser vista por baixo da pele.

Existem outros tipos de hérnias da parede abdominal provocadas por herniação de parte do intestino, incluindo a hérnia umbilical, epigástrica e femoral. Dentre todas essas, a hérnia inguinal é a mais comum, respondendo por até 70% dos casos.

Neste artigo vamos explicar o que é a hérnia inguinal, quais são as suas causas, os seus sintomas, as opções de tratamento e as indicações cirúrgicas.

O que é uma hérnia inguinal

Herniação é um processo no qual uma parte de algum órgão é deslocada da sua posição habitual através de um orifício, geralmente devido a uma fraqueza no músculo ou no tecido circundante. A hérnia, portanto, é uma protusão de parte de um órgão através de uma abertura anormal na parede que habitualmente o contém.

Existem vários tipos de hérnias, como a hérnia de hiato, que é a herniação de parte do estômago em direção ao tórax,  ou a hérnia de disco, que é a herniação de um ou mais discos cartilaginosos que ficam localizados entre duas vértebras da coluna. Falamos especificamente sobre esses tipos de hérnias nos seguintes artigos:

A hérnia inguinal é uma protusão de parte do intestino através da parede abdominal na região inguinal, que é conhecida popularmente como região da virilha. Na hérnia inguinal, a porção herniada do intestino dirige-se em direção à pele, o que pode ser notado como uma saliência na região da virilha ou no saco escrotal.

Hérnia inguinal

Como surge a hérnia inguinal

A hérnia inguinal pode ser congênita, ou seja, tem origem de nascença devido a uma má formação, ou pode ser adquirida durante a vida, geralmente por uma fraqueza na musculatura do abdômen.

Nos homens, os testículos formam-se no interior do abdômen e só depois é que se deslocam para a bolsa escrotal. Nos fetos, existe um caminho chamado canal inguinal, que é uma ligação entre o abdômen e a bolsa escrotal por onde os testículos deslizam após estarem desenvolvidos. Logo após o nascimento, o canal inguinal fecha-se, deixando apenas um pequeno orifício, chamado anel inguinal, por onde o cordão espermático passa. O fechamento do canal inguinal impede que os testículos possam retornar à região abdominal.  Nas mulheres, a estrutura que passa pelo canal inguinal é o ligamento redondo, que é uma fibra muscular que se liga ao útero.

Em algumas pessoas, principalmente no sexo masculino, o canal inguinal não se fecha adequadamente, deixando uma área vulnerável ao redor do anel, por onde parte do intestino pode herniar. Esse tipo de hérnia inguinal provocada por um defeito no canal inguinal é chamada hérnia indireta. O lado direito é o mais acometido, possivelmente porque o testículo direito costuma ser o que desce mais tardiamente.

A hérnia indireta é a forma mais comum de hérnia inguinal e, apesar de ser um defeito congênito, frequentemente não é reconhecido até a idade adulta. A hernia inguinal encontra-se presente em 5% dos recém-nascidos em geral, em cerca de 10% dos bebês prematuros que nascem com mais de 1 kg e em até 40% dos bebês prematuros que nascem com menos de 1 kg. Meninos são até 4 vezes mais acometidos que a meninas.

Já a chamada hérnia direta é aquela que se desenvolve ao longo da vida, devido ao surgimento de uma fraqueza na musculatura da parede abdominal. A hérnia direita representa cerca de 30 a 40% das hérnias inguinais nos homens e apenas 10 a 20% nas mulheres.

Fatores de risco para hérnia inguinal

O defeito no canal inguinal é o principal fator de risco, mas não é o único. Situações que levam ao enfraquecimento da musculatura da parede abdominal e a um aumento de pressão dentro abdômen também aumentam o risco do desenvolvimento da hérnia inguinal, seja ela direta ou indireta. Os mais comuns são:

Sintomas da hérnia inguinal

A hernia inguinal se apresenta habitualmente como uma saliência ou protuberância de consistência mole na região da virilha ou na região escrotal. Mais de 2/3 das hérnias inguinais surgem do lado direito.

A hérnia pode ser visível o tempo todo ou somente quando o paciente faz algum esforço que aumente a pressão intra-abdominal, como tossir, chorar, fazer força para evacuar ou pegar algum peso. Na maioria dos casos, a hérnia é mais facilmente visualizada quando o paciente encontra-se em pé. Dor local ou sensação de desconforto são comuns, principalmente após algum esforço.

Quando o paciente deita-se, algumas hérnias retornam espontaneamente à região abdominal, fazendo com que a protuberância desapareça. Em outros casos, a hérnia precisa ser empurrada com o dedo de volta para dentro, uma manobra que damos o nome de redução da hérnia. Por fim, há os casos em que a hérnia não é redutível, ou seja, mesmo quando tentamos empurrá-la para dentro do abdômen, ela não se move.

As hérnias não redutíveis são chamadas de hérnias encarceradas. As hérnias encarceradas são aquelas que têm o maior risco de sofrer estrangulamento, que é uma complicação que ocorre quando os tecidos ao redor causam uma compressão da base da porção herniada do intestino, provocando redução do aporte de sangue para esta região, o que pode levar à necrose do tecido.

Os sinais e sintomas de uma hérnia estrangulada são:

  • Náuseas e/ou vômitos.
  • Febre.
  • Dor súbita que se intensifica de forma rápida.
  • Uma hérnia que se torna vermelha, roxa ou escurecida.
  • Interrupção das evacuações e da eliminação de gases intestinais.
  • Irritação e choro persistente nos bebês.

Tratamento da hérnia inguinal

O único tratamento definitivo para a hérnia inguinal é a correção cirúrgica, chamada de herniorrafia ou hernioplastia. A correção cirúrgica da hérnia inguinal é uma das operações mais comuns, responsável por mais de 20 milhões de procedimentos por ano em todo o mundo.

Já houve um tempo em que a simples existência de uma hérnia inguinal era suficiente para que o médico indicasse a reparação cirúrgica da mesma, de forma a impedir que ela pudesse ficar encarcerada ou estrangulada no futuro. Atualmente, porém, nem todos os tipos de hérnia inguinal são levados à cirurgia a curto prazo. Fatores como sintomas, idade do paciente e possibilidade de redução manual devem ser levados em conta antes de se indicar a herniorrafia.

Uma hérnia encarcerada que consegue ser reduzida manualmente pode ser observada durante 24 a 48 horas. Se neste intervalo não houver recidiva do encarceramento, a cirurgia de correção pode ser programada de forma eletiva, conforme for mais conveniente para o paciente e para a equipe cirúrgica. Nas crianças, as hérnias encarceradas que são redutíveis costumam ser operadas dentro de 2 a 5 dias após a redução manual, de forma a evitar novo episódio de encarceramento.

Por outro lado, pacientes que apresentam hérnia encarcerada, não redutível com manobras manuais, devem ser operados de forma urgente. Nos casos de estrangulamento, a cirurgia é feita de forma emergencial, de preferência dentro das primeiras 4 horas após o início dos sintomas, para evitar a morte do tecido intestinal e suas consequentes complicações.

Hérnias inguinais não encarceradas, mas que provocam sintomas, como dor ou incômodo, costumam ser operadas, mas não há urgência. A cirurgia pode ser marcada de forma eletiva, conforme for mais conveniente.

Já nos casos de hérnias assintomáticas dos adultos, que surgem somente quando o paciente faz algum esforço, o paciente pode optar pela correção cirúrgica ou por um simples acompanhamento médico, sendo devidamente orientado de forma a saber reconhecer os sintomas do encarceramento. Em geral, 1/3 dos pacientes em conduta conservadora acaba precisando operar dentro de 4 anos.

Nas crianças, mesmos as hérnias assintomáticas costumam ser corrigidas cirurgicamente, pois o risco de futuro encarceramento é mais alto que nos adultos. A conduta mais indicada nesses casos é marcar a cirurgia de correção dentro dos primeiros 14 dias após o diagnóstico da hérnia inguinal ter sido feito.

Tipos de cirurgia para hérnia inguinal

Existem duas formas de corrigir cirurgicamente uma hérnia inguinal: cirurgia aberta ou laparoscopia.

1- Cirurgia aberta para correção da hérnia inguinal

A cirurgia aberta, que costuma ser chamada de hernioplastia pela técnica de Lichtenstein, é a forma de correção cirúrgica mais tradicional da hérnia inguinal, sendo a mais indicada para as situações urgentes.  A cirurgia aberta pode ser feita sob anestesia local ou geral, dependendo das circunstâncias (leia: TIPOS DE ANESTESIA – Geral, Local e Raquidiana e Peridural).

Na cirurgia aberta, o cirurgião faz uma incisão com aproximadamente 6 cm de comprimento na virilha. A parte do intestino herniada é identificada e reduzida de volta para o abdômen. A parede abdominal é fechada e para reforçá-la, evitando uma futura recidiva, uma tela artificial de polipropileno costuma ser suturada de forma que permita a passagem frouxa , mas justa, do cordão espermático ou do ligamento redondo.

A cirurgia aberta é um procedimento relativamente simples, muito seguro e com resultados duradouros. Em geral, é o método cirúrgico mais utilizado para todos os casos.

2- Reparação laparoscópica da hérnia inguinal

A cirurgia laparoscópica é um método alternativo de reparo da hérnia inguinal.

Nessa cirurgia, um fino tubo contendo uma câmera (laparoscópio) é inserido através de uma pequena incisão no abdômen. Guiado por esta câmera, o cirurgião insere os instrumentos cirúrgicos através de outras duas pequenas incisões, de forma a reparar a hérnia e implantar uma tela sintética. Gás é usado para inflar o abdômen para tornar os órgãos internos mais fáceis de ver. Esse tipo de cirurgia é realizada obrigatoriamente sob anestesia geral.

A cirurgia laparoscópica provoca menos desconforto no pós-operatório, deixa cicatrizes menores e possibilita um retorno mais rápido às atividades normais. No entanto, essa forma de cirurgia é mais difícil, requer mais treino, não costuma ser a melhor opção nas hérnias complicadas e alguns estudos sugerem que a recorrência é mais provável do que com cirurgia aberta.

Compartilhe
Médico formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (U.F.R.J) em 2002. Especialista em Medicina Interna e Nefrologia. Títulos reconhecidos pela Faculdade do Porto, Ordem dos Médicos de Portugal e Colégio de Nefrologia Português.